VIOMUNDO

Diário da Resistência


Marcelo Zero: Guerra na Venezuela pode até não acontecer, mas o Brasil, com o governo Bolsonaro, já está em guerra contra si
Política

Marcelo Zero: Guerra na Venezuela pode até não acontecer, mas o Brasil, com o governo Bolsonaro, já está em guerra contra si


22/02/2019 - 19h45

Guerra

por Marcelo Zero

Na Venezuela, montou-se o cenário ideal para uma operação “false flag”.

Operação false flag ou operação de falsa bandeira são operações conduzidas por governos ou grupos que visam culpar “inimigos” pela violência cometida, criando-se, assim, condições propícias para a derrubada de regimes ou para a deflagração de conflitos.

A história está cheia de exemplos de operações desse tipo.

Um exemplo clássico é o Incidente de Mundken ou Incidente da Manchúria. Em 1931, o Japão que ocupava a Manchúria e estava interessado em ocupar o resto da China, explodiu um setor de uma ferrovia japonesa e culpou ativistas chineses pelo crime.

Isso serviu de pretexto para a ulterior invasão e ocupação da China.

O incidente do Golfo de Tonquim, que justificou a escalada bélica dos EUA no Vietnã, é outro exemplo clássico de operação de falsa bandeira.

Entretanto, uma operação desse tipo na Venezuela se assemelharia mais à famosa Operação Ajax, perpetrada pelo EUA e o Reino Unido contra o governo legítimo do iraniano Mohammed Mossadegh, em 1953.

Mossadegh havia nacionalizado o petróleo iraniano, em 1951. Isso despertou a ira de britânicos, proprietários da Anglo-Persian Oil Company e de seus aliados norte-americanos.

À semelhança da Venezuela de hoje, a operação começou com um boicote contra o petróleo iraniano e a um cerco econômico e comercial contra o Irã. Isso criou uma crise econômica que ocasionou desabastecimento de produtos essenciais.

Mais tarde, a CIA e o serviço secreto britânico (MI-6) contrataram um “rei” farsante e títere, o Xá Reza Pahlevi, para nomear, por “decreto real”, um governo alternativo liderado por Fazlollah Zahedi, um general que havia sido Ministro do Interior de Mossadegh.

Zahedi, o Guaidó iraniano, mandou o Coronel Nematollah Nassiri, da Guarda Imperial, força de elite, prender Mossadegh. Contudo, Mossadegh, que ainda tinha apoio popular e de setores das forças armadas, resistiu e encarcerou Zahedi.

O Xá fugiu do país e o golpe pareceu ter fracassado.

No entanto, 4 dias depois, em 19 de agosto, a CIA e o MI-6 lançaram outra ofensiva.

Segundo documentos da própria agência norte-americana, a CIA contratou bandidos e mafiosos de Teerã para promover distúrbios contra Mossadegh.

Além disso, foram contratadas também “caravanas” que marchariam do interior do país até Teerã para exigir a renúncia de Mossadegh e o fim da carestia.

O resultado foi um conflito que resultou na morte de pelo menos 800 pessoas, a maioria pelas mãos dos mafiosos contratados pela CIA. No mundo inteiro, porém, foi difundida a notícia de que o “ditador” Mossadegh havia “massacrado” seu próprio povo.

Em consequência, ele foi preso e condenado.

Assim, o Xá Pahlevi assumiu o poder, com o apoio dos EUA e do Reino Unido, voltou a abrir a exploração petrolífera ao Ocidente e instaurou uma das ditaduras mais sanguinárias da História.

Pois bem, no dia 23 fevereiro, ou nos dias imediatamente posteriores, pode acontecer, na Venezuela, algo semelhante ao acontecido no dia 19 de agosto de 1953, no Irã.

Segundo informações dos serviços de inteligência venezuelanos, a CIA já teria contratado, em dólar, os “serviços” de bandidos venezuelanos para promoverem distúrbios e atos de violência armada.

Além disso, grupos de paramilitares colombianos já estariam infiltrados nas planejadas “caravanas humanitárias”, uma das quais chegaria até a fronteira com o Brasil.

De acordo com informações da chancelaria russa, os EUA pretendem fazer penetrar “forças especiais” (comandos) em território venezuelano, por meio das “caravanas humanitárias”.

A ideia é gerar distúrbios, inclusive com mortes, para aumentar a pressão interna contra o governo de Maduro ou mesmo para justificar, se necessário, uma intervenção militar contra a Venezuela.

Saliente-se que, no golpe contra Chávez, ocorrido em 2002, essa tática foi usada pelos golpistas.

Grupos armados da oposição atiraram contra as multidões que se manifestavam contra ou a favor de Chávez.

A mídia, que apoiava o golpe, difundiu as imagens dos grupos armados como se fossem “chavistas que disparavam contra o povo”.

As escaramuças já começaram. Opositores a Maduro “denunciam” que uma mulher venezuelana teria sido morta na fronteira com o Brasil. Isso poderia ser apenas o começo.

Mesmo que tal não venha a ocorrer, e esperamos que não ocorra, a “ajuda humanitária”, planejada pelos EUA, não tem nada de humanitária. Visa somente o objetivo político de derrubar o governo eleito da Venezuela.

O governo venezuelano, diga-se de passagem, já solicitou oficialmente ajuda humanitária, autêntica ajuda humanitária, pelo canal competente, a ONU. Já foi enviada a lista dos produtos de que a Venezuela realmente precisa.

Evidentemente, a autêntica ajuda humanitária não virá de quem provoca a “crise humanitária”, com boicote financeiro, econômico e comercial, tal qual aconteceu no Irã.

Como no Irã, em 1953, o circo foi armado para a derrubada de um regime que coloca em risco o suprimento de petróleo para os EUA e o Ocidente.

A Venezuela, até mesmo em razão do boicote econômico dos EUA, já comprometeu parte de suas reservas para a China, que ofereceu em troca empréstimos expressivos.

A Rússia, que também fez empréstimos para a PDVSA, tem, da mesma forma, interesses econômicos fortes na Venezuela e uma robusta cooperação na área militar.

Portanto, e ao contrário do que aconteceu com o Irã na década de 1950, a Venezuela tem aliados poderosos.

Isso ocasiona risco de internacionalização do conflito interno da Venezuela, o que poderia transformar a América do Sul, uma região pacífica, sem conflitos geopolíticos e com fronteiras consolidadas, numa espécie de novo Oriente Médio.

Por conseguinte, os cenários possíveis são muitos e imprevisíveis.

E em todos eles, o grande perdedor, além do povo venezuelano e da paz, será o Brasil.

O Brasil era quem mais lucrava com uma Venezuela estável e independente, membro pleno do Mercosul.

Contudo, ao se submeter ideologicamente ao belicoso “trumpismo”, ignorando seus próprios interesses, o Brasil renunciou a ter qualquer presença e influência em nosso vizinho.

No Brasil, é o próprio governo que promove uma operação de falsa bandeira. Com Bolsonaro, o Brasil tornou-se inimigo de si mesmo.

Em vez de manifestar respeito real à bandeira do Brasil, temos um governo que bate continência para a bandeira dos EUA e que se submete ao Comando Sul.

Poderá não haver uma guerra na Venezuela, mas o Brasil, com esse governo, está em guerra contra si.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

antonio de azevedo

02 de março de 2019 às 21h11

TRUMP, VENEZUELA E CORÉIA DO NORTE

Você já se perguntou: o que faz o governo de Trump tratar a Coréia do Norte e a Venezuela de forma tão diferente? Enquanto os norte-coreanos dominam a tecnologia para, em pouco lapso, contruir artefatos nucleares e aplicá-los em mísseis de longo alcance aptos a atingir a parte continental dos EUA; a Venezuela faminta e em ruínas, possui o petróleo mas capenga para diminuir a fome do seu povo e já não sabe mais o que fazer para deslegitimar Juan Guaidó, presidente autoproclamado dos venezuelanos. Aliás, o momento é propício para o Brasil ensaiar, aprender e praticar, do mesmo modo que o governo de Trump, essa política de pequenas diferenças. E, dessa forma, repensar o seu posicionamento para a América Latina e para o Mundo; mudar e assumir um discurso do tamanho de sua grandeza e, sobretudo, incentivar, defender e investir com urgência urgentíssima em pesquisas que ajudem a dominar por completo a tecnologia do átomo, por consequência, fabricar imediatamente a bomba atômica, em seguida a bomba de hidrogênio. Nesse sentido, será dado o primeiro grande passo para a transformação real, justa e necessária do país num Brasil Grande, soberano, livre e detentor de tecnologia nuclear para garantir de fato a paz atômica – vide o exemplo atual do Paquistão e da Índia – os dois países possuem armas atômicas e disputam a Caxemira, entretanto, nenhum deles é “louco” o suficiente para dar o primeiro tiro. Ou seja, a posse de artefatos nucleares colocará o Brasil no rol dos países que não podem simplesmente ser invadidos, atacados ou agredidos. Nesse sentido, artefatos nucleares são a garantia segura e concreta da soberania e da liberdade de toda uma nação, e de quebra funciona como medida eficaz, dissuasora, defensiva e mediadora de conflitos internacionais dominado por países imperialistas, onde as pequenas diferenças, como possuir uma bomba nuclear, acaba ditando o rumo das coisas, de forma a celebrar a paz entre os povos e definitivamente permitir o equilíbrio de forças entre as nações. Dessa forma, os ensinamento de Sun Tzu, no livro “A arte da Guerra”, são mais atuais do que nunca, ou seja: “A suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar”. Acorda Brasil!

ANTONIO SERGIO NEVES DE AZEVEDO – Estudante, Curitiba – Paraná.

Responder

Jardel

25 de fevereiro de 2019 às 22h40

Quem poderia imaginar que o Golpe de 2016 desaguaria na eleição de um débil mental e, que esse débil mental colocaria o País à beira de uma guerra?
Acho que nem os bosominions que acreditaram que o Haddad queria distribuir mamadeira com formato de piroca, imaginariam isso.
Se a intervenção militar no Rio de Janeiro, para não fazerem merda nenhuma, gastou 3 bi, eu fico aqui pensando quanto custaria uma guerra contra a Venezuela apoiada pela China e Pela Rússia.
Se o presidente débil mental está disposto a gastar fortunas nisso aí, por que deveríamos aceitar a cruel reforma de Previdência?

Responder

Julio Cesar

24 de fevereiro de 2019 às 10h24

Bolsonaro, é o presidente disfuncional de um Brasil de Forças Armadas disfuncionais. Ele é um ultraje a inteligencia de quem tem a compreensão do significado de ser cidadão de uma patria que deverua ser soberana e independente chamada Brasil.

Responder

Era do Boçais

24 de fevereiro de 2019 às 00h14

não temos nada com que se preocupar. O pai Trump mandará o tanto de tropa que precisar para defender o Brasil e ficar tudo para ele

Responder

    Jardel

    25 de fevereiro de 2019 às 22h44

    Ah, tá… E a Rússia e a China não mandarão nada, né?
    Já combinaram com os Russos?

Zé Maria

23 de fevereiro de 2019 às 01h14

Olha só o prejuízo que essa insanidade fascista do (des)governo do braZil
está causando à atividade econômica no estado de Roraima:

“Hoje Roraima é o único estado do Brasil que não está
interligado ao Sistema Nacional de Energia Elétrica.
Nós temos 50% da energia vindo da Venezuela,
outros 50% por termoelétrica, por óleo diesel,
e hoje nós não temos energia suficiente para abastecer Roraima
sem que chegue energia da Venezuela”, afirmou o governador.

Ainda de acordo com o governador de Roraima, o estado também recebe fertilizantes e calcário da Venezuela
e, se a fronteira for fechada, o abastecimento da agricultura
será prejudicado.

“Nós somos importadores de fertilizantes, de calcário da Venezuela,
o que pode atrapalhar também o abastecimento de calcário
para a nossa próxima safra e nosso próximo plantio que se inicia
agora no mês de maio e junho”, declarou.

Responder

Zé Maria

23 de fevereiro de 2019 às 01h02

O Exército de imbecis do Reverendo Araújo forçaram o fechamento
da Fronteira da Venezuela com as cidades de Pacaraima e Santa Helena
no Estado de Roraima.

Resumo: Não tem Posto de Combustível do Lado Brasileiro.

O Governador de Roraima, do Partido de Bolsonaro (PSL),
afirmou com preocupação que as cidades do estado
terão Problemas de Abastecimento de Combustível:

“Em Pacaraima nem há postos de combustível
porque a gasolina na Venezuela é muito barata,
o valor é irrisório.
E, se por acaso for fechada a fronteira, tanto Pacaraima e Santa Helena
também podem ter problemas de abastecimento”,
declarou o Governador do PSL-RR.

Responder

Zé Maria

22 de fevereiro de 2019 às 23h58

O Trump emplacou 2 HashTags (#)
nos Trending Topics do Twitter braZil

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!