Nicolelis: Mais perto de levar paraplégico a dar o chute inaugural da Copa

Tempo de leitura: 6 min

por Conceição Lemes 

O projeto Andar de Novo, liderado pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, está cada vez mais próximo de atingir seu objetivo: permitir que um paraplégico possa se movimentar, usando exoesqueleto robótico (prótese que envolve os órgãos paralisados) conectado ao cérebro do paciente.

O seu grupo acabar de publicar na Proceedings of National Academy of Sciences  — PNAS, a revista da Academia Nacional de Ciências dos EUA, um estudo que demonstra  que os neurônios das áreas do cérebro ligadas ao tato e ao controle de movimentos também podem responder  a estímulos visuais.

A PNAS dedica dez páginas ao trabalho coordenado por Nicolelis,  pesquisador e professor da Duke University (EUA) e coordenador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal (Brasil). O estudo foi feito em macacos Rhesus, o modelo experimental mais próximo do homem.

“Havia dúvidas se as áreas do toque e motora faziam parte do circuito cerebral que define a imagem que o cérebro cria do nosso próprio corpo”, observa Nicolelis. “Nós comprovamos que sim. Pela primeira vez, ficou demonstrado que córtex somestésico  pode responder à visão e não apenas ao toque. Essa descoberta  vai totalmente contra tudo o que está sacramentado nos livros-texto de neurociência, a de córtex táctil só responderia ao tato, assim como o córtex motor só seria influenciado pelos movimentos.”

Córtex cerebral é a área mais externa do cérebro. Somestésico significa sensibilidade somática.

“O córtex cerebral é como se fosse a rede de internet”, compara. “É possível ter acesso a qualquer lugar dele  a partir de qualquer ponto.  E como verificamos respostas visuais  no córtex tátil e no córtex motor,  acreditamos que o esquema corporal possa ser  construído em toda a atividade do córtex, já que ele é extremamente dinâmico.”

Ou seja, além da descoberta científica básica que vai ser muito impactante, pela primeira vez, um estudo demonstra que objetos artificiais utilizados como se fossem ferramentas ou partes do corpo — por exemplo, um braço virtual — são assimilados rapidamente pelos neurônios dessas áreas como se eles fossem extensores do corpo real do indivíduo.

“Os resultados indicam que todas as próteses que forem usadas em conjunto com o cérebro vão ser assimiladas como extensões do corpo dos pacientes”, vibra Nicolelis. “Eles confirmam a nossa suspeita de que quando a gente terminar o nosso exoesqueleto e as pessoas o utilizarem para andar de novo, com alguns dias de prática, esse aparelho robótico vai ser assimilado pelo cérebro como se fosse o corpo delas.”

DA ILUSÃO DO BRAÇO DE BORRACHA AO EXPERIMENTO COM MACACOS

Investigações anteriores já haviam demonstrado que o cérebro tem uma imagem espacial interna do corpo, que é continuamente atualizada com base no toque, dor, temperatura e pressão — conhecido como o sistema  somestésico — recebido de pele, articulações e músculos, bem como da análise visual e sinais auditivos.

Um exemplo deste processo dinâmico é a ilusão do “braço de borracha”, um fenômeno em que as pessoas desenvolvem um senso de propriedade de um braço falso quando o  vê ser tocado ao mesmo tempo que algo toca o seu  próprio braço. É um estudo clássico.

A inspiração de Nicolelis para o estudo recém-publicado veio exatamente da  ilusão do “braço de borracha”:

*Vamos supor que você está sentado (a) numa cadeira e oclui a visão do braço esquerdo com uma placa de madeira ou de cartolina.

* Você não consegue mais ver o seu braço esquerdo, mas ele está lá sem problema, muito bem obrigado.

*Depois, na sua frente, saindo do cotovelo, coloque um braço de manequim.

*Por três minutos cutuque a ponta do dedo do braço do manequim e a do seu dedo, sem que veja. Pois bem: se, de repente, você parar de tocar o seu braço de verdade, mas continuar tocando o de mentira, é grande a probabilidade de achar que o falso braço é o seu braço de verdade.  Isso acontece com 90% das pessoas.

Essa é a ilusão que ficou conhecida por “braço de borracha”. Até aqui ninguém sabia como isso acontecia, porque a única coisa que a pessoa vê é o braço ser tocado.

[Gostou? Assine o Viomundo e garanta o nosso financiamento]

O grupo de Nicolelis conseguiu demonstrar por quê. Só que, em vez de usar o “braço de borracha”, utilizou o braço virtual de um avatar.

“A resposta do braço virtual começa cerca de 50 milisegundos mais tarde do que começaria se eu estivesse tocando o braço do macaco”, atenta Nicolelis. “Isso leva a crer que essas respostas são geradas pelo córtex visual e remetidas para o córtex somestésico.”

O experimento, com dois macacos Rhesus, foi assim:

*Primeiro, os dois macacos observaram uma imagem numa tela de computador de um braço de macaco sendo tocado por uma bola virtual. Ao mesmo tempo, os braços dos macacos eram tocados, desencadeando uma resposta nas suas áreas do córtex  somestésico e motor.

*Os macacos observavam então uma bola tocar o braço virtual sem nada tocar fisicamente os seus próprios braços. Os pesquisadores notaram que, em questão de minutos, os neurônios dos macacos localizados nas áreas corticais ligadas ao toque e aos movimentos começavam a responder ao braço virtual ao só ser tocado.

*As respostas ao toque do braço virtual ocorreram de 50 a 70 milésimos de segundo mais tarde do que o contato físico. O que demonstra que os neurônios das áreas do cérebro responsáveis pelo toque e movimentos podem responder a estímulos visuais, sugerindo o cruzamento de funções em todo o córtex dos primatas, através de um processo altamente distribuída e dinâmico.

“Estes resultados suportam a nossa noção de que o cérebro funciona como uma rede de internet, que está em constante interação”, reitera Nicolelis. “As áreas corticais do cérebro processam simultaneamente múltiplos fluxos de informação, em vez de serem estanques,  dedicadas a apenas uma habilidade, como se pensava anteriormente.”

Isso confirma a teoria de Nicolelis exposta no seu livro Muito além do nosso eu, lançado em 2010: tudo o que usamos – carro, bola de tênis, óculos, telefone, computador, por exemplo – é assimilado como parte de nós.

NICOLELIS JÁ TEM AUTORIZAÇÃO DA CONEP PARA TESTES COM SERES HUMANOS 

Foram quase três anos de trabalho e mais um para o estudo ser publicado. Ou seja, ciência não é linha de produção. É um processo de longo prazo, que não se tem como se acelerar.

Nicolelis já está incorporando os resultados desta pesquisa no projeto Andar de novo, trabalho de colaboração internacional que constrói um exoesqueleto (neuroprótese) controlado pelo cérebro. O grupo vai equipá-lo com sensores que permitirão mandar de volta para o paciente os sinais de tato.

 

Primeira imagem do exoesqueleto robótico que está sendo construído pela equipe internacional do projeto Andar de Novo . Imagem mostra os 5 módulos. Do Facebook de Nicolelis

O exoesqueleto conectado diretamente ao cérebro do paciente permitiria que ele o controlasse como fosse parte do seu próprio corpo. Dessa forma, seria possível que um paraplégico chutasse uma bola, como pretende Nicolelis durante a cerimônia de abertura da Copa do Mundo, em 2014.

O exoesqueleto está sendo desenvolvido fora do Brasil.

Nicolelis já recebeu autorização da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), para realizar os testes com seres humanos no Brasil. Isso acontecerá brevemente e será feito em parceria com a Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), em São Paulo.

Participaram desse estudo publicado pela PNAS: Shokur Solaiman e Hannes Bleuler da Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne, na Suíça; Joseph E. O’Doherty, do Departamento de Engenharia Biomédica e do Centro de Neuroengenharia da Universidade de Duke; Jesse Winans, do Departamento de Engenharia Biomédica da Universidade de Duke, e Mikhail A. Lebedev, do Centro de Neuroengenharia e do Departamento de Neurobiologia da Universidade Duke.

Dois grandes trabalhos do grupo ainda sairão este ano.

Leia também:

Nicolelis: “Criamos outra forma de comunicação entre cérebros”

Grupo de Nicolelis desenvolve “sexto” sentido em animais

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Tadeu Souza

Pessoal do Viomundo, Nicolelis está merecendo outra reportagem. Parece que o exoesqueleto está indo bem. Será o maior legado da copa.
Ainda mais que há uma turma no RN fazendo campanha contra ele usando redes sociais acadêmicas inclusive. Para esse grupo derrotar o Nicolelis é mais importante que as pesquisas que fazem.

Marcelo

Ribeiro e cupinchas não curtiram esta postagem.

Corintha Medeiros

Maravilhoso o Nicodelis!Tudo q for pela melhoria da qualidade de vida do ser humano vou aplaudir efusivamente!

Fernando

Parabens e obrigado Nicolelis. Orgulho para o Brasil e para os brasileiros.

Mário SF Alves

Essa sim é a geopolítica que conta. Bravo, professor Nicolelis.
——————————-
Esqueçamos por um tempo tudo o que imaginávamos como sendo geopolítica. Em se tratando dos Estados Unidos das Megacorporações e seus aliados congêneres, pode existir tudo, geo-qualquer-coisa, menos geopolítica. Neste exato instante rufam os tambores de guerra de mais uma guerra de rapina. Dessa vez contra a Síria. Porém, seus olhos sanguinolentos estão cravados mesmo é no Irã. Já o possuíram violentamente antes, e não se conformam em não o possuir de novo. Antes, porém, ainda se travestiam de civilizados e faziam tudo dissimuladamente através CIA; mesmo porque, à época, com a ex-URSS em pleno vigor, era mais do que justificável um certo cuidado. Hoje temem muito mais a opinião pública dos norte-americanos frustrados – leia-se, a maioria não rentistas – do que a própria China.
—————————————
O neoliberalismo, traduzido nas ações das megacorporações pode ser tudo, menos político.

Mardones

E tem gente querendo diminuir esse trabalho tão importante do Professor Nicolellis. É uma piada.

Malvina Cruela

sou só eu ou mais alguém tem a impressão que esse “debate” livre na internet está ficando travado pela falta de qualificação dos debatedores??
não que falte títulos acadêmicos ou profissionais aos debatedores?? o que falta mesmo é visão de profundidade, discernimento, percepção da totalidade, sensibilidade social. Os médicos estão aí pra não me deixar mentir. O que tem de sandices, confusão, gente que digita só pra ver suas palavras divulgadas para todos, insensatez e burrice pura e simples.

Arthur

E a turma do chá de ‘erva’ do RN pira com mais essa.
Mas é bom ter amigos no caderno de ciência da fAlha de SP. Qualquer espirro que dão de dentro da’jacuzzi que virou laboratório’ em uma certa casa alugada aparece lá.
Jamais serão.

Lafaiete de Souza Spínola

Quando defendo um investimento de pelo menos 15% do PIB na educação básica, muitos olham com indiferença e até certo desprezo.

Quantos Nicolelis deixam de surgir pela falta das condições básicas?

Se o investimento em educação fosse nesse nível proposto, o Nicolelis, possivelmente, estaria desenvolvendo todo o seu projeto, aqui, no Brasil.

O mundo está, a passos largos, adentrando-se na era da cibernética.

Não será com os investimentos atuais que vamos recuperar todo esse atraso que muitos preferem não tomar conhecimento. Não podemos ficar satisfeitos, apenas, com esse belo trabalho de um cientista brasileiro que precisa sair de seu país para ser plenamente reconhecido.

A mente do ser humano está sendo amplamente desvendada com a ajuda dos avanços da cibernética.

Já é possível definir, sem os erros de avaliação de um psicólogo, se um determinado comportamento é ou não de um psicopata. A Ressonância Magnética Funcional utiliza os avanços tecnológicos atuais e define o estado de psicopatia de um criminoso frio, insensível, perverso e manipulador. Para isso, constata a falta de atividade, de conexão, do coração cerebral, a amígdala que é parte do sistema límbico (área das emoções)com o sistema racional.

Muitos políticos que desprezam a educação, certamente, devem sofrer dessa falta de conexão!

Fabio Passos

Sensacional.
Vamos assistir avanços notáveis, que há pouco consideraríamos apenas ficção científica, no futuro próximo. Um exoesqueleto respondendo diretamente ao cérebro como parte do corpo é avanço notável. O trabalho do Nicolelis é um orgulho para todos os brasileiros.

Leo V

Era bom a matéria apontar como foi exatamente feita a experiência com esses macacos.

Foram submetidos a sofrimentos, morreram? Tiveram suas cabeças abertas?

Existem diferentes metodologias para se chegar a um conhecimento. E ética em ciência sempre é necessário.

    jotajota

    Tenha dó, ciência sem experimento não existe, que matem 1 milhão de macacos, mas que se resolva o problema!

    Leo V

    Quem falou de ciência sem experimento?

    Bem, analogamente ao seu raciocínio um nazista poderia dizer a mesma coisa quando questionada a metodologia de usar judeus para pesquisas oftalmológicas com base em preceitos éticos: “tenha dó, ciência sem experimento não existe”.

    Lu

    Pois é Leo V. Eu acho tudo muito fantástico, fico feliz pensando em quantas pessoas vão se beneficiar dos avanços científicos. Ficaria mais feliz ainda em saber de avanços da ciência no sentido de poupar os animais de sofrimentos. Mas sabe o quanto essa posição é mal interpretada, não é?

    Patrick

    Toda Universidade ou Instituto de Pesquisa que realize pesquisa com animais deve manter uma Comissão de Bioética que – dentre outras questões – analisa o sofrimento dos espécimes envolvidos.

    Se a preocupação é com o bem estar animal, há um alvo bem mais interessante, como já apontou o Sakamoto: http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2009/09/03/o-pinto-esfolado-vivo-e-ovo-nosso-de-cada-dia/

    Leo V

    Os ‘comitês de bioética’ permitem sofrimento dos animais não humanos.

    Eles estão à serviço dos cientistas e seriamente não levam em consideração interesses dos animais não humanos (liberdade, não sofrer por exemplo).

Valmir

Não entendi nada, cientificamente falando.

Flavio Lima

E pensar que ele é palmeirense… como pode, tão inteligente!!
Pessoal, é xiste ein!
Mas o trabalho do Nicolelis é de dar orgulho não só pro Brasil, mas pra toda a Humanidade.
E tem troll torcendo contra… vai entender

Gerson Carneiro

O Serra vai dizer que a ideia foi dele.

    Fernando

    Ele já estudava isso quando foi Ministro da Saúde, inclusive a verba usada este estudo foi ele que liberou.

Barão lança hoje o Príncipe da Privataria. Ao vivo, a partir das 19h – Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Nicolelis mais perto de levar garoto paraplégico a dar o chute inaugural da Copa de 2014 […]

Marcelo Ramos

Rapaz, eu fico me perguntando porque tantas pessoas têm esse complexo de vira-latas, de que um cientista brasileiro, que estudou no exterior e voltou, não poderia abrir um instituto no Brasil e deixar financiar os frutos de seu estudo aqui.
Ou será que os complexados estão apenas querendo ser mais metidos a espertos?
Apesar do complexo de vira-latas ou dos “espertos”, é um avanço enorme para a ciência brasileira. E ele já teve que vencer diversas dificuldades, como ciúmes, tentativa de roubo do projeto, desonestidades intelectuais diversas. Parabéns, prof. Nicolélis.

augusto2

To lembrando agora que Marconi, Santos Dumont, franklin, thomas edison, o pessoal de cape canaveral e Baikonur – todos tinham uma faceta de espetaculo.
E precisavam de verba, né mesmo?

Domingos Alexandre

Para quem tem interesse em entender o funcionamento do cérebro, recomendo o livro “Muito além do nosso eu”. Muito bom. Miguel Nicolelis é motivo de orgulho para os brasileiros.

jotajota

Ciência a serviço da políticagem, arrecada muito e leva a pesquisa para fora, fanfarrão.

    Marcem

    Pelo contrário, fez nome lá fora e trouxe grana pra patrocinar um Instituto de Neurociências em Natal. Que além de formar cientistas de alto nível, também leva conhecimento para as crianças pobres de lá.

    Mas se o objetivo é falar mal do Brasil e do governo, que diferença fazem os fatos, né? Pelo menos para os trouxas.

    Julio Cesar Montenegro

    é dificil deixar de ser colonizado
    depois de 500 anos de inveja dum 1° mundo
    que chega a nós como ilha da fantasia

    a torcida contra Miguel nicolelis
    é por não haver sido apoiado pelo “europeu” fhc
    e ajudado pelo presidente nordestino
    tive a sorte de conhecê-lo pelo livro
    MUITO ALÉM DO NOSSO EU

Ana Raposo

É um avanço. Respeito o cientista, mas tnho medo.

jõao

Movimentos fazem ato contra propinoduto tucano

0
Apesar de a imprensa insistir em esconder as denúncias de corrupção e propina no Metrô, na CPTM e outros contratos do governo de São Paulo, a sociedade não deixa o caso ser esquecido tão facilmente como os tucanos e essa mesma mídia gostariam.

Amanhã, o Levante Popular da Juventude e o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) fazem ato público contra o propinoduto tucano, em defesa do transporte público e pela punição dos crimes de cartel cometidos por empresas responsáveis pelas grandes obras no país (metrô, estradas e barragens).

A concentração do ato será na Praça Jácamo Zanella, na Lapa, em São Paulo, às 8h. A convocação no Facebook diz que haverá “um acerto de contas com as empresas corruptoras”.

O ato também vai defender “a abertura da caixa preta dos transportes”, o fim das terceirizações e a transparência nos contratos bilionários que envolvem grandes empresas estrangeiras nas obras do metrô, barragens e hidrelétricas.

trombeta

Se Nicolelis fosse europeu ou norte-americano já teria sido agraciado com um nobel.

A ciência brasileira está de parabéns!

Ricardo

Que vergonha da ciência como espetáculo… Só na bananolandia…

    wagner

    cara acho q tu ta viajando sabia, fiz um projeto na facul sobre esse tema do Nicolelis, acho q ele só esta querendo que o Brasil fique ligado, para que mais brasileiros possam ser cientistas aqui e nao fora como é o caso dele. Ele tem um projeto muito legal no norte do Brasil fazendo com que as faculdades se especializem nesse tipo de coisa.
    mas opinião cada um tem a sua, a minha é que tu ta viajando

    Alexandre Nunis

    Que vergonha mesmo…saber que tem pessoas que mexem os braços e pernas normalmente, mas o cérebro e sentimentos nem mil Nicolelis consequirão fazer com que tenham alguma utilidade a não ser o eterno complexo de viralatas e insensibilidade.

    Carlos

    Que vergonha ver como certos brasileiros nascem – e vão morrer, por certo – com esse eterno complexo de vira-latas…

    Miranda

    E porque não a ciencia como espetaculo? É maravilhso ver alguem incapacitado fisicamente, se movimentando pelo resultado de uma pesquisa cientifica. Esse é o sentido verdadeiro de progresso. Viva o espetáculo, principalmente vindo de um cientista brasileiro (pena que ele é palmeirense).

    Arthur

    Estava demorando para a turminha de Ribeiro se manifestar. Vão trabalhar e deixem os outros em paz.

    Richard

    vergonha só se for apresentado no Esquenta

Deixe seu comentário

Leia também