VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Pedro Serrano: Mídia brasileira é a única que não diz que governo Bolsonaro é de extrema direita
Seria para não comprometer Sergio Moro? Foto Lula Marques
Política

Pedro Serrano: Mídia brasileira é a única que não diz que governo Bolsonaro é de extrema direita


18/01/2020 - 10h08

Extremismo de Bolsonaro possibilita manifestações nazistas, diz Pedro Serrano

“Há na mídia brasileira uma insustentável posição de não caracterizar Bolsonaro como extremista de direita”, diz jurista, especialista em Direito Constitucional

por Eduardo Maretti, da RBA

São Paulo – “Defender o nazismo é ilícito não porque defendê-lo é extremista, como muito se fala. O nazismo é rejeitado por ter como pressuposto o cometimento de um crime de lesa-humanidade, o genocídio racista, a defesa do genocídio racista como um instrumento de melhoria genética da humanidade.”

A opinião é do jurista Pedro Serrano, ao comentar o vídeo que motivou a demissão do agora ex-secretário de Cultura do governo Jair Bolsonaro, Roberto Alvim.

Alvim caiu após utilizar trechos de um discurso do ministro da Propaganda de Adolph Hitler, Joseph Goebbels, em um vídeo para divulgar um programa de governo.

O ex-secretário teria sido exonerado após o governo Bolsonaro ter sido pressionado pelo embaixador de Israel no Brasil, Yossi Shelley, segundo a colunista Mônica Bergamo.

De acordo com a jornalista, o presidente da República convidou a atriz Regina Duarte para o cargo.

Na opinião de Serrano, a conduta do governo foi positiva ao demitir o auxiliar.

“Mas isso não transforma o governo Bolsonaro num governo democrático. Ao contrário, é o extremismo do governo que possibilita o surgimento desse tipo de manifestação.”

A intenção óbvia do Palácio do Planalto foi se isentar de ser chamado de nazista.

Porém, se o extremismo do presidente da República é reconhecido mundialmente, por setores da imprensa internacional da esquerda à direita, no Brasil as práticas e o discurso de Bolsonaro são tolerados e até naturalizados.

“Há na mídia brasileira uma insustentável posição de não caracterizar Bolsonaro como extremista de direita. Só a mídia brasileira tem essa postura. Nenhuma outra mídia do mundo democrático ocidental tem essa postura”, diz Serrano.

“Ele é descrito como de extrema-direita em publicações desde liberais de direita, como Economist e Le Figaro, até obviamente a esquerda. Até a extrema-direita francesa alcunha Bolsonaro de extrema-direita. É só a mídia brasileira que o tem preservado dessa alcunha. Mas ele é um homem de extrema-direita.”

Bolsonaro não é conservador, é reacionário, diz Serrano.

“E quem apoia Bolsonaro também não é conservador. Está apoiando um governo reacionário.”

Para o jurista, é preciso separar conceitos.

“O conservador deseja a conservação do status quo como regra geral, com pequenas reformas. Um conservador no Brasil tem que defender o Estado de direito e a Constituição.”

As pretensões do reacionário têm semelhança formal com o revolucionário – avalia o jurista –, embora sejam coisas diferentes: o revolucionário pretende uma alteração do modelo de vida social para instaurar o novo, enquanto o reacionário pretende mudar a forma de vida “para trazer um passado idílico, fantasiado, que ele tem. Há um forte traço romântico no reacionarismo: portanto, o que ele pretende é uma alteração disruptiva da realidade. Tão disruptiva quanto o revolucionário, mas em sentido totalmente contrário.”

Especialista em Direito Constitucional, Serrano observa que, “equivocadamente”, muita gente tem confundido o nazismo como um fenômeno semelhante ao do comunismo.

Há, nesse sentido, um projeto de lei na Câmara dos Deputados, não por coincidência do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que propõe transformar em crime a apologia não só do nazismo, como também do comunismo.

“Não dá para confundir, porque se tirar o PCdoB do jogo político, por exemplo, já não tem mais democracia no Brasil”, afirma Serrano.

“Nazismo e comunismo são totalmente diferentes no plano jurídico.”

Em sua opinião, podem-se fazer críticas ao comunismo, ao autoritarismo do regime “de linhagem soviética”.

“O comunismo pode defender certas ideias autoritárias, mas não tem como pressuposto o cometimento de um crime de lesa-humanidade, que é o genocídio racista que o nazismo e o fascismo pregam.”

O partido nazista e o movimento neonazista não são comparáveis ao comunismo.

“A comparação pode ser feita com um movimento sueco que defende a pedofilia, por exemplo, com movimentos que defendem a institucionalização de algum crime.”

Punição?

O deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) anunciou que apresentaria ao Ministério Público Federal um pedido de prisão do ex-secretário de Cultura.

Ele argumenta que, por apologia ao nazismo, Alvim cometeu crime, segundo a Lei 7.716/89.

Por sua vez, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, lembrou, em entrevista à BBC, que, na Alemanha, Alvim seria preso.

A lei brasileira prevê que é crime “fabricar, comercializar, distribuir ou veicular, símbolos, emblemas, ornamentos, distintivos ou propaganda que utilizem a cruz suástica ou gamada, para fins de divulgação do nazismo”.

A pena prevista é de reclusão de dois a cinco anos e multa.

Para Serrano, o ato de Alvim ofende o “espírito” da Constituição, já que desrespeita valores morais próprios da democracia constitucional do pós-guerra.

“Aquilo a que (Luigi) Ferrajoli dá o nome de semente antinazifascista. O espírito da expressão ‘moralidade’ na Constituição de 1988 é uma semente antinazista e antifascista.”

Porém, para Serrano, se Alvim inegavelmente incorreu em improbidade, seu ato pode não caracterizar crime, dependendo da interpretação. Isso porque, para alguns, basta haver a apologia ao nazismo para se configurar crime.

De acordo com outra interpretação da lei brasileira, o enquadramento penal se configura apenas quando se usam símbolos (como a cruz gamada ou suástica), o que Alvim não fez.

“Mas, se pode haver dúvida no campo penal, no campo da improbidade administrativa não há. Mesmo tendo saído do cargo, ele está sujeito a sanções. O Ministério Público tem que processá-lo. Ele tem que repor o dinheiro da produção do vídeo, que é ilícito. Está sujeito a multas e pode ser punido com a perda de direitos políticos e impedido de ser candidato”, interpreta Pedro Serrano.



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Dilma Coelho

20 de janeiro de 2020 às 12h14

Por favor, parem de fazer propaganda eleitoral desse moroloide, dessa globobosta, dessa “roda morta”. Quanta falta de criatividade. Reduzi o nº de blogs para consultas diárias, muita mediocridade e hipocrisia. O que estão fazendo para tirar essa hiena miliciana do pseudo “controle”? Por que não desmascarem esse rato gordo do maia, corrupto de pai e sogro, que está segurando os impedimentos da hiena estúpida miliciana? A maioria administrando sua nova fase de “galãs” do youtube, o alienador.

Responder

Zé Maria

18 de janeiro de 2020 às 17h26

Os Donos das Empresas de Comunicação do Grupo G.A.F.E.*, que até hoje operam vertical e horizontalmente, em Redes, historicamente sempre tiveram pendores Fascistas contra os Trabalhistas e os Socialistas no Brasil.
Aliás, esses Empresários (e seus herdeiros), aproveitando-se de Guerras Ideológicas Polarizadas, no contexto internacional, e diante da ausência de informação à população brasileira, fizeram questão de confundir o País, misturando doutrinas econômicas distintas (Social-democracia, Social-Liberalismo (*), Trabalhismo (**), Socialismo e Comunismo) para derrubar Governos Trabalhistas (por exemplo, o PT de Lula e o Antigo PTB de Getúlio Vargas, João Goulart e Leonel Brizola) com apoio da Matriz do Sistema Capitalista, sabidamente, os Estados Unidos da América (EUA), um País tradicionalmente nacionalista, protecionista, e expansionista com uma longa história de intervencionismo em diversos outros países, especialmente na América Latina (do qual o Brasil faz parte)***.

*(https://en.wikipedia.org/wiki/Social_liberalism)
**(https://pt.wikipedia.org/wiki/Trabalhismo)
*** Parece mentira, mas ainda tem gente que pensa que a América Latina (A.L.)
é composta apenas pelos países ‘hispano-americanos’ (‘América Hipânica’:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Am%C3%A9rica_espanhola), quando na verdade a
A.L. inclui as nações ou territórios do Continente Americano que falam línguas
originadas do Latim, no caso, Espanhol, Francês e Português (idiomas oficiais
ou co-oficiais).

Responder

abelardo

18 de janeiro de 2020 às 11h14

Eu entendo que ele pode ser acusado de fazer apologia explícita em favor do nazismo fascista. Ele se produziu em traje e aparência, como Goebbels; ele além de produzir um cenário muito semelhante, ele também se apropriou de todo o sentido e de grande parte do texto, da palavra e da interpretação de Goebbels. Porém, o pior é que ele usou um espaço, veículo oficial, e os recursos financeiros, materiais e logísticos do governo federal, para promover a execrável lembrança do nazismo, como se fosse uma forma de homenageá-lo e também a todos os seus simpatizantes.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!