VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Urariano Mota: Dilma, Presidente ou Presidenta?


29/08/2010 - 11h01

por Urariano Mota, em Direto da Redação

Olhem só a que nível chega o reacionarismo, ou, o que é igual ou pior, a prestação de serviço a um patrão reacionário. Na Folha de S. Paulo desse sábado:

“Petista é vendida como “presidenta” em comícios e ‘presidente’ na TV

ANA FLOR
DE SÃO PAULO

‘Afinal, ela vai ser presidente ou presidenta?’, perguntou Rosane dos Santos, ao deixar um comício em São Paulo, na última semana. A militante se referia ao título que a candidata do PT ao Planalto, Dilma Rousseff, teria caso eleita. A confusão tem origem no uso, desde o início do ano, nos discursos da candidata, do presidente e de outros aliados, do termo ‘presidenta’. A alteração do gênero da palavra, que na ortografia não tem versão feminina, foi uma forma de reforçar o fato de Dilma ser mulher….”

Não bastasse o viés (santa palavra do jargão) enviesado, o primeiro parágrafo é uma exibição redundante da mais rotunda ignorância. Ignorância da própria língua: “A alteração do gênero da palavra, que na ortografia não tem versão feminina…”

A repórter poderia dizer “A variante do gênero da palavra, que no léxico …”, ou mesmo “A alteração do gênero da palavra, que no vocabulário corrente”, mas ortografia? Pelo amor de todas as flores, não.  Ortografia, vale recordar,  cuida das regras da escrita correta das palavras e dos pontos de acentuação, segundo a gramática normativa. Comete um erro ortográfico, por exemplo, alguém que escreva “estupideis” em lugar de “estupidez”. Ou “confuzão” em “lugar de “confusão”.

No caso, se erro houvesse (e não há) em “presidenta”, seria de significado ou semântica, porque “presidenta” se encontra há muito dicionarizada. Mas pra quê se importar com tais ninharias, quando o objetivo é jogar “ortografia” no ventilador?

Seria bom que os redatores obedientes dessem uma olhada nos dicionários antes do atendimento ao estalo dos dedos do patrão. Como aqui:

No Dicionário Aurélio:

Presidenta – S.f.  1. Mulher que preside. 2. Mulher de um presidente.

No Dicionário Houaiss:

Presidenta

Acepções
■ substantivo feminino

1 mulher que se elege para a presidência de um país
Ex.: a p. da Nicarágua

2 mulher que exerce o cargo de presidente de uma instituição
Ex.: a p. da Academia de Letras

3    mulher que preside (algo)
Ex.: a p. da sessão do congresso

4   Estatística: pouco usado.
esposa do presidente

Mas pra quê discutir contra a força do tacape, não é?  O que importa mesmo é: Dilma, presidenta. Ou Dilma, presidente. Ou, se quiserem, a primeira mulher do Brasil na presidência. Para que suportem, ou não,  uma presidenta nos próximos quatro anos.

Para ler outros colunistas do Direto da Redação, CLIQUE AQUI





54 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Juscelino

08 de setembro de 2010 às 12h16

Azenha, repórter de F-Indy.

Responder

Henri

04 de setembro de 2010 às 22h20

O pior de tudo é a ignorância. Na verdade, presidentA existe sim e é ainda mais formal que "a presidentE". O problema é que os machistas da língua não conseguem imaginar como uma palavra tão importante pode ser passada para o feminino. No entanto, ninguém estranha a palavra "governantA", de uma casa, por exemplo. Aí pode, porque afinal as mulheres "nasceram para o lar".

OBS: Até a gramática o PIG quer mudar.
Na próxima edição da Folha haverá uma manchete dizendo que o famoso teorema de Pitágoras está errado e que a soma dos quadrados dos catetos, na verdade, é igual ao cubo da hipotenusa divido por 45. Foi o PT que causou o erro, para facilitar o cálculo e aumentar as notas dos alunos no PROUNI.

Responder

Weligton

04 de setembro de 2010 às 18h12

Depois de 8 anos de lula, vai "presidenta" mesmo, ess povo merece.

Responder

Léo Costandrade

30 de agosto de 2010 às 17h58

Qualquer motivo é motivo o negócio é criticar, sendo para criticar a candidata do povo vale tudo. Vou parar por aqui que o papo cabeça daqui é erro de português, portanto…

Responder

francisco.latorre

30 de agosto de 2010 às 03h18

dilma é dilma. a mulher.

depois do trabalhador a mulher.

..

Responder

@ladyjuliemendes

30 de agosto de 2010 às 01h51

Essa Folha faz tanto para aparecer que não sabe a diferença entre morfologia e ortografia e quer se meter a falar disso.

Responder

Gerson Carneiro

29 de agosto de 2010 às 22h04

Olha, para acabar com o quiprocó, vamos fazer o seguinte: vamos mudar o regime também e então a gente passa a chamá-la de Rainha. Pelo menos na Bahia já estamos acostumados a chamar de "meu rei" quando é homem, e de "minha rainha" quando é mulher.

Responder

dukrai

29 de agosto de 2010 às 21h51

fica falando dos erros dos outros e não repara no dele.
Na última linha do texto:
"Para que suportem, ou não, uma presidenta nos próximos OITO anos."

Responder

Polengo

29 de agosto de 2010 às 20h34

Dá dó quando uma jornalista (ou um jornalisto) não tem mais assunto.

Tenho uma sujestão à mossa do jornal (falha de são paulo) – porque não estréia uma coluna de oróscopo?

Responder

    Helcid

    29 de agosto de 2010 às 23h42

    … aí é só deslocar a "Madame Cheirosa" e convidar a "Madame Urubóloga" pra esta coluna !!

    Que dupla, não ?

    Polengo

    30 de agosto de 2010 às 00h47

    Com revisão técnica do Oscar Quiroga.

Gersier

29 de agosto de 2010 às 20h21

" o viés (santa palavra do jargão) enviesado, o primeiro parágrafo é uma exibição redundante da mais rotunda ignorância. " Taí,gostei

Responder

Marcelo

29 de agosto de 2010 às 19h26

Dois sonhos realizados:
-Ver um metalúrgico na presidência;
-Ver alguém que lutou contra a ditadura ativamente ser reconhecido, não como terrorista e sim como um defensor da Pátria

Responder

sergio

29 de agosto de 2010 às 19h12

4 ou 8, aí o pessoal do otavinho vai para paris, quem sabe ver martine aubry ou segolene royal como presidenta.

Responder

Francêsca

29 de agosto de 2010 às 19h04

A glória de uma geração é ver seu sonho se concretizar. A glória maior será no dia primeiro de janeiro de 2011 uma mulher começar a governar a nossa nação. E todos aqueles que tentaram calar essa geração terão que lhes "prestar continência". Viva o povo brasileiro. Viva a futura presidenta do Brasil. Dilma guerreira do povo brasileiro!!.

Responder

Toni Gumauskas

29 de agosto de 2010 às 18h41

Dizer "presidente" para uma mulher,é pura demonstração de machismo.
Algo que o Brasil deveria abolir definitivamente…
Temos aqui 'vereadores' e 'vereadoras',temos 'deputados' e 'deputadas'.
Temos 'senadores' e 'senadoras','prefeitos' e prefeitas'.
'Governadores' e 'governadoras'….
Aqui está um texto imperdível sobre o tema: http://leituras-favre.blogspot.com/2008/01/presid
Mais que uma questão gramatical,temos aqui uma questão de justiça.

Responder

robledo

29 de agosto de 2010 às 18h06

Seria então serra mal caráter ou mau caráter….

Responder

Helcid

29 de agosto de 2010 às 17h19

disponível para download: http://www.megaupload.com/?d=8EOGR0VM

assunto: áudio do William Waack "vazado" !!

Responder

    Leider_Lincoln

    29 de agosto de 2010 às 18h08

    Quando ela for a presidenta, este vestal irá morder seus "artelhos", decerto…

Josnei Di Carlo

29 de agosto de 2010 às 17h05

Entrei na Folha.com e procurei por presidenta. Olhei as últimas páginas, para ver se a Folha usou a palavra sem medo, quando não havia risco de uma mulher ganhar as eleições presidenciais no Brasil.

Pelo fato do PSDB esquecer do FHC, escolhi uma matéria em homenagem ao FHC. Também escolhi uma matéria sobre um neoliberal latino-americano histórico, parceiro do FHC. As duas matérias foram feitas sob a democracia demotucana, quando os movimentos sociais eram tanguidos com gás lacrimogêneo e pancada.

"O presidente vai ao Panamá para participar da 10° Cúpula Ibero-americana de Chefes de Estado e Governo, que contará com a presença de 21 países e será realizada no Centro de Convenções Atlapa. Ele será recebido no aeroporto pela PRESIDENTA do Panamá, Mireya Moscoso" ("Fernando Henrique irá sexta-feira ao Panamá", 15/11/2000).

"O presidente peruano, Alberto Fujimori, convocou em regime de urgência os chefes do Exército, Aeronáutica e Marinha, e a PRESIDENTA do Congresso, Martha Hildebrandt, informou hoje a assessoria de imprensa do Executivo. A reunião aconteceu horas depois do desembarque no país, vindo do Panamá, do polêmico ex-assessor de inteligência, Vladimiro Montesinos" ("Fujimori se reúne com chefes militares após chegada de Montesinos", 23/10/2000)

Folha.com: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u1… e http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u10

Responder

silvia macedo

29 de agosto de 2010 às 17h02

De fato, tremendo erro trocar semântica por ortografia. Adorei o artigo e prefiro presidente.

Responder

BloGDoRiLDo

29 de agosto de 2010 às 17h01

Eu não quero nem saber o que esses engraçadinhos acham da minha candidata ou da gramática, do léxico ou dos vários dialetos da Língua Portuguesa Brasileira. Eu quero é Dilma presidenta. E fim de papo!

Responder

Helcid

29 de agosto de 2010 às 16h58

A "Fôia" procurando "chifre em cabeça de cavalo", além que querer provocar o clima de "já ganhou" no PT !!

… sinto muito "piguistas" e "trollanos": volta pro buraco e faça tudo de novo !!

Responder

william porto

29 de agosto de 2010 às 16h54

Vejam bem, tanto faz presidente como presidenta. Isso é um assunto ridículo. O prioritário pé manter a mobilização popular. Não se pode subrestimar a direita. Neca de pitibiba de sapato alto ou de já ganhou. É como dizem os mais antigos na ,minha região, interor de Pernambuco, não se pode contar com o ovo ainda no fiofó da galinha.

Responder

Urbano

29 de agosto de 2010 às 16h40

Afora o preconceito, o machismo, o quê impede a existência do vocábulo 'presidenta'?

Responder

ZePovinho

29 de agosto de 2010 às 15h49

Eu tenho de confessar que uma mulher na presidência vai dar um "up" no sex appeal das brasileiras.É muito sensual uma mulher poderosa.

Responder

Marat

29 de agosto de 2010 às 15h36

Não importa se é presidente ou presidenta, o que importa mesmo é que as forças desleais ao país e os fascistas serão derrotados!

Responder

Ed.

29 de agosto de 2010 às 15h10

Falta de assunto da Shit (oops, Sheet) of SP… te tê ou ta tá, Dilma será!…
Lembra-me discussões sobre "embaixadora" (cargo) e "embaixatriz' (esposa do embaixador)…
Ou outra mais curiosa que vi no PIG: "o" tsunami ou "a" tsunami? Esqueceram-se de descobrir que há em português a palavra "macaréu". Ao consultar na rede, descobri que "macaréu" virou o mesmo que "pororoca" (todas as referências sem fonte). Mas no Reader's Digest (quem aqui lembra da americaníssima "revista mais lida do mundo"?) havia uma história de tsunami lá pros 1950 ou 60, intitulada: "Macaréu, Macaréu!"…
Tudo isso pra dizer que a língua é viva! Pedaços nascem, outros morrem, outros são deturpados…
Chamemos o Hend para discorrer "melhor" sobre o assunto…
Enquanto isso: tê tê tê tê re tê! … tá tá tá tá ra tá! … é Dilma 2011, 12, 13, 14…

Responder

Christian Schulz

29 de agosto de 2010 às 14h54

Maria Fernanda Coelho, presidentA da CEF já há quatro anos…

Talvez o estalar de dedos do Otavinho devesse levar em consideração a direção da patrocinadora… será que leva?

Responder

Suzy

29 de agosto de 2010 às 14h51

Presidenta Dilma, VIVA VOCÊ!!!!!!

Responder

Emília

29 de agosto de 2010 às 14h19

Pessoal, jornais escreverem manchetes e reportagens com erros gritantes do português, é mais velho do que eu que já tenho mais de meio século. Não sou nenhum professor Pasquale, mas acho que a língua portuguesa deveria ser obrigatória até o último ano de faculdade, principalmente para a de jornalismo. Pelo que li no pai dos burros, presidenta é o feminino de presidente, tanto pode ser a mulher do presidente como a mulher que preside. De qualquer maneira Dilma vencerá.

Responder

Remindo Sauim

29 de agosto de 2010 às 14h14

A Folha deve de raiva ter eliminado a grafia presidenta do seu Manual de Redação tal era a aposta do Otavinho Frias na candidatura Serra. Antigamente enrolavam a turma em bom português, agora nem nisso

Responder

Jair de Souza

29 de agosto de 2010 às 14h13

Quando vejo estas idiotices de gente que se acredita culta, eu me lembro da célebre frase de Stephen Hawking: "O maior inimigo do conhecimento não é a ignorância, e sim a ilusão de que se tem conhecimento". Ou seja, uma insignificante funcionária de uma empresa que comercializa informações (melhor seria dizer 'que manipula informações') pretende agradar aos patrões de alguma forma, e pensa que conseguirá isso se puder demonstrar a falta de cultura linguística dos adversários políticos dos mesmos. A pobrezinha não se dá conta de que, nesta tentativa, o único que ela realmente consegue expor é sua própria ignorância linguística (além, é claro, de seu puxa-saquismo indecoroso).

Responder

O_Brasileiro

29 de agosto de 2010 às 14h07

Deve ser coisa "do futuro"… se o jornal chegar lá!

Responder

CC.Brega.mim

29 de agosto de 2010 às 14h06

Sobre o preconceito linguístico, vou recomendar de novo os mesmos textos:

Possenti, defendendo o gerúndio dos operadores de telemarketing http://vaiencarar.wordpress.com/2010/07/27/possen

e Bagno, mostrando que é a língua dos gramáticos que não existe… http://vaiencarar.wordpress.com/2010/07/27/existe

E, além disso, tem um post meu sobre a identificação desigual de homens e mulheres
em relação à experiência total do ser humano, convidando ao homens a abraçarem a luta contra o machismo: http://vaiencarar.wordpress.com/2010/08/05/nao-ao

Responder

Elias São Paulo SP

29 de agosto de 2010 às 13h33

DESAFETO SUDESTINO
Paulista diz pra mineiro: cheira!
Mineiro diz pra paulista: chupa!

Responder

Gerson Carneiro

29 de agosto de 2010 às 13h16

Aliás, em relação ao emprego correto da língua, um fato chamou minha atenção ao observar uma foto e a frase logo abaixo da foto (não sei se é legenda que chama) na Folha de S. Paulo (cometi o pecado de não observar de quando era a edição), em que dizia: "…encontrados 72 corpos supostamente mortos por traficantes."

O de menos relevância que observei foi o uso do termo "supostamente", tanto usado quando querem acusar e se esquivar da autoria da acusação. Mas o que me fez sorrir mesmo foi o emprego "supostamente mortos". Fiquei em dúvida: afinal, estavam mortos de verdade; estavam desmaiados; estavam entorpecidos ou sei lá o quê? Mas, como sou um baiano que pelo menos teve a sorte de aprender o bêabá, graças ao meu Padim Ciço, concluí que pretenderam dizer "..encontrados 72 corpos, mortos supostamente por traficantes."

É uma bobagem, deixaria quieto, mas já que é para apelar para o preciosismo…. vamos lá.

Responder

    Gerson Carneiro

    29 de agosto de 2010 às 13h31

    Alías, como diz uma musiquinha nojenta que tem na minha Bahia (mas que eu adoro curti naquelas horas em que eu vejo o mundo girando ao meu redor):

    "Se você quer, quer?
    Tome, tome.
    Tome, tome, tome".

    Christian Schulz

    29 de agosto de 2010 às 14h52

    Não dá para deixar quieto não, Gerson.

    O Folha (e outros), com essa redundância da suposição, já comeu essa bola várias vezes!

    Até dá para compreender o setor jurídico do jornal dando uns pitacos quando de notícias de corrupção etc.

    Mas a Folha tem medo de ser processada por traficantes assassinos? Pelos mortos supostamente finados?

    Quem deve, teme!

Geraldo

29 de agosto de 2010 às 13h04

http://www2.academia.org.br/

Quando tiverem dúvida sobre alguma palavra, procurem no site da Acad. Bras. de Letras (link acima) no banner "Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa".
Se algum dicionário tiver certa palavra com uma grafia e lá tiver outra, vale a da ABL. E mais, se o dicionário tiver uma palavra que não esteja lá, ela não é reconhecida no português brasileiro.
Claro, nossa língua é viva, renova-se constantemente e eles nunca conseguirão registrar os novos vocábulos (ou alguns antigos regionais) com celeuma, então não precisa ser tão Caxias quanto a isto.

Enfim, a ABL reconhece PRESIDENTA e PRESIDENTE para mulher.
De onde a Folha tirou que presidenta não existe???

Responder

ZePovinho

29 de agosto de 2010 às 12h59

Sabe porque eu digo "PRESIDENTA",Azenha???É para enfatizar,bastante,que teremos uma mulher no cargo.É para enfatizar a luta das mulheres por um salário mais digno.É para homenagear minha mãe que sempre foi "doméstica" e deu aos filhos um caráter inabalável.É por isso!!!!!
É nojento ver a maré de preconceitos contra Dilma,principalmente o preconceito de que ela estaria na "garupa" de Lula.Como se Dilma,ao assumir a Casa Civil no lugar de José Dirceu,não fosse grandemente responsável pela guinada gerencial que o governo deu à partir de 2005.Como se as mulheres do Brasil do século 21 fossem as mesmas do Brasil de 1940!!!!
Aquela crise do "mensalão" foi providencial.Enterrou lideranças velhas do PT e deu chances para que surgissem pessoas como Dilma Roussef e Nelson Machado(na Fazenda)-só para citar duas pessoas que admiro muito.
A tal crise do "mensalão" foi ótima.A oposição(no seu devaneio louco e golpista) acabou por nos dar lideranças novas e mais capazes de enfrentar a ortodoxia que estava matando o Brasil,aninhada no seu bunker no BACEN:

[youtube Ig9pE6qwzxw http://www.youtube.com/watch?v=Ig9pE6qwzxw youtube]

Responder

    Eliana

    29 de agosto de 2010 às 20h51

    Maravilhoso. Diz tudo. Parabéns

Leider_Lincoln

29 de agosto de 2010 às 12h43

Não temos um troll "especialista" no vernáculo? Henderson, diga-nos: quem será eleita 03 outubro e aposentará compulsoriamente todo um método mesquinho e baixo e meia geração de golpistas? A presidente Dilma Roussef ou a presidenta Dilma Roussef?

Responder

    ZePovinho

    29 de agosto de 2010 às 13h13

    O Henderson,Leider,é um caso crônico de coesão anafórica ideológica(tudo no mundo foi feito por FHC) ou coesão "analfórica"…..

    Leider_Lincoln

    29 de agosto de 2010 às 18h06

    E está. Enquanto não puder pagar o hospedeiro por débito em conta, dependerei de ter tempo para ir ao banco. Só amanhã… =/

H. C. Paes

29 de agosto de 2010 às 12h40

E, para finalizar, o programa eleitoral de sábado à noite se referiu a ela como presidenta. Acho que estão usando as duas grafias, sem viés.

Responder

Helder S.

29 de agosto de 2010 às 12h35

Além desses dicionários, o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa reconhece o verbete "presidenta". Basta conferir em http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys

Responder

Maria Rita

29 de agosto de 2010 às 12h34

É o fim da linha… Ou melhor, chegaram ao fim da linha e estão dando marcha à ré.

Responder

Fernando Oiveira

29 de agosto de 2010 às 12h34

Presidente ou Presidenta?!… Pouco importa!… O que verdadeiramente tem importância é que Dilma será a consolidação, a "chave de ouro", coroada de muita garra e competência, de um projeto magnificamente vitorioso; Será a eterna lembrança daquele que "é" e (infelizmente!) dentro em pouco, terá sido o maior, o melhor, o genial e mais legítimo presidente que o Brasil já teve desde de a fundação da República, o excelentíssimo Senhor "o cara" Luiz Inácio Lula da Silva!… E ponto final!…

Responder

Go Oliveria

29 de agosto de 2010 às 12h32

No site da ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS – local maravilhoso para apontar definitivamente a estupidez da FOIA – consta:

presidenta s. f.

O endereço é:
http://www.academia.org.br/

Aí você clica em "NOSSA LíNGUA" e depois em "Busca no Vocabulário" e digita a palavra que quiser pesquisar. O resultado aparece embaixo.

Apenas se o resultado for "Nenhuma palavra encontrada na pesquisa!", o neologismo fica por nossa conta. Porque, para todos os efeitos, quem oficializa a língua portuguesa falada no Brasil é a Academia Brasileira de Letras (com chá e fardão!)

Responder

    CC.Brega.mim

    29 de agosto de 2010 às 13h46

    Aiaiaiaiiaiaia
    pra que essa subserviência à academia?
    a língua não precisa ser oficializada ela está nas ruas vilas favelas
    a língua acontece não está fixada em parte alguma
    a oficialização da língua encobre seu verdadeiro significado:
    a valorização socialmente legitimada da variante falada e escrita pela classe que detém o poder
    a academia é o símbolo desse poder
    quanto aos termos, acho que a cada momento significam de forma diferente
    por isso precisamos dos dois
    presidente para colocar a mulher na galeria geral de todos os presidentes
    presidenta para enfatizar que ela é mulher e ocupa esse cargo…

ruypenalva

29 de agosto de 2010 às 12h29

Isso me parece mais um problema odontológico, não existe feminino pra dente, só pra dentada. Pode existir um presidentada, um ato atabalhoado de um presidente, mas não uma presidenta. Dilma vai ser Presidente. Além disso, ente é palavra masculina, não existe enta, como não existe doenta. Pubicitário é alguém que entende de púbis, tipo o marqueteiro do Serra, publicitário é o marqueteiro da Dilma. Danúbio é um rio que se enoivou.

Responder

Jairo_Beraldo

29 de agosto de 2010 às 12h14

E desgraçadamente, esta polemica na FSP(Folhetim Serra Presidente), foi lnçado por uma MULHER.

Responder

Marcelo Mendonça

29 de agosto de 2010 às 12h00

Quanto mais eles inventam essas matérias, mais reforçam o nome da candidata (99% presidenta).

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding