Paulo Metri: O novo ciclo do João Teimoso neoliberal

Tempo de leitura: 5 min

João Teimoso neoliberal

por Paulo Metri*, em seu blog, via e-mail

O brinquedo de criança João Teimoso é um cilindro de plástico cheio de ar, com a figura de um boneco desenhada e uma base bem pesada e arredondada. Ele tem a característica de nunca ficar deitado, por mais que a criança o soque ou chute. Ele balança em todas as direções, mas sempre retorna à posição vertical, não sendo nunca nocauteado.

Os legados da minha geração são a abertura política e a recente inclusão social. Derrubou-se a ditadura militar, contudo, a ditadura midiática se fortificou, no mesmo período. Chega a ser hilário, mas muitas pessoas pensam que, hoje, se está em uma democracia plena.

Em outro viés de análise, conseguiu-se substancial melhoria na distribuição de renda na última década, mas, em paralelo, se criou um enorme passivo de riquezas, composto das remessas futuras de lucros e recursos naturais das empresas estrangeiras aqui instaladas.

Quem irá pagar esta fatura são as próximas gerações. A troca de benefícios atuais pouco expressivos por razoáveis perdas para as gerações futuras é lastimável. Tento, a seguir, explicar esta afirmação.

Hoje, o neoliberalismo está voltando com força total, depois de quase ter levado o mundo ocidental a uma convulsão em 2008. Desde então, os criminosos se esconderam e os governos, principalmente dos desenvolvidos, os protegeram.

Agora, os habitantes dos em desenvolvimento começam a ouvir de novo a cantilena neoliberal. Os devotos desta seita nunca param de insistir, parecendo um João Teimoso. Contudo, para eles retornarem, contam com a alienação do povo, tão bem construída por sua própria mídia.

O devoto presidente Fernando Henrique Cardoso publicou em 3/2/13 em jornalões o artigo “Pessoas e histórias”, onde explicita seu pensamento. Lá, ele diz, textualmente: “Quem ainda pensa em ‘controle coletivo’ dos meios de produção? Só mesmo os nacional-desenvolvimentistas que amam o capitalismo dirigido e identificam o Estado com o coletivo, mas nem por isso são de esquerda”.

Tomo só esta afirmação de FHC, dentre outras tantas contestáveis do artigo, para efeito didático. No parágrafo acima, ele lança a tese que uma estatal, por exemplo, não seria do coletivo. Se não existir controle social sobre a estatal, ele está certo, pois ela poderá ser dominada por grupos de interesse, quer sejam econômicos ou corporativos.

No entanto, ele não sugere este controle social sobre as estatais e, como sabemos, propõe a privatização delas. Mas, se forem privatizadas sem a existência de verdadeiras agências reguladoras, que visem proteger a sociedade, estará sendo implantado um sistema que também não atende ao coletivo. Então, um problema importante é não existir controle social sobre as atividades econômicas.

Estranhamente, FHC se cala sobre o cooptação das agências por grupos econômicos. Note-se que a cultura da usurpação de bem público pelo setor privado é tão arraigada na nossa sociedade que, certamente, as agências reguladoras não permanecem imunes a estes predadores sociais.

A providência realmente eficiente, que é conscientizar a população para exigir que estatais e agências sejam suas, é sempre esquecida.

Além disso, é óbvia a importância de estatais em setores estratégicos de países de desenvolvimento tardio. Finalizando as referências a FHC, divirjo quando ele acha que o “capitalismo dirigido” é ruim. Implícito está que o certo, para ele, seria o “laissez-faire”, que fez o ocidente entrar na crise de 1929 e foi repetido nos anos que antecederam 2008.

Neste momento, o João Teimoso neoliberal está se levantando com ataques maciços à Petrobras.

Declara na mídia, controlada por ele: “o lucro da Petrobras foi corroído por uso político da estatal”, “o valor de mercado da empresa está baixo hoje”, “a empresa não terá capacidade para bancar os 30% de cada consórcio do Pré-sal”, “erradamente, ela não investiu em refinarias”, “a ineficiência da gestão da era Lula está se refletindo agora, pois a produção foi 2% menor que a do ano passado” etc.

Haja paciência para retrucar tanta imprecisão e deturpação lançada por metralhadora giratória. Entretanto, em respeito àqueles que a falta de escrúpulos da mídia do capital poderá iludir, terei paciência. Tento explicar, a seguir, o que se passa na verdade.

As empresas estrangeiras tiveram um duro revés depois que o Pré-sal foi descoberto, pois 41 blocos desta área foram excluídos da nona rodada, um novo marco regulatório foi elaborado, retirando boa parte do superlucro petrolífero delas e direcionando-o para a sociedade, entre outros reveses. Agora, elas estão indo a forra, tal qual um João Teimoso.

Colocaram seus testas-de-ferro em diversos órgãos, a ponto de existirem alguns que, mesmo fazendo parte do governo brasileiro, atuam contra nossa sociedade. Divulgam nas televisões, rádios e jornais que leilões trazem dinheiro (bônus) para a sociedade, o que é verdade, pois traz algum dinheiro, mas, infinitamente inferior ao que será levado no futuro para o exterior, sem deixar grande usufruto para os nativos.

Divulgam que rodadas de leilões correspondem a uma melhoria, o que não é verdade, pois mais corresponde a uma involução. Elas nos obrigam a produzir petróleo muito acima do que precisamos, com valor monetário e estratégico imenso, que só é usufruído pelos donos do campo petrolífero, quando a lei 9.478/97 é usada, e a sociedade ganha uma parcela muito pequena, que são os royalties.

Depois de tanta pressão, a presidente Dilma liberou duas rodadas de leilões de blocos, neste ano, que, no fundo, valem por três rodadas porque a 11ª rodada terá os blocos inicialmente previstos para ela e os da não realizada oitava rodada.

Não sei o que a presidente Dilma ouviu, mas foi uma péssima decisão, porque, primeiramente, a Petrobras já tem o petróleo necessário para os próximos 40 anos de abastecimento do país e, em segundo lugar, a Petrobras não irá ganhar muitos blocos e eles serão entregues para empresas estrangeiras, aumentando o passivo de riquezas, que as futuras gerações de brasileiros terão de honrar.

Cada concessão assinada sob a égide da lei 9.478, como serão todas as concessões desta 11ª rodada, é leonina em que o leão é o concessionário e a sociedade é quem fica na frente do leão. Em outras palavras, não há razão alguma que justifique ter pressa em fazer leilões.

Vi recentemente um documentário antigo sobre a vida e a obra de Leonel Brizola em um destes bons canais atípicos (TVE, TV Senado, TV Câmara etc.). No programa, a presidente Dilma, em época em que ainda não era presidente, enalteceu as qualidades do político e líder Brizola. Foi então que senti o grande apreço que ela nutre pelo líder.

Portanto, peço permissão à presidente para sugerir que ouça um último conselho do grande brasileiro Brizola, que tinha o nacionalismo como uma das suas mais firmes características.

No seu discurso na última homenagem que Brizola recebeu da Assembleia gaúcha, pouco antes de morrer, ele diz claramente: “Sou contra as rodadas de leilões de entrega do petróleo nacional”.

A estratégia das empresas estrangeiras foi, primeiramente, concentrar muitos leilões de blocos em um período curto de tempo (2013), para a Petrobras, estando financeiramente asfixiada, não poder participar de todos os leilões.

Para os blocos bem promissores e sem a presença da Petrobras como concorrente, as empresas irão combinar quem sairá vencedora e com qual bônus ofertado. E não será possível o governo brasileiro descobrir em que blocos não houve concorrência, mesmo com todo empenho possível. O total de bônus, que já era pouco atrativo, será menor ainda.

No caso tão divulgado pela imprensa da Petrobras segurar os aumentos necessários da gasolina e do diesel para satisfazer a interesses do governo, primeiramente, este assunto veio a calhar porque asfixiou ainda mais a empresa.

Depois, fica a pergunta: por que a Petrobras não aproveitou a situação para importar somente a gasolina e o diesel que sua distribuidora iria precisar? Pelo desmonte que foi feito com o término do monopólio e a introdução da lei 9.478, a Petrobras passou a não ser mais responsável pelo abastecimento do país.

Também deixou de ter o monopólio sobre a importação de derivados. Então, por que a Petrobras teve que importar derivados e os entregar às distribuidoras privadas, a maioria delas estrangeira, por preço abaixo do que foi comprado no exterior? Seria para ajudá-las a terem boa rentabilidade?

Quanto ao preço de mercado da empresa, entra muito, nesta avaliação, a especulação, sobre o que não opino.

Não se está falando sobre o preço da empresa baseado em seus ativos, sua capacidade de gerar lucros, sua capacidade tecnológica etc. Muito mais poderia ser dito, mas certamente estarei deixando o texto mais longo.

*conselheiro do Clube de Engenharia

Leia também:

Pomar: Quartel-general da direita está na grande mídia

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

renato

Estou entristecido com o que ouço,enquanto isto nossos meis
de informação, mais influentes, falam sobre quem será o novo
Papa, quem matou Elisa, Como se saiu Gil Rugai, TV Justiça.
Nas portas de Igreja mais jornais, falando a mesmas coisa, nas
bancas a mesma coisa.
Esta na Hora e mais que na Hora da ESQUERDA, começar a entregar
panfletos nos terminais de ônibus, nas saídas de escolas, sem
propagar partidos políticos, apenas informar com camisa vermelha.
Entregar panfletos nas esquinas, empresas já fazem isto.
Esta na hora de Educar o POVO.
A CUT, tem obrigação de fazer isto. O Presidente falou, este é um ato.
E atos levam a ações.
Porque uma coisa é eles enganarem o Povo, e outra é a esquerda ficar
cochichando pelos cantos como se não tivesse razão ou conhecimento
do que fala, na Internet somente as coisas não vão ocorrer em massa.
Peçam ajuda do Governo e das ONGs, entreguem um maço para mim que entrego no terminal da minha cidade.
Boa explicação. O pessoal tem que saber o que é Capitalismo, Socialismo, Populismo, Direita, Esquerda, e outras.
A Igreja está aí manquitolando, e muita gente não conhece a Teologia da Libertação. Pensam que é coisa do DEMO.
A esquerda falha e muito, agora esta no poder e esta manqueteando.
Já Basta…

Nixon, Aécio e a crise na Petrobras « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Paulo Metri: O novo ciclo do João Teimoso neoliberal […]

Graça Foster: “Não há crise na Petrobras” « Viomundo – O que você não vê na mídia

[…] Paulo Metri: O novo ciclo do João Teimoso neoliberal […]

Roberto Locatelli

Os governos de centro-esquerda da América Latina tentam, timidamente, promover justiça social e distribuição de renda, ainda nos marcos do capitalismo. Mas essa é uma situação provisória e instável. Não há saída, a não ser nos direcionar para outro sistema econômico, ou então afundar na crise do capitalismo.

No caso do Brasil, multinacionais se apoderam do nosso petróleo, de nossas riquezas do subsolo, até de nossa água (1). Empresas como a vivo-telefônica remetem bilhões aos seus países de origem. Um assalto à nação.

_________________________
(1) O Brasil é um grande exportador de carne bovina. Cada quilo de carne bovina exigem 15.000 litros de água para ser produzido. Vale muito a pena para quem compra nossa carne. O Brasil vai acabando com sua água doce, enquanto os países que importam nossa carne a preços baixos preservam suas reservas de água. O Brasil é um grande exportador de água doce, vendida a preço de fim de feira.

    Mário SF Alves

    Concordo em parte. De fato, a realidade que nos tem sido imposta pela pior elite do mundo e sua miquinha amestrada, a mídia afora-da-lei, diz-nos a todo instante – especialmente após o mensalão [tudo {só} contra o PT] – que não há saída acima da linha do Equador.
    ____________________________
    Já com relação aos 15 metros cúbicos de H2O consumidos para cada quilo de carne bovina… sei não. Imagine um boi de peso médio, algo em torno de 15 arrobas… cara.. seriam

    Mário SF Alves

    Em toneladas de água, nada mais, nada menos que 3375 ton. Imagine ainda um boi vivendo em torno de 794 dias… isso daria algo em torno de 4.250 litros por dia… Ou seja 4,2 metros cúbicos de água na barriga de um boi por dia. Sem chance. O bicho iria explodir, cara.

    Roberto Locatelli

    Mário, essa água não se refere somente àquela que o boi bebe para matar a sede. O boi come vegetais, que são plantados e precisam de irrigação. A maior parte das culturas de soja e milho não são para consumo humano, e sim para ração de bois.

    Além disso, os matadouros usam uma quantidade enorme de água para lavar os rios de sangue e dejetos que se formam. Detalhe: boa parte dos matadouros joga essa água diretamente nos rios e córregos próximos, sem tratamento algum.

    No final, cada quilo de carne bovina que chega à panela exigiu 15.000 litros de água para sua produção. Se for ver o preço que os produtores recebem por cada quilo, não paga nem de longe essa água.

    Mário SF Alves

    Bom dia, prezado Locatelli. Obrigado pelo cuidado e tentativa de esclarecimento. Ocorre que vivemos em plena era da espetacularização/ sensacionalismos de toda ordem, inclusive, o ecológico.
    __________________________
    Abs.

    Mário SF Alves

H. Back™

O problema é muito mais complexo do que se imagina. Vejamos um artigo de
J.K. Galbraith, o economista que ajudou a arquitetar a reconstrução mundial no pós-II Guerra, denuncia, em ensaio: o poder público está cooptado pelas grandes corporações transnacionais.

http://www.google.com.br/url?q=http%3A%2F%2Fiscte.pt%2F%7Eapad%2Fdos%2520jornais%2FA%2520logica%2520da%2520barbarie%2520Galbraith.doc&sa=U&ei=R8weUdKgDor28wTAh4CwAQ&ved=0CCUQFjAD&usg=AFQjCNEKZbleDfewZn6l_9QcSU2E4pSYLA

FrancoAtirador

.
.
O fato é que o Neoliberalismo, sob às lideranças de Reagan e Thatcher nas décadas de 1980 e 1990, sequestrou o Estado, tornando-o ingovernável, em qualquer país que o haja implementado.

Fundamentalmente através dos mecanismos das privatizações e da generalizada desregulamentação financeira que permitiu a fuga de capitais, com o descontrole das relações interbancárias globalizadas,
além de um intencionalmente desmedido endividamento estatal, em benefício das grandes corporações econômico-financeiras que concentraram em si mesmas todo o Capital produtivo mundial, multiplicando-o em forma de papéis fictícios, deixando o Estado mínimo e submisso, e o Trabalho dependente e mendicante.

Hoje, são 700 trilhões de aviõezinhos de papel planando na atmosfera terrestre e ninguém vê Produção.

Este talvez seja o prenúncio do último estágio de um Sistema.
.
.

    FrancoAtirador

    H. Back™

    Parece que Karl Marx acertou mais uma vez. Sem um Estado forte para regulamentar, o capital acabará tomando o lugar do Estado. Teremos então a ditadura do capital, essa sim, infinitamente mais nociva do que qualquer outra forma de ditadura.

Fabio Passos

E ainda há quem acredite na “democracia ocidental”
É uma farsa!

O regime é a ditadura do capital. A mídia-lixo-corporativa é a sua máquina de propaganda.
E os especuladores parasitas são aqueles que detem o poder de fato.

É preciso derrubar este regime neoliberal que está destruindo o planeta e a humanidade para conquistar uma democracia verdadeira.

Já passou da hora de dar um basta na vida mansa destes miliardários parasitas.

    Roberto Locatelli

    Na minha opinião, democracia mesmo só virá com socialismo, quando todos os cidadãos terão chances REAIS de votar e ser votado.

    Quando falo em socialismo, não me refiro à caricatura macabra de socialismo que foi a União Soviética. Muito menos à ditadura da burocracia que existe na China, que é um país capitalista. Também não me refiro ao socialismo cubano, apesar de reconhecer que Cuba tem um enorme índice de democracia (1), muito maior do que as “democracias” capitalistas.

    O socialismo com o qual simpatizo existiu na breve Comuna de Paris e nos primeiros anos da Revolução Russa.
    ___________________
    (1) Não deveríamos levar a sério a lavagem / enxaguagem cerebral que a mídia lacaia dos EUA faz contra Cuba. Os processos eleitorais em Cuba são bastante democráticos. Infelizmente, Cuba é um país que está em guerra, há 50 anos, com o Império. Por isso, seu regime é, forçosamente, um regime de guerra.

Nedi

Meu, o que é que tá havendo? O que a Dilma e a Graça tão tramando em relação a PetrobraS?

Nelson

O Metri tem razão ao afirmar que “se criou um enorme passivo de riquezas, composto das remessas futuras de lucros e recursos naturais das empresas estrangeiras aqui instaladas” e que quem “irá pagar esta fatura são as próximas gerações” constatando que “a troca de benefícios atuais pouco expressivos por razoáveis perdas para as gerações futuras é lastimável”.

Porém, não podemos deixar de constatar a existência do João Teimoso neoliberal também no seio da esquerda. Vejamos as privatizações feitas pelo Lula e agora pela Dilma, dando sequência, com algum matiz diferente, ao que os tucanos fizeram, que só vão ampliar sobremaneira as “remessas futuras de lucros”.

O povo brasileiro apostou nos governos Lula e Dilma como um freio às privatizações, haja vista os resultados altamente deletérios que elas trouxeram ao país e a seu povo. E não dá para concebermos que os governos petistas não estivessem ou não estejam cientes de tais resultados. Então, a pergunta que fica é: Por que continuam privatizando?

hc

Estamos no fim do neoliberalismo, ninguém neste Pais vai aceitar voltar a condição de pobreza e extrema pobreza. E melhor, um pouquinho de consciência nesse povo, muita coisa voltará a nossa soberania. Já chega as multinacionais que aqui estão há tempos.

hc

Estamos no fim do neoliberalismo, ninguém neste Pais vai aceitar voltar a condição de pobreza e extrema pobreza. E melhor, um pouquinho de consciência nesse povo, muita coisa voltará a nossa soberania.

Alê M.

falando nisso…

circula pelo facebook um vídeo que até poderia ser interessante. esclarecedor… mas não é.

https://www.facebook.com/photo.php?v=409804949102110&set=vb.100002178242418&type=2&theater

apenas uma falácia bem produzida…

    Mário SF Alves

    Acrescente aí, Alê: ingenuidade milimetricamente calculada. Ou melhor, simplificação política milimetricamente calculada.
    _________________________________
    Em síntese: isso mesmo, “falácia”/produto de “alienação política”.

Bernardino

A CAUSA de tudo isso é a falta de patriotismo do nossso povo incluindo elite econimica,politicos e sociedade em geral.O PT como falou um internauta acima dá com uma mao bolsinha familia e com a outra afaga a burguesia bandida pra se manter no poder,O REQUIAO dissecou num discurso no SENADO esse tema quando disse o Estado serve ao grande capital e a burguesia
O SOciologo CHICO de Oliveira,fundador do PT disse do LUlA:È um sujeito sem carater e Oportunista e a d Dilma vai no mesmo caminho e eu completo ambos sao FROUXOS.Nao enfrentaram a Imprensa Bandida que bate neles todo dia e ajoia da coroa que é a PETROBRAS quase destruida pelo CANALHA e finado politico FHC.Esse,num país serio estaria na CADEIA pelo que fez com a NAÇAO!!Essa GRAÇA FPOSTER tem que ser DEMITIDA sumariamente da Prsidencia da Petrobras pra ONtem!!Onde ja se viu uma empresaria dizer que as açoes da propria empresa cairam pq mesma nao da lucro esta com caixa fraco:ou e louca ou INCompetente.
O problema do País é que nao tem um PLANO de governo a longo prazo tudo feito de improviso ao sabor das CONVENIENCIAS do aqui e agora.O discurso do REQUIAO no senado analisou bem a falta de projetos,alias está disponivel neste BLOG para todos.

renato

Não vou cair nesta.
Lindenberg, já esta falando em estupidez
a posição do Brasil, enquanto os outros estão
começando a sair da Crise..
Este Lindenberg…..????

Bonifa

Os ditos e desditos de FHC não têm nível suficiente para que possam servir de partida para algum debate serio, que não seja o estudo da enganação e da manipulação por certos pseudoestudiosos, na verdade meros agentes de propaganda do sistema neoliberal. FHC nem tem mais domínio sobre o que diz. Surfa na onda onde lhe jogarem.

    H. Back™

    É o perfeito boneco de ventríloquo.

Damastor Dagobé

esse é problema da esquerda com “as crises finais do capitalismo”…essas tais crises finais são pelo menos uma vez por ano, tão certas como o carnaval ou o natal…e são sempre “finais”;…

Ozzy Gasosa

Os vendedores do Tartufo estão voltando e, realmente, encontram nos parvo alienados de nossa imensa sociedade de hipócritas seus oásis.
É lamentável, mas é verdade.

Mardones

O PT é assim: com uma mão ajuda os pobrezinhos com Bolsa Isso e Aquilo, e com a outra mão ajuda as multinacionais do petróleo com importação de derivados e leilões.

Viva o Brazil! Assim mesmo, com Z.

Willian

SE a Petrobras não pode se unir a empresas estrangeiras para explorar o petróleo;

SE o governo usa o preço dos combustíveis como mecanismo de controle da inflação, prejudicando o fluxo de caixa da empresa;

De onde virá o dinheiro (muito dinheiro) para retirar todo o petróleo do pré-sal?

    Roberto Locatelli

    Prezado Willian, dinheiro há sim. O BNDES empresta zilhões para bilionários comprarem empresas. Mas não empresta, por exemplo, para capitalizar a Telebras e ela se tornar uma alternativa REAL às famigeradas teles.

    O Brasil tem uma dívida com Lula e com o PT. Eles mudaram os paradigmas do país. Mas agora é preciso avançar mais, MUITO mais, para que a crise não nos pegue lá na frente.

Francisco

É mais simples aceitar os fatos: FHC é burro.

    Ricardo Gonçalves

    Considerá-lo burro é o maior erro que se pode cometer. É um entreguista acima de tudo!!!! É o intelectual de direita de maior destaque da mídia burguesa, fantoche das transnacionais e do capital financeiro,portanto, um grande inimigo da classe trabalhadora. Nunca subestime um inimigo.

    Nelson

    Estás correto, Gonçalves.

    O “burro” e sua equipe pegou nosso país com uma dívida interna de R$ 68 bilhões em janeiro de 1995 e entregou-o para Lula, oito anos depois, devendo R$ 687 bilhões; dez vezes mais. Detalhe: neste mesmo tempo, o “burro” vendeu, alienou, privatizou – doou, seria o termo mais correto – quase 70% do patrimônio pertencente a cada um de nós. E o “burro” fez tudo isso porque é burro mesmo? Não, nem cogite isso, Francisco. Ele fez porque faz parte do primado neoliberal.

    E com todo esse absurdo cometido contra o Brasil e os brasileiros de hoje e do futuro, o “burro” e sua patota – Malan, Parente, Franco, Loyola, Fraga e outros – conseguem aparecer nas páginas e telas da mídia hegemônica e na caneta e voz dos (de)formadores de opinião como paradigmas da boa administração.

    Mário SF Alves

    Explicado! No conceito posto pelo Nelson, não dá outra, é “burro”, mesmo.

    _________________________________
    Obrigado, Nelson. Dar nome aos bois: um bom começo, ainda que com o recurso das aspas.

Jose Mario HRP

É estranho, muito estranho mesmo que um governo dito popular esteja tramando junto com o tal Gerdau jogar no desemprego mais de 50 mil trabalhadores portuários avulsos, que integram os OGMOS (órgão gestor da mão de obra avulsa) nos principais portos do país, conforme estipulou a Lei de modernização dos portos de 93.
Vem aí muitas greves.
Recentemente a Kátia Abreu(de extenso curriculum anti trabalhadores)escreveu um artigo na folha chamando os trabalhadores portuários avulsos de “custo Brasil”, sem no entanto admitir que nos últimos 20 anos esses trabalhadores com salários pela metade do que recebiam 20 anos antes batem ano após ano recordes de produção nos nossos portos semi sucateados(inclusos os particulares, e ou concedidos)!
Mais uma vez Dilma trai os trabalhadores.

Romanelli

Bem, então, LONGE, muito longe de dar razão a qq palavra proferida por THC – o vendilhão – , mas pelas considerações do autor, então melhor DEMITIR a Graça Fortes duma vez.

DO que leio sobre a Petrobrás, sinceramente, pela FALTA e/ou vontade em se prestar contas que esta administração FEDERAL tem demonstrado (desde LULA II), confesso, fico meio cabreiro tb:

Celso Ming fala constantemente do projeto de refinaria que sai lentamente do papel, um que foi avaliado inicialmente por US$ 2 bi + PDVSA e que hoje já alcança a cifra de US$ 20 bi inconclusos. Veja, Celso Ming fala, já o governo CALA..

O mesmo articulista vive repisando a compra de um outro empreendimento feito nos EUA aonde a Estatal pagou na antiga administração algo próximo a US$ 1 bi, e que hoje estava sendo desfeito e jogado a prejuízo por algo próximo dos 200 milhões.

Fora ainda que até o seguidor dum BBB 13 sabe que a explosão do consumo de DIESEL (isso pela revolução da INFRA que nunca veio) aliado ao consumo destrambelhado da gasolina do qual AINDA não somos auto-suficientes que tudo, aliado a um movimento tardio havido tanto no câmbio como no preço do óleo, álcool e inviabilização do bio-diesel, tudo somado, SEM DUVIDA que afetou a rentabilidade da empresa.

..e isso sem ter sido necessário lembrar do ROMBO DA CONTA PETRÓLEO, ou que a atual administração também fala abertamente em ATRASOS e adiamentos nos investimentos antes prometidos a seus ACIONISTA “fundo-garantistas” também

..ou mesmo sem ter dito do Mantega que ASSUMIU recentemente que frente aos seus CUSTOS INTERNOS (como salários) a Estatal estava mesmo com seus preços represados havia um bom par de tempo.

Então, então que pra este caso digo que não existe nada pior pra uma sociedade do que a de ser tocada por “homens públicos” inspirados, dominados e recheados de interesses privados, ou..

..ou, se preferir, ao meu juízo, tão perverso a uma sociedade quanto o empresário privativista oligopolista capitalista sovina, é o administrador público/sindicalista corporativista incompetente, inimputável e intocável, todos adeptos do se servir e se proteger prioritariamente mesmo que a custa duna sociedade que os tolera e lhes da abrigo.

Marcelo Rodrigues

Extremamente relevantes os pontos levantados pelo artigo, deixa claro que proceder aos leilões formatados pelos neoliberais é rematada tolice, pois a lei de 97 é uma obra prima de entreguismo e não atende aos interesses nacionais em qualquer aspecto que se analise.

Aliás, já que os governos do PT se acovardaram e não tiveram coragem de investigar e desfazer a privataria, ao menos a Dilma deveria usar de forma inteligente as regras das sociedades anônimas, como por exemplo aproveitar o preço baixo das ações da Petrobras e usar as reservas internacionais para a sua recompra, ao mesmo tempo que faz chamada de capital de vulto para bancar novos investimentos, diluindo ao máximo a participação alienígena na composição acionária. Da mesma forma, o reinvestimento do lucro tem de ser priorizado frente à sua distribuição, vez que a lógica de curto prazo é daninha aos únicos acionistas que devem ser levados em conta: o povo brasileiro.

Deixe seu comentário

Leia também