VIOMUNDO

Diário da Resistência


Rodrigo Vianna: Para a família mais poderosa do Brasil, o governo Bolsonaro acabou
Política

Rodrigo Vianna: Para a família mais poderosa do Brasil, o governo Bolsonaro acabou


16/05/2019 - 11h10

Da Redação

Para o jornalista e historiador Rodrigo Vianna, um editorial de O Globo demonstra que a família mais rica do Brasil decidiu rifar o governo Bolsonaro.

Nas manifestações do 15M, como já havia feito durante o processo de impeachment de Dilma Rousseff, a TV Globo fez flashs das manifestações na TV aberta e “liberou” a Globonews  — ontem, inclusive, com a transmissão na íntegra de discursos de parlamentares do PT e do PCdoB na Câmara, Paulo Pimenta e Jandira Feghali.

Segundo o historiador, o editorial equivale a um Tchau, querido.

“Vai custar caro às elites desalojar do Planalto esse bando de desajustados. Leiam o editorial em que a família mais poderosa do país decreta o fim do governo”, aduziu o jornalista:

Um governo em que só a derrota interessa

Não passa um dia sem que a corte de Jair Bolsonaro cometa um atentado contra seu próprio patrimônio. A ação deletéria do círculo mais próximo do presidente é cruel, e em alguns casos, ridícula.

Já foram escritas algumas milhares de páginas gloriosas relatando graves e disruptivos equívocos históricos que ao longo dos tempos destruíram reis, imperadores, ditadores, presidentes.

Uma nova página está sendo escrita nestes dias no Brasil. Esta, porém, não tem uma gota sequer de glória. Ela é composta apenas por erros pernósticos e grosseiros.

Um elenco de erros que ultrapassa o limite do bom senso. O pacote de bobagens começou a ser oferecido já na posse, quando o filho mais mimado do presidente abancou-se no Rolls-Royce presidencial. Parecia uma coisa juvenil, sem maior importância.

Não era, como verificou-se em seguida, quando o menino demitiu o primeiro ministro do pai.

A partir daí, o país acompanhou atônito uma sequência de episódios capazes de arrasar qualquer reputação.

Aos poucos, a República do Tiro no Pé foi se consolidando no entorno do presidente e hoje está instalada de maneira inequívoca e soberana no Palácio do Planalto.

Dos eventos que tornam difícil o trabalho dos bombeiros de Brasília, o mais impressionante é o tratamento que o governo dá à educação.

Primeiro, nomeou um maluco desprovido de bom senso que iniciou sua breve jornada na Esplanada dizendo que brasileiro é um ladrão canibal quando viaja ao exterior.

Depois, indicou um sucessor mão de tesoura que anunciou um corte bilionário no orçamento das universidades em nome de um revanchismo cego e tolo.

Nem o mais leal bolsonarista consegue entender uma medida como esta, a menos que imagine estar assim nivelando o Brasil ao seu próprio patamar. E ache isso bom.

Na política externa, o governo tomou todos os atalhos que o manual do bom diplomata condena.

Na área ambiental, nadou e segue nadando contra a maré global.

Nem a China, país mais poluidor do mundo, foi tão longe no descaso com o meio ambiente.

Não vale a pena falar da senhora que viu Jesus numa goiabeira, nem do cavalheiro que comprou um laranjal em Minas, ambos ministros do governo Bolsonaro.

Melhor se concentrar na política. Em menos de cinco meses, Bolsonaro teve tantas indisposições nesse campo que já está tomando café frio. Não ganhou um embate importante no Congresso.

Depois de ver estraçalhada sua proposta de reforma administrativa na comissão criada para analisá-la, o governo experimentou uma derrota fragorosa ao tentar impedir que o ministro mão de tesoura fosse convocado para se explicar na Câmara.

Enquanto ele dava vexame no plenário, escolas ao redor do país pararam e foram às ruas em protesto contra o governo. Nem Temer no pior de seus dias foi tão mal.

Ao lado das questões graves, há outras patéticas. Imaginem dois líderes de partidos aliados recusando chamamento do presidente da República para irem ao Palácio conversar.

Os “famosos” Elmar Nascimento (DEM) e Arthur Lira (PP) agradeceram convite feito pelo líder deputado major Vitor Hugo (PSL) e não foram ouvir Bolsonaro.

Caso raríssimo na história da política nacional, o Centrão disse não ao governo. Logo o Centrão, que faz das tripas coração para estar sempre ao lado de quem dá as cartas e solta as verbas.

Além disso, os três filhos continuam azucrinando. O mais velho, o 01, teve seu sigilo bancário e fiscal quebrados e antes do fim do ano estará experimentando o calor abrasador do inferno, e incendiando o governo.

O mimado, o 02, agora está torpedeando os ministros Onyx, Moro e Guedes, porque não suporta nenhuma sombra maior que a sua ao lado do papai.

E, finalmente, o 03 disse que o Brasil deveria ter sua bomba atômica para ser levado mais a sério. Quem não pode ser levado a sério é o 03.

E, claro, o presidente pode sempre contar com a inestimável colaboração de Olavo de Carvalho, a cereja no topo do bolo.

Se os filhos afastam do pai os ministros políticos e técnicos, Olavo afugenta os militares.

O perigo do isolamento de Jair Bolsonaro é real.

Para quem faz tudo para parecer que somente a derrota interessa, o caminho para o fracasso não poderia estar mais aberto e desimpedido.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Elenaldo Andrade Santos

19 de maio de 2019 às 18h29

É um balaio de gatos!

Responder

Zé Maria

16 de maio de 2019 às 16h06 Responder

Arnaldo

16 de maio de 2019 às 16h03

É isso aí!

Responder

Zé Maria

16 de maio de 2019 às 16h01

General Mourão 2 foi para a China.
O Mito idiota/imbecil está nos EUA.
Rodrigo Maia assume a Presidência.
É Gópi… E mimimi mimimi mimimi…

Responder

Zé Maria

16 de maio de 2019 às 15h56

Guerra intestina e Merda no Ventilador

Conge da Rô não agüenta mais.
Consórcio de Mídia Fascista
vai derrubar Jair Bolsonaro.

Até o estoriador Villão na JP já tá
comendo o mingau pelas beiradas …
https://youtu.be/SZFCYaDGrw4

Responder

Zé Maria

16 de maio de 2019 às 15h30

MP DO RIO DE JANEIRO MIRA CHEQUES DE QUEIROZ PARA MICHELLE BOLSONARO

Existe a suspeita de que a versão apresentada por Bolsonaro, de que os cheques seriam um empréstimo, seja falsa

Coluna do jornalista Guilherme Amado, no site da revista Época desta quinta-feira (16), informa que a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, estaria na mira dos promotores do Ministério Público Federal encarregados da investigação sobre a suspeita de que Flávio Bolsonaro ficava com parte do salário dos funcionários.

Citando como fonte um promotor que investiga o caso, a reportagem diz que existe a suspeita de que seja falsa versão apresentada por Bolsonaro, de que os cheques seriam um empréstimo.

O jornalista cita dez cheques que Fabrício Queiroz afirmou ter remetido à primeira-dama Michelle Bolsonaro.
Jair Bolsonaro teria dito que os cheques seriam para pagamento de um suposto empréstimo de R$ 40 mil feito ao ex-PM, que atuou no gabinete do filho, Flávio Bolsonaro (PSL/RJ), na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

íntegra da reportagem: https://www.revistaforum.com.br/mp-suspeita-que-versao-de-bolsonaro-sobre-cheques-de-queiroz-a-michelle-e-falsa/
https://epoca.globo.com/guilherme-amado/mp-do-rio-de-janeiro-mira-cheques-de-queiroz-para-michelle-bolsonaro-23668794

Responder

Zé Maria

16 de maio de 2019 às 15h06

Mãos de Tesoura é o Guedes que manda e desmanda no Orçamento.
O Resto é uma Milícia de imbecis fazendo figuração na TragiComédia.

Responder

Guanabara

16 de maio de 2019 às 13h46

É bom já começar a ver o que será um governo Mourão. Sinceramente, a destruição do Estado continuará, mas sem os tropeços diplomáticos, sejam externos ou domésticos. Pra mim, não será nada além de um “Bolsonaro discreto”.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.