VIOMUNDO

Diário da Resistência


Lula aos que o acusam: “Me respeitem para que eu possa respeitar vocês”; veja o vídeo
Política

Lula aos que o acusam: “Me respeitem para que eu possa respeitar vocês”; veja o vídeo


23/10/2016 - 12h25

 Fazer pirotecnia não é investigar

Quem quer ser respeitado precisa fazer trabalho sério

do Lula.com.br, em 22/10/2016

Para o ex-presidente Lula, a pirotecnia atrapalha o trabalho sério de investigação que precisa ser feito. Ele criticou também o acordo entre setores do judiciário e a imprensa e disse que não é inteligente um funcionário público dizer que para condenar alguém ele precisa da ajuda da imprensa: “Não sejam reféns da imprensa”.

Lula disse ainda que o país não vai suportar essa mentira por muito tempo e lembrou que, para fazer o Brasil ser um país respeitado no mundo, ele também soube respeitar.

“Uma pessoa que faz a acusação que está sendo feita contra mim, no fundo no fundo pensa que se ele próprio estivesse no meu lugar, ele faria o que pensa que eu fiz.

Essas pessoas não sabem o que é um ser humano fazer um esforço imenso para ser respeitado no mundo. Eu tinha consciência de que eu não podia errar.

A única coisa que eu acredito no mundo é que para as pessoas me respeitarem, eu tenho que ser sério com as pessoas.

Então eu não posso admitir tamanha leviandade. Não posso. Possivelmente, se eles estivessem no meu lugar estariam fazendo o que eles pensam que eu fiz.

Eu digo o seguinte, a minha vida foi investigada na campanha de 82, na de 86, na de 89, na de 94, na de 98, na de 2002, na de 2006, na de 2010 com a Dilma, na de 2014 e continuam investigando. No dia em que acharem alguma coisa, por favor, denunciem.

Agora, se não acharem, parem. E comecem a fazer coisa séria neste país. Não sejam reféns da imprensa.

Vocês têm estabilidade no emprego não é pra serem reféns da imprensa.

Porque é pouco inteligente alguém dizer: “pra eu condenar alguém, eu preciso da imprensa”.

Eu quero saber se você investigou, se você tem prova, se você encontrou uma conta, ou alguma coisa. Se você não fez isso, pare, pense e mude de comportamento.

O Brasil não suporta mentira por muito tempo. Isso está prejudicando o país, está prejudicando a imagem do Brasil lá fora, está prejudicando a credibilidade deste país, que tinha muita credibilidade.

Eu tive a honra e o prazer de presidir este país quando o país passou a ser um país com perspectiva de ser a quinta economia do mundo, de ser admirado e respeitado dos Estados Unidos à China, da Alemanha à Argentina, ao Chile.

Porque eu queria ser respeitado e respeitava todo mundo. Portanto é o seguinte: me respeitem. Me respeitem para que eu possa respeitar vocês.”

Leia também:

Beatriz Cerqueira: A PEC 241 é a mãe de todas as medidas nefastas do governo golpista 

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

24 de outubro de 2016 às 21h31

.
.
Se o Itaquerão foi Presente, a Odebrecht

tem que dar Quitação da Dívida Milionária.

https://twitter.com/citadini/status/790297564209942528
.
.

Responder

Serjão

24 de outubro de 2016 às 01h55

Esses garotos, verdadeiros moleques, tripudiando com a honra de um homem sério. Moleques!
Somos todos Lula!

Responder

Oráculo

23 de outubro de 2016 às 20h02

Prisão do Lula:

O PIG, o Moro e seu tio Sam não desistem nem com a porra

E eis o mais recente crime do Lula:
Odebrecht fez estádio para agradar Lula!

http://www.conversaafiada.com.br/pig/odebrecht-fez-estadio-para-agradar-lula

Parabéns ao Corinthians!

publicado 23/10/2016

A Fel-lha produz uma outra “convicção” para incriminar (sic) o Lula.

Como dizem a seguir os advogados de Lula, a Fel-lha não adiciona uma bandeirinha de corner às provas – que não existem – contra Lula.

A Odebrecht, como se sabe, deve muito a Lula.

Assim como todas as empresas brasileiras – inclusive a Globo, que estava quebrada quando o Lula assumiu e, depois da expansão econômica promovida pelo Governo Lula, voltou a ganhar dinheiro.

(Insuficiente, porém, para enfrentar, hoje, a tecnologia que a destruirá, porque, como se sabe, o Google vai googlar a Globo.)

O mesmo aconteceu com a Odebrecht e TODAS as empreiteiras brasileiras, porque, como se sabe, no Governo cinzento do FHC Brasif, o Brasil não fez uma única obra que usasse cimento e tijolo.

NENHUMA!

A Fel-lha foi única empresa que não se salvou no Governo Lula, por incompetência dos herdeiros do “seu” Frias que, como diz o Lula, “terceirizaram” a redação.

A Fel-lha deve morrer de inveja do Corinthians!

Arena do Corinthians foi presente para Lula, diz patriarca da Odebrecht

A Lava Jato vai chegar ao Corinthians. Emílio Odebrecht, presidente do conselho de administração do grupo que leva o seu sobrenome, afirmou em acordo de delação, em fase de negociação, que o estádio construído pela empreiteira foi uma espécie de presente ao ex-presidente Lula, torcedor do time.

O agrado, na versão de Emílio, foi uma retribuição à suposta ajuda de Lula ao grupo nos oito anos em que o petista comandou o país, de 2003 a 2010.

Sob governos do PT, de 2003 a 2015, o faturamento do grupo Odebrecht multiplicou-se por sete, de R$ 17,3 bilhões para R$ 132 bilhões, em valores nominais (a inflação do período foi de 102%).

Emílio é pai de Marcelo Odebrecht, preso desde junho de 2015 e condenado a 19 anos de prisão. Por pressão do patriarca, ele e cerca de 80 executivos do grupo decidiram buscar um acordo de delação premiada.

Os relatos, que indicam suborno, ainda terão de ser homologados pela Justiça.

Emílio passou a integrar o acordo porque era o principal interlocutor de Lula.

Foi o mais ardoroso defensor da delação, vista por ele como a única saída para salvar o grupo da falência.

Após a prisão de Marcelo, a Odebrecht passou a ter problemas de crédito com bancos e acumula dívidas de R$ 110 bilhões.

Conhecida como Itaquerão, a arena do Corinthians, na zona leste de São Paulo, foi construída pela empreiteira de 2011 a 2014, quando foi palco da abertura da Copa do Mundo. Custou R$ 1,2 bilhão, quase 50% acima da estimativa inicial do projeto, de R$ 820 milhões.

A obra foi financiada por recursos do BNDES (R$ 400 milhões), títulos autorizados pela Prefeitura de São Paulo (de até R$ 420 milhões) e empréstimos em bancos privados. Na época, o prefeito era Gilberto Kassab (PSD).

A ideia de construir o Itaquerão partiu do então presidente Lula, que atribuía os maus resultados do Corinthians à falta de um estádio, segundo relatos colhidos pela Folha.

Em 2010, o último ano de Lula à frente da Presidência, o clube ficou em quinto lugar no Campeonato Paulista, terceiro no Brasileiro e nono na Libertadores. Em 2007, havia sido rebaixado.

O presidente do clube à época, o atual deputado Andrés Sanchez (PT-SP), já havia dito em 2011 à revista “Época” que Emílio participara do projeto financeiro da arena: “Quem fez o estádio fomos eu e o Lula. Garanto que vai custar mais de R$ 1 bilhão. Ponto. A parte financeira ninguém mexeu. Só eu, o Lula e o Emílio Odebrecht”.

O resultado da equação financeira montada foi desastroso. Dos R$ 420 milhões de títulos com emissão autorizada pela prefeitura, que poderiam ser usados para quitar dívidas municipais, foram vendidos R$ 25 milhões.

O Corinthians não tem pago as parcelas mensais de R$ 5,7 milhões ao BNDES, com o consentimento da Caixa, que intermediou o empréstimo, porque negocia uma carência maior.

A arena deveria ter arrecadado R$ 112 milhões no ano passado, mas conseguiu R$ 90 milhões. Se o desempenho se repetir nos próximos anos, o Corinthians pode perder o estádio para a Odebrecht, segundo contrato do clube e um fundo que cuida do empreendimento.

REUNIÕES

Além do caso do estádio, Emílio relata na proposta de acordo de delação que tinha reuniões com Lula, muitas vezes com frequência mensal.
Nesses encontros, Emílio pediu e obteve o aval de Lula para ajudar a empreiteira a se expandir por América Latina e África.

O petista é réu numa ação que tramita em Brasília, sob acusação de ter ajudado a Odebrecht a conquistar contratos em Angola.

Lula preferia tratar dessas questões com Emílio, segundo executivos ouvidos pela Folha sob condição de anonimato, porque não gosta do estilo seco de Marcelo. Tinha afinidade com o modo descontraído do baiano Emílio.

Nos encontros entre Lula e Emílio, não eram mencionados pagamentos de suborno, ainda na narrativa dele.

As questões práticas de como o PT seria beneficiado pela ajuda à Odebrecht seriam tratadas entre Marcelo e o ex-ministro Antonio Palocci.

O ex-ministro aparece com o codinome de “Italiano” em documentos apreendidos pela Polícia Federal no que seria o “departamento de propina” da Odebrecht, mantido em Salvador, segundo os procuradores da Operação Lava Jato e a ex-secretária da empresa Maria Lúcia Tavares, que fez um acordo de delação. <

OUTRO LADO
O advogado Cristiano Zanin Martins, que cuida da defesa do ex-presidente Lula, desqualificou o conteúdo das delações negociadas na Operação Lava Jato, como a de Emílio Odebrecht, executivo do grupo que leva seu nome.

"A Lava Jato não conseguiu apresentar qualquer prova sobre suas acusações contra Lula. Na ausência de provas, trabalha-se com especulações de delações. Se a delação já não serve para provar qualquer fato, a especulação de delação é um nada e não merece qualquer comentário", disse o advogado em nota enviada à Folha.

A Odebrecht, o Corinthians e o deputado Andrés Sanchez não quiseram comentar o relato de que o estádio do time seria um presente para Lula pela suposta ajuda ao grupo.

O advogado José Roberto Batochio, que defende o ex-ministro Antonio Palocci, diz que a afirmação de que o seu cliente tratava de suborno com Marcelo Odebrecht não tem fundamento.

"Causa surpresa essa versão de que o Palocci tinha mais contato com o Marcelo do que com o Emílio Odebrecht. Porque há uma amizade muito antiga entre Palocci e Emílio. Ele consultava muito o Palocci sobre a economia nacional e global. Já a relação entre Palocci e Marcelo era quase zero."

O defensor rebate a interpretação dos procuradores da Lava Jato e da Polícia Federal de que o ex-ministro seja o "Italiano" citado em planilhas da Odebrecht. Segundo ele, as próprias mensagens trocadas por executivos mostram que Palocci jamais poderia ser o beneficiário dos supostos subornos.

Responder

FrancoAtirador

23 de outubro de 2016 às 16h32

.
.
Retrospectiva Brasil, o País do Futuro Frustrado.

2008: Quem Lucrava Política e Economicamente

com o Prestígio Internacional do Presidente Lula:

https://twitter.com/i/videos/763928422951243779

https://twitter.com/Mavsampaio/status/763928422951243779
https://twitter.com/nedicr56/status/790021317701410816
.
.

Responder

lulipe

23 de outubro de 2016 às 14h37

Será que esse fanfarrão ainda acha que engana alguém com essas lorotas?

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.