VIOMUNDO

Diário da Resistência


Movimentos sociais propõem à Dilma reunião
Você escreve

Movimentos sociais propõem à Dilma reunião


21/06/2013 - 12h13

 

Carta aberta dos movimentos sociais para a presidenta Dilma Rousseff

São Paulo, 19 de junho de 2013

O Brasil presenciou nesta semana mobilizações que ocorreram em 15 capitais e centenas cidades.

Concordamos com suas declarações que afirmam a importância para a democracia brasileira dessas mobilizações, cientes que as mudanças necessárias ao país passarão pela mobilização popular.

Mais que um fenômeno conjuntural as recentes mobilizações demonstram a gradativa retomada da capacidade de luta popular. É essa resistência popular que possibilitou os resultados eleitorais de 2002, 2006 e 2010. Nosso povo insatisfeito com as medidas neoliberais votou a favor de um outro projeto. Para sua implementação esse outro projeto enfrentou grande resistência principalmente do capital rentista e setores neoliberais que seguem com muita força na sociedade.

Mas enfrentou também os limites impostos pelos aliados de última hora, uma burguesia interna que na disputa das políticas de governo impede a realização das reformas estruturais como é o caso da reforma urbana e do transporte público.

A crise internacional tem bloqueado o crescimento e com ele a continuidade do projeto que permitiu essa grande frente que até o momento sustentou o governo.

As recentes mobilizações são protagonizadas por um amplo leque da juventude que participa pela primeira vez de mobilizações. Esse processo educa aos participantes permitindo-lhes perceber a necessidade de enfrentar aos que impedem que o Brasil avance no processo de democratização da riqueza, do acesso a saúde, a educação, a terra, a cultura, a participação política, aos meios de comunicação.

Setores conservadores da sociedade buscam disputar o sentido dessas manifestações. Os meios de comunicação buscam caracterizar o movimento como anti Dilma, contra a corrupção dos políticos, contra a gastança pública e outras pautas que imponham o retorno do neoliberalismo. Acreditamos que as pautas são muitas, como também são as opiniões e visões de mundo presentes na sociedade.

Trata-se, no entanto,de um grito de indignação de um povo historicamente excluído da vida política nacional e acostumado a enxergar a política como algo danoso à sociedade.

Diante do exposto nos dirigimos a V. Ex.a para manifestar nosso pleito:

Em defesa de políticas que garantam a redução das passagens do transporte público com redução dos lucros das grandes empresas. Somos contra a política de desoneração de impostos dessas empresas.

O momento é propício para que o governo faça avançar as pautas democráticas e populares, e estimule a participação e a politização da sociedade. Nos comprometemos em promover todo tipo de debates  em torno desses temas e nos colocamos à disposição para debater também com o poder público.

Propomos a realização com urgência de uma reunião nacional, que  envolva os governos estaduais, os prefeitos das principais capitais,  e os representantes de todos os movimentos sociais.

De nossa parte estamos abertos ao diálogo, e achamos que essa reunião é a única forma de encontrar saídas  para enfrentar a grave crise urbana que atinge nossas grandes cidades.O momento é favorável. São as maiores manifestações que a atual geração vivenciou e outras maiores virão. Esperamos que o atual governo escolha governar com o povo e não contra ele.

Assinam:

ADERE- Associação dos trabalhadores assalariados rurais  de MG

Assembleia Popular

Jornalistas do Barão de Itararé

CIMI- conselho indigenista missionario

CMP- Central de movimentos populares

MMC-Movimento de mulheres camponesas

CMS- coordenação de movimentos sociais

Coletivo Intervozes pela democratização dos meios de comunicação

CONEN- Coordenação Nacional das entidades negras

Consulta Popular

CTB-  central dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil

CUT- central Unica dos trabalhadores

Fetraf- Federação dos agricultores familiares

FNDC- Forum Nacional pela democratização da Midia

FUP- Federação unica dos petroleiros

Juventude Koinonia (das igrejas cristas tradcionais)

Levante Popular da Juventude

MAB- Movimento dosa tingidos pro barragens

MAM- Movimento Nacional pela soberania popular frente a Mineração

MCP  movimento campones popular, de Goias

MMM- Marcha Mundial de Mulheres

Movimentos da Via Campesina

MPA-  Movimento dos pequenos agricultores

MST- Movimento dos trabalhadores rurais sem terra

SENGE/PR- sindicato dos engenheiros do Parana

Sindipetro – sindicato petroleiros de sao paulo

SINPAF- sindicato dos trabalhadores e pesquisadores da EMBRAPA E  Codevasf

UBES- Uniao brasileira de estudantes secundaristas

UBM- Uniao Brasileira da Mulher

UJS-  Uniao da Juventude socialista

UNE-  Uniao Nacional dos Estudantes

UNEGRO  Uniao nacional do negro

Leia também:

Igor Grabois: Reação contra a Dilma começou com a redução dos juros





31 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

adalia pio

21 de junho de 2013 às 21h30

O debate de Dilma dia 21-6-2013 a noite nada foi agradado a manifestasao e destruicao dos vandalos ela so falou de jogos os beneficiados do inss esquceu etc

Responder

ricardo silveira

21 de junho de 2013 às 19h33

Bravo! Que o Governo não vire as costas para essa iniciativa. Novas manifestações vêm por aí e, certamente, mais virulentas.

Responder

natan ferreira

21 de junho de 2013 às 18h03

Quem deveria participar de reunioes com esses movimentos eh o Lula, pois
ele tem capacidade de dialogo e coordenacao melhor que presidenta.Que tal o Instituto Cidadania tomar a frente deste processo?

Responder

abolicionista

21 de junho de 2013 às 16h56

A Dilma não tem peito para enfrentar o PIG, é lamentável ver essa exposição pública de covardia por parte da nobre presidenta…

Responder

Vox Populi/CartaCapital: Dilma é favorita em todos os cenários eleitorais - Viomundo - O que você não vê na mídia

21 de junho de 2013 às 16h51

[…] Movimentos sociais propõem à Dilma reunião com seus representantes Luanda Calado, 25 anos, Recife: # Eu fui e me arrependi […]

Responder

FrancoAtirador

21 de junho de 2013 às 15h57

.
.
Carvalho diz que governo está preocupado com aumento da violência durante protestos

Danilo Macedo e Pedro Peduzzi, repórteres da Agência Brasil

Brasília – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse hoje (21), durante reunião com organizadores da Jornada Mundial da Juventude, que o governo está preocupado com o aumento da violência durante os últimos protestos ocorridos em diversas cidades brasileiras. O ministro destacou que o governo terá de trabalhar para atender “ao novo padrão de exigência” e às demandas que estão surgindo nas manifestações populares.

“O que está preocupando nos últimos momentos, sobretudo, é que as manifestações acabam sendo palco para um tipo de expressão lamentável, irresponsável de vandalismo que não podemos aceitar: ver a Esplanada [dos Ministérios] amanhecer do jeito que amanheceu, com serviços públicos afetados, bem como pontos de ônibus, símbolos públicos importantes como o Itamaraty e como a Catedral de Brasília”, disse o ministro.

Carvalho acrescentou que as manifestações representam uma insatisfação popular que, muitas vezes, é expressa de maneira “menos adequada”, e acrescentou que, além de combate à corrupção e de ética na política, as reivindicações que mais aparecem são relacionadas a melhorias nas áreas de saúde e educação.

“[Esses temas] estão a exigir do governo atitudes nessa perspectiva”, disse ele ao se referir “às três esferas” de governo.

“[Os protestos] Também estão a mostrar que essa grande camada de brasileiros, que emergiu da exclusão e que passou a consumir e a se movimentar mais, quer novos direitos.
É natural e bom que seja assim porque as pessoas não se contentam com o meio do caminho.
Portanto nós mesmos criamos, digamos assim, condições para que houvesse um novo padrão de exigência, e temos agora de correr atrás para atender a essas demandas”, argumentou o ministro.

Segundo ele, a atitude do governo federal, desde o primeiro momento, foi a de “ir ao encontro das manifestações, abrir o Palácio [do Planalto] para conversas com lideranças, tendo a compreensão de que se trata de um novo tipo de movimento, um novo tipo de liderança e de uma nova forma de organização”.

Sobre o encontro de jovens da Igreja Católica, marcado para julho no Rio de Janeiro, Carvalho espera que não ocorra em um clima como o atual.

Ainda segundo ele, há dificuldades, por parte do Poder Público, de saber como estará o cenário à época.

“Temos confiança de que vamos superar todos os problemas e de fato fazer uma jornada que corresponda a essa expectativa, que sempre tivemos, de um evento que signifique um marco de mobilização pela esperança, pela paz, pela vocação da juventude em se engajar.”

Edição: Lílian Beraldo

(http://agenciabrasil.ebc.com.br/noticia/2013-06-21/carvalho-diz-que-governo-esta-preocupado-com-aumento-da-violencia-durante-protestos)

Responder

Wolf

21 de junho de 2013 às 15h32

Que tal uma nova bandeira. JURO ZERO E DÍVIDA PÚBLICA ZERO. Criar uma CPMF para zerar toda a dívida pública e recolher todos os títulos do tesouro existentes. Abandonar para sempre o casino que desvia bilhões da educação, saúde, segurança e infraestrutura para o bolso dos rentistas nacionais e estrangeiros. O governo pode pagar tudo o que deve, e pode fazer isso jogando a SELIC em ZERO POR CENTO. O controle da inflação deve ser feito pelo aumento do depósito compulsório dos bancos e alíquota do IOF, e, pricipalmente, pelo aumento da produção, da oferta, de bens e serviços, não se dispensando a ampliação do âmbito de atuação das estatais e a facilitação das importações via correio.

Responder

    Leomar

    21 de junho de 2013 às 20h23

    Boa esta é boa mesmo. Abraços

    Luis Cortinhas

    21 de junho de 2013 às 20h35

    acho q o rapaz não tem a menor ideia do q está falando…

    alias, tenho certeza disso!

Leomar

21 de junho de 2013 às 15h29

Até que enfim a Dilma resolveu conversar com os Movimentos Sociais, ufaaaaaaaaaa, ala achou que agradando a direita fascista (banqueiros, Globo, base de coalisão fisiológica)e esquecendo dos que realmente elegeram ela, iria ter total governabilidade dentro das relações da política coronelista. O que O PT precisa ver, é que quando o cerco fechou a esquerda que salvou a pele da Dilma. Portanto, o PT precisa ter uma dimensão de que as relações capitalistas são contraditórias e impossíveis de humanizar, ainda mais num país concentrador de renda como o Brasil o capital tem pouco espaço de expansão, pois a estrutura concentradora não permite genética de maior expansão.

Responder

    José Silva

    21 de junho de 2013 às 20h02

    Onde vc viu que ela resolveu conversar com os movimentos sociais?!?!?! Eu estou vendo mais um apelo daqueles que ela virou as costas depois de eleita!!! Vamos ver até onde vai a marra da Presidenta com quem realmente a defendeu no auge da campanha mais suja e difamatória que eu já vi na minha vida. Dilma é extremamente ingrata com os movimentos organizados da sociedade, principalmente os de trabalhadores. Ela prefere prestigiar empresários bilionários, imprensa golpista, especuladores, e trabalhador que….

    Leomar

    21 de junho de 2013 às 20h28

    Suas palavras são verdadeira. Tomara que ela realemente receba quem realmente apoiou. Abraços

Eduardo

21 de junho de 2013 às 15h21

Vamos em frente Presidenta! Vamos aprovar os royalties do petróleo e destiná-los para a educação! Vamos urgenciar o novo marco da mineração, vamos agilizar a concessão dos portos, concessão de rodovias federais,agir pesado na reforma agrária. A saúde evoluiu mas é ainda muito carente,vamos trazer médicos dispostos a trabalhar(não seria possivel inovar com um curso técnico em medicina? Mais curto, com limitações, mas que ajude em nossas urgências? )Há muito por se fazer, estamos atrasados. Como disse o Lula:Não podemos errar,muito menos decepcionar esse povão cheio de esperanças!Vamos lá querida terrorista, subversiva, mais amada do mundo!Você é osso! Vamos tocar terror na direita radical nojenta que tenta ressurgir dos mortos a toda hora! Sua prole é grande! O Brasil está com voçê!

Responder

Messias Franca de Macedo

21 de junho de 2013 às 15h18

PARA OS JOVENS E AS JOVENS “PROTESTANTES”! COM CARINHO!

SEN-SA-CI.O-NAL! SENSACIONAL! DIDATISMO PURO E LAPIDAR! Aproveitem a genialidade!…

http://mariafro.com/2013/06/21/diego-quinteiro-e-pc-siqueira-explicam-o-que-e-esquerda-e-direita-para-o-gigante-que-acordou/comment-page-1/#comment-61650

ou aqui:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=UiVDtWb7K48

Respeitosa e humildemente,

Saudações democráticas, progressistas, civilizatórias e nacionalistas,

BRASIL NAÇÃO [depende de nós enquanto ações e reações!]

Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

    assalariado.

    21 de junho de 2013 às 16h14

    Caríssimo Messias Franca, vou aproveitar este vídeo que você colocou em seu comentário e (VOU SUGERIR QUE SE FAÇA UM POST PARA DISCUSSÃO TAMBÉM AQUI NO VIOMUNDO). Vamos ajudar a politizar o nosso povo seja pela direita, seja pela ‘esquerda’. Sim, espalhemos nas redes sociais.

    Abraços Camaradas.

    Messias Franca de Macedo

    21 de junho de 2013 às 20h11

    Prezado e valoroso brasileiro assalariado, confesso que acordei preocupado com os desdobramentos relacionados ao dia de hoje!… Felizmente, a luta de nós todos surtiu efeito: boa parte do PIG “está falando mansinho”! Sentiram a força do contragolpe, a força das reações lídimas e patrióticas dos que não defendem nem partido nem políticos, e, sim, a legalidade e a observância irrestrita e radical aos preceitos democráticos e civilizatórios!…

    Felicidades ao amigo!

    Saudações democráticas, progressistas, civilizatórias, nacionalistas, antigolpistas e antifascistas,

    BRASIL NAÇÃO [depende de nós enquanto ações e reações!]
    Bahia, Feira de Santana
    Messias Franca de Macedo

Urbano

21 de junho de 2013 às 15h03

Pelos protestos contra o pig, embora em menor escala, chega-se a verificar que se perdeu uma oportunidade de ouro, por não ter feito a Ley de Medios.Se não se buscar o povo, e se abancar em gabinete é que não consegue governar.

Responder

sousa santos

21 de junho de 2013 às 14h40

Duvido que a Dilma aceite !!!

Ela nao se reune com indio , com ambientalistas , com pequenos agricultores , com professores , com estudantes.

Ela SE reune com o CNA ( KAtia Abreu e bando ) , Com LAtifundiarios ( Caiado ) , Com grandes empreiteiras.

Podem anotar o que eu disse

Responder

ivo ferreira dos passos

21 de junho de 2013 às 14h30

Os nazistas se apropriaram das esquerdas na Alemanha em 1925, aonde eram apartidários, mas com suas correntes de aço, acabavam com os comícios da esquerda marxista. O resto da história já sabemos.
Ontem na avenida Paulista os facistas da direita nazista estavam com o mesmo impeto, e o “grande irmão”dando cobertura como em uma fórmula 1. Seu golpe certeiro e dessesperado é o último de sua cartucheira infame.

Responder

Mardones

21 de junho de 2013 às 13h54

Dilma não sabe mais como conversar com movimentos sociais. Só sabe conversar com executivos, empresários e cia ltda. ELa não tem política de comunicação, senão aquela para atender aos critérios técnicos da ministra da SECOM, Helena Chagas.

Responder

sandro

21 de junho de 2013 às 13h30

Perfeito.
Vamos lá Dilma!

Responder

leonardo brito

21 de junho de 2013 às 13h26

Em tempo: Os protestos são justos e legítimos desde que haja ordem. Acho que uns 99 % estão nas ruas pela diversão, adrenalina e para extravasar mesmo. Outro 1 % está consciente das maiores e mais importantes reivindicações.

Tem vários assuntos a serem abordados que não são:

-Revisão urgente do código penal brasileiro. Negro e branco matam, sequestram, colocam fogo e são liberados para responderem em liberdade;
-Os pedágios em São Paulo e mais capitais são caríssimos e ninguém se lembra de questionar;
-A corrupção em todas as esferas: Municipal, Estadual e Federal;
-A corrupção e a leniência da justiça. Juízes comprados por tubarões do dinheiro. Daniel Dantas e cia.
-Mais investimentos na saúde, educação, segurança, moradia e transporte público com boa qualidade;
-Protestar contra a própria Fifa, CBF e Globo que induziram o país a se envolver com a copa e estes três são os verdadeiros beneficiários dos gastos com os estádios;

Saudações
Leonardo Brito

Responder

    LEANDRO

    21 de junho de 2013 às 14h30

    Corretíssimo. só um item a discordar, quem achou que seria o maior beneficiado com a copa foi o lula e o tiro tá saindo pela culatra.

    Luzinete

    21 de junho de 2013 às 15h28

    Ressalto apenas que, os “1 % conscientes das maiores e mais importantes reivindicações” podem valer muito pouco ou nada em termos de representatividade sem “esses 99% que estão nas ruas pela diversão, adrenalina e para extravasar mesmo”.

Luís Carlos

21 de junho de 2013 às 13h15

Coesão. O que nos une é muito maior do que nossas diferenças. Reconhecer o inimigo comum da população brasileira e reorganizar para os movimentos a serem adotados.

Responder

Lafaiete de Souza Spínola

21 de junho de 2013 às 13h00

O MOMENTO ADEQUADO PARA LANÇAR UM GRANDE PROJETO!

UM PROJETO PARA A EDUCAÇÃO NO BRASIL.

Federalizar a EDUCAÇÃO!

Vamos dar andamento ao legado que o Darcy Ribeiro nos deixou!

A verdade mostra que a nossa educação é, faz décadas, pífia! O Brasil necessita de uma escola pública, em tempo integral, de qualidade que permita fornecer o básico às nossas crianças, para que elas se encaixem nesse mundo que se descortina.

O caminho para resolver os problemas estruturais e amenizar as injustiças sociais do Brasil está, basicamente, atrelado à EDUCAÇÃO. Precisamos, com urgência, investir, pelo menos 15% do PIB no orçamento da educação. Deve ser disponibilizada escola com tempo integral às nossas crianças, oferecendo, com qualidade: o café da manhã, o almoço, a janta, esporte e transporte, nas cidades e no campo. Como é uma medida prioritária, inicialmente, faz-se necessária uma mobilização nacional. Podemos, por certo tempo, solicitar o engajamento laico das Igrejas, associações, sindicatos e das nossas Forças Armadas (guerra contra o analfabetismo e o atraso) para essa grande empreitada inicial.

A construção civil deve ser acionada para a construção de escolas de alta qualidade, com quadras esportivas, espaços culturais, áreas de refeição e cozinhas bem equipadas etc. Tudo isso exigindo qualidade, porém sem luxo. Durante o período de mobilização, concomitantemente, o governo deve investir na preparação de professores para atender à grande demanda. Como esse projeto é de prioridade nacional, os recursos deverão vir, entre outros: de uma nova redistribuição da nossa arrecadação; de uma renegociação da dívida pública; da inclusão do bolsa família.

Criar uma CPMF de 0.50%, exclusiva para a educação.

Investir cerca de 40% das reservas, durante essa a mobilização inicial, para a construção desses centros escolares e formação de professores.

Não temos tempo para ficar aguardando a época do pré-sal.

Observações e consequências previsíveis:

1. O tráfico perderá sua grande fonte de recrutamento, pois todas as crianças estarão, obrigatoriamente, em tempo integral, das 07 às 18 horas, na escola. Passam a ser desnecessários tantos investimentos em presídios e no efetivo policial. É uma fonte de recursos que migrará para a educação.

3. A saúde pública será, também, uma grande beneficiária, pois teremos crianças bem alimentadas, sinônimo de saúde para elas e seus pais. Toda escola deverá ter um posto de saúde.

4. O setor financeiro deve entender que isso levará o país, em médio prazo, a outro nível de bem estar. Não podemos continuar incrementando a dívida publica em detrimento da educação.

5. A federalização da educação é uma necessidade. A educação deve ter o mesmo nível em todo país. A edição de livros em escala, por exemplo, proporcionará a diminuição de custos.

6. Fiscalização rigorosa, prevista em lei, controlada pela sociedade; com a participação de: pais, professores e sindicatos, com poderes e recursos para denunciar erros, desvios de verba e de rumo etc.

7. Recursos adicionais: os pais pagarão 5% do salário / entradas pela mensalidade de cada filho matriculado. Isso é muito menos do que arcam, hoje, nas escolas particulares que, na sua maioria, não adotam o tempo integral.

8. O pequeno agricultor terá prioridade no fornecimento dos produtos alimentícios dessas escolas.

Surgirá, então, um mercado pujante, nesse vasto Brasil, aumentando nosso mercado interno. Tornando-se, também, numa importante política para manter o homem no campo. A formação de pequenas cooperativas agrícolas deve ser incentivada para permitir a aquisição de maquinário destinado ao cultivo da terra, armazenagem da colheita e entrega dos produtos nas escolas.

9. A EMBRAPA deverá receber recursos adicionais para dar todo apoio a essa gente do campo, aproveitando para ensinar como praticar uma agricultura sustentável e como cuidar das matas ciliares. As escolas estabelecidas no campo devem ter no currículo aulas teóricas e práticas de como recuperar as áreas degradadas. O governo, por intermédio da Embrapa, fornecerá mudas e orientação de como proceder. As escolas localizadas dentro do perímetro urbano adotariam a sistemática de, periodicamente, participar, em conjunto com suas irmãs do campo, de mutirões para recuperar áreas degradadas. Isso proporcionaria uma maior integração da cidade com o campo. As crianças da cidade não ficariam tão alienadas, quanto à vida do interior.

10. O Brasil deixará de ser, apenas, um país exportador de “produtos primários”. No campo da agricultura, teremos uma maior diversidade e qualidade.

11. Nossa indústria crescerá, em função do mercado interno e da exportação de produtos com melhor qualidade.

12. O futuro da energia: Pequenas usinas de energia solar, eólicas e hidroelétricas devem proliferar para atender às novas exigências dessas escolas e dos pequenos agricultores. A sobra dessa energia será integrada à rede nacional, evitando apagões.

13. A energia nuclear, ainda, é cara e perigosa. Devemos pesquisá-la.

14. Outras fontes de energia, como a eólica, a solar e a biomassa poderão aumentar a nossa independência.

15. A devastação da Amazônia: Precisamos desenvolver tecnologia para multiplicar as cabeças de boi por metro quadrado. Um povo educado e culto saberá combinar o desenvolvimento com a preservação ambiental.

16. Os psicopatas, sempre olham o presente; não se importam com o futuro! Estudos bem elaborados confirmam que no meio da sociedade há cerca de 3% a 5% dessa praga. Num país com uma população de 190 milhões, temos, assim, pelo menos, 5.7 milhões praticando todo tipo de ato daninho à sociedade; inclusive contra a educação. Quanto mais permissivo o ambiente, mais esses traficantes, corruptos e lavadores de dinheiro atuam. Com um povo educado essa gente não desaparece, porém o grau de atividade será bem menor. Eles estarão, com certeza, na linha de frente, em oposição a um plano como este!

17. Para alcançarmos tudo isso, vamos necessitar, possivelmente, de uma nova forma de fazer política: mandato único em todos os níveis, partidos sem caciques, país unitário (seria o ideal), lei única, câmara única e, consequentemente, deputados estaduais e vereadores só para a fiscalização. Os incomodados dirão: Que blasfêmia! Quem não dá a devida atenção à educação, deseja o status quo.

18. A nossa federação tem sido o berço esplêndido dos caciques, dos modernos coronéis, alojamento de mafiosos, fonte das guerras fiscais e muitas outras mazelas. Dentro desse quadro federativo a educação, praticamente, não terá guarida.

19. Com um projeto como esse, as nossas Forças Armadas repensariam seus projetos de importação, voltando sua atenção para o desenvolvimento tecnológico próprio. Não temos ameaças de vizinhos. Importar tecnologia militar de ponta é dar continuidade à nossa dependência. Um alto índice de educação será a base da nossa segurança. Daqui, sairão nossos pesquisadores, jovens que dedicarão seu tempo ao estudo, sem tempo para os desvios e vícios dessa sociedade doentia. Jovens que terão orgulho do pedaço de torrão onde nasceram e daqueles que pensaram neles. Só, assim, seremos um país forte e solidário. Isso é utopia? Para quem não pensa em tal futuro, sim.

20. Essa escola deve acolher as crianças a partir dos 04 anos de idade com o objetivo de termos um bom nivelamento. Poucos são os pais, dentro dessa vida estressante, que têm condições de educar seus filhos durante os 04 aos 07 anos. Há uma tendência de deixarem essas crianças na frente da televisão, mesmo quando sob o cuidado de algum adulto. Dentro da classe média isso acontece, também. Pense que alternativa sobra para as camadas menos favorecidas! Há estudos que comprovam ser essa faixa etária a mais importante como base para o aprendizado futuro. As atuais escolas de pequeno porte serão reformadas e usadas como creches.

21. Lendo um artigo sobre a escola na China, chamou-me à atenção o fato de 02 crianças; filhas de brasileiros, que lá estão estudando; externarem o desejo de retornar à escola brasileira, alegando que a professora, no Brasil, passava uma folha para o dever de casa e que na escola chinesa ela recebia quatro folhas, com a obrigação de entregar o trabalho de casa totalmente feito. Para as crianças chinesas, aquele procedimento era normal. Elas não cresceram sentadas ou deitadas no sofá, só vendo desenhos animados e novelas. Já morei num condomínio, com 108 apartamentos, onde havia uma quadra de futsal que, praticamente, não era usada. Nos fins de semana, quando encontrava um menino solitário no playground e perguntava onde estavam os coleguinhas que não desciam para brincar um pouco; a resposta não era que estavam estudando e sim que a meninada gostava mesmo era do videogame, estavam jogando, por isso não desciam. É por isso que o entrevistador obteve aquela resposta na China.

22. Há um programa internacional de avaliação de estudantes (PISA), no qual, em teste recente, entre 65 participantes, o Brasil obteve o desagradável 54° lugar. A China, representada por Xangai, foi a primeira colocada. Existe um projeto para expandir o sistema adotado em Xangai, com cerca de 15 milhões de habitantes, para todo país. É, apenas, um exemplo, mas precisamos saber o que acontece no mundo para facilitar imitar o lado bom e evitarmos o negativo.

Responder

Cristina

21 de junho de 2013 às 12h56

Movimento Passe Livre sai das ruas para não se confundir com extrema direita

POR BOB FERNANDES

O Movimento Passe Livre (MPL), que lidera as manifestações pela redução da tarifa do transporte público em todo o Brasil, tem uma atuação que eles denominam de “horizontal”, com 40 ou 50 integrantes. Lucas Monteiro, 29 anos, é uma das lideranças encarregadas de falar com a imprensa.

Em conversa com Terra Magazine, na manhã desta sexta-feira (21), ele informa que, para evitar a apropriação do movimento pela extrema direita, e a violência nas ruas, o MPL não convocará mais protestos em São Paulo. Lucas reafirma que não fala por outros Estados, mas imagina que, nas cidades em que houve a “vitória”, com a redução da tarifa, o mesmo se dará.

Terra Magazine – Lucas, não lhe parece que as coisas estão saindo do controle e que há uma extrema direita indo para as ruas, tentando se apropriar das manifestações?

Lucas Monteiro – Sim, eu concordo. Ontem (quinta-feira, 20) foi a última manifestação, não vamos mais chamar manifestações nas ruas… não vamos chamar mais nesse momento. O movimento conquistou a vitória que a gente buscava. Um vitória popular, da população, e não podemos deixar que isso seja confunfido e apropriado e que a violência tome as ruas…

Ontem, em vários lugares do Brasil, ficou claro uma pregação de ódio contra partidos, na Avenida Paulista era claramente uma gente de extrema direita, ou não?

Em São Paulo, tinha gente de esquerda, mas quem estava atuando daquela forma, com aquela violência, era mesmo gente da direita.

Vocês não temem que porções com esse viés fascista busquem se apropriar das manifestações?

Sim, há essa tentativa desse pessoal, eu concordo que eles estão agindo e não é assim que se faz política. Vamos continuar pautando a questão do transporte, buscando a tarifa zero, mas, no momento, não vamos mais chamar manifestações.

Vocês não acham que erraram ao convocar outra manifestação depois de ter obtido a vitória da diminuição da tarifa?

A manifestação já estava convocada, não tinha como desconvocar, e se a gente não fosse para a rua ontem, aí sim que só teria esse pessoal de direita.

O Movimento Passe Livre não fará mais manifestações só em São Paulo ou no Brasil todo?

São Paulo não fará mais manifestações nesse momento, mas não posso falar pelos outros Estados.

Para não se confundirem com quem está agindo com violência nas ruas?

Também para impedir que eles tentem se apropriar das manifestações.

Vocês estão conversando com o MPL em outros Estados?

Sim, nós conversamos.

E eles também vão parar?

É provável que sim nos lugares onde já foi obtida a vitória. Estamos conversando, mas não falamos por eles.

Responder

Paola da Costa

21 de junho de 2013 às 12h52

Tá valendo minha gente! É isso aí mesmo

Responder

Luiz Moreira

21 de junho de 2013 às 12h41

A Dilma já perdeu o bonde e estes Movimentos sociais também. Agora, para reverter, só uma ação A LA GETULIO. E isto, duvido muito. A outra, é uma ação a la JANIO. Isto seria bom para o TEMER, mas ele TEMERIA o exemplo do Jango. Logo, a mais provável será uma ação das FORÇAS VIVAS. Chamem um GENERAL, e com o APOIO DA GLOBO, VEJA, Estadão e Folha. E seja o que os EUA quiser. Daí sai COPA, cai a inflação, “termina” a corrupção, e, a polícia vai continuar torturando (junto daí, com o exército). Mas para a pobreza, isto é o de sempre. O pessoal ligado a ANISTIA e Comissão da Verdade vão ser substituídos por uma COMISSÃO PATRIÓTICA.

Responder

francisco pereira neto

21 de junho de 2013 às 12h37

Se Dilma perder essa oportunidade, pode se demitir amanhã mesmo.
Ou vai esperar a Globo consolidar o golpe?

Responder

Volnei Meller

21 de junho de 2013 às 12h35

A sociedade mostra à Presidente os caminhos. A fúria se esgota na própria violência que cria, e a lucidez é o atidoto para o descaminho facista que fascina a juventude presa pela falta de consciência, construida por setores políticos da sociedade que não possuem a perspectiva social na tragetória da civilização humana.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding