Não à anistia para os crimes durante a ditadura

Tempo de leitura: 4 min

do Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, via e-mail

O golpe de 1964 rompeu com o regime constitucional e derrubou um presidente democraticamente eleito. A ditadura militar instaurou um regime de terror, sendo responsável por cerca de 400 mortes e desaparecimentos, 20 mil torturados, milhares de exilados e presos.

Esse quadro é caracterizado pelo Direito Internacional como Crime contra a Humanidade: conduta do Estado que viola sistemática ou generalizadamente direitos humanos Crimes contra a Humanidade são imprescritíveis e insuscetíveis de anistia. O regime que viola direitos humanos não pode conceder-se auto-anistia A Lei de Anistia, aprovada em 1979 pela ditadura, foi interpretada pelo STF como extensiva aos torturadores e perpetradores de graves violações dos direitos humanos.

Posteriormente, a Corte Interamericana de Direitos Humanos condenou o Brasil (caso Gomes Lund) a rever a Lei da Anistia e a iniciar procedimentos judiciais para apurar os crimes cometidos pelo Estado no período. A Comissão da Verdade, instalada em 2012, é um dos itens que consta da decisão da Corte, mas o único até o momento cumprido pelo Governo Federal.

A deputada Luíza Erundina apresentou projeto de lei visando dar a interpretação correta à Lei da Anistia, nos termos da decisão da Corte Interamericana (abaixo)

Neste momento, ele está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados. Ao assinar esta petição, que será encaminhada aos congressistas, você está dando a esse projeto para dizer NUNCA MAIS . Também para que o Estado brasileiro honre o que afirmou ao subscrever a Declaração Universal dos Direitos do Homem: o reconhecimento da dignidade inerente e dos direitos iguais e inalienáveis de todos os membros da família humana é o fundamento da liberdade, justiça e paz no mundo.

O projeto da deputada Luiza Erundina que interpreta a Lei da Anistia para excluir os autores de crimes contra a Humanidade está em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça. O Comitê Paulista Memória, Verdade e Justiça colocou manifesto online de apoio ao projeto. A deputada pretende requerer uma audiência pública e obter apoio na sociedade. Assinem o manifesto e remetam aos seus contatos o link para a assinatura.

Para assinar a petição, clique aqui.

E para acessar a página do Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça Justiça no Facebook, clique aqui  

PROJETO DE LEI N° 573, DE 2011

(da Sra. Luiza Erundina)

Dá interpretação autêntica ao disposto no art. 1º, §

1º, da Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979.

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Art. 1º Não se incluem entre os crimes conexos, definidos no art. 1º, § 1º da Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979, os crimes cometidos por agentes públicos, militares ou civis, contra pessoas que, de modo efetivo ou suposto, praticaram crimes políticos.

Art. 2º Os efeitos desta Lei consideram-se em vigor desde a data da promulgação da Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979.

Parágrafo único. A prescrição, ou qualquer outra disposição análoga de exclusão da punibilidade, não se aplica aos crimes não incluídos na anistia concedida pela Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979.

JUSTIFICAÇÃO

A decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, ao julgar a arguição de descumprimento de preceito fundamental nº 153, em 29 de abril de 2010, não encerrou o debate levantado em torno do âmbito da anistia declarada pela Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979. Nesse acórdão, o tribunal deu à expressão crimes conexos, empregada no caput no parágrafo 1o. do art. 1o. daquele diploma legal, um sentido claramente oposto ao entendimento técnico tradicional da doutrina e da jurisprudência, tanto no Brasil quanto no estrangeiro, a fim de considerar anistiados os crimes comuns, praticados por agentes públicos, civis e militares, contra os oponentes ao regime político então vigente.

Como foi competentemente arguido pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, proponente daquela ação judicial, a anistia assim interpretada violou não apenas o sistema internacional de direitos humanos, mas foi também flagrantemente contrária ao preceito fundamental do art. 5º, inciso XLIII, da Constituição Federal, que determina, peremptoriamente, que o crime de tortura é inafiançável e insuscetível de graça e anistia. Escusa lembrar o princípio óbvio de que nenhuma lei anterior à promulgação de uma nova Constituição permanece em vigor quando infrinja algum de seus dispositivos fundamentais.

No plano internacional, a referida decisão de nossa Suprema Corte deixou de levar em conta que, já à época da promulgação da mencionada lei, os atos de terrorismo de Estado, tais como o homicídio, com ou sem a ocultação de cadáver, a tortura e o abuso sexual de presos, praticados pelos agentes públicos de segurança contra opositores ao regime militar, qualificam-se como crimes contra a humanidade, os quais, por isso mesmo, são insuscetíveis de anistia e de prescrição da punibilidade, decretadas por leis nacionais.

Em 24 de novembro de 2010, a Corte Interamericana de Direitos Humanos proferiu, afinal, o julgamento no citado Caso, declarando verbis:

“As disposições da Lei de Anistia brasileira, que impedem a investigação e sanção de graves violações de direitos humanos, são incompatíveis com a Convenção Americana, carecem de efeitos jurídicos e não podem seguir representando um obstáculo para a investigação dos fatos do presente caso, nem para a identificação e punição dos responsáveis, e tampouco podem ter igual ou semelhante impacto a respeito de outros casos de graves violações de direitos humanos consagrados na Convenção Americana, ocorridos no Brasil.” (XII Pontos Resolutivos, § 325, 3)

Em conseqüência, ressaltando que o Estado Brasileiro não poderá aplicar, além da anistia, “nenhuma outra disposição análoga, prescrição, irretroatividade da lei penal, coisa julgada, ne bis in idem, ou qualquer excludente similar de responsabilidade” (XI – Reparações, § 256 b), decidiu a referida Corte:

“O Estado deve conduzir eficazmente, perante a jurisdição ordinária, a investigação dos fatos do presente caso a fim de esclarecê-los, determinar as correspondentes responsabilidades penais e aplicar as sanções e conseqüências que a lei preveja.” (Ibidem, § 325, 9)

É imperioso, portanto, que o Estado Brasileiro, por decisão do Congresso Nacional e da chefia do Poder Executivo, passe a dar cumprimento efetivo à citada decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos, no tocante à Lei nº 6.683, de 28 de agosto de 1979. Nesse sentido, é apresentado este projeto de lei, visando a dar ao referido diploma legal uma interpretação autêntica, na estrita conformidade com o julgamento condenatório daquela Corte.

Sala das Sessões, em

LUIZA ERUNDINA

Leia também:

Silvio Tendler: A farsa das viúvas da ditadura militar

Documento comprova prisão de Rubens Paiva no DOI-Codi/RJ; estava com coronel

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

A Comissão da Verdade | ImprenÇa {{não acredite em mim}}

[…] {{Crédito da foto: Viomundo}} […]

A Comissão da Verdade, o seu trabalho e a responsabilidade das atuais gerações | ImprenÇa {{não acredite em mim}}

[…] {{Crédito da foto: Viomundo}} […]

Não à anistia para os crimes durante a ditadura | PapoCatarina

[…] Não à anistia para os crimes durante a ditadura 31/01/2013 9:17:52Enviado por PapoCatarina TweetPublicado por: Viomundo […]

Rodrigo Leme

A coisa é feita pra ser bem amarradinha: punição para os militares, impunidade para os grupos de esquerda que sangraram também inocentes nas ruas. Muita família chora até hoje não pq perdeu uma mãe, um pai nas mãos de um militar, mas sim de um “justo” guerrilheiro, que são tratados como “casuidades”, como se a dor dessas pessoas fosse menor.

Romanelli

que coisa …

Direito especial, foro especial, prisão especial, recesso anual, 14o e 15o instituídos, semana de 3 dias, direito a mentira e à chicana jurídica, leis que não servem de exemplo pra nada e que quando muito apenas mitigam um ínfimo das estatísticas. (vide as contradições e FUROS propositais havidos quando do julgamento do mensalão e sobre a cassação dada a deputado sem vergonha)

VERDADE é que hoje o país continua conhecido por uma INFRA de dar pena, por muito DESVIO, roubos, e pela violência que oferta uma quantidade de vítimas civis recorde para um tempo de paz e sem crise.

Conhecido tb por um sistema de presídios que não cura nem purga, que tortura em nome duma “legalidade” abjeta, ou quando não, por um país que pratica um onda infindável ASSISTENCIALISTA que se perpétua na estrutura, valendo-se inclusive de critérios como o da RAÇA em detrimento dum salário digno, ou duma régua que atentasse mais para o mérito e/ou urgência.

enfim ..há tanta coisa INÉDITA por se CORRIGIR visando o futuro ..e daí eu me pergunto do porque tem gente que quer CUTUCAR aquilo que outras gerações pretéritas já trataram de equilibrar ? ..será, será mesmo que é esta bandeira que o povo NECESSITA e quer ?

Fabio Passos

Petição assinada.

Divulguem!

É preciso acabar com a impunidade dos assassinos e torturadores bem como dos mandantes e financiadores dos crimes contra a humanidade cometidos pela ditadura.

Moacir Moreira

O crime organizado internacional é favorável à anistia para torturadores.

Deixe seu comentário

Leia também