Lula parte para cima da Globo e promete enfrentar o candidato “que tenha um plim plim no peito”; veja o vídeo

Tempo de leitura: 2 min

Lula: “Não vou permitir que a Globo continue mentindo”

Junto com Pepe Mujica, do Uruguai, ex-presidente abriu o 6º Congresso Estadual do PT em São Paulo

Lula.com.br, publicado em 05/05/2017

Na abertura do 6º Congresso Estadual do PT de São Paulo, na noite desta sexta-feira (5), em São Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que está com mais disposição em disputar as eleições presidenciais em 2018 do que jamais esteve, inclusive a primeira vez em que concorreu ao cargo, em 1989. Alvo de uma perseguição jurídico e midiática que já dura mais de dois anos, Lula desabafou:

“Eles conseguiram aflorar em mim, aos 72 anos, uma coisa que eu pensei que já havia passado. Agora, que resolveram tentar destruir uma biografia, que eu não devo a eles, que só devo ao povo, terão que me enfrentar outra vez nas ruas deste país”, disse o ex-presidente, que completou: “Não vou permitir que continuem mentindo. Tudo o que eu desejo na vida é disputar as eleições contra o candidato da Rede Globo de Televisão”, anunciou Lula.

Ainda dentro da mesma temática, o ex-presidente concluiu: “Não foram poucos os almoços e conversas que tive com a família Marinho (dona da Rede Globo). Eles nunca nos respeitaram. Quero que eles tenham um candidato que tenha um plim plim no peito, para nós dizermos com todas as letras: nós vamos regulamentar a comunicação neste país. Não é possível que existam nove famílias que sejam donas de todos os maiores meios de comunicação da nação”.

Aproveitando a presença do ex-presidente do Uruguai Pepe Mujica, Lula falou dos desafios que envolvem não só o Brasil, mas toda a América Latina: “É verdade que a direita está assumindo uma postura de retomar à força o espaço perdido para a esquerda neste século, inclusive com o golpe vergonhoso dado em cima do PT e da presidenta Dilma Rousseff. O que a gente percebe é um avanço internacional da extrema direita e da direita, e é preciso resistir.”

Falando a uma plateia de filiados petistas, Lula afirmou:  “Eu agradeço por acordar vivo, pelo dia que tive e quando, vou deitar, peço a Deus que me deixe acordar de novo, porque tenho que ver vocês todo santo dia. E eu, com toda esta fé, nunca estive com tanto tesão para concorrer à Presidência”. O ex-presidente Mujica também falou durante o evento do PT.

O ex-presidente do Uruguai, em sua fala, destacou os traços comuns existentes em todos os países da América Latina. “Somos o continente mais rico em recursos naturais, mas o mais injusto que há em cima da Terra. Temos que nos dar conta que há uma batalha continental, e a responsabilidade do Brasil também é continental.”

De acordo com o líder do país vizinho, “há uma direita fascistoide que quer confrontação com as forças progressistas em todo o mundo, para reduzir os direitos conquistados por meio da luta de classe”. “É preciso tomar cuidado para não cair no ódio”, alertou o uruguaio, que passou 14 anos como preso político em seu país antes de se tornar presidente.

Veja também:

A entrevista de Mujica às mídias alternativas

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Julio Cesar

Uma coisa é certa, se o Lula estiver prestando atenção nos blogs que o apoiam ele ja deve saber que tem gente nos mais diversis partidos dispostos a fazerem a diferença para beneficiar o povo. Todos dignos de receberem poder ministerial em um governo progressista. Tem o Ciro, o Requião, o Damous, o Flavio Dino, e outros politicos dispostos a fazerem o enfrentamento legal e inteligente contra essa mafia corrupta que se intranhou no corpo do estado para sugá-los diretamente com o sangue indireto do povo. Como os Globo Marinhos. Esse então formaram uma equipe de capitães do mato certamente inspirados nos extintos. Esses merecem alguem especialmente destacado, um especialista, atencioso, para lhes conter, e colocá-los no seu devido lugar.

Leleco

Lula demorou pra sacar…Brasil / Democracia / Projeto de Nação –
Nada a Ver com a Globo…
Se o contraponto eram os tucanos , com o príncipe à frente , como hoje derreteram-se , caso ocorram eleições , de um lado teremos Lula ou quem ele indicar e do outro… o candidato da Globo. Será uma eleição didática para o povo brasileiro. Finalmente !

Messias Franca de Macedo

… Bem que o DEMoTucano ‘mor(t)o’ poderia ser o candidato do plim plim!
Aí, sim, “acerto de contas”!

***

O “Direito Morano”

POR FERNANDO BRITO · 07/05/2017

A propósito do que postei mais cedo, sobre o ineditismo do “apelo” de Sérgio Moro pelo Facebook, um interessante resumo feito pelo pesquisador da Universidade de Brasília Fernando Horta sobre “algumas novidades do direito introduzidas pelo pretor de Curitiba”:
– intimação de advogado por SMS
– prazo de oito horas para apresentar defesa
– intimação de cia aérea para verificar se advogado viajou em dia de audiência não ocorrida
– televisionamento ao vivo de audiência sob sigilo legal
– prisão provisória de 3 anos
(…)
– pedidos de “apoio da mídia” para coagir réus
– aceitação de delações premiadas depois de exarada sentença
– vazamentos de conversas sigilosas para redes de televisão
(…)
No século XIX nossos juristas e nosso imperador emendaram o livro “o espírito das leis” e criaram um quarto poder (o poder moderador). “Jênios”. Agora um juiz brasileiro “revoluciona” o direito no mundo … E sua corte superior chancela tudo, dizendo que “é um caso de exceção”. O direito agora tem jurisprudência defendendo o casuísmo, a norma ad hoc e o “in dubio contra a esquerda”.
Talvez você devesse ler sobre a “lei em movimento” e o juiz Roland Freisler que serviu ao nazismo.
Moro é um caso a ser objeto de estudos mundiais. Sobre o que, claro, deve ser evitado a qualquer preço pela Justiça, se ela quer manter este nome.

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.tijolaco.com.br/blog/o-direito-morano/#comment-373645

Mirtes Cohen

Temer está acabando com o Brasil. Lula precisa receber todo o apoio.

Governo Temer/PSDB venderá ações do Banco do Brasil para pagar dívida com os banqueiros

Diário da Causa Operária

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou na sexta-feira (5) que dará início a venda de ações do Banco do Brasil detidas pelo Fundo Soberano no valor de R$ R$ 3,54 bilhões. Para o governo da direita e a imprensa capitalista a medida serve para “ajudar o governo a tentar antingir a sua meta fiscal para 2017” (G1, 05/05/17), na verdade esses recursos visam beneficiar a especulação financeira, os bancos, os monopólios capitalistas, o sistema financeiro internacional, ou seja, o imperialismo.

Ao vender todas as ações do Banco do Brasil que integram os recursos do Fundo Soberano aplicados no Fundo Fiscal de Investimentos e Estabilização (FFIE), o governo vai acabar com o Fundo.

O Fundo Soberano foi criado em 2008 com “as finalidades de promover investimentos em ativos no Brasil e no exterior, formar poupança pública, mitigar os efeitos dos ciclos econômicos e formentar projetos de interesse estratégico do País localizados no exterior”, (Art. 1º da Lei nº 11.887, de 25 de dezembro de 2008), e segundo a própria lei em seu art. 2º especifica que os recursos serão utilizados exclusivamente para investimentos e inversões financeiras nas finalidades previstas no art 1º desta Lei.

Esse roubo do governo golpista de Michel Temer aos cofres públicos é mais uma evidência de que toda a política econômica está voltada para que os banqueiros nacionais e internacionais não sejam atingidos pela crise: são bilhões de reais que o goveno repassa para os capitalistas através do pagamento da dívida pública. Ano passado o Banco Central entregou para os banqueiros R$ 229,4 bilhões relativos à dívida pública brasileira. A transferência de todo o recurso do Fundo Soberano vai nesse mesmo sentido. Em nome de cumprir a meta fiscal deste ano a idéia é o repasse de R$ 42,1 bilhões para os parasitas capitalistas.

Ao banqueiro tudo, ao povo nada.

João Luiz

Tenha próximo à mão nosso santo adesivinho do PT (sem estrela). Cole para todo quanto é lado.

PREGUE no peito aquele distribuído durante o Carnaval de Belo Horizonte, com foto da Coração Valente© (nossa dilma).

Ao fazer isso, você companheiro, generosamente, irá receber um pacote, em casa, com uma excelente coleção de discos e músicas clássicas de Sertanejo Universitário (a música ??? do PT — não somos barangos, tá?). Tal pacote vai assinado por:

Marcelo Odebrecht, João Vaccari, João-o-Milionário-Santana, dilma, Rui Falcão, Luciana Genro, Pimentel e Haddad (o Por*ra-Louca de Sampa).

Que preciosidade, hein?! Do PT!

Alípio

O que Nassif sabe das acusações contra Lula
Xadrez dos processos de Moscou e de Curitiba
O Jornal de todos Brasis
SAB, 06/05/2017 – 21:09
Luis Nassif

http://jornalggn.com.br/noticia/xadrez-dos-processos-de-moscou-e-de-curitiba

Peça 1 – os processos de Curitiba e os de Moscou
O interrogatório de Renato Duque lembra os processos de Moscou de 1938, onde foram condenados bolchevistas históricos como Lev Khamenev, Gregori Zinoviev, Nikolai Bukharin, Leon Trostsky, Leon Sidov (filho de Trotsky), todos condenados à morte após confissões. Trostsky e seu filho fugiram antes.

As confissões eram montadas e extraídas sob tortura, mas proferidas perante um juiz togado, obedecidos todos os procedimentos legais, com os interrogados em postura de arrependimento e humildade,.


Aliás, o mesmo modelo adotado pela ditadura com a Globo, no início do Jornal Nacional. Depois de obter “confissões” sob tortura, gravava-se uma entrevista na qual o prisioneiro manifestava seu arrependimento. E as imagens iam ao ar pelo Jornal Nacional.

Repetiu-se o mesmo jogo com Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, e Renato Duque, ex-diretor da Petrobras.

Retransmitido dezenas de vezes pelo sistema Globo, as imagens mostram um homem destruído, no chão, o padrão clássico do interrogado sob tortura que diz o que o interrogador quer que diga. É inconfundível o cheiro de confissão montada.

Depois de ter € 20,5 milhões bloqueados por autoridades do Principado de Mônaco e da Suíça, no Banco Julius Baer, de Mônaco, em nome das offshores Milzart Overseas (€ 10,2 milhões) e Pamore Assets (€ 10,2 milhões), Duque diz que

“Para mim bastariam 10 milhões de dólares (…) eu não queria dinheiro para mim”.

E conclui com um:

– Gostaria de enfatizar meu interesse de assinar uma repatriação, o que for necessário, para que esse dinheiro venha e volte aí para quem de direito.

Se o roteirista fosse mais imaginoso poderia terminar a delação-confissão com um desinteressado

“gostaria de agradecer os bravos, honestos e patrióticos membros da Lava Jato pela oportunidade de me trazer de volta para as sendas do bem”.

Mas, onde as provas? Onde a verossimilhança.

Peça 2 – a delação de Renato Duque
A confissão de Renato Duque é de uma pessoa presa e acuada, com ameaça de ficar preso pelo resto da vida. Tem tanto valor quanto a confissão de um prisioneiro no pau de arara.

Vamos submetê-la ao filtro mais imediato: o teste de verossimilhança.

Duque e Dilma
Graça Foster foi indicada para a Petrobras por Dilma, com a missão específica de afastar diretores sobre os quais pairavam rumores de corrupção. Seu primeiro ato foi demitir Paulo Roberto Costa e Renato Duque.

Todos os depoimentos sobre Dilma Rousseff, mesmo de adversários ou delatores, jamais atestaram qualquer abertura dela com terceiros, qualquer declaração minimamente íntima. E nenhuma intimidade tinha especialmente com o círculo que se aproximou do poder através de José Dirceu.

Pela delação, Duque pediu demissão espontaneamente e foi convocado por Dilma, que teria pedido:

“Você tem que ficar porque será o nosso arrecadador”.

E nosso bravo delator disse não.

Duque e Lula
Segundo Duque, o diálogo com Lula teria sido o seguinte:

Lula – A Dilma tinha recebido a informação de que um ex-diretor da Petrobras tinha recebido dinheiro da CBM

Duque – Não, não tenho dinheiro da SBM. Nunca recebi dinheiro nenhum da SBM,

Lula – E as sondas? Tem alguma coisa?

Duque – Não, também não tem.

Lula – Olha, preste atenção: se tiver alguma coisa, não pode ter. Não pode ter nada no seu nome, entendeu?

Por tudo o que se sabe de Lula, em 37 anos de vida pública jamais se abriu com alguém de fora de seu círculo pessoal. E Duque nunca foi de seu círculo.

Duque diz que Lula “sabia de tudo” e era o “comandante do esquema”.

Ora, o objetivo principal de um esquema de corrupção é obter dinheiro. Como então o chefe desse esquema pergunta a um personagem secundário aonde está o dinheiro? E não sabe se o pagador pagou e nem se tinha que pagar, não sabe o que foi combinado, como o combinado foi pago e se foi pago onde está o dinheiro. E, no entanto, mesmo sendo do círculo secundário da corrupção, Duque “sabia” que um terço do dinheiro ia para o PT, outro terço para Lula e outro terço para Dirceu.

Em outro trecho, diz Duque, segundo o padrão de jornalismo Veja:

· Lula operava em favor das empreiteiras e definia percentuais de propina.

· Lula mantinha uma agenda de encontros nos quais cobrava pessoalmente a liberação de dinheiro para as empreiteiras.

· O ex-Ministro José Dirceu e Lula planejavam dividir com o PT uma cota da propina que poderia chegar a US$ 200 milhões.

Até é possível que Lula tenha cruzado com Duque no hangar da TAM. Mas a conversa não faz sentido.

Mesmo aceitando como verdadeiro o diálogo relatado por Duque, o que se conclui é que:

1.Lula NÃO SABIA NADA, apenas desconfiava.

2.Pelas perguntas a Duque, Lula não estava em busca do dinheiro. Apenas fez uma advertência.

3.Se Lula não sabia nada sobre a) se houve comissão, b) se ela foi paga, c) onde foi paga e d) onde está o dinheiro, Duque deixou claro que Lula NÃO SABIA DE NADA, nem ele e nem Vacari.

4.Mesmo assim, Duque diz que sabia de tudo, até que o dinheiro era dividido pelo PT, por Dirceu e por Lula.

Peça 3 – Uma amostra da cartelização da manipulação da notícia

Todos os jornalões e sites de jornais repetiram o mesmo título.

Folha: “Ex-diretor da OAS diz que tríplex estava ‘reservado’ para Lula”

Estadão: “Ex-diretor da OAS afirma que tríplex estava ‘reservado’ para Lula”

Globo: ” Ex-diretor da OAS diz a Moro que tríplex estava reservado para Lula”.

G1: “Ex-Diretor da OAS diz a Moro que tríplex estava reservado para “Dona Mariza e o ex-presidente´”

As matérias se referiam ao depoimento prestado por um ex-diretor regional da OAS, Roberto Marinho Ferreira, responsável pelas benfeitorias realizadas na unidade.

Segundo a reportagem da Folha, Ferreira teria declarado o seguinte:

Ferreira disse que soube por meio de um diretor que havia uma “reserva específica”, para o ex-presidente, da unidade.

Segundo o réu, as chaves nunca foram entregues para Lula ou para Marisa Letícia e o apartamento está fechado desde a deflagração da sétima fase da Operação Lava Jato, que prendeu Léo Pinheiro no fim de 2014. A unidade permanece sob responsabilidade da OAS.

O ex-diretor regional diz que nada na reforma foi feito de “forma oculta” e que há notas fiscais de todos os gastos.

A manipulação das ênfases é apenas um dos aspectos desse jornalismo de guerra. Destaca-se o acessório ou tira-se uma frase do contexto e, pela maior visibilidade de manchete sobre o corpo da matéria, transmite-se a convicção de que o apartamento pertenceria a Lula.

Desde o início desse jornalismo de esgoto, mais explícito no período Veja de 2006 a 2014, uma das jogadas consistia em lançar pesadas acusações no ar, sem a apresentação de provas.

No início, o blefe pegava. Não se imaginava uma publicação com a história de Veja lançar denúncias de grande gravidade sem dispor de provas. Havia sempre a expectativa de que na edição seguinte apareceriam novas evidências, motivo pelo qual muitos seguravam as críticas. E as evidências jamais apareciam até se descobrir o fenômeno da pós-verdade assumida por toda a mídia corporativa.

Peça 4 – a metodologia de manipulação dos processos
O processo judicial exige provas. A delação só tem valor jurídico se acompanhada de provas. No caso de acusações por corrupção tem que existir o subornado, o subornador, e a prova do suborno – de um lado o pagamento, de outro lado o benefício.

Suponha que determinada empresa queira fazer um agrado a um ex-presidente. Por si, não é corrupção. Para caracterizar a corrupção tem que haver a contrapartida, amarrar o pagamento a um episódio específico.

O método de acusação da Lava Jato é tão óbvio quando o dos Processos de Moscou:

1.Levantam qualquer espécie de pagamento que possa ter sido feito a Lula, por palestras no exterior e aqui, para armazenamento dos presentes da Presidência, para financiamento do Instituto Lula – em tudo parecido com o que ocorreu com o Instituto Fernando Henrique Cardoso.

2.Levantam provas de corrupção na Petrobras.

3.A partir daí tentam forçar relações entre um caso e outro, em uma espécie de jogo de junte-os-pontos.

Ora, há pontos fundamentais para caracterizar a corrupção:

1.Provas cabais de entrega de dinheiro a Lula, por depósitos, contas no exterior ou em dinheiro vivo.

2.Provas cabais de enriquecimento patrimonial de Lula, como documentos provando posse de imóveis ou outros bens.

E aí a Lava Jato se enrola.

Contando com os mais potentes instrumentos de investigação da história – a NSA, FBI e Departamento de Justiça na cooperação internacional, os bancos de dados do Banco Central, Receita, Coaf, as interceptações telefônicas e as delações premiadas – a equipe da Lava Jato não conseguiu levantar uma prova sequer contra Lula.

As palestras tinham preço de mercado, inclusive tendo como um dos clientes a própria Globo. As palestras na África e América Latina obedeciam a propósitos comerciais das empreiteiras, de ter Lula como seu garoto-propaganda. Os favores pessoais foram feitos a um ex-presidente que, desde que deixou o poder, não teve o menor espaço no governo – porque tendo uma sucessora que fazia questão de exercer o poder absoluto, sem abrir espaço sequer para conselhos.

Houve favores também a filhos de Lula, a sobrinho da primeira mulher. Pela dimensão da ajuda, em contraposição ao valor da suposta corrupção, qualquer analista minimamente racional consideraria como mimos de empresas.

Daí o jogo midiático da Lava Jato, entupindo a mídia nativa com afirmações taxativas, com ilações sem o menor valor legal, para um público leigo, atendido por um jornalismo tão primário quanto ele, para quem seguir os procedimentos legais são “meras tecnicalidades” – como diz o texto da brilhante Eliane Cantanhede.

Peça 5 – os processos contra Lula
Hoje em dia, há três processos correndo contra Lula.

1.O do Power Point, que analisa três contratos da OAS com a Petrobras e tenta estabelecer relações com o triplex, que seria supostamente de Lula.

2.Os contratos da Odebrecht e o prédio do Instituto Lula,

3.A acusação de obstrução da notícia, a partir da delação do ex-senador Delcídio do Amaral.

Caso 1 – o triplex
Até agora foram ouvidas 73 testemunhas, 27 de acusação.

As últimas declarações de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS – atribuindo a Lula a propriedade do tríplex – não tem o menor valor legal. Leo depôs da condição de co-réu, Como tal, não depõe sob juramento e nem tem a obrigação de falar a verdade. Seu depoimento não tinha o menor valor para o processo. Mas foi tomado para garantir as manchetes do dia seguinte.

Os advogados conseguiram provas cabais da inocência do Lula, não só documental, mostrando o verdadeiro proprietários das propriedades, mas a testemunhal também. Todas as testemunhas inocentaram Lula.

O próprio administrador judicial – do pedido de recuperação judicial da OAS – já informou os credores que o imóvel em questão faz parte dos ativos em garantia.

Léo Pinheiro ainda não fechou a delação. Mas já admitiu não ter provas com base em uma desculpa padrão: Lula pediu para ele destruir todas as provas. E ele destruiu.

Segundo a acusação da Lava Jato, o triplex teria sido transferido para Lula no dia 7 de outubro de 2009. Esse é o dia em que foi selado o acordo entre a Bancoop e a OAS, para assumir a construção do edifício Solaris, sob a supervisão do Ministério Público Estadual e a Justiça estadual de São Paulo.

No dia 6 de novembro de 2009, o próprio Léo Pinheiro protocolou na Junta Comercial a escritura de uma emissão de debêntures incluindo o imóvel nos ativos da companhia. Ao contrário da sua confissão, a escritura de debêntures era encimada por um “declaro sob as penas da lei que as informações são verdadeiras”.

Dona Marisa possuía uma cota do edifício, adquirida em 2005. A tese da Lava Jato supõe que dona Marisa adquiriu a cota em 2005 sabendo antecipadamente que a obra seria transferida para a OAS em 2009 e o triplex seria transferido para ela, embora só ficasse pronto em 2014.

Fora os factoides, a Lava Jato não possui um documento sequer comprovando posse do tríplex por Lula, nenhum depoimento sustentando que ele tenha passado uma noite sequer no edifício ou recebido as chaves, menos ainda, as escrituras. Nada.

Caso 2 – o imóvel para o Instituto Lula
Até agora, 87 testemunhas sustentaram que o terreno em questão jamais foi de Lula ou do Instituto Lula.

A defesa de Lula está solicitando acesso aos documentos da Petrobras desde outubro do ano passado. Com os documentos, julgam provar que não houve nenhum ato ilícito.

Há, inclusive um de autoria da Price confirmando que não reportou nenhum ilícito de Lula, nem levantou nada que pudesse identificar as falcatruas cometidas.

Questiona-se, inclusive, as acusações de sobre preço. Ora, toda obra tem seguro e contratos de financiamento. Se havia sobre preço, como nenhuma instituição identificou?

A disputa jurídica tem sido desigual.

A procuradoria tem acesso a toda a documentação da Petrobrás há três anos, sem contar o serviço de inteligência da Polícia Federal e a assistência luxuosa da NSA, FBI e Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

A defesa, nenhum aceso. A Petrobras tornou-se assistente de acusação, não permitindo acesso a nenhuma ata societária.

Os advogados de Lula solicitaram perícia contábil e acesso às atas e documentos que entendem serem capazes de refutar integralmente as teses da acusação.

O juiz Sérgio Moro negou, alegando simplesmente que não tinha relevância.

Os advogados recorreram ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) que também indeferiu a prova pericial, alegando que seria muito alto o custo de xerocar todos os documentos.

Os advogados reforçaram o pedido e sugeriram consultar in loco os documentos e só xerocar os que fossem necessários, às suas próprias custas.

O tribunal concedeu. Inicialmente, o diretor jurídico da Petrobras concordou. Depois, voltou atrás. Alegou que a entrada de advogados causaria constrangimento aos funcionários da Petrobras. Depois, alegou sigilo estratégico.

Os advogados peticionaram a Moro, mas até agora não obtiveram nenhuma resposta.

Caso 3 – a obstrução da Justiça
Esse processo nasceu da delação do ex-senador Delcídio do Amaral, que descreveu – sem provas – um diálogo travado com Lula no qual ele supostamente teria manifestado interesse em calar Nestor Cerveró, um dos diretores-chave do esquema de corrupção.

Posteriormente, o próprio Cerveró declarou que apenas Delcídio tinha interesse em calá-lo. Mais tarde, Delcídio voltou atrás e declarou que sobre por terceiros que Lula teria informações sobre os esquemas de corrupção.

Faltam ainda 40 dias para terminar as diligências desse processo.

Peça 6 – a conclusão dos processos
Recentemente, o juiz Sérgio Moro tentou exigir a presença de Lula em todos os depoimentos de testemunhas arroladas pela defesa. A intenção foi induzir a defesa a diminuir a quantidade de testemunhas, porque, por lei, ele não tem o poder de recusar testemunhas.

O TRF4 derrubou essa exigência.

Os próximos passos, então, serão acabar de ouvir as testemunhas. Em seguida, encerra-se a instrução e há as alegações finais da defesa e da procuradoria.

Finalmente, abre-se um prazo para o juiz dar sua sentença e o caso ser encaminhado ao tribunal superior.

Mas o capítulo mais relevante acontecerá na próxima semana, no julgamento da liminar pedindo a libertação do ex-Ministro Antônio Palocci.

Ali se verá se o STF (Supremo Tribunal Federal) irá seguir a lei ou se curvar ao clamor da turba, a que se manifesta nas ruas, nas redes sociais e nos veículos da Globo.

James Gressler

Eles – moros e bolsonaros- que ponham no peito o japa da PF, o MBL. o cunha, FHC,o moro,
o bolsonaro,o dallaqualqercoisa, a jananaína. Ah, e uma panela tramontina.
E vamos ganhar no 1° turno pro 3° golpe iniciar mais cedo com aecim e tcu.

Messias Franca de Macedo

Depoimento de Renato Duque era a “bala de prata” de Moro que falhou

Por jornalista Esmael Moraes

5 de maio de 2017

(…)

FONTE [LÍMPIDA!]: http://www.esmaelmorais.com.br/2017/05/depoimento-de-duque-era-bala-de-prata-de-moro-que-falhou/

Messias Franca de Macedo

Egrégio e intrépido senador Roberto Requião revoltado: “perseguição a Lula é canalhice da Globo”
https://www.youtube.com/watch?v=KJ0bEdbKwJ0

lulipe

É um boquirroto e terá sua prisão anunciada pela Globo.

Deixe seu comentário

Leia também