VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Show de horror: Chargista seleciona “melhores momentos” da falta de empatia do bolsonarismo; vídeo
Reprodução de vídeo
Política

Show de horror: Chargista seleciona “melhores momentos” da falta de empatia do bolsonarismo; vídeo


24/03/2020 - 10h54

Luciano Hang, Roberto Justus, Junior Durski (dono da Madero), são exemplos de como pensa a elite brasileira: seus lucros estão acima das vidas do povo. É abjeto que se diga que “não podemos parar por causa de 5 ou 7 mil mortes”. São esses milionários que devem pagar pela crise. Perfil do Psol no twitter.

Da Redação

O chargista Maurício Ricardo compilou os “melhores momentos” da falta de empatia do bolsonarismo diante da pandemia de coronavírus.

Ele publicou a edição de falas do presidente Jair Bolsonaro, de seu guru Olavo de Carvalho e dos empresários Luciano Hang, Roberto Justus e Junior Durski.

Este último, dono da hamburgueria Madero, afirmou que a economia brasileira não pode parar por causa de 5 a 7 mil mortes.

Ele não explicou de onde tirou o número.

A edição poupou o pastor Silas Malafaia, que publicou vídeo dizendo que recorreria à Justiça para manter os cultos de sua igreja.

Hang e Justus também criticaram as medidas de fechamento temporário do comércio.

O vídeo do guru de Olavo de Carvalho, no qual o guru de Bolsonaro disse que não houve mortes por coronavírus até agora no mundo, foi removido do You Tube por supostamente violar as regras da plataforma.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Jeff

24 de março de 2020 às 20h04

ACHO QUE DÁ PRA ENTENDER….

👉Zezinho tem uma empresa e emprega 20 funcionários.
👉Cada funcionário ganha 2500,00.
👉Logo, Zezinho tem um gasto de 50.000,00 mensais com sua folha salarial.
👉Com a quarentena do Corona Vírus, Zezinho vai ficar 4 meses sem poder abrir sua empresa.
👉O presidente perguntou: ” Zezinho, você vai conseguir arcar com 4 meses de salário dos seus funcionários (200 mil reais) se a sua empresa não estiver produzindo?”
👉Zezinho: “Infelizmente não, senhor presidente”.
👉Para Zezinho não falir e deixar 20 pessoas desempregadas, o presidente sugeriu a suspensão temporária dos contratos de trabalho dos funcionários na seguinte condição: “Cada funcionário receberá um salário mínimo. O governo custeia a metade e a empresa a metade.”
👉Lembrando que após o restabelecimento da normalidade, os contratos de trabalho serão retomados com as mesmas condições atuais.
👉Pedrinho é funcionário de Zezinho e durante a quarentena está 24 horas com a TV ligada na Globo.
👉Pedrinho achou um absurdo ganhar só um salário mínimo durante esse período.
👉Acendeu seu baseado e foi pra varanda do Minha Casa minha vida bater panela e gritar “Fora Bozo”.
👉Com a repercussão negativa da imprensa golpista que enganou Pedrinho, o presidente cancelou a MP.
👉Trajado com sua camisa do Che Guevara, Pedrinho pergunta ao presidente: “Como fica minha situacão a partir de agora? Quem poderá me salvar, Bozonaro?”
👉”A partir de agora, Pedrinho, você irá negociar diretamente com o seu patrão.”
👉Pedrinho então pega o Seu iPhone que comprou em 20 parcelas no último natal e manda um zap pro Zezinho: “bom dia, Seu José”
👉”Bom dia, Pedrinho. Estava mesmo querendo falar com você. Por favor, venha ao escritório”
👉Ao chegar no escritório com máscara cirúrgica, Pedrinho se senta na mesa do patrão, limpa as mãos com álcool em gel e ouve:
👉”Infelizmente não vou conseguir pagar o salário de todos vocês. Pra não fechar a empresa, vou manter somente a Paula, a Fernanda e o Ricardo. O restante infelizmente vou ter que demitir. Assine aqui.”
👉Ao sair do escritório cabisbaixo, Pedrinho dá de cara com o presidente.
👉O mesmo abre um sorriso amarelo e dispara: “Ei, Pedrinho, vai tomar no…”
FIM

Responder

    leo

    27 de março de 2020 às 09h39

    Você é muito ignorante cara rsrs, tira o ovo do bozo da boca que eu não consegui te ouvir direito.

Luciano

24 de março de 2020 às 16h43

Do mesmo sujeito que não teve empatia nenhuma com lula e dilma, ora ora… agora paga de simpático

Responder

    a.ali

    24 de março de 2020 às 17h35

    pois o tal do entrevistado (revista forum) poderia seguir seus próprios conselhos, pois não ?

cleverson ricardo

24 de março de 2020 às 13h03

O chargista tenho a impressao votou em bolsonaro.
Segundo uma entrevista sua a Caue Moura ele achava que as instituiçoes iriam
controlar o cara.
Fiquei chocado!
Nada, só um detalhe.
Abraço

Responder

Antenor

24 de março de 2020 às 11h39

O racista presidente da Fundação Palmares disse que o isolamento é uma imbecilidade e que só devem ficar em casa as pessoas do grupo de risco. Acontece que essas pessoas vivem com outras na mesma casa e seus parentes vão levar a doença para elas. Quantos diabéticos, hipertensos, cardíacos e pessoas com outras doenças crônicas ele acha que existem no país.
Covardes. Assumam logo a política eugenista dos nazistas. Digam logo que os doentes e idosos são descartáveis.
Aliás, o sistema neoliberal de voces se beneficia porque desonera a previdência social e o sistema de saúde. Nao é mesmo racista?

Responder

DONALDO PACHECO

24 de março de 2020 às 11h31

Sabia que a idiotia era hereditária, mas descobri que ela também tem hierarquia

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.