Marcelo Zero: Lula é a voz da razão; é preciso escutá-la

Tempo de leitura: 4 min
Os presidentes Lula, do Brasil, e Pedro Sánchez, da Espanha, em declaração à imprensa nesta quarta-feira, 26/04, no Palácio da Moncloa, em Madri, Foto: Ricardo Stuckert/PR

Lula é a voz da razão

Por Marcelo Zero*

George Bernard Shaw afirmou que a paz não é apenas melhor que a guerra, mas infinitamente mais árdua.

Lula que o diga.

Sua proposta de buscar uma paz para o terrível conflito na Ucrânia é, com grande frequência, mal entendida e criticada por quem defende ambos os lados da guerra.

Assim, quando o Brasil, já sob o governo Lula, votou por condenar a invasão da Ucrânia na Assembleia-Geral da ONU, houve uma chuva de críticas de indivíduos que viram naquele voto, que reiterava posições anteriores, um “retrocesso”, um “abandono da neutralidade” e, uma “concessão aos EUA e aliados”.

Por outro lado, toda vez que Lula observa que a Rússia não é a única culpada pela guerra e que os EUA e aliados deveriam incentivar menos o conflito e se empenhar mais na obtenção da paz, o mundo vem abaixo e logo surgem as acusações de que o presidente brasileiro é pró-Putin e um apoiador da “agressão”.

A histeria impera. O grande Celso Amorim, por exemplo, foi obrigado a ouvir um conhecido comentarista exigir, aos berros, que ele deveria ter visitado a Ucrânia, na mesma viagem em que Amorim fez uma visita à Rússia. A logística impossível pouco importava.

Costuma-se dizer que a primeira vítima da guerra é a verdade. Na realidade, a primeira vítima é a razão. A guerra gera, com frequência, um nevoeiro de ódio que cega qualquer racionalidade.

Mas a busca da paz não pode prescindir, sobretudo, da razão.

A insistência em julgamentos morais simplórios, com base em uma interpretação muitas vezes parcial e enviesada dos acontecimentos históricos que levaram ao presente conflito, não será capaz de conduzir à paz ou, ao menos, a um cessar-fogo.

Com efeito, se parte-se do pressuposto de que a Rússia é uma potência agressora que invadiu a Ucrânia sem nenhum motivo, e que, portanto, todos os países deveriam apoiar o esforço de guerra dos ucranianos, a paz não tem a menor chance de prosperar.

Ao contrário, a guerra tende a se alastrar e se aprofundar, com consequências nefastas para todo o mundo.

Se essa guerra antepõe, de forma maniqueísta, o Bem contra o Mal, como querem vastos setores desinformados da nossa mídia, então trata-se de uma guerra santa, que só poderá ser encerrada quando o primeiro derrotar inequivocamente o segundo.

Mesmo que isso signifique, no limite, a Terceira Guerra Mundial.

Ora, a primeira pré-condição óbvia para que se chegue a um armistício é reconhecer a Rússia como um interlocutor legítimo. Se isso não for feito, e se Putin continuar a ser caracterizado como um demônio perverso, não haverá processo de paz.

É por isso que Lula e a diplomacia brasileira, embora tenham condenado sistematicamente a invasão a Ucrânia como uma clara violação da Carta das Nações Unidas, evitam posicionamentos desequilibrados que impeçam a busca racional do diálogo e das negociações.

EUA e alguns aliados europeus parecem, muitas vezes, não querer escutar a razão dos que buscam a paz.

Nem todos, porém.

José Luis Zapatero acabou de publicar um magnífico artigo, no El País, intitulado Escuchem a Lula da Silva.

Nesse artigo, Zapatero afirma, com toda razão, que é necessário

“reafirmar e atualizar os princípios fundadores das Nações Unidas, da Carta de São Francisco e, de forma singular, desse ambicioso programa comum representado pelos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), que constituem seguramente o compromisso mais exigente que a comunidade internacional já conseguiram. É impensável que se possa avançar no seu cumprimento num clima de confrontação e guerra fria. Os ODS pedem diálogo, cooperação e estabilidade global.”

Pois bem, esse projeto de longo prazo de multilateralismo, paz, cooperação e equidade global é, afirma Zapatero, um projeto de Lula.

Segundo esse notável ex-mandatário espanhol,

“desde que iniciou seu terceiro mandato, o presidente Lula promoveu uma nova conjuntura política global. No pouco tempo decorrido, ele afirmou, em sua visita aos EUA, um diálogo construtivo com o presidente Joe Biden; ratificou sua atitude de colaboração com a China e os BRICS; recebeu o chanceler alemão; formulou uma proposta de paz para a Ucrânia com a criação de um G-20 para esse fim; ele conversou com o presidente Volodímir Zelenski; e seu assessor especial, o respeitado diplomata Celso Amorim, se reuniu com Vladimir Putin.”

Zapatero conclui seu artigo com a seguinte passagem:

“Na noite de 30 de outubro do ano passado, dia da vitória eleitoral de Lula, ouvi estas palavras dirigidas aos convidados que vieram a São Paulo para apoiá-lo: ‘Não merecemos uma nova guerra fria e não vamos aceitar isso. Não merecemos tanta pobreza e desigualdade no mundo e vamos mudar isso’. Quem tem essas convicções, em um momento como o atual, e à frente de um país como o Brasil, por sua vez, merece todo o nosso encorajamento e apoio, o dos defensores do diálogo político, da ação decidida em prol da paz e do compromisso com os esquecidos para sempre.”

Felizmente, a avaliação de Zapatero sobre Lula não é isolada.

Na realidade, a maior parte dos países do mundo não quer se envolver nessa perigosa guerra e deseja sinceramente que ela acabe logo, antes que se transforme em um conflito de grandes proporções.

Nesse sentido, Lula está, corajosamente, dando voz à maior parte da comunidade internacional, que não está cega de ódio e que procura soluções racionais para pôr fim à guerra.

Lula é, nesse momento, a voz da razão.

É preciso escutá-la.

*Marcelo Zero é sociólogo e especialista em Relações Internacionais.

Leia também:

Roberto Amaral: O Brasil e a disputa pela hegemonia global

Marcelo Zero: Explicações indispensáveis para entender o conflito na Ucrânia e a posição do Brasil

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

.
.
“A cobertura do JN sobre Lula e a Ucrânia demonstra
a importância do ‘seed money’ [Capital ‘Semente’/Inicial]
que o Henry Luce, conhecido por sua ligação com a CIA,
teve ao investir na TV do Roberto Marinho.
Garantiu um papagaio [empréstimo] do Departamento
de Estado por mais de meio século!”

https://twitter.com/luizazenha23/status/1651399524202496002
.
“Henry Luce, dono das revistas Time e Life,
era propagador das ideias da CIA.
Por que [a Time Life] investiu dólares para fundar a Globo?
É só ligar o JN ainda hoje e você entende.”

https://twitter.com/luizazenha23/status/1651400168221147137
.
.

Deixe seu comentário

Leia também