VIOMUNDO

Diário da Resistência


Mário Scheffer: PGR ignora reais culpados por milhares de mortes e pede arquivamento das investigações da CPI da Covid
O pedido para arquivar as investigações da CPI da Covid foi uma decisão calculada da vice-PGR Lindôra Araújo: evitar a responsabilização civil e criminal do presidente Jair Bolsdonaro. Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ
Política 26/07/2022 - 18h03

Mário Scheffer: PGR ignora reais culpados por milhares de mortes e pede arquivamento das investigações da CPI da Covid


Por Redação

CPI da Covid: Justiça ignora os verdadeiros responsáveis por milhares de mortes evitáveis na pandemia; decisão da PGR foi calculada

Por Mário Scheffer, em seu blog Política e Saúde

Um dia depois da convenção do PL, a PGR foi escalada para dar uma boa notícia à campanha de Bolsonaro.

A manifestação dirigida ao STF, da vice-procuradora-geral da República Lindôra Araújo pedindo o engavetamento das investigações da CPI da Covid, era previsível, mas foi também calculada.

Desde a leitura do relatório final no Senado, em outubro do ano passado, havia o receio de que as sugestões da CPI, de responsabilização civil e criminal do presidente, não seriam acatadas.

De lá para cá, enquanto mais de 70 mil novas mortes por covid ocorreram no Brasil, deu-se apenas a lenta apuração em tribunais de contas, polícia e ministério público nos Estados, sobre fatos e nomes sem foro privilegiado.

A devastação e a dor causadas pela covid, tudo indica, serão diminuídas, ocultadas, ou mesmo apagadas no debate eleitoral que começa a tomar corpo.

Nesta segunda-feira, em entrevista a uma emissora de rádio, o coordenador de comunicação da pré-campanha de Bolsonaro, Fabio Wajngarten, disse que irá priorizar mensagens voltadas às mulheres, para tentar diminuir a implacável aversão de eleitoras ao presidente.

Na abordagem da pandemia, possivelmente Wajngarten deve reproduzir a linha que adotou quando era o secretário especial de Comunicação Social da Presidência da República.

No auge das infecções, com vacinação atrasada e mais de mil mortes por dia, foi ele quem comandou campanhas como “solicite um atendimento precoce”, para promover o “kit covid” , e “o Brasil não pode parar”, para contrapor prefeitos e governadores que adotavam medidas de isolamento.

O principal marqueteiro da campanha de Lula, Sidônio Palmeira, em reunião recentemente vazada, sobre prioridades de comunicação, deu a entender que a pandemia não será um dos temas principais: “seguiremos com o maniqueísmo do bem, que demarca e diferencia com clareza as duas opções que o eleitor tem nessa eleição. O bem vai vencer o mal (inflação, desemprego, pobreza, fome etc). Precisamos ser simples e didáticos”.

A tragédia da pandemia, assim, deve ficar na superfície dos engajamentos nas redes sociais, onde voltam a circular imagens de covas abertas em Manaus e vídeos em que Bolsonaro imita pessoa com falta de ar, exibe caixa de cloroquina a ema no Palácio da Alvorada, fala mal das vacinas e chama a covid de “gripezinha”.

Haverá pouco espaço para debater, por exemplo, a necessidade de o Brasil ter um sistema de saúde mais preparado, para que falhas fatais não se repitam nas próximas emergências sanitárias.

A quase 60 dias da eleição, a Justiça ignora os verdadeiros responsáveis por milhares de mortes evitáveis e os eleitores podem ter que assinar um cheque em branco, sem saber quais são as reais intenções dos candidatos para a saúde.

Leia também:

Senadores da CPI da Covid pedem ao STF que “testa de ferro” de Aras seja investigada por prevaricação; íntegra da ação





Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Blogs & Colunas
Mais conteúdo especial para leitura