VIOMUNDO

Diário da Resistência


New York Times: Nos EUA, agora, todo dia é 6 de janeiro, diz editorial
As pesquisas mostram que cerca de um terço dos republicanos aprova o uso da violência para atingir objetivos políticos. Imagens do 6 de janeiro de 2021. Fotos: Reprodução
Política

New York Times: Nos EUA, agora, todo dia é 6 de janeiro, diz editorial


06/01/2022 - 09h01

Agora todo dia é 6 de janeiro

Embora ansiemos por paz e sossego, as coisas na América estão longe do normal.

Editorial do New York Times

Um ano após a fumaça e os vidros quebrados, a forca simulada e o derramamento de sangue muito real daquele dia terrível, é tentador olhar para trás e imaginar que, de fato, podemos simplesmente olhar para trás.

Imaginar que o que aconteceu em 6 de janeiro de 2021 — um motim mortal na sede do governo americano, incitado por um presidente derrotado em meio a um último esforço para impedir a transferência do poder para seu sucessor – foi horrível, mas que está no passado e que nós, como nação, seguimos em frente.

Este é um impulso compreensível. Após quatro anos de caos, crueldade e incompetência, culminando em uma pandemia e no trauma antes impensável de 6 de janeiro, a maioria dos americanos estava desesperada por um pouco de paz e sossego.

Superficialmente, conseguimos isso. Nossa vida política parece mais ou menos normal hoje, assim como o presidente “perdoa” os perus [antes do Dia de Ação de Graças, livrando-os de virar jantar] e o Congresso briga devido aos gastos públicos.

Mas retire uma camada, as coisas estão longe do normal. 6 de janeiro não está no passado. Ele é todo dia.

São cidadãos comuns que ameaçam os funcionários eleitorais e outros funcionários públicos, e perguntam “Quando podemos usar as armas?” e juram assassinar políticos que se atrevem a votar de acordo com a sua consciência.

São legisladores republicanos lutando para tornar mais difícil às pessoas votar e, assim, subverter a vontade delas.

É Donald Trump que continua a atiçar as chamas do conflito com suas mentiras desenfreadas e ressentimentos ilimitados e cuja versão distorcida da realidade ainda domina um dos dois principais partidos políticos do país.

Em suma, a República enfrenta a ameaça existencial de um movimento que despreza abertamente a democracia e tem demonstrado que está disposto a usar a violência para atingir os seus objetivos.

Nenhuma sociedade autogovernada pode sobreviver a tal ameaça negando que ela existe. Em vez disso, a sobrevivência depende de olhar para trás e para frente ao mesmo tempo.

Lutar verdadeiramente com a ameaça à frente significa levar em conta o terror daquele dia, um ano atrás.

Esse acerto de contas está em andamento graças, em grande parte, ao trabalho obstinado de um comitê bipartidário na Câmara dos Representantes.

Sabemos agora que a violência e o caos transmitidos ao vivo para o mundo foram apenas a parte mais visível e visceral do esforço para rejeitar o resultado da eleição.

O esforço se estendeu até o Salão Oval, onde Trump e seus aliados planejaram um autogolpe constitucional.

Nós sabemos agora que, privadamente, os principais legisladores republicanos e figuras da mídia de direita  entenderam o quão perigoso era o motim e imploraram a Trump para dar um basta nisso, mesmo que publicamente fingissem o contrário.

Sabemos agora que aqueles que podem ter informações críticas sobre o planejamento e execução do ataque ao Capitólio se recusam a cooperar com o Congresso, mesmo que isso signifique serem acusados de desobediência criminosa.

Por enquanto, o trabalho do comitê continua.

Ele agendou uma série de audiências públicas no novo ano para expor esses e outros detalhes, e planeja divulgar um relatório completo de suas conclusões antes das eleições de meio de mandato – após as quais, caso os republicanos recuperem o controle da Câmara como é esperado, o comissão será sem dúvida dissolvida.

É aqui que entra o olhar para o futuro. Desde o ano passado, legisladores republicanos em 41 estados têm tentado avançar nos objetivos de 6 de janeiro de 2021 – não quebrando leis, mas fazendo-as.

Centenas de projetos de lei foram propostos e quase três dúzias de leis foram aprovadas. Elas capacitam as legislaturas estaduais a sabotar suas próprias eleições e derrubar a vontade de seus eleitores, de acordo com uma contagem contínua de um consórcio apartidário de organizações pró-democracia.

Alguns projetos de lei mudariam as regras para tornar mais fácil para os legisladores rejeitarem os votos de seus cidadãos, caso não gostem do resultado.

Outros substituem funcionários eleitorais profissionais por atores partidários que têm interesse em ver seu candidato preferido vencer.

Ainda, mais tentativas de criminalizar os erros humanos cometidos por funcionários eleitorais, em alguns casos até com a ameaça de prisão.

Muitas dessas leis estão sendo propostas e aprovadas em campos de batalha cruciais, como os estados do Arizona, Wisconsin, Geórgia e Pensilvânia.

No rescaldo da eleição de 2020, a campanha de Trump teve como alvo resultados de votação em todos esses estados, processando recontagens ou tentando intimidar as autoridades para que encontrassem votos “perdidos”.

O esforço falhou, principalmente graças ao profissionalismo e integridade dos funcionários eleitorais. Muitos desses funcionários foram destituídos de seus poderes ou demitidos de seus cargos e substituídos por pessoas que dizem abertamente que a última eleição foi fraudulenta.

Assim, o motim do Capitólio continua em parlamentos de todo o país, de uma forma tímida e legalizada que nenhum policial pode prender e nenhum promotor pode julgar em tribunal.

Esta não é a primeira vez que as legislaturas estaduais tentam arrancar o controle dos votos eleitorais de seu próprio povo, nem é a primeira vez que os perigos de tal estratagema são apontados.

Em 1891, o presidente Benjamin Harrison alertou o Congresso sobre o risco de que tal “truque” pudesse determinar o resultado de uma eleição presidencial.

A Constituição garante a todos os americanos uma forma republicana de governo, disse Harrison.

“As características essenciais de tal governo são o direito do povo de escolher seus próprios oficiais” e de ter seus votos contados igualmente ao fazer essa escolha.

“Nosso principal perigo nacional”, continuou ele, é “a derrubada do controle da maioria pela supressão ou perversão do sufrágio popular”.

Se uma legislatura estadual conseguisse substituir a vontade de seus eleitores pela sua própria, “não é demais dizer que a paz pública pode estar séria e amplamente ameaçada”.

Um partido político saudável e funcional enfrenta suas perdas eleitorais avaliando o que deu errado e redobrando seus esforços para atrair mais eleitores da próxima vez.

O Partido Republicano, como os movimentos autoritários em todo o mundo, mostrou-se recentemente incapaz de fazer isso.

A retórica dos líderes do partido sugere que eles o veem como o único poder governante legítimo e, portanto, retrata a vitória de qualquer outra pessoa como resultado de fraude – daí a falsidade fundamental que estimulou o ataque de 6 de janeiro, de que Joe Biden não ganhou a eleição.

“O que é mais preocupante é que ele perdurou apesar de todas as evidências”, disse o deputado Adam Kinzinger, um dos poucos republicanos no Congresso que permanece comprometido com a realidade empírica e a democracia representativa. “E comecei a me perguntar se há realmente alguma evidência que mudaria a opinião de certas pessoas.”

A resposta, por enquanto, parece ser não. As pesquisas mostram que a esmagadora maioria dos republicanos acredita que o presidente Biden não foi eleito legitimamente e que cerca de um terço aprova o uso da violência para atingir objetivos políticos. Junte esses dois números e você terá uma receita para o perigo extremo.

A violência política não é um resultado inevitável. Os líderes republicanos podem ajudar sendo honestos com seus eleitores e combatendo os extremistas em seu meio.

Ao longo da história americana, os líderes do partido, de Abraham Lincoln a Margaret Chase Smith e John McCain, defenderam primeiro a união e a democracia, para seu crédito eterno.

Os democratas também não estão desamparados. Eles detêm o poder unificado em Washington, a última vez que isso aconteceu faz tempo. Ainda assim, eles falharam até agora em confrontar a urgência deste momento — relutantes ou incapazes de tomar medidas para proteger as eleições da subversão e sabotagem.

Culpe o senador Joe Manchin ou o senador Kyrsten Sinema, mas a única coisa que importa no final é se você consegue. Por essa razão, Biden e outros líderes democratas deveriam fazer uso de todo o poder que lhes resta para encerrar a obstrução para votar legislação de direitos, mesmo que nada mais vote.

Aconteça o que acontecer em Washington, nos próximos meses e anos, americanos de todos os matizes que valorizam seu autogoverno devem se mobilizar em todos os níveis — não apenas uma vez a cada quatro anos, mas hoje, amanhã e no dia seguinte — para vencer as eleições e ajudar a proteger as funções básicas da democracia.

Se as pessoas que acreditam em teorias da conspiração podem vencer, o mesmo pode acontecer com aqueles que vivem no mundo baseado na realidade.

Acima de tudo, devemos parar de subestimar a ameaça que o país enfrenta.

Inúmeras vezes nos últimos seis anos, até e incluindo os eventos de 6 de janeiro, Trump e seus aliados projetaram abertamente sua intenção de fazer algo ultrajante, ilegal ou destrutivo.

Todas as vezes, a resposta comum era que eles não eram sérios ou que nunca teriam sucesso.

Quantas vezes teremos que provar que estamos errados antes de levarmos isso a sério? Quanto mais cedo o fizermos, mais cedo poderemos ter esperança de salvar uma democracia que está em grave perigo.

Leia também:

Marcelo Zero: A ômicron é moderada, mas a política externa de Biden não





10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Domingos Guerrieri

07 de janeiro de 2022 às 07h53

“(…)Imaginar que o que aconteceu em 6 de janeiro de 2021 — um motim mortal na sede do governo americano, incitado por um presidente derrotado em meio a um último esforço para impedir a transferência do poder para seu sucessor – foi horrível, mas que está no passado e que nós, como nação, seguimos em frente. (…)” … mas eles fazem isso acontecer todo o dia na casa dos outros…

Responder

Henrique Martins

07 de janeiro de 2022 às 00h28

https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2022/01/06/bolsonaro-chama-anvisa-de-dona-da-verdade-e-reclama-virou-outro-poder.htm

Bolsonaro em sua mente doentia acha que a única instituição digna deste nome no país não é nem a presidência da república e sim ele. Não há a menor dúvida de que Bolsonaro é um doente mental. Agora o que mais assusta é termos no país uma turma que não tem nada de doente mental o apoiando por interesses oportunistas, inconfessos e puramente egoístas. Na verdade, essa turma é ‘n’ vezes pior que Bolsonaro que só precisa de uma camisa de força. Tem certas coisas que são degradantes demais para um ser humano compactuar seja por qual motivo for. Infelizes são aqueles que podem ser considerados desprezíveis.

Responder

Henrique Martins

06 de janeiro de 2022 às 23h24

https://tijolaco.net/sinais-de-deterioracao/

“A nova onda de Covid só prolongará mais a memória social de suas responsabilidades. A coisa está ruim para o ex-capitão e vai ficar pior”.

Pode acreditar nisso senhor articulista. O andar da carruagem é esse mesmo.

Responder

Henrique Martins

06 de janeiro de 2022 às 23h19

https://economia.uol.com.br/colunas/carla-araujo/2022/01/06/apos-morte-por-omicron-queiroga-diz-ser-preciso-aguardar-evolucao-de-casos.htm

Sobre a seguinte passagem: Segundo Queiroga, nos países com alto percentual da população vacinada a nova variante tem causado “pouco impacto nas hospitalização e óbitos”. “Vamos aguardar a evolução dos casos”, disse…….. eu digo:

Então hipócrita, agora a vacinação está valendo para alguma coisa?
Quem anda com porcos se lambuza na lama meu senhor. Rasgue seu maldito diploma de médico que é o melhor que o senhor faz.
Não há dúvida nenhuma que estamos vivendo um momento trágico na história do país. Está insuportável para qualquer pessoa de bem e em perfeitas condições mentais viver no Brasil neste momento. Que a providência divina nos dê paciência para suportar as adversidades que estamos enfrentando, e, sobretudo, nos dê esperanças de dias melhores, pois é certo que eles virão…

Responder

Henrique Martins

06 de janeiro de 2022 às 23h02

https://www.diariodocentrodomundo.com.br/bolsonaro-exercito-politicos/

Eu disse aqui nesse blog várias vezes que Bolsonaro vai desonrar as Forças Armadas – melhor dizendo, está desonrando desde o início do mandato – e que Mourão terá que apagar o incêndio e lutar para limpar a barra delas depois que ele for apeado do poder.
Portanto, é saudável para elas pularem do barco claramente para a população antes que a coisa torne-se irreversível.
Eu afirmo e reafirmo: esse homem ainda vai aprontar coisas inimagináveis no país.
Agora só posso rir da pérola: “Se tiver um total abandono das Forças Armadas, não fará sentido a gente ficar”.
Ora, saibam os senhores que todos os políticos do chamado Centrão serão desonrados junto com Bolsonaro uma vez que serão acusados de serem cúmplices das atrocidades que ele cometeu e ainda vai cometer.
O lado positivo da insistência deles em apoiá-lo por fisiologismo é que – por incrível que possa parecer – o Brasil vai se ver livre do Centrão.
A ver.

Responder

Henrique Martins

06 de janeiro de 2022 às 18h27

https://tijolaco.net/o-tarado-antivacina-ataca-a-anvisa/

É isso. Repito: Ninguém ainda viu nada do que esse homem é capaz. Mas a cada dia que passar ele vai estar mostrando a sua verdadeira face e caráter. E no final vai cair do cavalo ou do galho.. Ou seria da moto? Risos.

Responder

Nicholas Davies

06 de janeiro de 2022 às 11h01

O trecho “Se uma legislatura estadual conseguisse substituir sua própria vontade pela de seus eleitores” contém um erro de tradução. O certo é substituir a vontade de seus eleitores pela sua”.

Responder

    Conceição Lemes

    06 de janeiro de 2022 às 15h43

    Obrigada, Nicholas.Vou corrigir. Abs

Christian Fernandes

06 de janeiro de 2022 às 10h52

Pôxa que legal, vamos ganhar presente de Dia de Reis todo dia agora?

Responder

Vinicius Antonio Zanetti Garcia

06 de janeiro de 2022 às 10h11

O fascismo está vivo e entre nós, não por falta de combate das forças democráticas, mas sim porque as elites incapazes de soluções as crises que cria, só vê este meio como saida.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding