VIOMUNDO

Diário da Resistência


O dia em que a defesa de Lula questionou a palavra de Léo Pinheiro e perguntou: por que não ouviram o Vaccari?
Política

O dia em que a defesa de Lula questionou a palavra de Léo Pinheiro e perguntou: por que não ouviram o Vaccari?


01/07/2019 - 17h07

Da Redação

O perfil do ex-presidente Lula no Facebook reproduziu hoje trecho da fala do advogado Cristiano Zanin Martins diante do Tribunal Regional Federal de Porto Alegre.

Foi o TRF-4 que não apenas confirmou, mas aumentou a pena do ex-presidente Lula no caso do tríplex do Guarujá.

O desembargador João Pedro Gebran Neto, o relator do caso no TRF-4, é amigo pessoal de Sérgio Moro.

Moro sentenciou Lula a 9 anos e 6 meses de cadeia.

A pena foi aumentada na segunda instância para 12 anos e 1 mês.

Segundo a defesa, foi manobra para impedir a prescrição da pena.

Em sua fala aos desembargadores, Zanin estranhou: se Léo Pinheiro, que sustentou a condenação de Lula com sua delação premiada, mencionou ter tido contatos pessoais com o então tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, com o objetivo de fazer acertos supostamente criminosos, por que Vaccari não foi chamado a testemunhar no processo?

Na fala, Zanin sugere que foi para não estragar o “roteiro” da delação de Léo Pinheiro, que mudou duas vezes seu depoimento enquanto negociava com o Ministério Público Federal .

Depois dos “ajustes”, Léo Pinheiro depôs perante Moro e acusou Lula de beneficiar a OAS em troca do tríplex.

O empreiteiro disse também que Lula pediu a ele que destruísse provas, ou seja, uma forma de justificar a inexistência de provas.

Pinheiro teve uma de suas penas reduzida por Moro em 70%, depois de fazer a delação que colocou o ex-presidente Lula na cadeia.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Ernane

02 de julho de 2019 às 10h38

Sabe o que é pior de tudo. É que juiz e procurador tem cargos vitalicios. Nunca poderao ser trocados, mandados embora. Podem aprontar o que quiser que nunca perderao seu poupudo dinheiro.
Vemos nesse caso emblematico que a vaza jato está desnudando a corrupçao no judiciario. A virgem pura do MPF e do Judiciario iria ou vai receber 2 bilhoes de reais ou dolares numa fundaçao para eles administrarem o dinheiro.

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 19h20

Deltan Dallagnol atuou nos bastidores para articular um apoio
dos procuradores à ida de Moro para o governo de Bolsonaro.

https://t.co/uvU9f4JI3d
https://twitter.com/TheInterceptBr/status/1145754774652018688
https://theintercept.com/2019/06/30/vaza-jato-moro-dallagnol-monique-cheker-procuradores/

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 17h29

Não ouviram o Vaccari porque tecnicamente como testemunha
seria ouvido pelo Juiz com o Compromisso de dizer a Verdade.
Ao contrário do tal Léo Pinheiro, que sem delação homologada
foi ouvido como réu, ficando livre para mentir descaradamente.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.