VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


“O nome deveria ser auxílio-humilhação”, diz mãe há 56 dias na espera do benefício emergencial
Fila diante da Caixa, à espera de auxílio. Foto Prefeitura de Caruaru
Você escreve

“O nome deveria ser auxílio-humilhação”, diz mãe há 56 dias na espera do benefício emergencial


02/06/2020 - 16h27

“O nome deveria ser auxílio-humilhação”, diz mãe solteira que espera há 56 dias pelo auxílio emergencial do governo

Ela fez o pedido do benefício no dia 07 de abril e ainda espera uma resposta

por Marcos Hermanson Pomar, especial para o Viomundo 

“Estou passando necessidade. Aluguel atrasado, contas vencidas, dentro de casa só tem arroz. Tenho um filho de 3 anos que me pede as coisas e não tenho de onde tirar. Como explico a ele que estou em análise e que ele precisa aguardar?”, pergunta a trabalhadora autônoma Camila Silva (30), moradora da cidade de Campinas, no interior paulista.

Ela se inscreveu no programa de Auxílio Emergencial do governo federal no dia 07 de abril.

Foi a partir daquela data que os cidadãos que não são beneficiários do Bolsa Família e não integram o CadÚnico puderam requisitar o benefício.

Dez dias depois, o aplicativo do Auxílio Emergencial começou a apresentar falhas, o que impediu Camila de checar o status de sua solicitação:

“Eu não conseguia ver, porque o aplicativo estava dando erro desde o dia 17. O código de verificação [enviado por SMS] não chegava”.

No dia 25, ela ligou na central 111 e recebeu a notícia de que não se encaixava nos critérios do benefício.

Camila vive sozinha com o filho Eduardo, de três anos. Carioca de nascença, ela não tem parentes ou conhecidos na cidade de Campinas (SP) que possam ajudá-la.

Como trabalhava vendendo lanches na rua, viu sua renda cair para zero quando as políticas de distanciamento social começaram a ser adotadas.

Mãe solo e trabalhadora autônoma, teria direito a receber três parcelas de R$ 1.200 do governo federal, mas até agora não viu nem a cor do dinheiro.

No dia 13 de maio, ela decidiu checar o novo site da Dataprev — lançado alguns dias antes — e descobriu que havia sido negada porque seus dados eram “inconclusivos”.

Só então pôde recorrer à decisão e refazer seu cadastro, e agora está “em análise”, aguardando a liberação da renda emergencial para poder pagar as contas de casa e comprar comida.

No desespero, Camila buscou ajuda em uma igreja do bairro: “Solicitei uma cesta básica numa igreja, e devo ter uma resposta essa semana”.

A trabalhadora classifica a demora do governo como “desumana”: [É uma] humilhação. O nome deveria ser auxílio humilhação. Porque [em] uma coisa que é pra ser emergencial eles deveriam ter mais transparência e agilidade”, argumenta ela.

Camila é uma entre 1,5 milhões de brasileiros que fizeram seus pedidos em abril e ainda aguardam análise para o auxílio emergencial do governo:

“É uma situação desesperadora. A gente não sabe o dia de amanhã, até quando vai durar a pandemia. As contas vão chegando e nada de uma resposta do governo. A gente precisa de uma posição. Não tem como ficar aguardando e aguardando. As contas não esperam, a comida não espera. A gente precisa sobreviver”.

No último sábado (30) a Caixa e a Dataprev concordaram em finalizar, dentro do prazo de 20 dias, todos os pedidos de análise feitos até aquela data.

O compromisso é resultado de uma ação civil pública movida pelos defensores públicos federais Carolina Godoy Leite Villaça, Sabrina Nunes Vieira e Sérgio Armanelli Gibson, da Defensoria Pública da União (DPU) de Minas Gerais.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

02 de junho de 2020 às 23h05

Há o Caso de um Jovem Negro Desempregado, Autônomo,
de quem a Caixa reteve o requerimento do Auxílio, para
‘reavaliação’, porque o nome dele consta como presidiário
nos dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Na verdade, anos atrás, o rapaz realmente esteve recolhido
num presídio, por Prisão em Flagrante efetuada por um
Policial Militar (PM).

Acontece que ele foi Julgado e Absolvido na Vara Criminal,
porque ficou comprovado nos autos, por depoimentos,
que o PM forjou as provas para incriminar o acusado.

Esse Policial Militar estava inclusive Preso na Data da Prolação
da Sentença Penal Absolvitória.

O Rapaz Negro está sendo duplamente punido pelo Sistema:
a primeira vez, quando foi injustamente preso, e a segunda,
agora, por não ver aprovado pela Caixa o Benefício a que tem
direito por Lei, sob Justificativa Falsa do Órgão Público.

Responder

a.ali

02 de junho de 2020 às 22h32

já a milicada que se inscreveu “sem querer, querendo” recebeu “seu” auxilio e, certamente, torrou rindo da cara de quem necessita, assunto que, aliás, ninguem mais comenta!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!