VIOMUNDO

Diário da Resistência


Lúcia Rodrigues: Direita e extrema-direita controlam CPI das Universidades
Fotos: Lúcia Rodrigues
Política

Lúcia Rodrigues: Direita e extrema-direita controlam CPI das Universidades


08/05/2019 - 22h45

Direita e extrema-direita controlam CPI das Universidades na Assembleia Legislativa de SP

por Lúcia Rodrigues, especial para o Viomundo

A CPI da Gestão das Universidades Públicas realizou sua primeira reunião de trabalho nesta quarta-feira, 8, na Assembleia Legislativa de São Paulo.

A deputada Valéria Bolsonaro (PSL) foi indicada como relatora geral da CPI, que é presidida por Wellington Moura, do PRB.

Dos 16 pontos da pauta da reunião desta quarta, 14 foram propostos por Moura.

Nenhum visava o fortalecimento do caráter público e gratuito da USP, Unicamp e Unesp. Todos têm como foco colocar as três universidades na berlinda da suspeição.

Nenhum parlamentar de esquerda ou de centro foi nomeado para nenhuma função executiva na Comissão Parlamentar de Inquérito que quer devassar as três universidades públicas paulistas para pavimentar o terreno para futuras privatizações.

Valéria Bolsonaro, por exemplo, irá acumular além da relatoria geral, a relatoria da comissão que vai investigar as viagens realizadas por docentes e pesquisadores dessas universidades.

“Essa CPI já começa direcionada”, critica a deputada professora Bebel (PT), que preside a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa.

“Estou preocupada porque não se quer investigar o porque da falta de recursos para as universidades públicas, mas sim atacar professores, pesquisadores. É uma caça às bruxas para preparar a privatização”, enfatiza Bebel.

A deputada Leci Brandão ((PC do B) também vê com preocupação os ataques que essa CPI prepara contra as três universidades.

“A CPI não pode se transformar em uma delegacia de polícia. Não pode criminalizar o corpo docente. Não pode criminalizar o ensino, a pesquisa e extensão. Não pode criminalizar a universidade pública”, frisa a comunista.

O presidente da Associação dos Docentes da Unicamp (Adunicamp), Wagner Romão, considera que o ataque à Universidade pela CPI, controlada pelos deputados do campo conservador, pode ser derrotado se a população for informada sobre o importante papel desempenhado pelas universidades públicas.

As pessoas precisam saber, por exemplo, que aproximadamente 25% do orçamento da Unicamp é repassado para nosso hospital atender a população”, frisa o docente.

Ele destaca que nos últimos 20 anos as três universidades dobraram o acesso ao ensino, à pesquisa e extensão, mas que não obtiveram a contrapartida do governo paulista no aumento do percentual de repasse do ICMS.

Esse percentual do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, que financia as três universidades públicas paulistas, permanece estagnado nos mesmos 9,57%, que foram fixados em meados dos anos 90.

O professor de Educação do campus de Presidente Prudente da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Antonio Luís de Andrade, o Tato, concorda que o centro do debate de qualquer discussão séria sobre Universidade deve girar em torno do aumento do percentual de ICMS para financiamento das três universidades públicas.

Tato, que também é secretário-geral da Associação dos Docentes da Unesp, recorda que paralelamente à expansão da USP, Unicamp e Unesp foi prometido, pelos respectivos governos, o aumento do repasse de recursos para poder manter o padrão de excelência das três universidades.

A próxima reunião da CPI das Universidades está agendada para a próxima quarta-feira, 15 de maio.

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

09 de maio de 2019 às 21h58

É evidente que Olavétes e Dorianas querem privatizar
as Universidades Públicas do País, inclusive a Pesquisa.

Responder

Sidnei

09 de maio de 2019 às 20h39

Universidade livre, gratuita, pública, para todos.
Somente com a educação é que o povo vai ter consciência e fugir da doutrinação.
Abaixo a burrice, o vassalismo, a ignorância, a prepotência, o preconceito, as patrulhas ideológicas.
Fora Bolsonaro, fora Dória, fora fascistas, ladrões e burraldos.

Responder

Joana

09 de maio de 2019 às 15h11

Esses neofacistas acham que estão inventado a roda, criminalizar a educação é o primeiro passo dos movimentos antidemocráticos. A história já mostrou como derrotar a ideologia da direita. A vitória será nossa por que somos pela humanidade.

Responder

Mauricio

08 de maio de 2019 às 23h56

Se houve alguma promessa, foi feita por outros governos.
E esse negócio de comunista no comando de universidades federais é coisa do passado. Conservadorismo, direita, não admite avacalhação na gestão nem no comportamento. Quem não gerência com responsabilidade, não cumpre os requisitos da transparência e eficiência, tem mais é que ser colocado pra fora. Gestor, professor ou aluno. Que comece a devassa já!

Responder

    João Ribett

    09 de maio de 2019 às 10h54

    Mauricio, você é um desperdício. Muito provavelmente é um pobre coitado que não sabe o que é direita ou esquerda e nunca frequentou uma universidade! A alfafa que você anda comendo deve tá estragada. Volte logo por pasto de onde você fugiu!


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.