Marcelo Zero: O futuro da humanidade não cabe mais na ordem mundial coercitiva e belicosa do G7. O Brasil está do lado certo

Tempo de leitura: 4 min

Unilateralidade Coercitiva x Multipolaridade Cooperativa

Por Marcelo Zero*

Num excelente artigo publicado recentemente no site Counterpunch, intitulado “G-7 and BRICS Visions of the Future: Coercive Unipolarity or Cooperative Multipolarity”, Richard Falk, Professor Emérito de Direito Internacional Law da Universidade de Princeton, faz uma pertinente comparação entre esses dois blocos.

O primeiro, o G7, liderado pelos EUA, teria uma visão de futuro centrada em um unilateralismo coercitivo e belicoso. Já o segundo, o BRICS, recentemente expandido, teria uma visão estratégica centrada, essencialmente, na cooperação multipolar.

Além de pertinente, a comparação é acertada e precisa.

Como bem observa Falk, com a queda da União Soviética, EUA e aliados se depararam com a oportunidade histórica de investir em desarmamento, em cooperação, na reforma do Conselho de Segurança e de outras instituições multilaterais, em comércio justo, em abertura aos interesses dos países emergentes etc.

Entretanto, fizeram o contrário.

Aproveitaram a derrocada do principal rival para impor uma ordem mundial estritamente unilateral, moldada, muitas vezes, em sanções econômicas, financeiras e comerciais, e em intervenções militares a rodo, sempre que lhes pareceu conveniente.

Criaram uma ordem mundial, a famosa “ordem mundial baseada em regras”, que impunha a todos o alinhamento com seus interesses. Os interesses da única e inconteste superpotência.

Até hoje, os EUA não admitem mudanças significativas nessa ordem, que não reflete mais o mundo de hoje.

Com a ascensão de China, Rússia e outros emergentes, a grande competição pelo poder (mundial) – e não o terrorismo – tornou-se o foco principal da segurança nacional dos EUA.

E quem são os principais “inimigos” dos EUA nessa competição pelo poder mundial?

Está lá escrito com todas as letras na Nuclear Posture Review, a nova política nuclear norte-americana, divulgada em fevereiro de 2018: China e Rússia. Eles e eventuais aliados.

Assim, os EUA declararam guerra às novas potências emergentes e à progressiva constituição de uma ordem mundial mais equilibrada e multipolar. Querem sua hegemonia absoluta de volta. Querem a restauração geopolítica da antiga ordem.

Tal restauração está fadada ao fracasso. Assim como Metternich, o famoso chanceler austríaco, acabou fracassando na sua tentativa de conter o avanço do liberalismo político na Europa, os EUA fracassarão em conter o avanço inexorável da China, Rússia e outros emergentes.

Fracassarão em impedir a liberalização e descentralização da ordem política mundial. Não há como deter a história.

Para ilustrar seu principal argumento, Falk cita as últimas declarações do G7 e do BRICS.

Na última reunião, em Hiroshima, a ênfase do G7 foi colocada na guerra na Ucrânia e na decisão de apoiar esse país pelo “tempo que for necessário”. Isto é, continuar a insistir num conflito que sacrifica inutilmente a população ucraniana.

Em contraste com o G-7, salienta Falk, a Declaração de Joanesburgo do BRICS olha para um mundo de competição pacífica e cooperação global. Trata a Guerra da Ucrânia como um desafio que deveria ser a ocasião para a pacificação diplomática, em vez de uma guerra.

O tema mais pronunciado do documento do BRICS é a determinação de se tornar menos dependente dos acordos hegemônicos de segurança global e de comércio/finanças/investimento, mais duramente impostos ao Sul Global após o colapso soviético.

Assim como Índia, África do Sul e outros, o Brasil quer ter boas relações com o chamado “Ocidente”. Não quer romper com ninguém. Ao contrário.

O problema é que o “Ocidente” está “rompendo” com o mundo de hoje, diversificado, complexo e inelutavelmente multipolar.

Está rompendo, na realidade, com o único futuro viável do planeta.

O futuro pertence à multipolaridade, à cooperação, ao multilateralismo, à paz, às negociações, ao anticolonialismo, ao respeito aos interesses do Sul Global, ao combate universal à fome e às desigualdades, à luta contra as mudanças climáticas, de acordo com as responsabilidades históricas de cada um, etc.

O futuro da humanidade não cabe mais na ordem mundial coercitiva, míope, obsoleta e desigual do G7.

O Brasil está alinhado com esse futuro.

O Brasil está do lado certo da história.

*Marcelo Zero é sociólogo e especialista em Relações Internacionais

Da esquerda para a direita: presidentes Lula, Xi Jinping, Cyril Ramaphosa, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov Foto: Ricardo Stuckert/PR

Tabela Comparativa (BRICS Plus x G7)

Por Marcelo Zero

A ordem mundial não cabe mais no G7.

Essa tabelinha revela a dimensão do BRICS expandido. O novo bloco é uma grande potência econômica, industrial, agrícola, energética, mineral e ambiental. E isso é só o começo, pois há muitos outros países candidatos, que poderão ainda entrar.

Leia também:

Brasil recebe presidência do G20 e propõe força-tarefa contra a fome

Marcelo Zero: A má-fé ou ignorância da mídia tradicional sobre a expansão do Brics

Altamiro Borges: Com Lula no comando, pela primeira vez na história, Brasil assumirá a presidência do G20


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Claudio

EUA e et caterva não largarão esse osso fácil.

Deixe seu comentário

Leia também

Política

Jeferson Miola: Lula balizou o debate mundial sobre o genocídio palestino

Até os governos cúmplices têm consciência da monstruosidade

Política

Chris Hedges: Apelo final de Julian Assange para evitar a extradição

Julian expôs aquilo que o império dos EUA procura varrer da história.