VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Wadih Damous: Bolsonaro age como delinquente ao apoiar invasão da embaixada da Venezuela
Política

Wadih Damous: Bolsonaro age como delinquente ao apoiar invasão da embaixada da Venezuela


13/11/2019 - 10h36

Invadir uma embaixada e como invadir o território de outro país. É crime, a luz do direito internacional. Os invasores são delinquentes perigosos e como tal devem ser tratados. Da mesma forma, Bolsonaro age como delinquente internacional ao apoiar a invasão. Wadih Damous, ex-deputado federal do PT-RJ, no twitter.

Embaixada venezuelana é invadida

Rede Brasil Atual

São Paulo – A Embaixada da Venezuela no Brasil foi invadida na manhã desta quarta-feira (13) por apoiadores de Juan Guaidó, o autoproclamado presidente do país.

O encarregado de negócios da Venezuela, Freddy Meregote, divulgou áudio em que pede ajuda dos movimentos sociais e dos partidos políticos.

“Companheiros, informo que pessoas estranhas às nossas instalações estão violentando o território venezuelano. Necessitamos ajuda e uma ativação imediata de todos os movimentos sociais e partidos políticos”, disse.

Pelas redes sociais, parlamentares de partidos de esquerda se dirigiram ao local, solicitando a presença de todos que pudessem  conter a invasão.

Em outro áudio distribuído pelo Whatsapp, Ana Prestes, colaboradora da revista Fórum e que estava na embaixada, afirmou que a invasão foi seguida de violência. “Tá tendo luta corporal lá dentro”.

Segundo relatos, ao menos 30 invasores participaram da ação, que ocorre durante a reunião do BRICs em Brasília.

Por conta do evento vários acessos da cidade estão fechados, o que dificulta a chegada de outros funcionários e militantes à embaixada.

O deputado Paulo Pimenta (PT-RS) conseguiu entrar.

“A embaixada foi sitiada por um grupo de brasileiros e de venezuelanos, houve confronto violento. Eles tentaram tomar à força esse espaço. A impressão é que parte deles é de lutadores de academia contratados. É uma clara violação do direito internacional. Há indícios de participação do governo brasileiro na facilitação da invasão da embaixada da Venezuela.”

O golpista Juan Guaidó é reconhecido pelo governo brasileiro como presidente da Venezuela após ele se autoproclamar e tentar um golpe no país vizinho.

Segundo reportagem do Valor, um grupo de funcionários da embaixada da Venezuela em Brasília “desertou” do governo Nicolás Maduro e permitiu, pela primeira vez, a entrada de Tomás Alejandro Silva, ministro-conselheiro da embaixada nomeado por Guaidó.

Silva teve o acesso liberado de forma inédita. Outros funcionários leais a Maduro, como o atual adido militar, Manuel António Barroso, se dirigiram imediatamente à embaixada.

Relatos afirmam que o controle do local foi recuperado por volta das 8h30, mas o clima seguia tenso.

Tomás Alejandro Silva é apoiador de Maria Teresa Belandria, indicada por Guaidó a assumir a embaixada brasileira como representante do governo golpista.

Desde que Jair Bolsonaro recebeu a indicação de Belandria, sua equipe tenta entrar na embaixada, sendo sempre impedida por funcionários venezuelanos nomeados pelo presidente Nicolás Maduro.

Pelo Twitter, a deputada federal Erika Kokay alertou para o ato fascista: “Embaixada da Venezuela é invadida em Brasília em ato criminoso que fere a soberania e a democracia. Exigimos investigações e responsabilização dos culpados!”

Trata-se de um incidente diplomático internacional, desrespeitando o Tratado de Viena, e deve ser denunciado à ONU.

A invasão da Embaixada da Venezuela no Brasil repete o que ocorreu no dia 10 de novembro na Bolívia, quando o território venezuelano também foi invadido.

PS do Viomundo: Em maio de 2019, violando leis internacionais, a polícia de Washington invadiu a embaixada da Venezuela em Washington e prendeu quatro militantes pró-Maduro que estavam impedindo a posse do representante de Juan Guaidó, autoproclamado presidente da Venezuela, que tem reconhecimento de Jair Bolsonaro e Donald Trump.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

David

13 de novembro de 2019 às 11h18

Não existe outra solução.
Tem que juntar uma galera e dar um pau nesses invasores vagabundos.
Agora, apoio oficial do governo brasileiro é uma bizarrice total além de crime.

Responder

Noemi Maria Alves Da Silva

13 de novembro de 2019 às 10h43

O presidente do Brasil não tem noção do que faz e trai toda uma politica de pacificação internacional com total delinquência.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.