VIOMUNDO
O VIOMUNDO só é possível também através de anunciantes, e detectamos que você utiliza um AdBlock, bloqueador de anúncios.
Por favor considere ajudar o VIOMUNDO desativando o bloqueador para este site.
Cartas de Minas
Cartas de Minas

Médicos Populares do Rio: Redução da violência passa por legalização de drogas leves; intervenção tem tudo para agravar

17 de fevereiro de 2018 às 12h13

 NOTA DA REDE DE MÉDICAS E MÉDICOS POPULARES  DO RIO DE JANEIRO 

Exército virá trazer paz ou mais terror às comunidades do Rio?

Somos centenas de médicos/as que atuam diariamente nas favelas cariocas, junto com outros profissionais de saúde e estudantes universitários, realizando atendimento nas Clínicas da Familia e visitando pacientes acamados em suas casas.

Andando pelas ruas dos bairros mais pobres das cidade, vemos de perto o terror causado pela guerra entre o Estado e o tráfico de drogas.

Operações policiais que se iniciam de forma repentina, colocando moradores e profissionais de saúde muitas vezes no meio de tiroteios; casas dos nossos pacientes invadidas; unidades de saúde e escolas fechadas ou utilizadas como bunker pela polícia; balas perdidas e morte de inocentes.

Diante da notícia de mais uma intervenção do Governo Federal no Rio de Janeiro, perguntamos: isto trará paz às comunidades ou aumentará os conflitos gerando mais terror nas favelas?

Os militares repetirão abusos de atuações anteriores, quando produziram violência contra trabalhadores inocentes – empregadas domésticas, motoristas, pedreiros, garis, etc. – que vivem nestas comunidades e que nada deveriam ter a ver com esta guerra?

Qual o impacto esperado na redução no número de homicídios e outros indicadores de violência, já que ações militares anteriores – no complexo da Maré, por exemplo – não produziram melhora alguma nestes números?

A principal causa da violência no Rio é a guerra associada ao tráfico de drogas, seja entre policiais e traficantes, seja entre facções rivais.

O Estado vai reforçar uma guerra que existe há pelo 30 anos e que não apresentou resultados efetivos neste período?

Vale dizer que, segundo relatório da Comissão Global de Políticas sobre Drogas, de 2011, a repressão ao tráfico pelas forças do Estado não só não diminuiu o número de usuários nem o comércio clandestino das drogas, como, pelo contrário, valorizou os traficantes, estimulou o consumo e gerou mais custos de policiamento e no sistema prisional.

Resolver o problema da violência no Rio passa por enfrentar o debate da legalização das drogas leves no Brasil, como forma de impactar o volume de recursos – em torno de 5,7 bilhões de reais no Brasil, segundo estudo técnico de 2016 da Câmara do Deputados – que gira em torno do comércio clandestino destas das mesmas e que alimenta a compra de armas pesadas e a corrupção de agentes públicos.

A intervenção militar do Governo Federal tem tudo para agravar ainda mais o problema da violência no Rio e penalizar a população pobre e e negra das favelas.

Na “melhor” das hipóteses, fará com que criminosos se reorganizem em estados vizinhos, como aconteceu no caso das UPPs.

É uma ação que parece beneficiar apenas políticos corruptos – interessados em distrair a opinião pública – e a indústria de armamentos que faz dos conflitos armados sua fonte de lucro, para assim continuar financiando governantes e partidos políticos que defendam seus interesses.

Leia também:

Bizarro: Procurador da Lava Jato compara intervenção no Rio à guerra do Vietnã

Apoie o VIOMUNDO

Crowdfunding

Veja como nos apoiar »

O lado sujo do futebol

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Entre os mais vendidos da VEJA, O Globo, Época e PublishNews. O Lado Sujo do Futebol é o retrato definitivo do que acontece além das quatro linhas. Um dos livros mais corajosos da história da literatura esportiva, revela informações contundentes sobre as negociatas que empestearam o futebol nos últimos anos. Mostra como João Havelange e Ricardo Teixeira desenvolveram um esquema mafioso de fraudes e conchavos, beneficiando a si e seus amigos. Fifa e CBF se tornaram um grande balcão de negócios, no qual são firmados acordos bilionários, que envolvem direitos de transmissão e materiais esportivos. Um grande jogo de bolas marcadas, cujo palco principal são as Copas do Mundo.

por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet.

Compre agora online e receba em sua casa!

 

Um comentário escrever comentário »

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

RONALD

21/02/2018 - 15h24

Em um tráfico liderado por personagens bem conhecidos de Brasília, Rio, SP, onde ninguém realmente combate tráfico nenhum, a melhor maneira de acabar com o tráfico é fácil e simples – Ninguém consumir esta m-rda. Qualquer outra ideia luminosa é inútil, hipócrita ou ainda piora mais a coisa.
Se a turma da Vieira Souto, Delfim Moreira(RJ) e dos Jardins em SP pararem de encher sua fossas nasais de heroína, o crime organizado de Brasília se f-de verde e amarelo !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Responder

Deixe uma resposta