VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Macri toma surra de 15 pontos, é esmagado na província de Buenos Aires e Kirchner deve voltar ao poder na Argentina
Foto Wikipedia
Política

Macri toma surra de 15 pontos, é esmagado na província de Buenos Aires e Kirchner deve voltar ao poder na Argentina


12/08/2019 - 00h32

Da Redação

Nenhuma pesquisa eleitoral tinha previsto uma vitória tão ampla: a Frente de Todos, de Alberto Fernández e Cristina Kirchner, tinha uma vantagem de 15% na disputa contra o Juntos pela Mudança, de Maurício Macri-Miguel Ángel Pichetto, nas primárias da Argentina, com 85% dos votos contados.

É um bom termômetro do que pode acontecer nas eleições presidenciais de outubro.

Alberto Fernández foi chefe de gabinete de Néstor Kirchner. Cristina, viúva do ex-presidente, cedeu a cabeça de chapa numa composição para não dividir o principal grupo de oposição.

Na província de Buenos Aires, a governadora María Eugenia Vidal, aliada de Macri, perdia do ex-ministro da Economia Axel Kicillof, aliado dos Kirchner, por 49% a 32%.

A vantagem é considerada praticamente irreversível.

A província responde por 40% dos votos nas eleições presidenciais.

“Hoje a Argentina deu um veredito. Mudemos, mas mudemos para um caminho melhor”, afirmou Cristina Kirchner quando se concretizou a vantagem de sua chapa, segundo o diário conservador El Clarín.

Cerca de 75% dos eleitores compareceram.

Os outros candidatos que estavam a caminho de se classificar para as presidenciais de 27 de outubro são Roberto Lavagna e Juan Manuel Urtubey (Consenso Federal), com 8,39%; a Frente de Izquierda Unidad, 2,88% (Nicolás del Caño e Romina del Pla), a Frente Nos (Juan Goméz Centurión e Cynthia Hotton), com 2,64% e José Luis Espert (Despertar), 2,23%.

As chapas precisam obter ao menos 1,5% dos votos para constar na cédula.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

lulipe

13 de agosto de 2019 às 08h13

A Argentina será a próxima Venezuela, mas todo castigo para os hermanos é pouco!

Responder

Zé Maria

13 de agosto de 2019 às 02h19

https://viapais.com.ar/argentina/1198937-paso-2019-el-resultado-de-las-elecciones-presidenciales-en-vivo/

Vía País – 12/08/2019

PASO 2019: finalizado el escrutinio provisorio, Alberto Fernández se impuso por una ventaja de 15,57 puntos

El Frente de Todos, representado por el binomio Alberto Fernández-Cristina Fernández de Kirchner, se impuso en las PASO de este domingo con el 47,65% de los votos, con una ventaja de 15,57 puntos, equivalente a 3,8 millones de sufragios, sobre la fórmula Mauricio Macri-Miguel Ángel Pichetto, con la que compitió el oficialismo.

Finalizado el escrutinio provisorio con el 98,67% de las mesas escrutadas, el Frente de Todos se impuso en las primarias abiertas, simultáneas y obligatorias con una rotunda victoria que dejó en segundo lugar al oficialismo, tanto a nivel nacional como en la provincia de Buenos Aires, un distrito clave, donde la gobernadora María Eugenia Vidal fue derrotada por Axel Kicillof, con 20,77 puntos de diferencia.

Responder

    Zé Maria

    13 de agosto de 2019 às 12h44

    PASO = Primarias, Abiertas, Simultáneas y Obligatorias (Argentina)

    Em resposta pública a Jair Bolsonaro,
    Alberto Fernández afirmou o seguinte:

    “Com o Brasil, teremos uma relação esplêndida.
    O Brasil sempre será nosso principal sócio.
    Bolsonaro é uma conjuntura na vida do Brasil,
    como Macri é uma conjuntura na vida da Argentina”

    “Agora, em termos políticos, eu não tenho nada a ver com Bolsonaro.
    Comemoro enormemente que fale mal de mim.
    É um racista, um misógino, um violento…
    O que eu pediria ao presidente Bolsonaro é que deixe Lula livre
    e pediria que se submeta a eleições com Lula em liberdade”.

    https://exame.abril.com.br/mundo/candidato-opositor-na-argentina-defende-lula-e-chama-bolsonaro-de-racista/

Zé Maria

12 de agosto de 2019 às 14h45

“A vitória da chapa Alberto Fernández-Cristina Kirchner
nas prévias presidenciais é uma luz no fim do túnel para o povo
argentino e para a América Latina e um enorme alento
para todos que lutamos pela democracia.
Triunfo animador das forças progressistas sobre o neoliberalismo”

Dilma Rousseff
Presidente do Brasil (2011-20XX)
Eleita pelo Voto Popular Direto
E Derrubada no Golpe de 2016

https://twitter.com/dilmabr/status/1160911972931723264

Responder

Zé do rolo

12 de agosto de 2019 às 01h26

Isso é o eleitorado da argentina fazendo a devida correção do erro de ter colocado a extrema direita no poder.

Responder

Jamilly kessia

12 de agosto de 2019 às 01h23

Isso significa que a extrema direita corrupta está sendo extinta da argentina e consequentemente em nosso Brasil.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.