VIOMUNDO

Diário da Resistência


Marcos Coimbra: Só marqueteiros e donos de emissoras — que ganham dinheiro com isso — acham que tempo de TV ganha eleição
Política

Marcos Coimbra: Só marqueteiros e donos de emissoras — que ganham dinheiro com isso — acham que tempo de TV ganha eleição


01/08/2018 - 12h23

Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Oferta e procura

por Marcos Coimbra, em CartaCapital

O tempo de tevê e uma suposta capilaridade regional a partir das alianças partidárias há muito tempo não decidem eleições

Como aconteceu em momento semelhante de eleições passadas, a mídia anda cheia de notícias a respeito de um assunto que pouco interessa aos cidadãos comuns.

Começaram as convenções partidárias e as cúpulas entraram em campo para finalizar as articulações para a eleição.

É um período que provoca efervescência nos profissionais do ramo e tédio no eleitorado, pois as espertezas, traições e tiradas de algibeira, típicas desta fase que termina em 5 de agosto, só atraem os políticos.

A semana foi pródiga em avaliações dos primeiros lances.

Na mídia, Geraldo Alckmin, a opção predileta de 9 em cada 10 conservadores “sérios”, foi apresentado como seu principal beneficiário.

Mas houve comentários do tipo “quem perdeu, quem ganhou”, tratando de todos os candidatos.

Em nosso sistema político, com regras esdrúxulas de organização partidária e acesso a recursos de campanha, é inevitável o vai e vem a que assistimos, especialmente no caso do Centrão, uma das evidências do monstrengo institucional criado no Brasil.

Fabricado a várias mãos por Executivo, Legislativo e Judiciário, seu apogeu atual decorre da barafunda instalada com a deposição de Dilma Rousseff.

A adesão do Centrão a Alckmin quer dizer alguma coisa? Ciro Gomes perdeu para o tucano?

Jair Bolsonaro, destino até há pouco imaginado desse apoio, foi derrotado? Marina Silva diminuiu? O PT está “isolado”?

A resposta mais provável a essas perguntas é igual: não.

Nem Alckmin lucrou nada de significativo, nem Ciro, Bolsonaro ou Marina ficaram menores, nem o PT está sozinho.

Segundo o raciocínio de vários políticos e muitos jornalistas, essas movimentações afetam o quadro eleitoral por alterar as condições de oferta das candidaturas.

Elas implicam maior ou menor acesso a tempo de propaganda eleitoral gratuita e a algo mal definido, mas em que muita gente parece acreditar, uma hipotética capilaridade, que asseguraria a presença física das campanhas perto dos eleitores, em especial nos “grotões” urbanos e rurais.

Alckmin, por esse raciocínio, teria agora mais tempo de televisão que os outros e se beneficiaria da influência de postulantes aos demais cargos filiados aos partidos que integram o Centrão, bem como de seus prefeitos e vereadores, que supostamente entrariam em campo para elegê-lo.

Vice-versa, Ciro, Bolsonaro e Marina estariam mais frágeis.

Ninguém conseguiu, no entanto, comprovar que essa capilaridade tenha alguma vez sido relevante para eleger presidentes no Brasil moderno, como talvez fosse na época dos velhos coronéis.

Nenhum dos candidatos vitoriosos em nossas eleições desde 1989 contou com ela ou precisou tê-la. Fernando Collor não dispunha de um exército de prefeitos e venceu uma eleição solteira.

Lula ganhou suas duas em coligações nas quais o PT era, a bem dizer, o único partido que contava.

Naquelas de Fernando Henrique Cardoso e Dilma Rousseff, a eleição se resolveu por fatores que nada tinham a ver com a disponibilidade de cabos eleitorais locais.

Sem o Plano Real ou o apoio de Lula, nenhum dos dois teria sido presidente.

Quanto ao caráter decisivo da televisão, talvez só restem dois grupos que insistem na tecla de que é nela que as eleições ainda são vencidas ou perdidas: os marqueteiros e os donos de emissoras, pela razão óbvia de que ganham com isso.

Tudo o que vimos nas últimas e estamos vendo nesta de 2018 sugere, ao contrário, que a influência da propaganda eleitoral propriamente dita (ou da manipulação de noticiário e programação para favorecer ou prejudicar candidatos) diminui a passos largos.

A mexida nas regras do jogo feita em 2017 só acelerou o processo.

Com o encurtamento da campanha e a diminuição do horário gratuito, brigar por alguns segundos é perder tempo no enfrentamento do verdadeiro desafio: criar novos modos de comunicação com os eleitores, a maioria com identidades políticas consolidadas e vacinada contra a “marquetagem”.

Subjacente a esses equívocos está a suposição de que o problema de Alckmin, a inanição de sua candidatura, é de oferta, algo que se resolveria à medida que se tornasse mais conhecido. Dá-se o caso que não é.

Nas pesquisas, o que se vê é que, entre quem diz conhecê-lo “bem” ou “mais ou menos”, o ex-governador paulista não chega a 10% das intenções de voto, atrás de Bolsonaro, Marina e Ciro, em lista sem Lula.

Com Lula, permanece no mesmo quinto lugar que ocupa no conjunto do eleitorado.

A questão é de procura: Alckmin está mal nas pesquisas porque os eleitores não estão motivados por sua candidatura.

Provavelmente, por razões conhecidas, entre elas a derrocada do PSDB iniciada no dia seguinte à eleição de 2014, confirmada por seu papel no golpe contra Dilma Rousseff e no apoio a Michel Temer e completada nos escândalos a envolver suas lideranças.

Se a vitória de Alckmin nas articulações recentes é duvidosa, também as derrotas de Ciro, Bolsonaro e Marina são questionáveis.

É possível que os três possam assim se posicionar de maneira mais clara nos nichos do eleitorado propensos a apoiá-los, sem a incômoda companhia da turma do Centrão.

Pelo modo como são percebidos pela população, essa perda talvez os fortaleça em nitidez e atratividade.

Cômicos, como sempre, foram os comentários acerca do “isolamento” do PT a esta altura das negociações interpartidárias.

É claro que é bom para ele e para qualquer partido estar aliado a outros com densidade eleitoral e respeitabilidade.

Mas, se há uma sigla que pode dispensar a convivência com ajuntamentos políticos como os que estão no mercado à cata de “arranjos”, é o PT.

Leia também:

Em tempos melancólicos, se isolar é um risco





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Darcy Brasil Rodrigues da Silva

02 de agosto de 2018 às 12h02

Marcos Coimbra, não poucas vezes, afasta-se da realidade objetiva, para vaticinar projeções de seus desejos (algo bastante comum entre os analistas petistas que dão como certa a vitória do poste de Lula em 2018, sendo completamente ociosa- para eles, do alto de suas arrogâncias – a constituição de uma Frente Ampla, democrática e popular, agregando as forças que se opõem ao governo golpista, para derrotar a Frente Ampla da direita que se organiza em torno de Alckmin). O tempo de TV de que Alckimin desfrutará legalmente, concedido pela legislação eleitoral casuística elaborada para assegurar a vitória das forças golpistas, dialogará semioticamente com o tempo de TV integral que será dedicado ao esforço de vitória do candidato do golpe,de maneira jamais conhecida em outras eleições, e sob a vista grossa da “Justiça”eleitoral que se confirmará a serviço do golpe, como, de resto, todo o Poder Judiciário já nos vem demonstrando. Por isso, o tamanho desse tempo terá importância e influência, nos dois sentidos, no de ser gigantesco para confirmar a propaganda vitaminada subliminar concomitante da Grande Mídia golpista, e o de ser exíguo para refutar essa propaganda golpista, que fluirá livremente sem ser coibida pela “Justiça” eleitoral. Além disso, o analista simpatizante do PT desconsidera que o tempo de TV é apenas uma pequena parte do imenso arsenal político agregado por Alckmin, que contará, para muito além deste tempo televisivo, com todas as máquinas políticas dos partidos de sua coligação, representada por vereadores, prefeitos, deputados, acessores, apoiadores a eles ligados por razões fisiológicas ou clientelísticas, comunidades evangélicas sob a influência de pastores vigaristas da bancada evangélica, sistemas de comunicação da pequena e média mídia sob controle dessas força em médias e pequenas cidades, e inestimável militância, cabos eleitorais,pagos pelo dinheiro farto, ou filiados desses partidos, que atuarão,conjunta e articuladamente, nas redes sociais e fora dela, cabalando votos para um único candidato. O PT, ao implodir a necessária Frente Ampla para fazer frente a esse mastodôntico poder da direita golpista, por não ser capaz de fazer parte de uma Frente que não esteja a serviço de seus interesses exclusivistas ( que ele gosta de fazer passar como idênticos aos interesses maiores do povo e da nação), superestima a força eleitoral de um preso político que não poderá se manifestar publicamente, e subestima a força política e eleitoral do candidato da plutocracia financeira, nacional e internacional, dos ruralistas, e das elites da burocracia estatal, com destaque para as do Poder Judiciário, MP e Polícia (política) Federal.

Responder

    Lidiomar Cerqueira

    02 de agosto de 2018 às 20h06

    Para o Alkimim, o melhor seria o menor tempo possível, porque assim ele mentiria menos, vai ser muito difícil pra ele passar todo tempo que tem, pra tentar convencer as pessoas com tanta conversa fiada, o povo já sabe de tudo.

Mário Supero

02 de agosto de 2018 às 07h52

TIPO DE GENTE que vota no lula livre do PT (e no bregaço do PeTê):

1.
Autoritário,
2.
Grotão convencido a sabichão,
3.
Pessoas toscas,
4.
Pessoas que sofreram Lavagem Cerebral, via João-o-Milionário-Santana (o ex-publicitário do brega petismo),
5.
Bregas e barangonas,
6.
População reacionária,
7.
Ladrões, bandidos e mulheres revoltadas;
8.
Imbecis de toda ordem!

O petismo, lula, dilma etc. são totalmente autoritários de esquerda…
Vejamos. Eis tais pessoas:
Elas têm uma abordagem mental tão estreita como o buraco de uma agulha (PT, PCdoB): ali não cabe outra opinião além da sua, outra crença ou outra verdade, algo que ela mesma criou ao longo da sua vida.

Responder

Cláudio

02 de agosto de 2018 às 04h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando:

Ideias interessantes são utilizadas neste texto instigante. Resta saber se são mesmo factíveis…

.:. ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ * * * * * * * * * * * * * | * * * *
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas, ou seja : SEM VASELINA) 2018 neles/as (que já PERDERAM,
tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
* * * * | * * * * * * * * * * * * * ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
????????????????????? ::
????????????????????? ::

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding