Lelê Teles: É tempo de sacudir a poeira, ir pra avenida desfilar a vida, carnavalizar

Tempo de leitura: 3 min
Fotos: Agência Brasil

CARNAVALIZAR

“bunda-mole não dança kuduro”, cacique papaku.

Por Lelê Teles*

a folia está de volta, foliões e foliãs enchem as ruas do brasil com a sua fagueira alegria colorida.

o ministério do namoro manda avisar que tá liberado o beijaço em praça pública e em linguagem neutra.

o carnaval deste ano tem sabor de solstício de verão – o sol brilha no zênite -, vencemos as trevas, derrotamos o dragão da maldade, o cordão dos insensatos, o horrendo bloco dos patriotários perfilados em quartéis.

derrotamos a escola sem partido, os guarda-mirins de colégio, a patrulha ideológica dos campi, os terroristas antidemocráticos.

logo, é tempo de festejar e sorrir.

“o sol, há de brilhar mais uma vez; a luz, há de chegar aos corações…”

há pouco estávamos, chorosos, de luto pelos que morreram na pandemia; e estávamos, também, raivosos, em luta contra o pandemônio fascistóide que nos atormentava.

é por isso que o povo tá na rua com tanta felicidade, nunca a expressão “festa da democracia” foi tão adequada ao nosso carnaval.

é hora de chorar de alegria, com unha postiça, glitter na cara e bunda de fora.

“… do mal será queimada a semente, o amor será eterno novamente”.

confetes, serpentinas, lantejoulas, bodies cavados, meias-arrastão, cerveja quente e rebolations.

entre saias e minissaias, de calças e pés descalços, com brincos que brincam e amigues que drinkam, tu e tudo é apoteose.

as tranças, as transas, as trans, os trans e o trânsito trangênero em fluxos e refluxos fluviais e pluviais, porque chove também no carnaval, transformando em rio as avenidas, onde as gentes molhadas se sambam e se lavam, se elevam, se livram, se louvam e se luvam.

depois da subida de uma ladeira, um abraçaço e um amassaço curam qualquer cansaço e um beijo na breja substitui qualquer batom de cereja.

dizem, uns seguidores de schopenhauer, que o brasil só começa quando termina o carnaval.

e já ouvi de alguns discípulos de voltaire, os que só leram o cândido, que na verdade é o carnaval que só termina quando o brasil começa.

tremenda fuleiragem, o brasil nunca termina de começar e carnaval tem dia e hora pra acabar, o que não tem hora pra acabar é essa nossa alegria, é a carnavalização da vida, é o eterno adiamento da quaresma.

enquanto exu vai abrindo os caminhos, o sinal da cruz é a encruzilhada.

o brasil recomeça agora, em pleno carnaval.

esse é o brasil do futuro sancófico, permeado por seus passados sempre presentes e pronto pra seguir adiante: alegre, fraterno, sororo, beijante, rebolativo e reparador.

repare a dor dos que estão agora a se desmachificar, dos que pugilam lutas para nocautear o racismo que ainda os habitam…

“chora agora, ri depois”, como diriam os racionais.

no pain, no gain.

esse carnaval também tem um sentido pedagógico, o salão não é o mesmo de tempos atrás; agora é assim: não é não, e não tem mais essa de “cabeleira do zezé” e “maria sapatão”.

liberdade não é libertinagem, tudo tem limite e ninguém terá liberdade de opressão.

“eu falei faraó ó ó…”

a cultura brasileira pede passagem: são papangus, parafusos, caboclos de lança, laursas, zé pereiras, afoxés e ijexás, escolas que sambam, bloquinhos e blocões de rua, bumbas meu boi, eletrizantes trios elétricos, o frenético fervor do frevo e o surdão que se faz ouvir na avenida.

“a emersão, nem osíris sabe como aconteceu…”

maga, a mega, a legítima rainha do axé, finalmente teve sua cabeça coroada.

a cultura a saúda!

temos um ministério para cuidar e proteger os povos indígenas, temos um mano nos direitos humanos, temos uma anielle e um milhão de marielles.

temos fé e temos força.

sim, nós temos axé.

veja quanto riso e quanta alegria gargalham na expressão feliz dessa gente que entendeu que preconceitos opressivos como machismo, racismo, misoginia…, tudo isso não cabe mais em nós.

chega de black faces, de negas-maluca, de crioulos-doido, de homens que se travestem de mulher para ridicularizá-las.

esse é o carnaval da nossa redenção!

ergamos libações a dionísio: tim tim, seu chifrudo dos pés de bode.

a loucura é a nossa cura, é esse estado de catarse coletiva que nos une; é tempo de sacudir a poeira e dar a volta por cima.

“vamos pra avenida desfilar a vida, carnavalizar”.

o barba é o brabo!

palavra da salvação.

*Lelê Teles é jornalista, publicitário e roteirista.

Leia também:

Lelê Teles: Escandalosa a foto/anistia de Quaquá, tenta nos fazer esquecer quem foi e quem é o seu colega de retrato

Márcia Lucena: Que venha um novo tempo!

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Nenhum comentário ainda, seja o primeiro!

Deixe seu comentário

Leia também