VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Você escreve

Fatima Lacerda: E Dilma, quem diria, agora vai entregar o pré-sal


27/05/2013 - 21h44

Não era o que dizia na campanha

O leilão do pré-sal e as contradições de Dilma

Segunda, 27 Maio 2013

ANP e Dilma anunciam o maior leilão de petróleo do mundo, antecipando para outubro o primeiro leilão do pré-sal. Alinhada com o programa neoliberal e  apoiada pela mídia burguesa, a presidenta conta com os dividendos eleitorais. Em 2012, Dilma pregava o contrário nos palanques. O assunto será pauta da próxima plenária da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso, em 5 de junho, às 18h, na Avenida Passos, 34, no Rio: participe!

Por Fatima Lacerda*

, na Agência Petroleira de Notícias

O campo de Libra, na Bacia de Santos, a 180 quilômetros da costa fluminense, pode ter reservas de 42 bilhões de barris: o triplo das reservas que estavam comprovadas no Brasil até 2012, é anunciado num único campo!

Algo que a diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Magda Chambriand, considera “singular e inimaginável”.

Foi a grandeza da recente descoberta que levou a ANP e uma comitiva de ministros a convencer a presidenta da República a antecipar o leilão do pré-sal para outubro, invertendo as prioridades: o leilão dos blocos de gás em terra ficará para novembro.

Libra será leiloado em Brasília e com a presença da presidenta. Será a primeira licitação pelo sistema de partilha de produção, legislação específica criada para o pré-sal. Não se pode descartar a hipótese de que a presidenta está de olho nos dividendos eleitorais do grande espetáculo em que deverá se transformar o próximo leilão, aplaudido e ovacionado pela mídia burguesa.

De acordo com a Revista Exame, em abril a diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, afirmava que “Libra teria volumes menores, entre 4 e 5 bilhões de barris recuperáveis”. Mas uma nova sísmica na região, realizada em maio com dados mais avançados, aumentou as estimativas da ANP para “12 bilhões de barris recuperáveis”.

As reservas in situ do campo de Libra, são estimadas pela ANP entre 26 e 42 bilhões de barris. Chambriard explicou que a cifra de reservas recuperáveis (12 bilhões) é calculada com base “em um número razoável de 30%” de recuperação das reservas in situ”.

A diretora-geral da ANP disse mais: “Com os dados que temos atualmente, percebemos que estamos mais perto de 42 bilhões do que de 26 bilhões de barris”.

O Globo de domingo (26) escancarava a manchete, em letras garrafais: “Brasil fará em outubro o maior leilão de petróleo do mundo”. Veja, o Estado de São Paulo e a Folha de São Paulo também saudavam a decisão da ANP, avançando na crítica ao modelo de partilha e no percentual de lucro que deve ser destinado à nação, algo em torno de 73%, diga-se de passagem, bem abaixo da média mundial.

A expectativa é que o leilão de Libra atraia petrolíferas do mundo inteiro, estatais e privadas. Outro atrativo é o óleo leve produzido por Libra, considerado de alta qualidade. O Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) publicou hoje no Diário Oficial da União (DOU) a autorização para a realização do leilão indicando a rodada somente com a área de Libra.

DILMA ERA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DO PRÉ-SAL



Mais perplexidade do que a grandeza do pré-sal é a grande contradição da presidenta Dilma. Durante a campanha eleitoral, em debate com o candidato do PSDB, José Serra, ela acusava o seu adversário de querer privatizar o pré-sal, “uma riqueza que pertence ao povo brasileiro”. Acusava o seu adversário de querer “entregar a empresas privadas internacionais uma riqueza que deve gerar dividendos a ser aplicados em saúde, educação, cultura, meio ambiente e que pode representar um passaporte para o futuro do Brasil”.

As palavras são da atual presidenta. Confira aqui.



Aliás, quando candidata, foi sua defesa do papel do estado no desenvolvimento do país e da destinação de mais recursos para a área social que fez a diferença, revertendo votos a seu favor na reta final da campanha eleitoral. A mesma presidenta que chamava Fernando Henrique de “o homem das mil caras” mudou de opinião? Pode agora descartar os votos da esquerda e dos nacionalistas? A presidenta parece blindada pela grande mídia. Dos três anunciados candidatos das elites, talvez seja a mais adequada. Mas a história ainda vai cobrar essa conta.

Lembrando que toda a unanimidade é burra e que a luta dos trabalhadores contra os opressores é permanente, a campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso convoca todas e todos a comparecem no dia 5 de junho à próxima plenária estadual, na Avenida Passos, 34, no Sindipetro-RJ, às 18h, no Rio.

*Fatima Lacerda é jornalista da Agência Petroleira de Notícias

Leia também:

João Antônio de Moraes: Dilma entrega o ouro para Chevron, BP, Shell…

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


44 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

luiz

17 de julho de 2013 às 02h11

Nós o povo temos que proibir este leilão. EU acho que ela não tem o direito de vender o pré sal!E NESTE pais não tem justiça e nem respeito por nosso povo . que são os verdadeiros dono do pais. E estamos entregue nas mãos dos bandidos e destes políticos que pensa que e dono do pais.

Responder

Pitagoras

28 de maio de 2013 às 23h29

Desse jeito Dilma vai pro pódio dos maiores traidores da pátria, juntamente com fhc, o execrável, e a epítome da traição, Joaquim Silvério dos Reis.
Quando a bandidagem se junta com o lesa-pátria, estamos mesmo no fundo do poço.

Responder

Melina

28 de maio de 2013 às 21h13

Agora dá para entender o motivo do Lula não ter enfrentado o grande capital. Fez jogo de cena e empurrou pra Dilma dá o golpe de misericórdia. Por isso ela não enfrentou a mídia até hoje. Tá entregando o resto que o FHC não privatizou… Tudo farinha do mesmo saco. Gostei destes dois artigo aqui:
http://www.anovademocracia.com.br/no-110/4729-o-submundo-da-farsa-eleitoral
http://www.anovademocracia.com.br/no-110/4728-brasil-leiloado
Vou zerar meus votos. Chega de ser enganada!

Responder

Maíra

28 de maio de 2013 às 21h06

Nem vou ler o resto do texto. É de uma ignorância bestial.
Não se pode comparar o atual programa com as privatizações da era FHC/çERRA.

Tenha dó. Vá se informar antes de escrever tanta sandice.
Você está insuflando pessoas a pensarem erradamente sobre o assunto.
Pelamor….

Responder

Manoel Teixeira

28 de maio de 2013 às 21h06

Testinho infantil este. Panfletagem pura sem apontar dados. Não chegou nem a falar da indústria naval, que só renasceu no Brasil devido à política do PT de conteúdo nacional. O petróleo já gera empregos de qualidade para os brasileiros. A exploração em águas ultra-profundas, com tecnologia gerada no país e com garantia de participação da Petrobrás na exploração, garante que continuaremos gerando riqueza e empregos no Brasil, para os brasileiros. O Petróleo dormindo embaixo da terra ou do mar não gera valor algum.
A Presidente está certíssima, temos que gerar capital para a acelerar a exploração e gerar resultados para o país.

Responder

Fabio Passos

28 de maio de 2013 às 20h02

O povo brasileiro rejeita a roubalheira privata.

Dilma deveria honrar os votos que recebeu e cumprir seus compromissos de campanha.
Injustificavel entregar esta fabulosa riqueza para os abutres!

Responder

J Souza

28 de maio de 2013 às 18h17

Nada como um dia após o outro…

Responder

Willian

28 de maio de 2013 às 17h32

O pessoal aqui prefere não ganhar nada a ter que dividir alguma coisa.

Responder

Urbano

28 de maio de 2013 às 17h17

Aquele nhenhennhém primário com o ferrando henrique danoso foi a alavanca e o ponto de apoio pra isso.

Responder

augusto2

28 de maio de 2013 às 15h45

em que ponto estamos entao, fatima?
Porque razoes seria que Equador esta no meio de uma revoluçao propria, a rev cidadã de Correa. Porque razao a bolivia logrou escrever e aprovar uma constituiçao essencialmente inovadora e encontrou apoio para retomar suas reservas de oleo, gas e minerio? Porque Chavez realizou uma antes inadmissivel volta pelo avesso em seu pais? e o uruguay encaminhando sua lei de medios?
SAO sociedades menos complexas, com menos interesses estabelecidos, e/ou sofreram muito mais, chegaram bem mais perto do fundo do poço.bolivia c/montanhas de minerio roubadas. Equador perde sua moeda.Conseguiram apoio de base suficiente, entraram numa brecha por um acaso aberta pela Historia…
E nós? vargas, j.goulart, lula –a historia passou na janela.
Eu tb lamento o enorme xis por cento entregue a chevron e a BP.
Mas o capitao/ã deste transatlantico precisa de mais que dois braços para mudar o curso.

Responder

    Pitagoras

    12 de junho de 2013 às 22h12

    Porque eles tem cojones e nós não…

Tortei

28 de maio de 2013 às 12h06

Por mais divertidos, realmente incrível, em pleno ano de 2013, ainda nos depararmos com termos como “das elites”, “mídia burguesa”, “patrão opressor” etc., no contexto em que foram apresentados. Bem, apesar dessas pérolas repletas de significados vencidos ainda estarem muito presentes, certamente ainda há esperança para o nosso país, cada dia mais adepto aos ideais republicados, ao livre mercado, estado de direito, regime democrático etc. Em certo aspecto, o socialismo, com o seu viés religioso (facilmente notado em panfletos como o aqui comentado), reverte-se em um obstáculo até mesmo ao secularismo. hehe As experiências nos mostraram que essa doutrina nem de longe é uma boa opção ao sistema econômico adotado em qualquer país que se pretenda desenvolvido. Viva o Brasil!

Responder

    assalariado.

    28 de maio de 2013 às 18h31

    Caro Tortei, tenho uma triste notícia para te passar. No seu livro de história, você pulou aquela parte que fala da luta entre explorados versus exploradores, também conhecida como de classes. Os termos que colocas como “das elites”, “mídia burguesa”, “patrão opressor” etc., com certeza, baterão à sua porta na hora e no devido lugar histórico desse embate ideológico, e que, a burguesia e seus malfeitores tentam escamotear.

    Por mais que os defensores dessa ideologia se esforcem para sonegar estes termos da vida real, cada vez mais ficam em evidencia. Quanto ao socialismo que ‘não deu certo’, você é capaz de citar alguns? Ah, sim, primeiro explique o que é a escrita ideológica socialista, certo? Depois fique a vontade para criticar em base reais, tudo bem?

    Abraços.

assalariado.

28 de maio de 2013 às 12h02

Interessante, a Dona Dilma ‘não privatiza, faz concessões’. Agora mais do que nunca as palavras tem duplo, triplo, quadruplo sentidos depende do comprador da vez. Setores e serviços estratégicos do país que ela apenas amputa, esquarteja e, um tanto mais de adjetivos relativos a palavra privatizar. Uma verdadeira hipocrisia e jogo de palavras, para devagar, devagarinho, continuar rebolando o traseiro do Brasil e do povo brasileiro no colo dos donos do capital.

Então seria a hora de perguntar o seguinte: A parte do pré sal que vai ser privatizada para a burguesia ‘nacional’ e internacional, também vai haver direitos as royalties para a educação?

Abraços.

Responder

Julio Silveira

28 de maio de 2013 às 11h20

O poder do desfile da quarta frota deve ter feito se borrar essa turma petista que está mandando no Brasil. Que também se borra de medo de um monte de outros seguidores yankes, como a midia corporativa e seus aliados internos, os tucanos e associados. Para eles, e esses, seguir a premissa de que o mundo já tem dono e que devemos nos curvar a politica da unilateralidade é sinal de juizo. Aquela coisa de multilateralismo foi conversa fiada de politiqueiro, já que ao poder financeiro mundial, que manda no mundo, entregam o patrimonio nacional.
Os Brasileiros, se é que existem no planalto, são muito estranhos.

Responder

Renato

28 de maio de 2013 às 11h09

PT é o partido que Faz.

A prefeita de Cubatão Marcia Rosa baixa uma norma que restringe a circulação de caminhões durante a noite.
Só que esqueceu de avisar o Brasil. Uma vez que a cidade de Cubatão é usada pelo Porto de Santos para estacionamento de Caminhões, tem bolsões para isso. E com isso parou a Anchieta. (50 Km de congestionamento).

Sendo que a mesma foi cassada a 5 dias.
Pergunto qual é o partido? PT.
PT é o partido que faz…presepada.

Responder

Jerosmiro Pereira

28 de maio de 2013 às 10h30

Não concordo com este ponto de vista. Veria contradição na Dilma se ela revertesse as mudanças feitas pelo Lula, nas regras de exploração do Pré-Sal.

Responder

Rovai e Interagentes: Como evoluiu o boato sobre o Bolsa Família - Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de maio de 2013 às 09h59

[…] Fatima Lacerda: E Dilma, quem diria, agora vai entregar o pré-sal […]

Responder

Heidy

28 de maio de 2013 às 08h57

O PT da oposição é um; no governo, é de se lamentar – chorar – o voto. E, o pior: a gente tem que ficar defendendo a porqueira. Só nos resta atacar ozamericânu; a impremça goupista e o FHC. Fora FHC!

Responder

    JOTACE

    28 de maio de 2013 às 20h19

    Prezada Heidy,

    De tuas conclusões, uma não entendi. É quando dizes que “Temos de ficar defendendo a porqueira”. Será que estás querendo que esta vegonha de governo continue? Cordialmente, Jotace

Saçuober

28 de maio de 2013 às 08h56

Sra Fatima, o regime de partilha segundo me consta estabelece a Petrobràs como operadora com participação minima de 30%. Momentaneamente a velha imprensa vem detonando a Petrobrás, a senhora não acha razoavel dividir os riscos?
Utlizando-se das ferramentas capitalistas para avançar no combate as desigualdades não será mas proveitoso?
O Brasil têm varios outros gargalos, focar seus recursos ou endividar a Petrobrás em demasia, não será muito arriscado?
Discordo do posicionamento da jornalista.

Responder

José Ricardo Romero

28 de maio de 2013 às 08h28

Existem leis e regras para a exploração do pré-sal propostas pelo Lula e votadas no congresso sem maiores modificações. Pelo que eu vi até agora, estes leilões sempre estiveram previstos e estão perfeitamente dentro das regras que, na ocasião, foram muito elogiadas pela esquerda. Não percebi nenhuma alteração nas regras quando do anúncio do leilão. Afinal, do que mesmo está falando a articulista? Não sou especialista no assunto, mas vejo várias afirmações que ignoram as leis e induzem o leitor a uma interpretação errada, de um nacionalismo piegas e emocional. É bom lembrar que riqueza enterrada não é riqueza.

Responder

Mauro Assis

28 de maio de 2013 às 08h23

Srs, o petróleo embaixo do chão não vale nada. Cada vez mais vão surgindo outras fontes de energia, renováveis ou não, como o xisto, que vão tornando o pré-sal um grande mico.

A idade da pedra não acabou por falta de pedra, assim como a do petróleo não esperará o fim deste para acabar. O negócio é tirar o petróleo do fundo da terra e vender, e com os royalties e participações transformar o futuro do país.

Responder

    chico

    28 de maio de 2013 às 21h01

    PQP só falta a presidenta vir em cadeia nacional falar isso, querer convencer que petróleo não tem valor!! kkkk seria um pega pra capá

    Pitagoras

    12 de junho de 2013 às 22h16

    Caramba, num intendi nada. Dá pra explicar mió essa sopa de letrinhas,cumpadi assalariado?

    Pitagoras

    12 de junho de 2013 às 22h16

    Caramba, num intendi nada. Dá pra explicar mió essa sopa de letrinhas,cumpadi Mauro?

RicardãoCarioca

28 de maio de 2013 às 08h10

Lamentável é ver progressistas, geralmente tão esclarecidos, se deixarem mediocrizar por textos como esse.

Primeiro, há tanto petróleo no pré-sal que a Petrobras sozinha talvez nunca consiga extrair tudo, até por falta de equipamentos no mundo.

Mas ainda que os tivesse, teria de contratar milhares e milhares de terceirizados e/ou funcionários. No segundo caso, uma vez contratados, nunca mais deixariam de ser, em virtude da estabilidade.

Então a Petrobras se incharia para dar conta do pré-sal e depois, esgotadas as reservas ou, com o avanço de outras tecnologias energéticas, o petróleo despencar de preço, deixando de ser interessante extraí-lo, como ficaria a empresa?

O Petróleo, minha gente, possui esses dois paradigmas: Esgotamento e perda rápida de valor caso alguma nova fonte energética surja. Não dá para imaginarmos uma só empresa querendo abraçar tudo.

Além do que, “percentual de lucro que deve ser destinado à nação, algo em torno de 73%, diga-se de passagem, bem abaixo da média mundial…” peraí, cara-pálida! Primeiro, 73% sobre o risco de investimento alheio é uma ótima cifra. E, segundo, onde estão os dados que dizem que outros países recebem mais do que isso em partilhas e concessões?

Lembrem-se: Se o preço do barril de petróleo voltar aos preços que eram praticados nos anos 1990, não será interessante extraí-lo, será na verdade prejuízo.

O pré-sal é um baú do tesouro sim, mas efêmero.

É pena que a discussão desse assunto fique no campo emocional e não no racional.

Responder

    BACAMARTE

    28 de maio de 2013 às 15h06

    A discussão está no campo politico e os USS$ bilhões ou trilhões em disputa parecem muito mais valiosos que a soberania nacional.

Jayme Vasconcellos Soares

28 de maio de 2013 às 08h08

Mais uma vez Dilma mostra sua preferência pelo modelo neoliberal, elitista, entreguista, ao privatizar as nossas reservas de petróleo e gás da jazida do Pré-sal. Dilma não cumpriu o que prometeu em sua campanha eleitoral, e revela-se uma traidora da Pátria, como o foi o FHC.

Responder

Malvina Cruela

28 de maio de 2013 às 07h32

“E Dilma, quem diria”???????????????????? qualquer um diria…

Responder

Hildermes José Medeiros

28 de maio de 2013 às 06h27

Na verdade não acho que seja entrega, não. Prestem atenção: o petróleo nacional iniciou a ser entregue
ao capital estrangeiro como sugere, ainda com os militares (contratos de risco), mais precisamente com Ernesto Geisel, sendo a obra concretizada no governo FHC, com a Lei 9478/97, a lei da entrega. Essa Lei está em vigor vai fazer dezesseis anos, razão porque temos um fato consumado, com repercussões políticas e econômicas que transcendem, na conjuntura em que vivemos, onde o neoliberalismo ainda é força dominante no Brasil, as possibilidade de enfrentamento direto com tudo que se possa considerar forças nacionalistas, que estão reduzidas e desarticuladas, quase sem respaldo popular, sem nenhum chamamento à participação, dado que hoje envolve, com a Petrobras já sendo uma das maiores empresas de petróleo do Planeta, questões de compreensão mais complexas. Difícil, diria quase impossível termos forças para voltarmos ao regime da Lei 2004/53. Além do mais, nesse período, centenas de empresas, nacionais e estrangeiras, direta e indiretamente estão envolvidas e tocando a indústria do petróleo no Brasil. Por essas razões, a meu ver, a Lei 12.351/2010 é um avanço, porque fortalece a Petrobras, garantindo no mínimo 30% de participação e sendo a única operadora nessa área, seja na exploração ou na produção de hidrocarbonetos, em novo sistema (partilha) em que as demais empresas (nacionais ou estrangeiras) deixam de controlar o petróleo nacional, que passa para uma nova empresa pública que está sendo criada, que atuará em nome da União . Desculpem, mas nesses atos não vejo entrega, mas resgate de algumas prerrogativas que foram totalmente entregues pela Lei 9478/97. É uma questão tautológica dizer que melhor seria o monopólio estatal. Entretanto usa antolhos quem não percebe que teríamos sérios problemas políticos e econômicos para desenvolver a riqueza do pré-sal só com capitais nacionais e endividamento. Talvez não desse para ser abarcado todo o problema. Faltariam recursos, que ficariam muito mais caros, lógico. Nossos esforços deveriam ser para fortalecer o que já se conquistou, que é um marco para podermos avançar para aumentar a participação no nosso petróleo e impedirmos sua exportação desenfreada que alguns defendem. Temos que reter o máximo dessa riqueza em proveito de nosso país. É o que interessa, porque não vejo forças suficientes para muito mais. Lutar pela volta do monopólio (como costumo dizer: voltar o gênio para dentro da garrafa) ou é engano ou esperteza para fins políticos e enganar incautos.

Responder

    Jéferson

    28 de maio de 2013 às 12h55

    Fica a dica Hildermes!
    Trecho do texto do camarada Carlos Lopes “Amigos leitores, foi lançada – no rabo da entrega do petróleo e dos portos – uma nova tecnologia de capitulação.
    Expliquemo-nos. Vejamos um exemplo hipotético: imaginemos que um cidadão queira trair o seu passado, e, de resto, o seu país e o seu povo.
    Antes, era uma complicação. O elemento tinha de considerar que era um mau caráter, um renegado, ou um farsante – em suma, um pulha. Coisas pouco agradáveis. Agora, ficou mais fácil: basta dizer que a traição é a única posição “de esquerda”; que, sem trair, o Brasil vai para as breubas; que trair é essencial para a competitividade da economia; que o que falta para o país crescer é entregar o ouro do povo aos bandidos (para não falar na própria rapadura), etc.
    Com isso, o elemento poderá pregar até o genocídio dos canhotos – desde que diga que essa é a única posição “de esquerda”. Com a vantagem de xingar de “direita” àqueles que se recusam a trair e aos alucinados que não percebem que os cartéis e o imperialismo deixaram de existir (essa coisa tão óbvia).
    O único problema dessa novíssima tecnologia é que ela já foi usada uma vez, numa cidade francesa de nome Vichy, até então famosa apenas por sua água mineral (já que sua sopa, a popular “vichyssoise”, descobriu-se que foi uma invenção dos americanos).
    Em Vichy, na II Guerra, a única revolução “possível” e o único “patriotismo” era entregar a França ao nazismo e puxar o saco de Hitler.
    O lado desagradável (sempre existe algum) dessa tecnologia de Vichy foi o destino dos seus usuários, alguns deles ex-comunistas ou ex-socialistas “de esquerda” ou ex-nacionalistas. Por exemplo: Pétain – condenado à morte, comutada em prisão perpétua, morreu na prisão; Laval – condenado à morte, fuzilado em 1945; Brinon – condenado à morte, fuzilado em 1947; Darnand – condenado à morte, fuzilado em 1945; Doriot – executado pela Resistência em fevereiro de 1945.
    E paramos por aqui porque não temos mais espaço para nome de renegado.” A íntegra está ai: http://profjefersongeo.blogspot.com.br/2013/05/os-herdeiros-de-vichy-e-mp-dos-portos.html ou no Hora do Povo.

FrancoAtirador

28 de maio de 2013 às 06h23

.
.
ONDE O “FRENTÃO DA BURGUESIA INTERNA” SE ARTICULA

(http://www.youtube.com/watch?v=R7bZ98vKlMk)

Responder

Neotupi

28 de maio de 2013 às 04h13

Dentro do novo marco regulatório do pré-sal é impossível privatizar (o marco foi feito justamente para isso). O petróleo produzido é da União, em regime de partilha, com o estado brasileiro ficando com fatia do leão. A petroleira vira praticamente uma prestadora de serviço. E a Petrobras é sócia obrigatória em no mínimo 30% de cada bloco (mesmo em blocos que outras vençam o leilão).
É o governo também quem dita o ritmo de extração, então não há risco de estrangeiros manipularem preços, nem esgotarem reservas antes do tempo.
Tanto não é privatização, que o Serra havia dito à uma executiva da Chevron que se vencesse, reprivatizaria o pré-sal desmanchando esse marco regulatório.

Responder

    Lu Witovisk

    28 de maio de 2013 às 09h32

    Agradeço o esclarecimento!

    assalariado.

    28 de maio de 2013 às 19h01

    Caro Neotupi, então quer dizer que o poço de petróleo é do Estado.

    Então responda, por favor:

    – Qual é a fatia do leão?

    – A ‘prestadora de serviços’, pelo seu exemplo, podem ficar com até 70% do pre sal em questão?

    – A parte do óleo extraído do pré sal, que vai ser privatizada para a burguesia ‘nacional’ e internacional, também vai haver direitos a royalties para a educação? Sim, porque houve, e há, partilha, então?

    Obrigado.

    chico

    28 de maio de 2013 às 20h59

    Parece que suas breves perguntas quebraram a tese dele.

    JOTACE

    28 de maio de 2013 às 22h20

    Caro assalariado,

    Corretíssimos teus argumentos, mas infelizmente estão e estarão sempre a louvar a parelha entreguista antipátria: o homem da cobra na sua arte de mentir e enganar e a mezinha que está recomendando ao Brasil, a banha de tatu peba…Fraterno abraço, Jotace

Tiago

28 de maio de 2013 às 04h05

A atividade de exploração de petróleo tem uma característica que a difere das outras atividades hoje em evidência: o risco exploratório.
Portos, Rodovias, Ferrovias, estes sim estão sendo entregues de mãos beijadas, e em NADA se assemelham à indústria de recursos naturais e especificamente à exploração de petróleo.
Sejamos espertos para não cairmos em falácias, coisa que o governo tem feito muito ultimamente. Temos um marco regulatório descente graças aos últimos governos sensíveis às causas sociais e às causas da Petrobrás.

Responder

Tiago

28 de maio de 2013 às 02h57

Não querendo ser o advogado do Diabo, mas já o sendo…
Quando se falava em Petróleo no auge da campanha, vencida com grande ajuda de blogs como o do Azenha e do PHA que por sinal desmascararam fraudes bizarras, o que se criticava era o modelo de concessão ok? O modelo de concessão escrito pelas mãos de empresas estrangeiras e consultores muiti-uso (meros intérpretes). A lei do petroleo 9478.
O que o governo Lula emplacou foi o modelo de partilha, pela lei 12351, um modelo que propeliu uma nação chamada Noruega, cujas reservas de petróleo subsidiaram um incrível desenvolvimento.
Destinar TODA a participação recebida pelo governo para a o fundo destinado à educação e P&D está na lei, que apesar de onerar a Petrobras dando-lhe participação automática de no mínimo 30% nos blocos em regime de partilha, é uma lei muito interessante do ponto de vista de uma nação que precisa crescer. Muita safadeza vai rolar, muita empresa desgraçada vai se dar bem, algumas vão se dar mal tb, vai ter de tudo, mas no final a lei garante contrapartida para a sociedade.
Portanto acho que a presidenta está simplesmente seguindo o seu programa de governo.

Responder

Luiz AA do Sacramento

27 de maio de 2013 às 22h46

É lamentável que nos últimos tempos os governantes que assumiram a direção do país não souberam manter a coerência entre os seus discursos de candidatos e suas ações quando no exercício do mandato ,para o qual foram eleitos.
Em consequência podemos perceber que ano após ano o país segue sendo esvaziado sorrateiramente nos seus bens patrimoniais.A histórica usurpação do patromônio natural do Brasil , segue o curso deletério de uma estrutura administrativa nacional que não contempla a autopreservação dos valores materiais e morais.
” Então repeti ao povo: desperta do sono teu; Sansão derroca as colunas! Quebra os ferros – Prometeu! Vesúvio curvo , não pares – Ígnea coma solta aos ares, em lavas inunda os mares, mergulha o gládio no céu.” PEDRO IVO – pOESIA DE Castro Alves

Responder

Eu e o Google Contra a Rapa.

27 de maio de 2013 às 21h58

Pois é…

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.