VIOMUNDO

Diário da Resistência


Fernando Rosa: Decisão de juíza Gabriela Hardt consolida enclave dos Estados Unidos em Curitiba
Reprodução de vídeo
Você escreve

Fernando Rosa: Decisão de juíza Gabriela Hardt consolida enclave dos Estados Unidos em Curitiba


09/03/2019 - 21h54

A “cabeça” de Lula

Fernando Rosa, em seu blog

“Estão valendo 129 contos”, dizia a manchete do jornal “A Batalha”, do Rio de Janeiro, em 10 de novembro de 1933, referindo-se à recompensa (atualizada, na época) pelas “cabeças” de trinta e sete cangaceiros. Segundo o jornal, “o capitão João Facó, chefe de Polícia, aprovou a tabela de preços organizada pelo tenente Manoel Campos de Menezes, e já posta em vigor para quem trouxer as cabeças dos bandoleiros”.

Em 1789, o Império pagou ao traidor Joaquim Silvério dos Reis pela cabeça de Tiradentes “uma certa quantidade de ouro, o perdão das dívidas fiscais, a nomeação para o cargo de Tesoureiro das províncias de Minas Gerais, Goiás e Rio de Janeiro, uma mansão para moradia, pensão vitalícia, título de Fidalgo da Casa Real, fardão e hábito da Ordem de Cristo e, ainda, um encontro em Lisboa com o Príncipe Regente Dom João”.

Antes ainda, em 1632, outro traidor, Domingos Fernandes Calabar, por ocasião da invasão holandesa, cruzou o alambrado para o lado dos inimigos “por ambição, desejo de alguma recompensa ou maior reconhecimento entre os invasores, convicção de que estes seriam vitoriosos ao final, ou mesmo por supor que aqueles colonizadores trariam maiores progressos à terra que os portugueses”, segundo a enciclopédia Wikipedia.

Em março de 2019, a decisão da juíza Gabriela Hardt valida o acordo entre a “República de Curitiba”, liderada pela força-tarefa da Lava Jato, e os Estados Unidos – sem respaldo em nenhuma lei brasileira – para receber R$ 2,5 bilhões da Petrobras, valor apresentado como prêmio para promover o “combate à corrupção” em território nacional.

Diz ainda o despacho da juíza Hardt, autorizando a transferência dos recursos para uma “fundação”, que “caberá ao MPF adotar as providências necessárias à formação do Comitê, apenas informando o Juízo quem são as pessoas que o integrarão e quais foram os critérios de seleção”. E diz mais, que “depois de constituída, a composição e gestão da fundação não se sujeitarão à prévia franquia jurisdicional”.

Em 27 de novembro de 2016, escrevemos em Senhor X que vivíamos uma tentativa de implantação de um enclave externo em território nacional, que os próprios procuradores batizaram de “República de Curitiba”, com base na operação Lava Jato – disparada a partir das espionagens da NSA, segundo os vazamentos do Wikileaks.

Na época, chamamos a atenção para a decisão do Tribunal Federal da 4ª Região que passou a considerar que a Operação Lava Jato não precisaria seguir as regras processuais comuns, por enfrentar fatos novos ao Direito, o que parece ter a sua consequência maior neste momento em que agem – agora financeiramente – ao arrepio das leis nacionais.

O comportamento de “enclave” também se verificou quando, desrespeitando acordo internacional entre o Brasil e os Estados Unidos, os procuradores da Lava Jato terceirizaram as delações obtidas na operação para instituições norte-americanas, o que certamente contribuiu para chegar ao “acordo” financeiro atual.

Em outro artigo de Senhor X, “A ousadia dos canalhas“, lembramos do que disse o ex-Procurador-Geral da República, ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal, José Paulo Sepúlveda Pertence, ao presidente José Sarney, quando se despediu do cargo: “Eu não sou o Golbery, mas também criei um monstro”, referindo-se ao Ministério Público Federal.

Superada a ilusão republicana de setores que defendiam, ou relativizam seus efeitos, a Operação Lava Jato não deixa mais nenhum dúvida que cumpriu o papel de destruir a economia nacional, atacando seus setores de ponta e seus players internacionais, desde a energia nuclear, pelo petróleo, passando pela indústria de infraestrutura, até o agronegócio, o que resulta no desastre que se verifica atualmente.

Mas, o prêmio, o troféu maior, como nos exemplos anteriores, tem nome, papel na história e desafia o trem pagador de recompensas: se chama Luiz Inácio Lula da Silva, LULA, a única instituição nacional que, apesar da intensa e criminosa perseguição, sobrevive ao processo de destruição do Brasil a mando do Império decadente.

PS do Viomundo: Em 1964, na incerteza de que os militares brasileiros conseguiriam derrubar o governo João Goulart, mesmo com uma frota naval preparada para intervir, os Estados Unidos estabeleceram como plano B instalar um governo provisório em Belo Horizonte, sob comando de Magalhães Pinto. Agora trabalham com outros métodos, mas os objetivos são os mesmos: presidente autoproclamado, financiamento para destruição do sistema partidário e da economia do país-alvo e assim por diante.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

10 de março de 2019 às 08h09

“Não haveria Dominação Estrangeira
se não existissem Traidores da Pátria”

E a História do Brasil está cheia deles.

Responder

Zé Maria

10 de março de 2019 às 06h39

A Operação Lava-Jato foi o Plano Perfeito:

1. Destruiu a Economia Nacional, em favor dos EUA.

2. Derrubou do Governo o Partido que defendia a Soberania do Brasil.

3. Entregou aos Norte-Americanos e Europeus a Riqueza Nacional.

4. Prendeu o Maior Líder Popular da História, impedindo-o de concorrer às Eleições Presidenciais, que certamente venceria
e, uma vez no Governo, impediria a entrega do Patrimônio Nacional.

5. Ajudou a eleger um Capacho do Presidente dos Estados Unidos.
.

Responder

Cláudio

10 de março de 2019 às 04h12

Já havia prometido a mim mesmo não mais baixar o nível nos comentários em blogs progressistas mas… ninguém vai fazer nada contra essa fuleira (Hardt) e esses prostitutos da Farsa aJato ? . . .

Responder

Maria Carvalho

10 de março de 2019 às 01h57

Na Venezuela, a tentativa de “tomar o país para se apropriar do rico petróleo” está em sufocar a economia para, em consequência à falta de bens necessários, jogar a população contra o Presidente com o fim de sua deposição. Diferentemente do que ocorreu aqui, o “golpe foi mais fácil, rápido e barato”: a espionagem mostrou o preço de cada um que faz parte das instituições envolvidas.

Responder

Luiz Fernando

09 de março de 2019 às 22h49

Lava-Jato ou como destruir um país

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!