VIOMUNDO

Diário da Resistência


Marcelo Zero: Crime de Lula foi realmente colocar o ‘Brasil acima de tudo’, ao contrário de alguns que nos põem abaixo de tudo
Lula é símbolo e ameaça, como Mandela foi um dia. Foto: Presidência da República
Política

Marcelo Zero: Crime de Lula foi realmente colocar o ‘Brasil acima de tudo’, ao contrário de alguns que nos põem abaixo de tudo


07/02/2019 - 21h51

Crime de Lula Foi Ter Colocado o Brasil Acima de Tudo 

por Marcelo Zero

Achar que Lula foi condenado e encarcerado por causa de atos de corrupção é a mesma coisa que acreditar que os EUA estão intervindo na Venezuela em nome da democracia.

Quem acredita nessas duas coisas deve acreditar também em kit gay, mamadeira de piroca e que Trump é o novo Messias do Ocidente.

A comparação entre os dois fatos não é casual. Eles estão inter-relacionados.

Ambos não podem ser entendidos plenamente sem se compreender a grande disputa geoestratégica e geopolítica que se desenvolve no mundo e em nosso subcontinente.

Os EUA definiram a grande disputa pelo poder mundial com China, Rússia e aliados como seu principal objetivo geoestratégico.

Eles vêm com apreensão o crescimento exponencial da China no campo econômico e a articulação política de países emergentes no cenário mundial, notadamente por meio dos BRICS.

Do seu ponto de vista, isso representa uma ameaça grave à ordem mundial unilateralista por eles defendida. Querem recuperar e consolidar a hegemonia ameaçada.

Os EUA sabem que quem dominar a supercontinente da Eurásia dominará o mundo.

Essa tese foi exposta claramente por Zbigniew Brzezinski, que publicou, na Foreign Affairs, um artigo intitulado “Uma Geoestratégia para a Eurásia”, que já antecipava algumas teses de seu livro “O Grande Tabuleiro de Xadrez”.

A geoestratégia concebida por Brzezinski implicava várias ações de longo prazo concomitantes.

Em primeiro lugar, o fortalecimento da Europa unida, sob a liderança dos EUA.

Para tanto, Brzezinski já sugeria, inclusive, a celebração de um tratado de livre comércio transatlântico, como o anunciado recentemente.

Em segundo, o fortalecimento das novas nações independentes da Ásia Central e do Leste Europeu, que surgiram após o colapso da União Soviética, e a consequente expansão da OTAN até a Ucrânia.

Em terceiro lugar, e mais importante, a geoestratégia de Brzezinski previa o enfraquecimento da Rússia e o enquadramento de sua política externa nos imperativos geopolíticos dos EUA e seus aliados.

Havia dois pressupostos nessa geoestratégia, delineada no início dos anos 1990.

O primeiro era o de que o Japão e alguns tigres asiáticos, como a Coreia do Sul e Taiwan, dominariam o Leste da Ásia e seriam os polos dinâmicos do Pacífico.

O segundo era o de que a Rússia continuaria a se fragilizar e se tornaria dependente de outras potências regionais, sem conseguir projetar interesses próprios.

Obviamente, os dois pressupostos não se verificaram. A China se transformou no grande polo econômico dinâmico não apenas da Ásia, mas de todo o mundo. E a Rússia de Putin se reergueu como potência militar e política com voo próprio.

Hoje, quem está ganhando a disputa pela Eurásia, e pelo mundo, são China, Rússia e aliados.

A China vai integrar e expandir a infraestrutura da Eurásia com sua “nova rota da seda”, consolidando-se definitivamente como o grande motor econômico do supercontinente.

Já a Rússia criou a União Econômica Eurasiática (Rússia, Cazaquistão e Belarus, com perspectiva de entrada da Armênia e do Quirguistão) e realizou movimento amplo de reorientação do desenvolvimento do país em direção à Ásia, o chamado “pivot para o leste”, o qual inclui, é óbvio, forte aliança com Beijing.

Saliente-se que China e Rússia estão empenhadas no fortalecimento da Organização para a Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês), composta por China, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia, Tadjiquistão, Uzbequistão, Índia e Paquistão.

Embora a finalidade principal dessa cooperação seja a segurança, com a possível formação de uma organização antagônica à OTAN, ela também se dedica a discutir temas como a substituição do dólar como moeda cambial e a formação de um cartel de gás natural.

Assim, no “grande tabuleiro de xadrez” de Brzezinski, os EUA estão jogando com as pretas, em posição nitidamente defensiva.

Mas há uma região na qual os EUA estão em plena ofensiva, jogando com as brancas, e prestes a dar um xeque-mate. É a América Latina.

De fato, os EUA, que consideram a América Latina como seu quintal desde o tempo de Theodore Roosevelt, estão empenhadíssimos em reconquistar a hegemonia inconteste nesta região.

A pressão para que os países da região abandonem alianças com países emergentes, “desinvistam” na integração regional e passem a inserir-se na órbita geoestratégica dos EUA é avassaladora.

As mudanças de regime ocorridas na região nos últimos anos, embora tenham sido desencadeadas fundamentalmente por fatores internos, têm o dedo de interesses norte-americanos, até mesmo por força do hábito.

Em estudo publicado na Harvard Review of Latin America, em 2005, menciona-se que, apenas entre 1898 e 1994, os EUA conseguiram êxito em mudar governos da região 41 vezes, o que dá uma média de uma mudança de governo a cada 28 meses.

Ressalte-se que, nesse estudo publicado na Universidade de Harvard, não se analisa as possíveis intervenções recentes, como as ocorridas em Honduras (2009), Paraguai (2012) e Brasil (2016).

No caso específico do Brasil, há evidências cada vez maiores de que os EUA participaram ativamente da operação Lava Jato, que foi instrumental para o golpe de 2016 contra a presidenta Dilma e para a prisão do ex-presidente Lula, bem como para destruir a cadeia nacional de petróleo e gás, ensejar a venda, a preços aviltados, das reservas do pré-sal, solapar a nossa competitiva construção civil pesada e comprometer projetos estratégicos na área da defesa, como o relativo à construção de submarinos.

Será que foi apenas por acaso que o Brasil de Dilma Rousseff e a Petrobras tenham sido dois dos maiores alvos da espionagem da NSA?

Entretanto, esse foi apenas o início da tarefa de desmonte político, econômico e geopolítico que se pretende fazer no Brasil.

Ao governo Bolsonaro lhe será encarregada a segunda etapa desse processo.

Essa segunda etapa inclui pontos cruciais, como fazer uma reforma da Previdência ampla e radical, propiciando capitalização de bancos privados, desmontar o arremedo de Estado do Bem-Estar instituído pela CF de 1988, privatizar o que restou dos mecanismos estatais de intervenção na economia (bancos públicos, Petrobras, Eletrobrás), vender ativos estratégicos a preços convidativos, abrir a economia a produtos e serviços estrangeiros e, sobretudo, consolidar uma política externa de alinhamento canino aos interesses dos EUA e aliados. Este último ponto é fundamental.

Por sua dimensão, Lula não é apenas um preso político do Brasil. Ele é um preso político internacional. Ele foi encarcerado também pelos interesses geoestratégicos de EUA e aliados.

Aliás, quando a África do Sul prendeu Mandela e outros líderes do ANC, seu partido, os EUA, o Reino Unido, a França, Israel etc. apoiaram sem vacilar o governo do apartheid.

Em 1986, o governo Reagan até incluiu o ANC como um dos grupos terroristas a serem combatidos internacionalmente. Havia o medo de que Mandela e seu partido influenciassem toda a África e “países do Terceiro Mundo”.

Coisa semelhante ocorre com Lula.  Embora moderado, Lula foi fundamental para a integração regional, para a criação dos BRICS, para articulação entre países sul-americanos e árabes, para a articulação de países emergentes em diversos foros, etc.

Lula foi, enfim, um líder assertivo e poderoso na transformação de uma ordem mundial unilateralista, centrada apenas nos interesses dos EUA e aliados, para uma ordem internacional mais multipolar e democrática.

Lula, por exemplo, jamais teria dado aval à aventura belicosa que se ensaia contra a Venezuela.

Lula nunca hostilizou os EUA, mas também nunca se curvou a seus interesses. Ao contrário de alguns, Lula realmente colocava o Brasil “acima de tudo”. Esse foi o grande crime de Lula.

Sejamos francos: face à sabida cooperação estreita entre a Lava Jato e as autoridades norte-americanas, será que Lula teria sido preso sem o aval e o estímulo dos EUA?

Para quem deseja o retorno de uma hegemonia inconteste de EUA e aliados e o combate sem tréguas contra o “marxismo cultural”, Lula é símbolo e ameaça, como Mandela foi um dia, antes de ser retirado das masmorras da Ilha Robben e ter conduzido seu país à reconciliação.

Para interesses nacionais e internacionais poderosos é fundamental que Lula permaneça preso.

Preso e incomunicável, na sua solitária em Curitiba. Virão tantas condenações quanto forem necessárias.

Em algum lugar obscuro do Departamento de Estado, alguém deve ter dito: Delenda est Lula! Por aqui, em alguma cloaca palaciana, alguém deve ter respondido: Brasil abaixo de tudo!

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Julio Silveira

09 de fevereiro de 2019 às 06h28

Acho que o crime do Lula foi ser vaidoso ao extremo apesar da retorica da humildade. Ele foi o responsavel por fazer de um partido uma partição do Lula, quando determinou o enquadramento e o expurgo de pensadores ideologicos de sua partição. A consequencia é essa que se vê, se cercou de trairas e maus conselheiros de todos os lados que decretaram seu destino.

Responder

Rivelino Batista

09 de fevereiro de 2019 às 04h00

“Me engana, que eu compro.”

Esse tal de “Lula Livre®”, isso é marketing. Clichê comercial. Frase publicitária, pra você comprar o “produto” lula®.
É tal qual a frase: “Coca-Cola® dá Mais Vida”, pra vender o produto Coca-Cola©. Fazer tua cabeça com frases de impacto.

Eis o jeitão VAZIO publicitário do PT® e do Petismo. Veja:

PT vive de clichês publicitários elaborados por marqueteiros. Nada espontâneo. Mas apenas um frio slogan (tal qual “Danoninho© Vale por Um Bifinho”/Ou o: “Fiat Touro®: Brutalmente Lindo”).
Não tem nada a ver com um Projeto de Nação. Eis:

0.
“Coração Valente©” [breguice].

1.
Pátria Educadora© [Huá, huá, huá].

2
“A Copa das Copas®”

3.
“Fica Querida®”

4.
“Impeachment Sem Crime é Golpe ©”

5.
“Foi Golpe®”

6.
“Fora Temer ®”

7.
“Ocupa Tudo©”

8.
“Lula Livre®”

9.
“eleição sem Lula é fraude®” [kuá!, kuá!, kuá!].

10.
“O Brasil Feliz de Novo ©”

11.
“Lula é Haddad Haddad é Lula®”

12.
“Ele não®”.

13.
“Haddad agora é verde-amarelo©” [rsrsrs].

14.
“Luz para todos®” (kkkkk).

——
Mais um recente clichezaço publicitário do PETISMO (Religião) e, também, do PT, — estilo “SKOL© a Cerveja que desce RedondO”.
Ei-lo:
15.
“Ninguém Larga a Mão de Ninguém®”.
16.
“Skol®: A Cerveja que desce RedondO”.

______
É o tal de “me engana que eu compro”.
O Petismo vive de ótimos e CALCULADOS mitos publicitários.
PT© é vigarista.
É exatamente igualzinho a “SKOL®: A Cerveja que desce RedondO”.

Responder

Netho

08 de fevereiro de 2019 às 21h51

O mal não prospera sem uma boa mão dos crédulos, ingênuos e neófitos.
Lula rendeu-se quando jamais poderia tê-lo feito.
Lula conviveu tanto nos palácios da grande burguesia que parece haver esquecido a sua origem de classe social.
Lula entregou-se à Justiça da Casa Grande e dela não se poderia esperar algo diferente.
Lula errou grotescamente – pessimamente assessorado pelo seu ‘entourage’ político e jurídico -, quando vergou-se aos carcereiros da Lava Jato.
O status de Lula no seu papel de estadista – sobretudo convicto de sua inocência -, jamais poderia ter sido o de deixar-se levar mansamente para detrás das grades com vistas voltadas ao sol quadrado.
Asilo diplomático, isto sim, a única decisão coerente e consistente com a narrativa da inocência e da perseguição política.
Agora que mataram e esfolaram a Inês, o ex-operário acabou virando suco na moenda da Casa Grande e bagaço da Lava Jato.

Responder

    Julio Silveira

    09 de fevereiro de 2019 às 14h01

    Pelo visto não estou só. Concordo integralmente com tudo..

Zé Maria

08 de fevereiro de 2019 às 20h12

É sempre bom lembrar que Nelson Mandela
foi Condenado 2 Vezes pelo Regime do Apartheid.
Na Primeira Vez, Mandela foi Preso em Agosto de 1962,
Julgado em Outubro e Condenado em Novembro,
do Mesmo Ano [não está errado, não: a Ordem
Cronológica do Judiciário Sul-Africano foi essa],
após haver retornado de uma Viagem ao Exterior,
pois estava sob Ordem de Restrição pelo Apartheid
que o proibia se deslocar para fora da África do Sul,
e Mesmo Dentro do Território Sul-Africano (Lei do Passe).
[Lembre-se que – por ‘mera coincidência’, claro –
Lula, já Vencedor do Prêmio Mundial da Alimentação 2011 (*) concedido pelo Programa Mundial de Alimentos (PMA)** da ONU, também
foi proibido de viajar para a Etiópia,
pois teve o Passaporte Apreendido,
sendo impedido de participar do Evento de Alto Nível
denominado “Alcançar a Fome Zero na África
antes de 2025”,
promovido pela FAO/ONU (***), por ocasião da
30ª Sessão da Conferência dos Chefes
de Estado e de Governo da União Africana.

(https://nacoesunidas.org/lula-recebe-premio-mundial-de-alimentacao)*
(https://nacoesunidas.org/diretora-executiva-do-programa-mundial-de-alimentos-das-nacoes-unidas-pma-visita-o-brasil)**
(http://www.fao.org/brasil/noticias/detail-events/en/c/1099176)***

Em 1964, Mandela, ainda Preso, foi Condenado – na 2ª Vez – à Prisão Perpétua pelo Regime do Apartheid,
no Famigerado Julgamento de Rivonia,
em 20 de abril de 1964, quando proferiu
o Célebre Discurso “Estou preparado para morrer”,
terminando com estas palavras – as últimas
que falaria em público, até ser finalmente
solto da prisão em 1990 :

“Durante a minha vida, dediquei-me
a essa luta do povo africano.
Lutei contra a dominação branca,
lutei contra a dominação negra.
Acalentei o ideal de uma sociedade livre
e democrática, na qual as pessoas vivam juntas
em harmonia e com oportunidades iguais.
É um ideal para o qual espero viver e realizar.
Mas, se for preciso, é um ideal
pelo qual estou disposto a morrer”

(Stengel, Richard. “Os Caminhos de Mandela:
Lições de Vida, Amor e Coragem”.
Tradução: Douglas Kim. Editora Globo, 2010.
2ª Edição. PDF pág. 34:
http://www.saserj.org.br/uploads/2016/06/14/downloads/os-caminhos-de-mandela.pdf )

Responder

Karl

08 de fevereiro de 2019 às 12h38

Querem o pobre sempre pobre.
O Lula distribui melhor a renda e esse é o grande motivo do golpe e do apoio da classe média ao golpe. Não passa a grosso Modo de uma simples luta de classes sociais.
Lugar de pobre é na favela na visão da classe média, e tem que trabalhar no setor de serviços à troco de esmola.
Muitos que conseguiram se formar através do sisu ou prouni ou fies já se acham ricos.
O que adianta ter faculdade e não ter emprego, ou então ter um emprego que remunera mal. Teremos um monte de camelô com curso superior.
Atualmente tem sido gerados empregos de segunda linha, isto é, sem carteira assinada.

Responder

Fernando Carneiro

08 de fevereiro de 2019 às 11h27

E assim também foi com Tiradentes, enforcado, esquartejado e suas partes espalhadas em via pública. Os mesmo que assim fizeram estão aí, presidente, ministros, governadores, senadores e deputados. A História lhes fará justiça.

Responder

lulipe

08 de fevereiro de 2019 às 00h33

E olha que ainda têm pelo menos umas quatro ações, vai ser mimimi até umas horas. O lula tá preso babaca!

Responder

    Conceição Lemes

    08 de fevereiro de 2019 às 14h30

    Babaca é vc, Lulipe. Chega de ofender as pessoas aqui!

Zé Maria

07 de fevereiro de 2019 às 23h48

A Rússia e a China souberam se defender
dos “Movements” de Desestabilização e
da Espionagem Governamental e Industrial
promovida pelos Estados Unidos da América.

Inclusive, o Presidente Vladimir Putin expulsou a USAID,
e o Parlamento Russo aprovou uma Lei
exigindo que todas as ONGs que recebiam financiamento Estrangeiro se identificassem
como “Agentes Estrangeiros” em todas as publicações
e sites, e ficassem “sob escrutínio financeiro extra”.

12/9/2012
Viomundo

https://www.viomundo.com.br/denuncias/putin-fecha-a-usaid-em-moscou.html

Responder

Olaria

07 de fevereiro de 2019 às 22h11

Gostariam de enforcar o Lula como na Revolta dos Alfaiates
Emiliano José: para que nenhum outro pobre se meta a besta!

Por Emiliano José no Conversa Afiada

Enforcamento, em novembro de 1799, dos conjurados Lucas Dantas, Manuel Faustino, João de Deus e Luís Gonzaga

O Conversa Afiada tem o prazer de publicar artigo do jornalista, historiador e ex-deputado federal pelo PT da Bahia Emiliano José:

A cabeça de Lucas Dantas, espetada no Campo do Dique.

A de Manuel Faustino, no Cruzeiro de São Francisco.

A de João de Deus, na Rua Direita do Palácio.

A de Luís Gonzaga, na Praça da Piedade, onde os quatro foram enforcados, e os corpos, esquartejados, no dia 8 de novembro de 1799.

Na Revolução dos Alfaiates foram escolhidos para dar exemplo, para pobre nenhum se meter mais a besta de querer mudar o mundo. De 48, acusados pegaram quatro pobres, dois alfaiates e dois soldados.

Durante cinco dias, a população de Salvador, olhou nos olhos mortos dos quatro, para suas cabeças despregadas dos corpos, espetáculo macabro.

As cabeças só foram retiradas no dia 13 de novembro, cinco dias após o enforcamento.

Gostariam de fazer o mesmo com Lula.

A crueldade, perversidade, violência de nossas classes dominantes são as mesmas.

Sua mentalidade escravocrata persiste, seu sadismo é incontrolável.
Lula, como aqueles mártires, paga o preço de ter lado e de ter sido pobre.

Tentam, como há 220 anos, esquartejá-lo.

Como não podem fazê-lo como dantes, não obstante o desejo, tentam esquartejar sua alma, arrebentá-lo por dentro cumulando-o de penas, com sentenças esdrúxulas. Sabem de sua inocência, e tornam essas penas uma demonstração de que podem condenar, apesar da inexistência de qualquer culpa.

É culpado por ter feito um governo para os pobres.

Querem esquartejá-lo por dentro, exibir esse esquartejamento, para que outros pobres não se metam mais a besta.

Têm a pretensão de que ele morra preso.

Lula tem demonstrado uma resistência impressionante.

E a solidariedade a ele cresce aqui e em todo o mundo.

Os quatro mártires da Revolução dos Alfaiates tornaram-se heróis da pátria, por decisão da Câmara Federal.

Lula, vivo, já é um herói da Pátria.

E tanto mais se torna quanto mais tentam impor-lhe penas absurdas e aumentar seu sofrimento.

Lula livre!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!