VIOMUNDO

Diário da Resistência


Mergulhado na velha política, Bolsonaro compra votos para aprovar Previdência: R$ 444 milhões, calcula o Psol
José Cruz/Agência
Política

Mergulhado na velha política, Bolsonaro compra votos para aprovar Previdência: R$ 444 milhões, calcula o Psol


10/07/2019 - 06h30

Da Redação

Já na madrugada desta quarta-feira, dois sinais foram dados de que a reforma da Previdência será aprovada: com 331 e 353 votos, respectivamente, o Centrão, a direita e a extrema-direita do Parlamento derrotaram requerimento da oposição e encerraram os debates.

O governo Bolsonaro precisa de 308 votos favoráveis.

O Planalto torrou R$ 40 milhões numa campanha publicitária voltada a convencer os mais pobres de que eles seriam “beneficiaidos” por uma reforma que transfere R$ 1 trilhão em benefícios deles para os mais ricos.

O milionário Ratinho, apresentador do SBT, pai do governador do Paraná, recebeu R$ 268 mil para fazer uma entrevista bajulatória com Bolsonaro, como se o mundo fosse acabar sem a reforma.

Outros formadores de opinião foram “comprados” com dinheiro público, como José Luiz Datena, que apresenta um programa policial popularesco na Band.

Com renda mensal média estimada em R$ 1,37 milhão – sem considerar o lucro das empresas próprias, outras propagandas e comissões –, os comunicadores milionários que a agência de propaganda Artplan contratou estão numa faixa salarial que é 50 vezes maior que a média da população 1% mais rica do país, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), informou a respeito da campanha o Brasil de Fato.

Na mais recente pesquisa Datafolha, 47% dos brasileiros eram a favor e 44% contra a reforma, numa demonstração de que a campanha foi razoavelmente bem sucedida.

O Brasil tem hoje 13 milhões de desempregados, depois da “reforma trabalhista” que prometeu — mas não criou — os 6 milhões de empregos prometidos pelo então ministro Henrique Meirelles.

As promessas de que tudo vai mudar depois da reforma da Previdência repetem a fórmula de criar metas sem as quais a economia não vai se recuperar — e o massacre midiático em defesa das metas parece ter impacto na população.

Ao mesmo tempo, o governo Bolsonaro tira dinheiro dos mais pobres, demole o mercado interno e beneficia os mais ricos — os ruralistas terão mais R$ 88 bilhões em anistia de dívidas para apoiar a reforma da Previdência.

O próprio ministro da Saúde de Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, admitiu em entrevista ao site Jota que a liberação de emendas parlamentares foi acelerada para garantir votos.

A oferta inicial era de que cada parlamentar fiel a Bolsonaro receberia R$ 20 milhões em emendas para direcionar à sua base eleitoral (somando mais de R$ 3 bi).

Com esse dinheiro, o parlamentar atende a um ou outro pedido de seus eleitores, mas muitas vezes faz negócios com amigos de sua base eleitoral para embolsar pessoalmente um percentual.

De acordo com levantamento da assessoria do deputado Alessandro Molon, o empenho, ou seja, o registro efetivo de que aquele dinheiro das emendas está no cofre e será liberado, somou R$ 2,6 bilhões nos seis primeiros dias úteis de julho.

A líder do governo na Câmara, Joice Hasselmann, disse que a liberação de emendas sempre aconteceu e faz parte do dia-a-dia da Casa.

Citando o Diário Oficial do dia 8, o deputado federal Ivan Valente (Psol-RJ) denunciou que uma emenda que tramitava no Congresso foi replicada várias vezes pelo Executivo já com empenho — garantia de que o dinheiro será liberado — de R$ 93 milhões, o que caracterizaria crime de responsabilidade.

O discurso de Valente apareceu brevemente para ilustrar uma discussão na GloboNews, mas convenientemente sem áudio.

Os barões da mídia foram essenciais para a aprovação da reforma, oferecendo visão completamente unilateral sobre a proposta. Repetiram o que já haviam feito na reforma trabalhista, que os beneficiou diretamente.

O Psol disse que vai recorrer ao STF. O partido calcula que a reforma vai custar R$ 444 milhões em compra de votos com dinheiro público.

“Alguns não querem largar a velha política”, reclamou Jair Bolsonaro ainda em março deste ano. Ele se elegeu prometendo acabar com o “toma-lá-dá-cá”.

Apesar da promessa, Bolsonaro tem ligação umbilical com a velha política, tendo exercido mandato de deputado federal por 27 anos, com a aprovação de apenas dois projetos.

Depois da Previdência, o próximo passo prometido pelo ministro Paulo Guedes é o de “enxugar” o Estado, no qual não apenas Jair Bolsonaro, mas os filhos dele mamaram e agora mamam com mandatos de senador, deputado federal e vereador.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 18h03

https://youtu.be/RlzLD0HJQKI
Deputadas Benedita da Silva (PT=RJ) e Alice Portugal (PCdoB=BA)
fazem Desabafo contra a Reforma da Iniqüidade dos Santos de Barro.

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 16h58

O ‘General’ do Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia, mandou bloquear
a Entrada do Público no Plenário da Câmara do Deputados, para evitar os Protestos Contra a Defórma do Guédes que acaba com a Aposentadoria.

https://twitter.com/i/status/1149020987087699968
https://twitter.com/Alice_Portugal/status/1149020987087699968

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 14h51

“Mercenários do Templo”

Ao mesmo tempo em que Bolsonaro participa no plenário da Câmara
de uma homenagem à Igreja Universal do Reino de Deus, de Edir Macedo,
um de seus grandes apoiadores, seu governo segue comprando deputados
com emendas milionárias pelos corredores da Câmara.
Vergonha!
#ReformaInjusta

https://twitter.com/psol50/status/1148961249960636417

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 14h06

https://twitter.com/i/status/1148952743610081281

Ciro Gomes sobre voto de Tábata Amaral
a favor da reforma da previdência:
“Acordei triste. Tenho esperança
de que não cometa esse erro,
pois será mortal pra ela”

https://twitter.com/_NZimmer/status/1148952743610081281

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 13h56

“Tudo que promove os direitos da sociedade brasileira
em matéria de previdência social
está sendo arrancado da Constituição.

E tudo que dificulta a recuperação desses direitos
num futuro governo progressista
está sendo inserido na Constituição.”

#ReformaInjusta

Paulo Pimenta (PT=RS)
https://twitter.com/DeputadoFederal/status/1148989497331322883

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 13h49

E Tabata? Recebeu alguma coisa ou é voto ideológico mesmo?

Ciro Gomes (PDT) publicou terça-feira (9) uma série de tweets
contra o projeto de reforma de Previdência que está sendo votado
na Câmara dos Deputados.

Em suas mensagens, Ciro enumerou cinco argumentos pelos quais
considera que o voto a favor da reforma de Jair Bolsonaro, desenhada
pelo ministro Paulo Guedes, afetará principalmente os mais pobres
e a classe média.

íntegra das mensagens, que foi dividida em cinco tweets:
https://twitter.com/cirogomes/status/1148724677797384192

“Porque considero o voto a favor desta reforma Bolsonaro
um voto contra os pobres e contra a classe média em resumo:

1. De cada 100 reais de sacrifício , 83 reais são cobrados de quem ganha até 2 mil reais;

2. A aposentadoria passa a ser calculada sobre todos os salários que o trabalhador teve ao longo da vida e não mais sobre os 80% maiores – a perda para os aposentados será de 13%;

3.A combinação de idade mínima com tempo de contribuição de 40 anos na prática levará os pobres a NÃO TER MAIS APOSENTADORIA: em 40 anos o trabalhador fica ao menos 8 anos sem carteira assinada (IBGE) assim, para ter a aposentadoria integral teria que trabalhar até os 73 anos pelo menos (soma da idade mínima com mais 8 anos de contribuição adicionais);

4. Em nenhum lugar do mundo civilizado um professor ou um policial trabalham 40 anos para se aposentar;

5. Os militares custam 47 bilhões de reais por ano e contribuem com 3 bilhões de reais, 99% dos militares se aposentam com 55 anos”.

https://twitter.com/cirogomes/status/1148724682746716162

Responder

Zé Maria

10 de julho de 2019 às 13h06

Quando é pra ferrar o Trabalhador Assalariado Pobre, Vulnerável e indefeso
a Direita sempre dá um jatinho, digo, jeitinho …

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.