VIOMUNDO

Diário da Resistência


Eliara Santana: Imprensa brasileira gestou e pariu Bolsonaro; agora não adianta negar o filho feio
Reprodução, Agência Brasil e Câmara dos Deputados
Você escreve

Eliara Santana: Imprensa brasileira gestou e pariu Bolsonaro; agora não adianta negar o filho feio


10/03/2019 - 16h11

por Eliara Santana*, especial para o Viomundo

O editorial do jornal Estado de São Paulo do último dia 8 de março talvez seja o marco de uma linha divisória para o governo eleito em 2018 — acabou o namorico da imprensa com Bolsonaro.

À esquerda e à direita, várias esferas apontaram o tom contundente e certeiro nas críticas ao presidente e suas falas estapafúrdias. A gota d’água parece ter sido o vídeo pornô que Bolsonaro publicou em rede social para criticar o Carnaval no Brasil.

“O presidente deve ter consciência de que não é mais candidato, condição que lhe permitia incorporar o personagem histriônico e falastrão que seus fanáticos seguidores apelidaram de ‘mito’, disse o editorial do Estadão, num tom de muita indignação, escancarando o desconforto que parte da grande imprensa — com exceção de Record, Band e Rede TV — vem mostrando em relação ao “mito”.

No Jornal Nacional da Rede Globo, muitas e muitas matérias sobre o filho ligado a negócios escusos, com um vasto laranjal e muitas matérias sobre feminicídio (um calo para quem acha que ter uma filha é “dar uma fraquejada” e que mulher tem mesmo de ganhar menos).

No jornal O Globo, colunista fala que “nunca um presidente conseguiu queimar tanto capital político trazido das urnas em tão pouco tempo”.

Lendo e assistindo a todas essas manifestações indignadas, é curioso pensar: depois de incessantes tuitadas nonsense e o país à deriva, somente agora a imprensa brasileira descobriu quem é Bolsonaro?

De repente, a imprensa brasileira descobre que o “mito” é um “mico”?

Descobre que o presidente eleito é alguém que professa “destrambelhadas manifestações”, faz “discurso grotesco”, tem “arroubos” e “bravatas”, além de um “comportamento grosseiro”?.

De repente?!

Eram todos ingênuos e acreditavam que o capitão reformado e afastado do Exército, com declarações machistas, homofóbicas e racistas fosse alguém realmente capaz de governar o país?

Realmente, causa certa surpresa que os grandes veículos de comunicação do Brasil tenham tido essa percepção tão tardia, posto que a imprensa estrangeira – NYT, Guardian, The Economist, CNN, para citar alguns – se horrorizava há muito, antes mesmo da eleição de 2018, com as tiradas do mito/mico.

Agora, diante desse arroubo questionador e indignado da mídia corporativa diante do inacreditável presidente eleito, é interessante fazermos algumas considerações, especulações sobre o brevíssimo casamento.

Primeiramente, é certo que Jair Bolsonaro nunca foi o candidato dos sonhos da direita e centro-direita, lugar de origem dos grandes grupos midiáticos que controlam a comunicação no Brasil e em nome de quem falam.

Havia outros candidatos, mas eles (tentativa após tentativa, até de um apresentador global) não emplacaram.

Por outro lado, o elemento norteador das ações e do posicionamento desses grupos era o antipetismo.

Ou seja, desde o apoio ao impeachment forjado de   Dilma Rousseff até a prisão de Lula, todas as arbitrariedades e injustiças cometidas foram devidamente escamoteadas pela imprensa, fiel ao propósito dos grupos dominantes de eliminarem o PT da cena política brasileira.

Assim, a urgência em tirar o PT do páreo atenuou as possíveis “divergências”. E então, o capitão reformado (e afastado do Exército) se tornou o candidato possível.

A partir dessa constatação, torceram o nariz e aceitaram o bode na sala (talvez apostando que seria fácil controlá-lo), afinal, “tudo menos o PT”, dizia-se por aí.

SINAIS ERAM EVIDENTES

O agora referenciado como “destrambelhado” e incompetente (entre outros adjetivos pouco favoráveis) sempre deu claros sinais de tudo o que era.

Claríssimos sinais, diga-se de passagem.

Por tudo isso que aparece numa rapidez nunca antes vista na recente histórica democrática do pais — o Collor demorou pouco mais de um ano para começar a ser desconstruído pela mídia –, cabe o questionamento: em nenhum momento da campanha eleitoral de 2018 a imprensa brasileira percebeu quem de fato era Jair Bolsonaro?

Essa pergunta deflagra outras:

1) Por que ninguém na imprensa tratou, com seriedade, as denúncias feitas pela Folha de S. Paulo do uso de WhatsApp pela campanha de Bolsonaro? O que poderia mudar o rumo das eleições…

2) Por que esqueceram a fala Bolsonaro no julgamento do impeachment de Dilma Rousseff na Câmara, quando ressaltou ostensivamente a memória de um torturador?

3) Por que a Folha de São Paulo proibiu que Bolsonaro fosse referenciado como candidato de extrema-direita, mesmo quando os jornais estrangeiros assim o faziam?

4) Por que o Jornal Nacional colocou em pauta um processo de humanização do candidato, silenciando sobre seu passado misógino, homofóbico e racista?

5)Por que nunca se dedicaram a investigar as ligações perigosas dele e dos filhos? Indícios sempre houve…

6)Por que parte da imprensa tratou com certo menosprezo o movimento #elenão?

7)Por que a imprensa tratou as duas candidaturas – Haddad e Bolsonaro – como representantes de dois polos num mesmo campo democrático? Uma vez que as diferenças entre elas eram gritantes…

8) Por que nunca cobraram as suas propostas efetivas para o país ao longo da campanha?

9) Por que aceitaram prontamente as desculpas esfarrapadas para o não comparecimento aos debates?

10) Por que aceitaram vender Bolsonaro, deputado há 30 anos sem aprovar um único projeto, como alguém de fora da política, alguém “novo”?

Além das perguntas, alguns fatos nos mostram que a imprensa foi, no mínimo, condescendente com o candidato.

Durante a campanha, a fábrica de fake news estava em sua capacidade máxima.

No Jornal Nacional, Bolsonaro falou ao vivo sobre o malfadado kit gay, atribuindo a aberração a uma ação de Fernando Haddad, o candidato do PT, quando ainda era ministro.

William Bonner não retrucou nem tampouco questionou o teor absolutamente desqualificado da fala do candidato Bolsonaro. O tal kit gay foi um dos mais virulentos instrumentos a povoar as redes sociais.

Em momentos distintos da campanha, Bolsonaro e filhos fizeram menções honrosas ao torturador Brilhante Ustra, sem que tivessem sido duramente interpelados ou questionados.

No dia 29 de setembro, mulheres de todo o país e de  todos os matizes políticos foram às ruas gritando #elenão.

No Jornal Nacional, o movimento teve uma cobertura tímida, de apenas cinco minutos.

Nesta mesma edição, Bolsonaro deu uma entrevista exclusiva, de dentro do avião, indo para casa, depois de ter alta do hospital Albert Einstein, onde se recuperava de uma cirurgia em virtude da facada de que foi vítima.

Ali, a encenação com apelo melodramático atingiu o ápice, destruindo a imagem que os protestos queriam colocar em xeque: um candidato misógino, racista, homofóbico.

Também nunca perguntaram a ele, por exemplo, por que disse que preferia ter um filho morto a um filho gay.

Tampouco repercutiram, à exaustão, a fala dele em relação à deputada Maria do Rosário, de que ele não a estuprava porque ela não merecia.

A imprensa estrangeira questionou essas falas.

O Guardian fez um pequeno documentário com os “melhores momentos” do mito, além de muitas matérias. o NYT se escandalizou com as declarações, Liberátion e Le Monde também, CNN, idem, além de muitos outros veículos mundo afora.

DEMONIZAÇÃO DA POLÍTICA E O QUE VEM DEPOIS…

Para naturalizar o golpe contra Dilma Rousseff, a mídia em geral, particularmente o Jornal Nacional, construiu uma narrativa jornalística com características bem específicas, alicerçada pela base dos repertórios (temas gerais) corrupção e crise econômica, num meticuloso trabalho de demonização da política.

Diuturnamente, a política passou a ser enquadrada no referencial da corrupção, passando a ser vendida para o público consumidor de notícia como algo muito negativo.

A mensagem subentendida era: para o Brasil dar certo, precisa se livrar da política e dos políticos.

Quem toma o lugar? Um neófito, alguém “de fora” do esquema, capaz de acabar, como um herói, com o grande mal da corrupção.

Assim, trataram de estruturar e consolidar essa narrativa, ao mesmo tempo em que tratavam o impeachment baseado em pedaladas (alguém ainda se lembra disso?) como algo dentro da normalidade (me refiro ao impeachment!).

Nunca mostraram, por exemplo, quem eram os que julgavam Dilma Rousseff, como Eduardo Cunha por exemplo.

Estratégia consolidada com sucesso, o próximo passo era blindar o governo golpista sucessor, Michel Temer.

Nesse momento, a jogada ficou mais difícil, pois o sucessor não ajudava em nada, e sua inépcia ia resultar naquilo que mais temiam: a volta de Lula.

Novamente, a imprensa teve papel decisivo ao incensar Sergio Moro e a Lava Jato e tapar olhos e ouvidos para todas as arbitrariedades cometidas contra Lula, e sua  prisão em abril parecia coroar um processo.

Nas semanas seguintes, toda a mídia, teleguiada pela ação do JN, fez uma operação de silenciamento em relação a Luis Inácio, que parecia ter sido abduzido de repente.

Infelizmente para os grupos no poder, a estratégia não estava dando certo, e a velha jararaca não parava de subir nas intenções de voto, mesmo preso.

A mídia corporativa parece entender muito bem o modelo de propaganda de Chomsky e o que ele  afirma em termos da criação de consenso: em países de democracia formal, é preciso buscar o consentimento da população.

Cria-se, por exemplo, um inimigo comum. Nos EUA, os terroristas; aqui, o PT e a figura de Lula.

Daí o surgimento do odio à política, do combate histérico à corrupção.

Em suma, não dava para errar de novo… e é aí que entra a figura idiossincrática do capitão reformado, e assim podemos encontrar respostas para algumas das indagações feitas mais acima.

No entanto, logo após a vitória no segundo turno, o tom hostil de Bolsonaro em relação à imprensa  e os desencontros do governo — que não apresentou nenhuma medida para aplacar os problemas brasileiros e dar uma resposta efetiva ao eleitorado e aos grupos de poder — pareciam mostrar que a coisa não iria andar conforme o script estabelecido, pois a figura problemática do eleito ficava cada vez mais evidente.

PAPEL DECISIVO

A imprensa corporativa brasileira, ao invés de expor à exaustão esse comportamento que insulta  a civilidade, tratou como normais atitudes completamente ultrajantes e desalinhadas de uma perspectiva democrática e cidadã.

Fizeram vista grossa para a grave disseminação de fake news, contribuindo, em muitos momentos, com ilações.

Em nome da pretensa “imparcialidade” na cobertura, normalizaram um candidato cuja base de princípios não é a da democracia nem a do respeito aos direitos e à diversidade.

Normalizaram Bolsonaro e taparam os olhos para todo o conjunto de graves problemas que o cerca para inviabilizar o PT.

Portanto, a imprensa brasileira, tão combativa e rápida em atribuir responsabilidades a outros atores em outros momentos, tinha todos os elementos para saber, de fato, quem era Bolsonaro.

E se não o fez naquele momento foi porque tinha outros interesses.

Em nome do antipetismo que ajudaram a construir, em nome do silenciamento absoluto e do afastamento de Lula, ajudaram a eleger o candidato que agora chamam de “incompetente” ou “destrambelhado”, ignorando todos os sinais de perigo.

Talvez achassem que iriam usá-lo e, depois, num grande acordo nacional, descartá-lo. Mas o poder é tentador, e a família tem ideias próprias  e seguidores fanáticos.

Bolsonaro foi também gestado e parido pela imprensa brasileira. Não adianta, agora, querer negar o filho feio…

*Eliara Santana é jornalista, doutoranda em Estudos Linguísticos pela PUC Minas/Capes.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Edgar Rocha

12 de março de 2019 às 18h40

Ótima síntese! Mas, é impressão minha ou a Globo não está conseguindo articular a retirada do coiso com o apoio das lideranças militares? Parece que estão dando uma forcinha pro Mourão parecer mais sensato do que é. Mesmo assim, não tá colando. Alguns avaliam que a Globo e aqueles que ela representa estão esperando a reforma de previdência. Vai demorar um pouco e a Globo dá a impressão que não tá conseguindo esperar. Vamos ver com as investigações sobre o caso Marielle Franco se a bomba estoura de vez. Só que está meio difícil, com o coiso blindado pelo STJ do Toffoli.
O que me parece provável neste imbróglio do poder é que vem chumbo grosso aí contra a cidadania e as instituições. A coisa tá feia pros que não desejam mais o Bolsonaro. Tanto ele pode perder a cabeça e testar sua força política (entenda-se força bélica, com bala na agulha e tudo) caso se sinta acuado, como o exército pode querer dar um basta na brincadeira dos radicais fundamentalistas. São as milícias, as Polícias estaduais e o crime organizado de um lado e o exército do outro. Vejo uma chance grande de ter pau e o povo ficar no fogo cruzado.
Ou não… pode ocorrer um acordo entre ambas as partes. Teriam que por um freio no coiso e nos coisistas. Não seria fácil. Contudo, quem tem c* tem medo.

Responder

lulipe

11 de março de 2019 às 14h55

O PT adoraria uma imprensa “livre” como a cubana, venezuelana ou chinesa….

Responder

    Rogério Bezerra

    12 de março de 2019 às 08h53

    Conhece Cuba e os Estados Unidos? Conhece minimamente a História deles?
    Sabe o que aconteceu nos anos de 1950 e 1960 no mundo?
    Faz ideia por que o Brasil ficou para trás?
    E porque todas as políticas sociais que o PT desenvolveu em apenas 12 anos estão sendo destruídas?
    É funcionário dos gringos, mais um robôbo…

Zé Maria

11 de março de 2019 às 14h52

Vídeo: “Brasil em Transe” em 3 Episódios

Versão em português do documentário
feito para BBC World News

Por Kennedy Alencar

A ascensão da extrema-direita não veio do nada.
Tem tudo a ver com as manifestações de 2013,
com o controverso impeachment de Dilma,
com o impacto da Lava Jato sobre o prestígio dos políticos
e dos partidos tradicionais e, sobretudo, com a reação da opinião pública
à inédita exposição da corrupção endêmica entre o poder e o empresariado.

O conturbado período de 2013 a 2018 mudou a história do Brasil.

Compreender o que aconteceu é fundamental para evitar
o aprofundamento da crise e um retrocesso civilizatório.
Uma grande inspiração para mim foi “Roda Viva”, do Chico Buarque,
que abre e encerra os três episódios.
Essa canção representa o turbilhão de esperança
e desalento no qual o Brasil mergulha ciclicamente.

https://t.co/AVGtd4g7tc
https://www.blogdokennedy.com.br/assista-brasil-em-transe/
https://twitter.com/KennedyAlencar/status/1097634117536174081

Responder

Zé Maria

11 de março de 2019 às 13h53

O Golpe foi televisionado

Nas June Journeys 2013, a TV Globo deu Tela 24h/dia pra essa Fascistada,
eleitores de Aécio Neves, Eduardo Cunha, Jair e Eduardo Bolsonaro.

http://g1.globo.com/videos/t/manifestacoes/v/jornal-nacional-manifestacoes-de-junho-de-2013/3566843/

Responder

Zé Maria

11 de março de 2019 às 10h44

Desde o “Mentirão” – como foi apropriadamente denominado
o tal Mensalão pela Blogueira e Tuiteira Hildegard Angel –
senão mesmo antes, previa-se que esse Antipetismo Doente
aqui promovido pelos empresários de comunicação, inclusive,
geraria no interior da Sociedade um tipo de Fascismo
de Fanáticos Transtornados que elevaria ao Poder uma espécie
de Duce de Circo ou Führer Tragicômico – ao estilo Calígula –
que desvirtuaria qualquer possibilidade de racionalidade
dentro e fora das Instituições Democráticas Brasileiras.

Responder

Zé Maria

11 de março de 2019 às 09h52

Há muito tempo, Jair Bolsonaro já deveria ter o mandato
de deputado federal cassado, por falta de decoro no mínimo.
Não levaram adiante contra ele um processo sequer.
Nem Legislativo nem Judiciário.
E a Imprensa colaborou com Bolsonaro, por omissão
ou porque era de interesse político no Rio de Janeiro.

Por isso, foi significativa a Vitória de Maria do Rosário
na Ação Cível de Indenização por Danos Morais
contra o Patife e Cafajeste que foi eleito pré-Zidenti.

Aliás, como está o andamento do processo no TSE sobre denúncia
contra a chapa Bolsonaro-Mourão, de realização de caixa 2
com abuso de propaganda em redes sociais, como apontado
pela Folha de S.Paulo durante a campanha eleitoral de 2018.
Parece que a Mídia da Direita Tradicional percebeu a tragédia
tarde demais, tal como no período da Ditadura Militar.
Agora não adianta publicar receita de bolo na capa do jornal.

https://congressoemfoco.uol.com.br/justica/stf-mantem-decisao-que-manda-bolsonaro-indenizar-maria-do-rosario/

Responder

    Zé Maria

    11 de março de 2019 às 11h44

    É impressionante o que tá aparecendo de ‘Madalena Arrependida’
    nos círculos de [email protected] da Mídia Fascista
    e de Políticos da Direita Tradicional Antipetista.

    https://twitter.com/joomikhail/status/1105084438235541505

    Zé Maria

    11 de março de 2019 às 15h53

    “Sim, Bolsonaro será responsável por qualquer
    agressão que Constança Rezende vier a sofrer.
    Precisa também responder pelos efeitos do
    linchamento virtual que já provocou.
    Se tivesse algum resquício de consciência,
    deveria pedir desculpas e assumir
    que divulgou Fake News”

    Jornalista Eliane Brum, escritora e documentarista, colunista do El País,
    colaboradora do The Guardian e outros.

    https://twitter.com/brumelianebrum/status/1105073961895899136
    .
    “Mais uma fake news,
    mais um ataque à imprensa,
    mais uma atitude de autocrata.
    Tem sido assim desde a campanha.
    Não vai parar nem vai mudar.”

    Jornalista Kennedy Alencar

    https://twitter.com/KennedyAlencar/status/1105044699579068416

Luiz Cláudio

11 de março de 2019 às 08h22

APOIADO. Imprensa historicamente golpista (vide atitude contra Getúlio, Jango e Dilma), de direita, entreguista, que adora as tetas públicas (São a favor do Estado mínimo), com benefícios fiscais e sonegadora de impostos. Pariram um monstro. Caso Haddad tivesse ganho as eleições estariam batendo nele até conseguirem o impedimento. Não sou nem um pouco solidário a esses berlusconis.

Responder

Hugo Mari

10 de março de 2019 às 21h30

Muito bom o artigo, mas deixo uma pergunta para a Eliara: esses mesmos que estão agora criticando o ‘mito’, estarão também criticando o PEC da aposentadoria? Esse ‘novo’ posicionamento de Globo, FSP, de Estadão é uma questão de princípios democráticos ou de conveniência pelo fatiamento de verbas publicitárias? Até onde a ética prevalecerá sobre o pragmatismo.

Responder

    Eliara

    12 de março de 2019 às 21h20

    Hugo, é uma conveniência por perceberem que Bolsonaro não é controlável e representa um perigo para os interesses do poder. Não é uma questão de ética

Alvaro

10 de março de 2019 às 21h10

Exatamente. Essa aberração não nasceria se o ódio ao Lula e ao PT não tivesse sido plantado para tentar vingar uma força de direita(mercado) e acabaram por deixar criar a besta da direita (fascista).

Responder

Marco

10 de março de 2019 às 20h12

Simples assim.
Obrigado, por não termos que aguardar 50 anos pra ler esse texto NIS livros de História.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!