VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Serra: “Brasil não tem dono, Brasil pode mais”


11/04/2010 - 09h12

Íntegra do discurso do ex-governador de São Paulo, José Serra (PSDB), no lançamento de sua candidatura à presidência nesse sábado, 10 de abril, em Brasília

“Venho hoje, aqui, falar do meu amor pelo Brasil; falar da minha vida; falar da minha experiência; falar da minha fé; falar das minhas esperanças no Brasil. E mostrar minha disposição de assumir esta caminhada. Uma caminhada que vai ser longa e difícil mas que com a ajuda de Deus e com a força do povo brasileiro será com certeza vitoriosa.

Alguns dias atrás, terminei meu discurso de despedida do Governo de São Paulo afirmando minha convicção de que o Brasil pode mais. Quatro palavras, em meio a muitas outras. Mas que ganharam destaque porque traduzem de maneira simples e direta o sentimento de milhões de brasileiros: o de que o Brasil, de fato, pode mais. E é isto que está em jogo nesta hora crucial!

Nos últimos 25 anos, o povo brasileiro alcançou muitas conquistas: retomamos a Democracia, arrancamos nas ruas o direito de votar para presidente, vivemos hoje num país sem censura e com uma imprensa livre. Somos um Estado de Direito Democrático. Fizemos uma nova Constituição, escrita por representantes do povo.

Com o Plano Real, o Brasil transformou sua economia a favor do povo, controlou a inflação, melhorou a renda e a vida dos mais pobres, inaugurou uma nova Era no Brasil. Também conquistamos a responsabilidade fiscal dos governos. Criamos uma agricultura mais forte, uma indústria eficiente e um sistema financeiro sólido. Fizemos o Sistema Único de Saúde, conseguimos colocar as crianças na escola, diminuímos a miséria, ampliamos o consumo e o crédito, principalmente para os brasileiros mais pobres. Tudo isso em 25 anos. Não foram conquistas de um só homem ou de um só Governo, muito menos de um único partido. Todas são resultado de 25 anos de estabilidade democrática, luta e trabalho. E nós somos militantes dessa transformação, protagonistas mesmo, contribuímos para essa história de progresso e de avanços do nosso País. Nós podemos nos orgulhar disso.

Mas, se avançamos, também devemos admitir que ainda falta muito por fazer. E se considerarmos os avanços em outros países e o potencial do Brasil, uma conclusão é inevitável: o Brasil pode ser muito mais do que é hoje.

Mas para isso temos de enfrentar os problemas nacionais e resolvê-los, sem ceder à demagogia, às bravatas ou à politicagem. E esse é um bom momento para reafirmarmos nossos valores. Começando pelo apreço à Democracia Representativa, que foi fundamental para chegarmos aonde chegamos. Devemos respeitá-la, defendê-la, fortalecê-la. Jamais afrontá-la.

Democracia e Estado de Direito são valores universais, permanentes, insubstituíveis e inegociáveis. Mas não são únicos. Honestidade, verdade, caráter, honra, coragem, coerência, brio profissional, perseverança são essenciais ao exercício da política e do Poder. É nisso que eu acredito e é assim que eu ajo e continuarei agindo. Este é o momento de falar claro, para que ninguém se engane sobre as minhas crenças e valores. É com base neles que também reafirmo: o Brasil, meus amigos e amigas, pode mais.

Governos, como as pessoas, têm que ter alma. E a alma que inspira nossas ações é a vontade de melhorar a vida das pessoas que dependem do estudo e do trabalho, da Saúde e da Segurança. Amparar os que estão desamparados.

Sabem quantas pessoas com alguma deficiência física existem no Brasil? Mais de 20 milhões – a esmagadora maioria sem o conforto da acessibilidade aos equipamentos públicos e a um tratamento de reabilitação. Os governos, como as pessoas, têm que ser solidários com todos e principalmente com aqueles que são mais vulneráveis.

Quem governa, deve acreditar no planejamento de suas ações. Cultivar a austeridade fiscal, que significa fazer melhor e mais com os mesmos recursos. Fazer mais do que repetir promessas. O governo deve ouvir a voz dos trabalhadores e dos desamparados, das mulheres e das famílias, dos servidores públicos e dos profissionais de todas as áreas, dos jovens e dos idosos, dos pequenos e dos grandes empresários, do mercado financeiro, mas também do mercado dos que produzem alimentos, matérias-primas, produtos industriais e serviços essenciais, que são o fundamento do nosso desenvolvimento, a máquina de gerar empregos, consumo e riqueza.

O governo deve servir ao povo, não a partidos e a corporações que não representam o interesse público. Um governo deve sempre procurar unir a nação. De mim, ninguém deve esperar que estimule disputas de pobres contra ricos, ou de ricos contra pobres. Eu quero todos, lado a lado, na solidariedade necessária à construção de um país que seja realmente de todos.

Ninguém deve esperar que joguemos estados do Norte contra estados do Sul, cidades grandes contra cidades pequenas, o urbano contra o rural, a indústria contra os serviços, o comércio contra a agricultura, azuis contra vermelhos, amarelos contra verdes. Pode ser engraçado no futebol. Mas não é quando se fala de um País. E é deplorável que haja gente que, em nome da política, tente dividir o nosso Brasil.

Não aceito o raciocínio do nós contra eles. Não cabe na vida de uma Nação. Somos todos irmãos na pátria. Lutamos pela união dos brasileiros e não pela sua divisão. Pode haver uma desavença aqui outra acolá, como em qualquer família. Mas vamos trabalhar somando, agregando. Nunca dividindo. Nunca excluindo. O Brasil tem grandes carências. Não pode perder energia com disputas entre brasileiros. Nunca será um país desenvolvido se não promover um equilíbrio maior entre suas regiões. Entre a nossa Amazônia, o Centro Oeste e o Sudeste. Entre o Sul e o Nordeste. Por isso, conclamo: Vamos juntos. O Brasil pode mais. O desenvolvimento é uma escolha. E faremos essa escolha. Estamos preparados para isso.

Ninguém deve esperar que joguemos o governo contra a oposição, porque não o faremos. Jamais rotularemos os adversários como inimigos da pátria ou do povo. Em meio século de militância política nunca fiz isso. E não vou fazer. Eu quero todos juntos, cada um com sua identidade, em nome do bem comum.

Na Constituinte fiz a emenda que permitiu criar o FAT, financiar e fortalecer o BNDES e tirar do papel o seguro-desemprego – que hoje beneficia 10 milhões de trabalhadores. Todos os partidos e blocos a apoiaram. No ministério da Saúde do governo Fernando Henrique tomei a iniciativa de enviar ou refazer e impulsionar seis projetos de lei e uma emenda constitucional – a criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Saúde, a implantação dos genéricos, a proibição do fumo nos aviões e da propaganda de cigarros, a regulamentação dos planos de saúde, o combate à falsificação de remédios e a PEC 29, que vinculou recursos à Saúde nas três esferas da Federação – todos, sem exceção, aprovados pelos parlamentares do governo e da oposição. É assim que eu trabalho: somando e unindo, visando ao bem comum. Os membros do Congresso que estão me ouvindo, podem testemunhar: suas emendas ao orçamento da Saúde eram acolhidas pela qualidade, nunca devido à sua filiação partidária.

Se o povo assim decidir, vamos governar com todas e com todos, sem discriminar ninguém. Juntar pessoas em vez de separá-las; convidá-las ao diálogo, em vez de segregá-las; explicar os nossos propósitos, em vez de hostilizá-las. Vamos valorizar o talento, a honestidade e o patriotismo em vez de indagar a filiação partidária.

Minha história de vida e minhas convicções pessoais sempre estiveram comprometidas com a unidade do país e com a unidade do seu povo. Sou filho de imigrantes, morei e cresci num bairro de trabalhadores que vinham de todas as partes, da Europa, do Nordeste, do Sul. Todos em busca de oportunidade e de esperança.

A liderança no movimento estudantil me fez conhecer e conviver com todo o Brasil logo ao final da minha adolescência. Aliás, na época, aprendi mesmo a fazer política no Rio, em Minas, na Bahia e em Pernambuco, aos 21 anos de idade. O longo exílio me levou sempre a enxergar e refletir sobre o nosso país como um todo.

Minha história pessoal está diretamente vinculada à valorização do trabalho, à valorização do esforço, à valorização da dedicação. Lembro-me do meu pai, um modesto comerciante de frutas no mercado municipal: doze horas de jornada de trabalho nos dias úteis, dez horas no sábado, cinco horas aos domingos. Só não trabalhava no dia 1 de janeiro. Férias? Um luxo, pois deixava de ganhar o dinheiro da nossa subsistência. Um homem austero, severo, digno. Seu exemplo me marcou na vida e na compreensão do que significa o amor familiar de um trabalhador: ele carregava caixas de frutas para que um dia eu pudesse carregar caixas de livros.

E eu me esforço para tornar digno o trabalho de todo homem e mulher, do ser humano como ele foi.

Porque vejo a imagem de meu pai em cada trabalhador. Eu a vi outro dia, na inauguração do Rodoanel, quando um dos operários fez questão de me mostrar com orgulho seu nome no mural que eu mandei fazer para exibir a identidade de todos os trabalhadores que fizeram aquela obra espetacular. Por que o mural? Por justo reconhecimento e porque eu sabia que despertaria neles o orgulho de quem sabe exercer a profissão. Um momento de revelação a si mesmos de que eles são os verdadeiros construtores nesta nação.

Eu vejo em cada criança na escola o menino que eu fui, cheio de esperanças, com o peito cheio de crença no futuro. Quando prefeito e quando governador, passei anos indo às escolas para dar aula (de verdade) à criançada da quarta série. Ia reencontrar-me comigo mesmo. Porque tudo o que eu sou aprendi em duas escolas: a escola pública e a escola da vida pública. Aliás, e isto é um perigo dizer, com frequência uso senhas de computador baseadas no nome de minhas professoras no curso primário. E toda vez que escrevo lembro da sua fisionomia, da sua voz, do seu esforço, e até das broncas, de um puxão de orelhas, quando eu fazia alguma bagunça.

Mas é por isso tudo que sempre lutei e luto tanto pela educação dos milhões de filhos do Brasil. No país com que sonho para os meus netos, o melhor caminho para o sucesso e a prosperidade será a matrícula numa boa escola, e não a carteirinha de um partido político. E estou convencido de uma coisa: bons prédios, serviços adequados de merenda, transporte escolar, atividades esportivas e culturais, tudo é muito importante e deve ser aperfeiçoado. Mas a condição fundamental é a melhora do aprendizado na sala de aula, propósito bem declarado pelo governo, mas que praticamente não saiu do papel. Serão necessários mais recursos. Mas pensemos no custo para o Brasil de não ter essa nova Educação em que o filho do pobre frequente uma escola tão boa quanto a do filho do rico. Esse é um compromisso.

É preciso prestar atenção num retrocesso grave dos últimos anos: a estagnação da escolaridade entre os adolescentes. Para essa faixa de idade, embora não exclusivamente para ela, vamos turbinar o ensino técnico e profissional, aquele que vira emprego. Emprego para a juventude, que é castigada pela falta de oportunidades de subir na vida. E vamos fazer de forma descentralizada, em parcerias com estados e municípios, o que garante uma vinculação entre as escolas técnicas e os mercados locais, onde os empregos são gerados. Ensino de qualidade e de custos moderados, que nos permitirá multiplicar por dois ou três o número de alunos no país inteiro, num período de governo. Sim, meus amigos e amigas, o Brasil pode mais.

Podemos e devemos fazer mais pela saúde do nosso povo. O SUS foi um filho da Constituinte que nós consolidamos no governo passado, fortalecendo a integração entre União, Estados e Municípios; carreando mais recursos para o setor; reduzindo custos de medicamentos; enfrentando com sucesso a barreira das patentes, no Brasil e na Organização Mundial do Comércio; ampliando o sistema de atenção básica e o Programa Saúde da Família em todo o Brasil; prestigiando o setor filantrópico sério, com quem fizemos grandes parcerias, dos hospitais até a prevenção e promoção da Saúde, como a Pastoral da Criança; fazendo a melhor campanha contra a AIDS do mundo em desenvolvimento; organizando os mutirões; fazendo mais vacinações; ampliando a assistência às pessoas com deficiência; cerceando o abuso do incentivo ao cigarro e ao tabaco em geral. E muitas outras coisas mais. De fato, e mais pelo que aconteceu na primeira metade do governo, a Saúde estagnou ou avançou pouco. Mas a Saúde pode avançar muito mais. E nós sabemos como fazer isso acontecer.

Saúde é vida, Segurança também. Por isso, o governo federal deve assumir mais responsabilidades face à gravidade da situação. E não tirar o corpo fora porque a Constituição atribui aos governos estaduais a competência principal nessa área. Tenho visto gente criticar o Estado Mínimo, o Estado Omisso. Concordo. Por isso mesmo, se tem área em que o Estado não tem o direito de ser mínimo, de se omitir, é a segurança pública. As bases do crime organizado estão no contrabando de armas e de drogas, cujo combate efetivo cabe às autoridades federais . Ou o governo federal assume de vez, na prática, a coordenação efetiva dos esforços nacionalmente, ou o Brasil não tem como ganhar a guerra contra o crime e proteger nossa juventude.

Qual pai ou mãe de família não se sente ameaçado pela violência, pelo tráfico e pela difusão do uso das drogas? As drogas são hoje uma praga nacional. E aqui também o Governo tem de investir em clínicas e programas de recuperação para quem precisa e não pode ser tolerante com traficantes da morte. Mais ainda se o narcotráfico se esconde atrás da ideologia ou da política. Os jovens são as grandes vítimas. Por isso mesmo, ações preventivas, educativas, repressivas e de assistência precisam ser combinadas com a expansão da qualificação profissional e a oferta de empregos.

Uma coisa que precisa acabar é a falsa oposição entre construir escolas e construir presídios. Muitas vezes, essa é a conversa de quem não faz nem uma coisa nem outra. É verdade que nossos jovens necessitam de boas escolas e de bons empregos, mas se o indivíduo comete um crime ele deve ser punido. Existem propostas de impor penas mais duras aos criminosos. Não sou contra, mas talvez mais importante do que isso seja a garantia da punição. O problema principal no Brasil não são as penas supostamente leves. É a quase certeza da impunidade. Um país só tem mais chance de conseguir a paz quando existe a garantia de que a atitude criminosa não vai ficar sem castigo.

Eu quero que meus netos cresçam num país em que as leis sejam aplicadas para todos. Se o trabalhador precisa cumprir a lei, o prefeito, o governador e o presidente da República também tem essa obrigação. Em nosso país, nenhum brasileiro vai estar acima da lei, por mais poderoso que seja. Na Segurança e na Justiça, o Brasil também pode mais.

Lembro que os investimentos governamentais no Brasil, como proporção do PIB, ainda são dos mais baixos do mundo em desenvolvimento. Isso compromete ou encarece a produção, as exportações e o comércio. Há uma quase unanimidade a respeito das carências da infra-estrutura brasileira: no geral, as estradas não estão boas, faltam armazéns, os aeroportos vivem à beira do caos, os portos, por onde passam nossas exportações e importações, há muito deixaram de atender as necessidades. Tem gente que vê essas carências apenas como um desconforto, um incômodo. Mas essa é uma visão errada. O PIB brasileiro poderia crescer bem mais se a infra-estrutura fosse adequada, se funcionasse de acordo com o tamanho do nosso país, da população e da economia.

Um exemplo simples: hoje, custa mais caro transportar uma tonelada de soja do Mato Grosso ao porto de Paranaguá do que levar a mesma soja do porto brasileiro até a China. Um absurdo. A conseqüência é menos dinheiro no bolso do produtor, menos investimento e menos riqueza no interior do Brasil. E sobretudo menos empregos.

Temos inflação baixa, mais crédito e reservas elevadas, o que é bom, mas para que o crescimento seja sustentado nos próximos anos não podemos ter uma combinação perversa de falta de infra-estrutura, inadequações da política macroeconômica, aumento da rigidez fiscal e vertiginoso crescimento do déficit do balanço de pagamentos. Aliás, o valor de nossas exportações cresceu muito nesta década, devido à melhora dos preços e da demanda por nossas matérias primas. Mas vai ter de crescer mais. Temos de romper pontos de estrangulamento e atuar de forma mais agressiva na conquista de mercados. Vejam que dado impressionante: nos últimos anos, mais de 100 acordos de livre comércio foram assinados em todo o mundo. São um instrumento poderoso de abertura de mercados. Pois o Brasil, junto com o MERCOSUL, assinou apenas um novo acordo (com Israel), que ainda não entrou em vigência!

Da mesma forma, precisamos tratar com mais seriedade a preservação do meio-ambiente e o desenvolvimento sustentável. Repito aqui o que venho dizendo há anos: é possível, sim, fazer o país crescer e defender nosso meio ambiente, preservar as florestas, a qualidade do ar a contenção das emissões de gás carbônico. É dever urgente dar a todos os brasileiros saneamento básico, que também é meio ambiente. Água encanada de boa qualidade, esgoto coletado e tratado não são luxo. São essenciais. São Saúde. São cidadania. A economia verde é, ao contrário do que pensam alguns, uma possibilidade promissora para o Brasil. Temos muito por fazer e muito o que progredir, e vamos fazê-lo.

Também não são incompatíveis a proteção do meio ambiente e o dinamismo extraordinário de nossa agricultura, que tem sido a galinha de ovos de ouro do desenvolvimento do país, produzindo as alimentos para nosso povo, salvando nossas contas externas, contribuindo para segurar a inflação e ainda gerar energia! Estou convencido disso e vamos provar o acerto dessa convicção na prática de governo. Sabem por quê? Porque sabemos como fazer e porque o Brasil pode mais!

O Brasil está cada vez maior e mais forte. É uma voz ouvida com respeito e atenção. Vamos usar essa força para defender a autodeterminação dos povos e os direitos humanos, sem vacilações. Eu fui perseguido em dois golpes de estado, tive dois exílios simultâneos, do Brasil e do Chile. Sou sobrevivente do Estádio Nacional de Santiago, onde muitos morreram. Por algum motivo, Deus permitiu que eu saísse de lá com vida. Para mim, direitos humanos não são negociáveis. Não cultivemos ilusões: democracias não têm gente encarcerada ou condenada à forca por pensar diferente de quem está no governo. Democracias não têm operários morrendo por greve de fome quando discordam do regime.

Nossa presença no mundo exige que não descuidemos de nossas Forças Armadas e da defesa de nossas fronteiras. O mundo contemporâneo é desafiador. A existência de Forças Armadas treinadas, disciplinadas, respeitadoras da Constituição e das leis foi uma conquista da Nova República. Precisamos mantê-las bem equipadas, para que cumpram suas funções, na dissuasão de ameaças sem ter de recorrer diretamente ao uso da força e na contribuição ao desenvolvimento tecnológico do país.

Como falei no início, esta será uma caminhada longa e difícil. Mas manteremos nosso comportamento a favor do Brasil. Às provocações, vamos responder com serenidade; às falanges do ódio que insistem em dividir a nação vamos responder com nosso trabalho presente e nossa crença no futuro. Vamos responder sempre dizendo a verdade. Aliás, quanto mais mentiras os adversários disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles.

O Brasil não tem dono. O Brasil pertence aos brasileiros que trabalham; aos brasileiros que estudam; aos brasileiros que querem subir na vida; aos brasileiros que acreditam no esforço; aos brasileiros que não se deixam corromper; aos brasileiros que não toleram os malfeitos; aos brasileiros que não dispõem de uma “boquinha”; aos brasileiros que exigem ética na vida pública porque são decentes; aos brasileiros que não contam com um partido ou com alguma maracutaia para subir na vida.

Este é o povo que devemos mobilizar para a nossa luta; este é o povo que devemos convocar para a nossa caminhada; este é o povo que quer, porque assim deve ser, conservar as suas conquistas, mas que anseia mais. Porque o Brasil, meus amigos e amigas, pode mais. E, por isso, tem de estar unido. O Brasil é um só.

Pretendo apresentar ao Brasil minha história e minhas idéias. Minha biografia. Minhas crenças e meus valores. Meu entusiasmo e minha confiança. Minha experiência e minha vontade.

Vou lhes contar uma coisa. Desde cedo, quando entrei na vida pública, descobri qual era a motivação maior, a mola propulsora da atividade política. Para mim, a motivação é o prazer. A vida pública não é sacrifício, como tantos a pintam, mas sim um trabalho prazeroso. Só que não é o mero prazer do desfrute. É o prazer da frutificação. Não é um sonho de consumo. É um sonho de produção e de criação. Aprendi desde cedo que servir é bom, nos faz felizes, porque nos dá o sentido maior de nossas existências, porque nos traz uma sensação de bem estar muito mais profunda do que quaisquer confortos ou vantagens propiciados pelas posições de Poder. Aprendi que nada se compara à sensação de construir algo de bom e duradouro para a sociedade em que vivemos, de descobrir soluções para os problemas reais das pessoas, de fazer acontecer.

O grande escritor mineiro Guimarães Rosa, escreveu: O correr da vida embrulha tudo. A vida é assim: esquenta e esfria, aperta e daí afrouxa, sossega e depois desinquieta. O que ela quer da gente é coragem. Concordo. É da coragem que a vida quer que nós precisamos agora.

Coragem para fazer um projeto de País, com sonhos, convicções e com o apoio da maioria.

Juntos, vamos construir o Brasil que queremos, mais justo e mais generoso. Eleição é uma escolha sobre o futuro. Olhando pra frente, sem picuinhas, sem mesquinharias, eu me coloco diante do Brasil, hoje, com minha biografia, minha história política e com . esperança no nosso futuro. E determinado a fazer a minha parte para construir um Brasil melhor. Quero ser o presidente da união. Vamos juntos, brasileiros e brasileiras, porque o Brasil pode mais.”



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


103 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

gilson cabral

18 de abril de 2010 às 21h15

É , fiquei impressionado ,como o serra melhorou de vida , e se enturmou com a elite dominadora do nosso país , o cidadão morava numa casinha na moca agora , pisa na policia , professores, "o mesmo dava aula de matemática, " vê-se , que quem fica para trás , ou o que fez parte da sua vida , não tém valor , quando ele exilou-se , ele já estava , com bala na agulha , quero dizer ele já estava podendo , de grana, como ,ouvi dizer, o que me entristece é que o povo , gosta de rico , não gosta de mulher , pobre , e por aí vai , basta aparecer um sujeito que fala bonito que o povo até brilha os olhos, Saúde e vitória, ministra Dilma Roussef, e vamos explicar para os nossos compatriotas que o governo do presidente Lula , como o proprio slogan diz , é para todos e não para a zona sul de são paulo , não , tiau , fica com Deus. Sorte.

Responder

sergio ribeiro

16 de abril de 2010 às 14h17

O Brasil não tem dono. Como dizia Ronald Reagan: "Calma que o Brasil é nosso."

Responder

francisco.latorre

13 de abril de 2010 às 18h55

não tem dono…

bebeu zézim?…

Responder

Mirabeau Bainy Leal

13 de abril de 2010 às 02h15

.
NOS ÚLTIMOS 25 ANOS O POVO BRASILEIRO TEVE DE ATURAR:

1985-1989: O PRESIDENTE JOSÉ SARNEY, QUE TINHA O SEGUINTE MINISTÉRIO ESCOLHIDO POR TANCREDO NEVES:
Ministro das Comunicações: Antonio Carlos Magalhães
Ministro do Exército: General Leônidas Pires Gonçalves
Ministro da Agricultura: Pedro Simon
Ministro da Fazenda: Francisco Dornelles
Ministros da Reforma Agrária: Nélson de Figueiredo Ribeiro
Ministro das Minas e Energia: Aureliano Chaves
Ministro do Trabalho: Almir Pazzianotto
Ministro do Interior: Ronaldo Costa Couto
Ministro da Educação e Cultura: Marco Maciel
Porta-voz Oficial: Antonio Britto
1990-1992: O PRESIDENTE FERNANDO COLLOR DE MELLO
1992-1993: O PRESIDENTE ITAMAR FRANCO
1994-2002: O PRESIDENTE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

E SÓ EM 2003 O POVO CONSEGUIU SE LIVRAR DELES.

ALGUÉM ACREDITA EM RETROCESSO?
.

Responder

Fátima

13 de abril de 2010 às 01h16

Para uma platéia cheirosa, discurso perfeito. Quero ver os discursos para a "massa mal cheirosa" que felizmente faço parte, estou me lixando para este Serra Gambá.

Responder

Leonidas de Souza

13 de abril de 2010 às 00h59

O Brasil pode mais, deve ser um slogan chupado do candidato e depois eleito Presidente do Santos Futebol Clube, Luis Álvaro, que foi "O Santos pode mais".
Nem para um mote de campanha o Serra tem uma idéia original.

Responder

Messias Macedo

12 de abril de 2010 às 14h38

[VOTE NO CARECA E LEVE UMA MENTIRA CABELUDA!]
##############
Kátia se oferece para ser vice do Serra. Nasceram um para o outro
Já imaginaram o sorriso deles nas terras da Cutrale ?
11/abril/2010 11:57
Emhttp://www.paulohenriqueamorim.com.br/?p=29678&am
#######################
REFLEXÃO:
… Depois do estropício aloprado Mão Nada Santa, agora é vez da desprezível Kátia (A)breu querer preencher a vacância do (S)erra erra até no vice!
VACÂncia associa vaca, que associa curral, que remete à grilagem, que odeia trabalhador sem terra, que detesta gente malcheirosa…
… Portanto, Kátia (A)breu, um breu de insignificância e de pessoa: "taí" um bom quadro para compor a tela da derrota do (S)erra!

Sloogan: vote no careca e leve uma mentira cabeluda!

República Destes Bananas Enganadores Oportunistas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Carlos

12 de abril de 2010 às 14h16

Galera, vejam só como José Serra deixou os paulistas numa "situação confortável":
http://embuscadoconhecimento.wordpress.com/2010/0

São Paulo corre o risco de um APAGÃO DE CÉREBROS, é sério gente!

Responder

René Amaral

12 de abril de 2010 às 13h22

Bom, como dizia Jack o Estripador, vamos por partes. Em primeiro lugar os erros básicos. A tucanalha sempre erra em conceitos básicos. Ao dizer "O Brasil não tem dono!" ssERRA erra grosseiramente, mostra que concorda com a máxima dos corruptos, que acham que o dinheiro público "não tem dono", por isso se apropriam, afinal está ali, disponível e sem dono, é só pegar! O Brasil tem dono sim, somos nós brasileiros os donos do Brasil. Se durante sua catastrófica passagem pelo governo, o P$DB fez de tudo para achar um dono para o Brasil, de preferência estrangeiro; agora temos uma noção melhor de quem somos e do que temos, e do que já perdemos nas mãos dessa turma que acha que pode dizer que o Brasil não tem dono.
Vale do Rio DOce, EletroBrás, TeleBrás, Embratel (e quase a PetroBrás foi pro saco também) foram vendidas muito abaixo de seu valor real, sem nenhum benefício ao povo, sem uma contrapartida. O que era nosso, e que eles achavam, como continuam achando, que não tinha dono; foi vendido para esconder deficits em balança comercial e para gerar superavits fantasmas. Saneamento básico, infraestrutura, programas de inclusão social e reforma agrária não viram um centavo desse dinheiro. Aliás poucos brasileiros viram alguma cor desse dinheiro, todos amigos deles, os tukanos. O Brasil não ter dono é o sonho deles, pra poderem tomar e passar nos cobres o muito que ainda nos resta.
Quanto à não aceitar o "Nós contra eles" faltou combinar com Lula, Dilma e o povão! O povão que lembra como era na época dos bicões Tukanos, lembra tão bem que afirma que nem dá pra começar a comparar. Se o passado foi tão ruim assim na mão deles, o que nos garante que possa melhorar? Se quando tiveram a chance de fazer algo por todos, só fizeram por si, o que garante que mudaram? O candidato não tem nem ao menos vergonha na cara de usurpar inciativas bem sucedidas de outros, Jamil Haddad (decreto de criação dos genéricos), Adib Jatene (as leis que permitiram a distribuição de medicamentos contra a AIDS), Itamar Franco (Plano Real), são uns poucos que tiveram suas realizações usurpadas pelo tukano! Se não tem respeito pela verdade e até por parceiros e colaboradores, imagina como pretendem voltar a tratar o povo desse país que eles acham que não tem dono!
É, Serra erra ao fazer afirmações que acabam soando muito pior que a pior improvisação da Dilma!

Responder

Sergio

12 de abril de 2010 às 14h07

Realmente o Brasil pode mais, mas depende de quem for governar, não é mesmo governador-omisso-vampiro-sanguessuga??
São Paulo a 16 anos, apesar de ter podido mais também, sempre conseguiu menos. E que infeliz coincidência, que justamente neste 16 anos quem esteve a frente do governo de SP sempre foi um tucano.

Depois de 16 anos com o mesmo partido no poder, e consequentemente o mesmo ideário, SP não teve nenhum de seus grandes problemas resolvidos, somente se saiu bem as concessionárias das rodovias, que lavaram a égua neste período.

Vamos a alguns dos problemas não equacionados neste longuissimos 16 anos de pura incompetência, omissão, falta de planejamento, favorecimento político e economico: educação, saúde, emprego, segurança, transito, enchentes …

Realmente o Brasil pode mais com DILMA-PT, assim como conseguiu com LULA-PT.
E vai CONSEGUIR MENOS com Serra-PSDB/DEM, como obteve SP com Mario Covas-PSDB/DEM, Geraldo Alckim-PSDB/DEM, e o próprio SERRA-PSDB/DEM, e o Brasil com FHC-PSDB/DEM.

DILMA – 2010.

Responder

Robson Andrade

12 de abril de 2010 às 13h56

Quando ele falou que ouve os trabalhadores, parei para vomitar. Muita cara de pau. Vai perder para o povo brasileiro no 1º turno,

Responder

Evandro Melo

12 de abril de 2010 às 10h50

Para o Serra "o Brasil nao tem dono", ainda, pq se ele ganhar vai ter dono, pq ele vai vender.

Responder

    Almerindo

    12 de abril de 2010 às 14h17

    Como outro cara comentou, na hora que o Zé disse que "o Brasil nao tem dono", os gringos esfregaram as mãos de satisfação…

Vilma

12 de abril de 2010 às 13h35

Acho que pela primeira vez o Serra tem razão… O Brasil não tem dono, não é do PSDB, não é… Nem São Paulo…

Responder

CARLOS HELY

12 de abril de 2010 às 13h34

"O Brasil não tem dono. O Brasil pertence aos brasileiros que trabalham; aos brasileiros que estudam; ……. " Ele esqueceu de falar dos Desassistidos que moram em cidades paupérrima e de solo ruim por este país afora, que não tem industria para trabalhar e muito menos comida para comer, esse ele não encherga como a maioria do povo paulistano que acha que todos são vagabundo!

Responder

@menjol

12 de abril de 2010 às 13h32

José Serra esqueceu de dizer que o dono do Brasil é Daniel Dantas, o bandido inventado pelo PSDB e alimentado pelo PT.

Responder

Daniel

12 de abril de 2010 às 12h47

Basicamente, S(ó)erra disse que o Brasil é como ** de bêbado… Por aí já é perceptível o que vai fazer quando a escuridão cair sobre o país em seu (Deus queira que nunca aconteça) (des)governo

Responder

Fátima

12 de abril de 2010 às 12h28

Cartamaior. Da série lobo em pele de cordeiro— votos e abstenções de José Serra na Constituinte em relação aos seguintes pontos: a) votou contra a redução da jornada de trabalho para 40 horas; b) votou contra garantias ao trabalhador de estabilidade no emprego; c) votou contra a implantação de Comissão de Fábrica nas indústrias; d) votou contra o monopólio nacional da distribuição do petróleo; e) negou seu voto pelo direito de greve; f) negou seu voto pelo abono de férias de 1/3 do salário; g) negou seu voto pelo aviso prévio proporcional; h) negou seu voto pela estabilidade do dirigente sindical; i) negou seu voto para garantir 30 dias de aviso prévio; j) negou seu voto pela garantia do salário mínimo real; (DIAP — “Quem foi quem na Constituinte”;pag. 621; Mila/Viomundo; 10-04)

Responder

Fátima

12 de abril de 2010 às 12h22

Recado aos EUA: o Brasil não terá dono se o Serra foi eleito e poderá ser retomado por vocês.

Responder

Marcos

12 de abril de 2010 às 12h18

"O Brasil não tem dono"

É a mais perfeita expressão de quem pretende vender o Brasil, nunca imaginei tamanho entreguismo.

Responder

Lau

12 de abril de 2010 às 12h03

É o Serra já disse tudo : O Brasil não tem dono !

Entreguista, privatista, subserviente …

Estes sonhores não perceberam que o Brasil mudou ! Enganar as pessoas, hoje, usando a grande mídia não dar certo ! Foi provado em 2002 e em 2006 !

O brasileiro não é bobo !!!!!!!!!!!!!

O galho de ARRUDA ao invés de trazer sorte para este pessoal do PSDB e do DEM vai trazer pesadelos reais !

Responder

Fábio

12 de abril de 2010 às 11h44

Do Protógenes Queiroz: "o Brasil é da nossa conta".http://api.ning.com/files/IOPjhHqTrToYNlv9EN6nbFq

Responder

Eugenia

12 de abril de 2010 às 11h44

Esse Sr. Serra pensa que somos idiotas. Coitado!

Responder

gilberto

12 de abril de 2010 às 10h51

Ele copiou e traduziu o discurso do Obama ? O Serra mente, o serra é mau…. ele quer ser mas náo sera nunca nosso presidente….

Responder

Jairo Beraldo

12 de abril de 2010 às 10h13

Bispo,mas tinha ainda as opções,como a Vinagrete Sengraça,Hebe Camargo(não farei apologia a ela,em respeito ao seu estado de saúde,pois acho que por estar com uma patologia,merece respeito,mesmo e principalmente sendo adversária),Sonsinha Da Lapa,Anta Martiria Brega,dentre outras cansadinhas!!!!

Responder

Melinho

12 de abril de 2010 às 10h05

Repetindo o que eu disse anteriormente: Quem não tem dono, Mr. Serra, é feofó de bêbado e de político entreguista.

Responder

prudencio de araujo

12 de abril de 2010 às 04h50

Mente o Serra quando diz que o Brasil não tem dono. O Brasil tem dono, sim. É o povo brasileiro. Ná época do desmando do PSDB (Serra e FHC), realmente o Brasil não tinha dono. Foi entregue aos amigos do princípe e do economista competente, o famoso saltador de trampolim. Aquele que faz cada eleição um escada para seu egoísmo.

Responder

The Punisher

12 de abril de 2010 às 04h28

Ah, sim. O Serra sabe tudo de saúde: Casos de Dengue em São Paulo crescem 885%. Com isso os casos de 2010 em apenas dois meses é quase o número total de 2009 —>http://www.combateadengue.com.br/?p=544

Responder

H. Back

12 de abril de 2010 às 04h22

Serra, seu energúmeno. Quem não tem dono é o seu *&¨* .

Responder

Ubaldo

12 de abril de 2010 às 00h59

O Brasil pode mais.
Esse vai ser o slogan do Serra.
Fica difícil de escolher entre o Vampiro e a Madame Min, não fica?

Responder

    Alberto Silva

    13 de abril de 2010 às 01h22

    Só pra turma q acha q a "história chegou ao fim", a turma do "muro"…

Bene

12 de abril de 2010 às 03h12

A RESPOSTA: O Brasil tem dono sim , o Brasil é do povo brasileiro…

Responder

Luciano

12 de abril de 2010 às 02h57

O Brasil é meu e dos meus imãos brancos e pretos!!!

Responder

mano

12 de abril de 2010 às 02h12

Lula 2014-2022!

Responder

João

12 de abril de 2010 às 02h11

Li até a parte em que ele escreveu "O governo deve ouvir a voz dos trabalhadores e dos desamparados, das mulheres e das famílias, dos servidores públicos e dos profissionais de todas as áreas". Depois tive que ir vomitar.
Não deu para terminar de ler tanta demagogia barata! Dizer que ouve a voz dos trabalhadores quando coloca a PM sobre os Professores do Estado de São Paulo?
Serra é uma piada de mau gosto que a direita e o PIG tentam nos impingir!

Responder

mano

12 de abril de 2010 às 02h10

Sim, DILMAIS…

Responder

sergio

12 de abril de 2010 às 01h05

Parafraseando um amigo….Para Serra o Brasil não tem dono…..Para a Dilma o Brasil é dos brasileiros…..eu fico com Dilma…

Responder

Altamir.

12 de abril de 2010 às 00h46

Serra gastou parte do seu discurso criticando a falta de ações na área da Saúde durante o governo Lula após lembrar seus feitos à frente do Ministério da Saúde no governo Fernando Henrique Cardoso.

"Criamos a Agência Nacional de Vigilância Sanitária e da Agência Nacional de Saúde, a implantação dos genéricos, a proibição do fumo nos aviões e da propaganda de cigarros e a regulamentação dos planos de saúde".

Responder

Roberto Irineu

12 de abril de 2010 às 00h44

Em seu discurso, Serra criticou a divisão do país em classes e regiões e ainda provocou seus adversários ao dizer que" o Brasil não tem dono" e que a oposição está preparada para "quanto mais mentiras disserem sobre nós, mais verdades diremos sobre eles".

Responder

ellen

12 de abril de 2010 às 00h34

O início da campanha deste mentiroso, falso, prepotente José Serra, já deu o estopim do principal diferencial nesta eleição.
"O BRASIL NÃO TEM DONO"!!!!!!!!!!!
Tem sim!!!
Nós vamos mostrar quem é o dono: sociedade civil!!!

Responder

Luiz Jornaleiro

12 de abril de 2010 às 00h34

Discurso do Zé? Puro trololó
Só se salva a "pérola" de que o Brasil não tem dono (esclarecedora de sua ideologia entreguista), e o "beijo de judas", uma imagem que fala por si.

Responder

ao sul do equador

11 de abril de 2010 às 23h59

Mas o slogam do Serra não era:
Vote em um careca e leve 2.

Responder

Mauro

11 de abril de 2010 às 23h22

O Brsil pode mais é se ferrar com os demotucanos

Responder

Morais

11 de abril de 2010 às 23h04

Desculpem-me mas dá nojo, ver, ler ou ouvir o Serra, ninguém merece ter este cara como candidato, mas ainda bem que não tem chances nenhuma de chegar lá.

Responder

Edson Bispo

11 de abril de 2010 às 23h00

Frase do Dia…

"Para Serra, o BRASIL é como (..) de bêbado; não tem dono"

Responder

luiz claudio

11 de abril de 2010 às 22h48

Que discurso hipócrita,ouvir os trabalhadores,nossa ele ouve mesmo,dando porradas neles ,como na greve dos professores, não divide o brasil ,incrível nos oitos de fhc, somente a elite paulista ganhou,parecia que o governador de são paulo havia sido transferido para brasilia,não joga ricos contra pobres ou pobres contra rico,não mesmo,pois o psdb-udn(dem),somente tem olhos para os interesses das aristocrácia,pobre somente estatística,voces se lembram das pessoas que residem nas áreas alagadas de sampa ,foram bem assistidas por esse cidadão,por tv claro,babaca,palavras inócuas que não enganam mais,felizmente,já tiveram sua chance ao longo de quase toda história independente desse país e nos deram o que ,eu mesmo respondo:subdesenvolvimento,miséria,concentração de renda,injustiças sociais,fome,ditadura militar,violência,tudo que voce nesse seu discurso fale que vai combater,háháháháhá,estou rindo para não ter que ofende-lo,pau-mandados dos estados unidos,enquanto eu viver farei de tudo para que voces não voltem a pisar na rampa do planalto.

Responder

Creuzo Oliveira

11 de abril de 2010 às 22h26

É muita CARA DE PAU!
Começa afirmando que o Brasil pode mais mas como governador de São Paulo nada fez "mais" que qualquer outro ocupante do cargo, muito pelo contrário.
Comecei a parar de ler o discurso quando ele falou na importância da educação escolar do povo e encerrei de vez a leitura quando ele afirma que é um homem de diálogo.
É uma fala teórica e uma verborragia sem qualquer vínculo com a realidade.
Esse mesmo homem vem transformando para pior o ensino em São Paulo, que não resiste a comparações com estados mais empobrecidos do Brasil e o seu "diálogo" resume-se a fugir dos encontros com os representantes da categoria dos professores no estado e a mandar a polícia recebê-los a gás de pimenta, balas de borracha e bombas de efeito "moral" para que desistam das suas reivindicações e permaneçam com o PSDB (Pior Salário Do Brasil).

Responder

    Creuza

    11 de abril de 2010 às 23h58

    Creuzo, é a velha história; o PIG deu a ele o salvo-conduto de dizer as barbaridades que bem entender porque nada será repercutido. Na boa… assim, até eu governo…
    Abraços.

mila

11 de abril de 2010 às 22h21

O trol ta tendo pesadelo.

Responder

mila

11 de abril de 2010 às 22h13

Ou seja, trololololo do pópara!

Responder

Well Costa

11 de abril de 2010 às 21h53

Pode se dizer sim que o Brasil passou a ser um pouco eu digo um pouco dos brasileiros nesses 8 anos, agora vir com esse discurso meloso, camuflado e sinico com as mãos vazias que nao tem nada pra mostrar é muito dificil brasileiro inteligente cair nesse engoldo, gato escaldado tem medo de agua fria sr. serrote, isso ai é discurso pra boi dormir mas eu não durmo, nao dou um ano de governo desse senhor para o Brasil esta a venda "DE NOVO". Em briga de saci quem der voadora ganha…

Responder

luiz claudio

11 de abril de 2010 às 21h43

Que discurso hipócrita,ouvir os trabalhadores,nossa ele ouve mesmo,dando porradas neles ,como na greve dos professores, não divide o brasil ,incrível nos oitos de fhc, somente a elite paulista ganhou,parecia que o governador de são paulo havia sido transferido para brasilia,não joga ricos contra pobres ou pobres contra rico,não mesmo,pois o psdb-udn(dem),somente tem olhos para os interesses das aristocrácia,pobre somente estatística,voces se lembram das pessoas que residem nas áreas alagadas de sampa ,foram bem assistidas por esse cidadão,por tv claro,babaca,palavras inócuas que não enganam mais,felizmente,já tiveram sua chance ao longo de quase toda história independente desse país e nos deram o que ,eu mesmo respondo:subdesenvolvimento,miséria,concentração de renda,injustiças sociais,fome,ditadura militar,violência,tudo que voce nesse seu discurso fale que vai combater,háháháháhá,estou rindo para não ter que ofende-lo,pau-mandados dos estados unidos,enquanto eu viver farei de tudo para que voces não voltem a pisar na rampa do planalto.
DILMA 2010,PRESIDENTA DO BRASIL.

Responder

Gabriel

11 de abril de 2010 às 21h39

A tradução do discurso é praticamente blá blá blá whiskas saché.

Responder

RodrigoMPrado

11 de abril de 2010 às 20h50

Interessante.. nada explicito sobre os 8 anos de FHC e sempre querendo demonstrar como se fosse 25 anos de democracia fosse uma coisa só. Isso é que é memória seletiva. Não assume o passado.

Responder

Rafael, BHte

11 de abril de 2010 às 20h36

se ganhasse e fosse reeleito sairia do planalto com quase 80 anos, idade boa para governar.. o Uruguai talvez, vamos presenteá-lo com mais tempo para escolher o retiro em q irá repousar futuramente ( não é ofensa pq é lá mesmo q todos os filhos mais cedo ou mais tarde botam seus país, nós inclusive teremos esse mesmo destino) e lá ele poderá continuar a trocar o dia pela noite e ler bastante… O Brasil , espero mesmo, q possa mais indo além de qualquer serra pelo caminho!

Responder

Neri

11 de abril de 2010 às 20h32

O BRASIL NÃO TEM DONO? ORA ORA, O Brasil é dos brasileiros trabalhadores e não dos brasileiros americanófilos como essa corja que apoia SERRA que não quer dár aos brasileiros o que é deles. Querem é dar de bandeja para os americanos as nossas riquezas e tornar o Brasil um Haiti continental!!! FORA DEMOTUCANOS. O PT NÃO É LÁ ESSA MARAVILHA, mas PELO MENOS PENSA MAIS NO BRASIL DO QUE NOS ESTADOS UNIDOS E SEUS TENTACULOS!!!
O BRASILE É DOS BRASILEIROS DE VERDADE, PORTAZNTO TEM DONO SIM!!! FORA SERRA!!!

Responder

Franco Atirador

11 de abril de 2010 às 20h13

.
VAMOS FAZER JUSTIÇA COM A ANA HICKMANN.

ELA MERECE UM CACHÊ GORDO DESSES OTÁRIOS DO PSDB.

PORQUE NINGUÉM FARIA PAPEL DE IDIOTA, COMO ELA FEZ,

NO MEIO DESSES DEMOTUCANOS SENIS,

SE NÃO FOSSE PARA GANHAR MUITO DINHEIRO.

.

Responder

    Edson Bispo

    12 de abril de 2010 às 00h00

    Serra queria a Regina Duarte… Mas FHC achou que poderia pegar mal…

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 19h40

[MAIS] UM LAPSO DE MEMÓRIA DO CANDIDATO JOSÉ (F)ERRA!

“O SUS foi um filho da Constituinte…” José (B)erra, declaração proferida no evento de lançamento da sua candidatura anêmica e natimorta!

O MATUTO MATUTA: neste discurso tragicômico, (B)erra deveria dizer que os fdp que o apóiam implodiram, criminosamente, a CPMF, 40 bilhões subtraídos da saúde do povo pobre trabalhador brasileiro.

A MEMÓRIA: na campanha eleitoral, reavivaremos a memória histórica: o povo lembrará! Não se avexe, não!

República Desta DIREITONA OPOSIÇÃO AO BRASIL
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 19h28

UM LAPSO DE MEMÓRIA DO [BRAVATEIRO] JOSÉ (S)ERRA!

“… Vamos turbinar o ensino técnico e profissional, aquele que vira emprego. Emprego para a juventude, que é castigada pela falta de oportunidades de subir na vida. E vamos fazer de forma descentralizada, em parcerias com estados e municípios….”

O LAPSO DA MEMÓRIA: (S)erra esqueceu de mencionar a tal Escola Técnica em parceria com os Marinhos da Rede ‘Roubo’, no convênio em que os filhos do “dotô” Roberto disseram ao governador (S)erra: “Toma que o terreno [do estado de SUMPAULO] é nosso!” A afirmação proferida depois que a falcatrua “de privada” foi desmascarada publicamente!
A Escola Técnica “Dotô” Roberto Marinho, que iria (de)formar técnicos em mídia! Que MÉRDIA!

República Destes Bananas Assaltantes do Brasil
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Rodrigo

11 de abril de 2010 às 19h18

Aprendeu direitinho o script…

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 18h57

José Serra: O Brasil não tem dono
José Serra batendo o martelo na venda da Telebras
[Na foto que acompanha o ´post’] José Serra [sorrindo], junto com Elena Landau, funcionária do banco Opportunity, de Daniel Dantas, batem o martelo na privatização da Telebrás.
Emhttp://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com/

República Destes Bananas Assaltantes do Brasil
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Remindo Sauim

11 de abril de 2010 às 18h21

Serra, o Brasil tem dono sim. O povo brasileiro. Já estás querendo negociar o país com os americanos?

Responder

Otavio

11 de abril de 2010 às 18h10

O engraçado é a Anna Hickman apresentando. Deve estar tentando garantir um emprego depois que Serra, Abril, Globo, Folha e Estadão cassarem a concessão da Record.

Responder

Rios

11 de abril de 2010 às 14h53

Fraco!!! Discurso de candidato a vereador!!!

Responder

    Rafael Borges

    11 de abril de 2010 às 17h45

    José Serra – Azuis contra Vermelhos
    Serra fez um discurso competente em seu lançamento como candidato. Aos ouvidos mais críticos, a virtude de seu discurso é também seu defeito. Foi uma ótima peça de publicidade, mas um pobre instrumento da verdadeira política.
    O presidenciável tucano sabe que não será eleito apenas com voto dos insatisfeitos. Que para ele não serve ser o mais forte adversário. Precisa agradar também os aliados do governo. Não por outra razão disse que refuta a disputa de "azuis contra vermelhos". Sabidamente, o azul é a cor do PSDB e vermelho do PT. Essa metáfora de cores retrata com perfeição o dilema de Serra.

    Paulo

    11 de abril de 2010 às 18h01

    É mesmo. O Brasil pode mais!

Fábio

11 de abril de 2010 às 17h46

Péssima introdução de slogan "Brasil não tem dono". Isso é típico de político que não se importa ou não entende o que é a "res pública", a coisa pública. O Brasil é de nós, brasileiros. Tudo que é público tem dono, nós todos. A coisa pública é para ser utilizada, mantida e conservada por todos. Com esse slogan, parece um cada um por si e viva o patrimonialismo. No fundo, bem a cara do PSDB.

Responder

Armeiro

11 de abril de 2010 às 17h45

A maior piada deste discurso é quando ele fala de igualdades. Quem, o PSDB falando de igualdades ??? Hahahaha. Realmente só blá blá blá. Dilma pode MAIS! Pior foi ver o grau de entusiasmo forçado da Eliane Catanhede falando do evento. Onde um psdbista diz que a massa (povo) do psdb é mais cheirosa….RIDÍCULA!

Responder

dijan

11 de abril de 2010 às 17h19

Por ele pensar assim não entregar o Brasil? O Brasil tem dono sim, somos nós, quase 200 milhoes de brasileiros

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 16h58

ENTENDA ‘O BRASIL PODE MAIS’ DO JOSÉ (S)ERRA! PARTE II

# ‘O Brasil pode mais’ resgatar o ‘engavetador-mor da nação’, um neoBrindeiro, tipo Gilmar Dantas;
# ‘O Brasil pode mais’ dar habeas corpus preventivo para gente da laia de Daniel Dantas, Paulo Salin Maluf e a dona da Daslu, esta última amissíssima da dona Lu Alckmin, “que chique”!;
# ‘O Brasil pode mais’ implodir o PAC, inclusive o da infra-estrutura relacionado à prevenção das enchentes;

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 16h57

ENTENDA ‘O BRASIL PODE MAIS’ DO JOSÉ (S)ERRA!

# ‘O Brasil pode mais’ privatizar, criminosamente, o patrimônio público;
# ‘O Brasil pode mais’ entregar as riquezas nacionais para meia dúzia de porcos capitalistas;
# ‘O Brasil pode mais’ dizer, sistematicamente, amém aos EUA;
# ‘O Brasil pode mais’ recorrer, novamente, ao FMI;
# ‘O Brasil pode mais’ arrochar os salários dos trabalhadores;
# ‘O Brasil pode mais’ reprimir os movimentos sociais, do tipo professores da rede pública da província de SUMPAULO “do dono (S)erra” – e MST, via a vice da vez, a DEMotucana Kátia (A)breu, um breu de insignificância e de pessoa!;

Responder

José Honório

11 de abril de 2010 às 16h48

Erro crasso, o Brasil é de todos os brasileiros. Quanto a falar verdade ou mentira, o Serra já tem mentira até registrada em cartório.

Responder

priscila presotto

11 de abril de 2010 às 16h47

Na mão deles não vai ter dono mesmo e vai privatização…

Responder

Mirabeau Bainy Leal

11 de abril de 2010 às 16h44

O "SLOGAN" DA DIREITA "BRAZILEIRA"

A DIREITA "BRAZILEIRA" DESNORTEADA SE NORTEIA PELOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA DO NORTE.

MAIS DO QUE ORIGINALIDADE, FALTOU BRASILIDADE ATÉ NO "SLOGAN" DA CAMPANHA DO SERRA (PSDB/DEM/PIG):

ADAPTARAM O "WE CAN" (NÓS PODEMOS) DO BARAK OBA-OBA.

SÓ FALTA O PSDB/DEM/PIG LANÇAR O MOTE DA CAMPANHA NA LÍNGUA INGLESA,
UMA DAS COISAS QUE A ELITE IMPATRIÓTICA MAIS GOSTA.

O "SLOGAN", EM ANGLO-SAXÃO, FICARIA ASSIM:
"THE BRAZIL CAN MORE"

ASSIM, O SERRA (PSDB/DEM/PIG) PODE ("CAN") MUDAR O NOME DA PETROBRAS PARA "PETROBRAX",

SEM CAUSAR SURPRESA AO POVO BRASILEIRO.

Responder

Melinho

11 de abril de 2010 às 16h37

O Brasil pode mais. Tucano nunca mais.

Responder

Rodrigo Rios

11 de abril de 2010 às 16h22

Não li e não gostei!!!!

Responder

Junior

11 de abril de 2010 às 16h10

Me diverte muito ver como um homem pode ser ao mesmo tempo tao dissimulado e ingenuo.
Dissimulado quando fala "com frequência uso senhas de computador baseadas no nome de minhas professoras no curso primário" e trata os professores do estado que governa como bandidos, e ingenuo ao ponto de achar que ninguem liga p isso. Dissimulado quando fala em estagnacao da educacao gerada pela abertura de 10 novas universidades federais, 45 extensoes universitarias e 214 escolas tecnicas e ingenuo em achar que ninguem lembra do sucateamento da educacao promovido pelo governo do qual era ministro do planejamento e depois da saude, e tendo como companheiro no ministerio da educacao o mesmo homem q hoje e o seu secretario de educacao e que ja declarou ser a favor de cobranca de mensalidade nas mesmas universidades federais.
Me diverte e me preocupa que um homem tao fraco de carater venha a governar esse pais e nos devolver as trevas.

Precisamos impedir que isso aconteca

Responder

Regis

11 de abril de 2010 às 15h53

Blá blá blá. Tá sem retórica. Prá onde apontar o discurso irá esbarrar na excelente administração do presidente Lula. è melhor não falar e só aparecer na mídia podre que o apóia.

Responder

Leider_Lincoln

11 de abril de 2010 às 15h50

Melhor prêmio na categoria "ficção", sem dúvida… Quem ouvisse o Serra acharia mesmo que sua biografia de rancoroso covarde, invejoso e desagregador não é conhecida.

Responder

Go Oliveria

11 de abril de 2010 às 15h49

Insosso, insípido e inodoro.

Responder

Gerson Carneiro

11 de abril de 2010 às 15h43

"Venho hoje, aqui, falar do meu amor pelo Brasil; falar da minha vida; falar da minha experiência; falar da minha fé; falar das minhas esperanças no Brasil" – José Serra

Ah tá, dêxa eu í trabaiá.

Responder

Gerson Carneiro

11 de abril de 2010 às 15h41

"O BRASIL NÃO TEM DONO" – José Serra

Eu tento quietar o facho, mas… Raulzito vai lá, dê o recado por mim:

"A solução pro nosso povo
Eu vou dá
Negócio bom assim
Ninguém nunca viu
Tá tudo pronto aqui
É só vim pegar
A solução é alugar o Brasil!…

Nós não vamo paga nada
Nós não vamo paga nada
É tudo free!
Tá na hora agora é free
Vamo embora
Dá lugar pros gringo entrar
Esse imóvel tá prá alugar
Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!…

Os estrangeiros
Eu sei que eles vão gostar
Tem o Atlântico
Tem vista pro mar
A Amazônia
É o jardim do quintal
E o dólar dele
Paga o nosso mingau…

Nós não vamo paga nada…
Ei! -Grande Solução!…

Está Prá Alugar Meu Deus!
Nós não vamo paga nada!
Nós não vamo paga nada!
É tudo free! Vamo embora! "
Aluga-se – Raul Seixas

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 15h40

Serra, o Brasil não pode mais…
abril 10th, 2010 às 20:54
em http://www.tijolaço.com – o blog do Brizola Neto
repercutido em http://www.cloacanews.blogspot.com/

COMENTÁRIO:
Brizola Neto, espetacular! Texto histórico, lapidar!

Eu queria ter um neto assim!

Parabéns!
Felicidades!

BRASIL – em homenagem ao Brizola Neto, extensivo ao honesto e trabalhador povo brasileiro
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Maria Efigênia

11 de abril de 2010 às 15h24

Achei o que ele falou muito fraco, dizer que o Brasil não tem dono, tem sim, o povo brasileiro.
Não é a casa da mãe Joana.

Responder

Avila

11 de abril de 2010 às 15h07

"Teoria fake", sem prática!

Responder

ricardo silveira

11 de abril de 2010 às 14h56

O Governo Lula tem mais de 75% de aprovação do povo. O próprio Lula tem mais de 80% de aprovação do povo. O Serra vai unir o que? Onde ele pensa que está? O Serra não uni nada, ele só pode desunir o que está unido. O Serra não tem o que dizer, qualquer coisa séria que disser vai contra o PSDB/DEM. A falta de discurso político dá nisso: faz o sujeito mentir e dizer besteira.

Responder

    João Bastos

    11 de abril de 2010 às 16h35

    Prezado Ricardo

    Ele vai unir com certeza!!!
    Ao aparecer na TV e propaganda eleitoral os 25% que não estão com Lula, passarão a apoiar e votar em Dilma

Trazíbulo Meireles

11 de abril de 2010 às 14h54

O Brasil já está podendo mais com Lula e Dilma sem precisar mudar para o PSDB/Serra. A mudança tem que se dá também em S.Paulo com Mercadante, para consertar o desastre da política de Serra lá contra os professores a saúde, etc.
O Brasil de Serra será o do atraso e da perseguição e o da infiltração de agentes nos movimentos sociais como ele fez na greve do professores.
Dilma é o porto seguro dos trabalhadores e do povo brasileiro!

Trazíbulo Meireles

Trazíbulo Meireles

Responder

akram

11 de abril de 2010 às 14h53

continuaçao
A construcao da frase e estarrecedora porque oferece juizo de valor sobre a luta de classes :os pobres lutam CONTRA RICOS,quer dizer quem comencou a encrenca sao os pobres,que com essa atividade perturbam o goso pacifico dos ricos que nao fizeram nada para mercer tais hostilidades.
Isto e a historia que os ricos contam para suas criancinhas antes de dormir,essa eleicao como toda eleicao e um campo de luta de classes :os ricos do SERRA contra os pobres da DILMA isso e o resumo da historia embora ainda cabe muita dicussao ai.

Responder

Messias Macedo

11 de abril de 2010 às 14h52

[MAIS] UM ROUBO DOS TUCANODEMONÍACOS – POR TABELA, (S)ERRA TROCA O ‘PARMEIRAS’ PELO SANTOS!

CAMPANHA DE SERRA TEM INÍCIO COM SLOGAN ROUBADO
sábado, 10 de abril de 2010
O OBJETO DO FURTO: Campanha ‘O Santos F.C. Pode Mais’ Luis Álvaro presidente. Odílio Rodrigues vice
FONTE: Emhttp://cloacanews.blogspot.com/2010/04/campanha-d

República Destes Salteadores/Saqueadores dos Bens Alheios – incluindo os da nação!
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

akram

11 de abril de 2010 às 14h52

Muitas gente comentou a frase do SERRA sobre o Brasil nao ter dono,que embora referendo se ao PT,acabou(sem querer) rotulando a trajetoia e o programa politico do PSDB e que vai ser lembrada por muito tempo durante a campanha.So que outra frase dita por ele me chamou a atençao e que revela diretamente o conteudo ideologico do candidato,ele diz que caso seja eleito nao vai“ estimular disputas de pobres contra ricos“: quer dizer tem gente sabotando a paz social “estimulando“ tais diputas,sem tais agitadores o corpo social vivera em harmonia,cooperacao,e que e possivel agradar ao grande capital e as massas trabalhadoras ao mesmo tempo mas como? desencoragando tal diputa mas como? erradicar os agentes infiltrados nas massas,na pratica isso significa nao negociar com grevistas,tratar as manifestacoes com cacetadas,colocar agentes secetos para descobrir os tais sabotadores da paz.

Responder

    mila

    11 de abril de 2010 às 22h19

    O Brasil não tem dono, ainda…
    Com serra no poder, terá.dono.,…promessa de tucano

Jairo Beraldo

11 de abril de 2010 às 14h51

Nunca vi tanto cinismo,em um único discurso…"Governos, como as pessoas, têm que ter alma. E a alma que inspira nossas ações é a vontade de melhorar a vida das pessoas que dependem do estudo e do trabalho, da Saúde e da Segurança. Amparar os que estão desamparados."…..eu li isso mesmo?"O governo deve servir ao povo, não a partidos e a corporações que não representam o interesse público. Um governo deve sempre procurar unir a nação. De mim, ninguém deve esperar que estimule disputas de pobres contra ricos, ou de ricos contra pobres. Eu quero todos, lado a lado, na solidariedade necessária à construção de um país que seja realmente de todos."-QUÁQUÁQUÁQUÁQUÁ QUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁQUÁ…. Esse Zé é mesmo Sem Noção!!!"..Mas é por isso tudo que sempre lutei e luto tanto pela educação dos milhões de filhos do Brasil….","…Saúde é vida, Segurança também…" – Acho que BASTA…CÍNICO,CANALHA!!!

Responder

    Marcos

    12 de abril de 2010 às 01h18

    Jairo, realmente dizer que o Serra é um tremendo de um cara-de-pau, de um cínico, de um hipócrita é muito pouco. O sujeito é um canalha!

Dilson

11 de abril de 2010 às 14h43

"Porque tudo o que eu sou aprendi em duas escolas: a escola pública e a escola da vida pública. Aliás, e isto é um perigo dizer, com frequência uso senhas de computador baseadas no nome de minhas professoras no curso primário. E toda vez que escrevo lembro da sua fisionomia, da sua voz, do seu esforço, e até das broncas, de um puxão de orelhas, quando eu fazia alguma bagunça."

As professoras deram broncas e puxaram as orelhas dele…anos depois ele devolveu o favor com cacetetes e gás pimenta.Zezinho fazendo bagunça.

Responder

Marat

11 de abril de 2010 às 14h40

"O Brasil não tem dono", é o discurso deles…, mas parece que o PSDB/PFL/PPS/PIG deseja sim, que o Brasil tenha um dono (como um cachorrinho): Os EEUU!

Responder

daniel

11 de abril de 2010 às 14h34

Quase chorei com o discurso… "Quase". Não me convence nem contando de tráz pra frente.

"Jamais rotularemos os adversários como inimigos da pátria ou do povo. "

Mas e de ladrão, vagabundo, petralha, torneiro mecânico, ignorante, safado? Ouvimos isso por 8 anos. Já nem ofende mais. Só acreditam nesse "senhor" os desinformados. Ainda bem que são poucos.

Responder

    mila

    11 de abril de 2010 às 22h16

    Aecio que o diga no pópará do estadão e na escandalo do tampinha não doi do kfuro.

Augusto da Fonseca

11 de abril de 2010 às 14h34

Serra: o beijo de Judas!

Ontem, no lançamento da pré-candidatura Serra à Presidência da República, vimos a que ponto chega o cinismo e a demagogia do Serra, em relação à Aécio Neves.

Após ter detonado, da forma mais baixa e humilhante possíve, o pleito legítimo do Aécio de realizar prévias no PSDB para escolha do pré-candidato, tratando o adversário interno como um cão sarnento, Serra protagonizou uma cena insólita: o beijo de Judas, o beijo do traíra!

Os mineiros devem estar se contorcendo de raiva diante dessa cena.

Com certeza, darão o troco nas eleições, votando na mineira Dilma Roussef para Presidenta do Brasil.

Reparem o esforço do Aécio para sair da cilada e o esforço ainda maior do Serra para concretizá-la.

Se o Serra faz isso com um aliado, o que não fará com a sua adversária Dilma Roussef???

(Mais emhttp://festivaldebesteirasnaimprensa.wordpress.co

*

Responder

Fabio_Passos

11 de abril de 2010 às 14h05

Plinio de Arruda Sampaio do PSOL também é candidato a presidente.

Aqui uma entrevista muito boa dele… na parte 6 ele fala de Dilma e Serra:

Afirma que a Dilma “não tem personalidade política conhecida no Brasil.”

Afirma que zé serra “seria um bom presidente para a burguesia e um péssimo presidente para o povo… não tenham dúvida disso”.

Falando Francamente – Plínio PSOL- parte1 http://www.youtube.com/watch?v=zOpwYsWI3xc

Falando Francamente – Plínio PSOL parte2 http://www.youtube.com/watch?v=5oDbVLf4BOI

Falando Francamente – Plínio PSOL parte3 http://www.youtube.com/watch?v=ui3JrGMVrLk

Falando Francamente – Plínio PSol – parte4 http://www.youtube.com/watch?v=TaegYZ7Z_0c

Falando Francamente – Plínio PSol – parte5 http://www.youtube.com/watch?v=LDLRK18uS1U

Falando Francamente – Plínio PSol – parte6 http://www.youtube.com/watch?v=zwEJ4BhnQog

Responder

O Brasileiro

11 de abril de 2010 às 13h56

Serra deve ter escrito esse discurso para a campanha de 2002, e as críticas com certeza são para o governo FHC.
A "boquinha" a que se refere deve ser a do Daniel Dantas, cuja irmã é, ou foi, sócia da filha dele.
As Forças Armadas devem ter ficado aliviadas em saber que ele não vai reiniciar o sucateamento feito por FHC.
E quanto à educação dos jovens, ele lembrou bem que FHC não construiu nenhuma, e tentou privatizar a educação, principalmente o ensino superior (e conseguiu fazê-lo parcialmente).
A pior parte do discurso é quando Serra renega seu partido, e diz que não se deve "indagar a filiação partidária". Ora, se uma pessoa tem vergonha de seu partido, é porque esse partido não tem valor!

Respeito o Serra, por sua trajetória, pelo que fez nos cargos que exerceu, pelo comando que exerce sobre alguns setores de seu partido. Mas o Serra não é líder, seu programa de governo é pró-capitalistas, exerce relações imorais com os oligarcas da mídia, e não respeita os trabalhadores. No que depender do meu voto, Serra NUNCA será presidente!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!