VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Líderes da oposição promovem reunião no STF
Política

Líderes da oposição promovem reunião no STF


01/05/2013 - 10h24

Foto José Cruz/ABr

Senadores da oposição apoiam liminar de Gilmar Mendes em encontro com o ministro

Débora Zampier – Agência Brasil

30.04.2013 – 19h08 | Atualizado em 30.04.2013 – 19h34

Brasília – Senadores da oposição se reuniram hoje (30) com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes para apoiar suspensão do projeto que inibe a criação de novos partidos. Mendes deu a liminar na semana passada ao analisar mandado de segurança do senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF).

O encontro ocorre um dia depois de Mendes receber em sua casa os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). A reunião de hoje foi no gabinete do ministro no STF, e os parlamentares falaram com jornalistas antes de deixar o Tribunal.

Segundo Pedro Taques (PDT-MT), os parlamentares não agradeceram o ministro “porque não se agradece decisões judiciais”, mas informaram que vários parlamentares concordaram com a decisão. Para Taques, o Supremo está “colocando o Congresso Nacional nos eixos”, pois o processo parlamentar precisa respeitar o direito das minorias.

“Esse arremedo de processo legislativo, esse pseudoprocesso legislativo é uma farsa porque não se deu oportunidade para os parlamentares exercerem seu direito público subjetivo de debater um tema como esse, um tema casuístico”, disse Taques.

Já o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) declarou que a ação do STF é necessária porque o projeto representa um “constrangimento”, inclusive para os parlamentares da maioria.

Álvaro Dias (PSDB-PR) acredita que o Legislativo e o Judiciário não estão em crise. “Preferimos que os impasses do Legislativo sejam resolvidos no âmbito do Parlamento, mas neste caso havia urgência”.

O senador também disse que as tentativas do Congresso de limitar os poderes do Supremo são “uma espécie de revide daqueles que estão magoados com decisões recentes, o julgamento do mensalão por exemplo”.

Autor do mandado de segurança, Rollemberg declarou que o ministro Gilmar Mendes vai pedir informações ao Senado e encaminhar o assunto para manifestação da Procuradoria-Geral da República antes de levar o assunto ao plenário, o que deve ocorrer em maio.

Também participaram da reunião os senadores Antonio Carlos Valadares (PSB-SE), Pedro Simon (PMDB-RS), Aloysio Nunes (PSDB-SP), Ricardo Ferraço (PMDB-ES), Ruben Figueiró (PSDB-MS) e a senadora Ana Amélia (PP-RS).

Edição: Aécio Amado

Leia também:

Marco Maia promete PEC contra decisão solitária de ministro do STF



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


78 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Amauri Teixeira: Os gastos do STF com mulheres de ministros - Viomundo - O que você não vê na mídia

28 de maio de 2013 às 10h33

[…] Líderes da oposição promovem reunião no STF […]

Responder

JOSE ANTONIO BATATA

04 de maio de 2013 às 17h59

Aquele Alemão do Bigodinho não apareceu na FOTO…

Responder

carlos

04 de maio de 2013 às 07h53

Eu não tenho duvida,o congresso nacional com exesção, daqueles que são vocasionados para o cargo, é o maior responsável, pela inversão de valores no próprio congresso, querem ver um exemplo, um senador como o Pedro Simon, que deveria ter uma postura de legislador, e o papel deles é esse legiaslar, entre outras coisas, eu pergunto ao povo brasileiro, qual é a produção legislativa dos mais veteranos? não fazem nada, é uma casa de desocupados,que ficam a transferir suas obrigações para o outro poder no caso ojudiciario que deveria ter um mínimo de responsabilidade de que o seu papel é julgar e não legislar, aí me vem com esse engodo, e povo brasileiro que se lixem, é como um bando de rato e gato.

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de maio de 2013 às 21h53

[PEDRO] SIMON REBATE JANIO E DIZ QUE NÃO NEGOU PASSADO

Salve o Janio de Freitas! O conspícuo jornalista está prestando um grande serviço à história do país – e da civilidade! Não podendo ser tachado de xiita nem tampouco de assecla do PT, somente resta à DIREITONA criar novos factóides e ‘ôba-ôbas’ chinfrins, do tomate ao Lobão!…

Lá isso é oposição, sô?!…

… É a oposição [ao Brasil] ‘toMATADA’!…

Uma oposição pelo amor de Deus! O país e a civilidade necessitam – e merecem!…

República de ‘Nois’ Tomates – perdão, ato falho -, de ‘nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de maio de 2013 às 16h48

AGORA, “ESCUTA [MAIS] ESSA!”…

Para algumas decisões do mensalão só cabe ‘se conformar’, diz *[Robert] Gurgel

02/05/20131 5h13

O procurador-geral da República, *Robert[o] Gurgel, afirmou nesta quinta-feira (2) que, apesar dos advogados dos réus do processo do mensalão estarem no direito deles de contestar o resultado do julgamento por meio de recursos, alguns deles terão de se “conformar” com o resultado por não haver nenhuma irregularidade que possibilite questionar algumas condenações.
(…
Não é nenhum absurdo que essa decisão do plenário do Supremo seja definitiva. Aliás, é o que eu sustento desde o final do julgamento, essa decisão é definitiva”, declarou Gurgel sem citar nomes.
(…)

“Eu não vi os embargos, mas, no exame que fiz, com base no qual concluí com a não imposição de embargos do Ministério Público, não encontrei obscuridade, dúvidas ou contradições que motivassem [os recursos]”, justificou.
Gurgel reiterou ainda que “nenhuma modificação do julgamento é compatível”, neste momento, com os embargos declaratórios. Apenas os embargos infringentes teriam este poder.
(…)

FONTE: “grande” mídia nativa!

PARA NÃO PERDERMOS [MAIS] TEMPO COM IMBECILIDADES GOLPISTAS: sim, o prevaricador geral da República “já se conformou” que não passa de um prevaricador covarde e tendencioso, segundo o senador Fernando Collor de Mello?!…

PANO RÁPIDO: quais são as punições exemplares que o Estado Democrático e de Direito “reserva” a funcionários públicos prevaricadores?!… Com a palavra as instituições responsáveis pelas observâncias das prerrogativas que respaldam o Estado Democrático e de Direito.

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

02 de maio de 2013 às 16h35

O aplauso contra

Surpresa não chegou a ser, mas não era esperada. A resposta a um só tempo firme e elevada do presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves, a Gilmar Mendes foi além de sustentar o respeito à Constituição no trâmite do polêmico projeto que reduz o acesso de novos partidos ao dinheiro do Fundo Partidário e ao uso de TV (pago pelos cidadãos em geral). Por tabela, Henrique Alves expôs a atitude contrária à Constituição, ao Estado de Direito e à democracia do grupo de senadores que foi aplaudir, em pessoa, a interferência com que Gilmar Mendes, em nome do Supremo Tribunal Federal, sustou a tramitação do projeto a meio do caminho.
É reconhecível, porém, que o grupo tinha motivação forte: os seus momentâneos interesses políticos e partidários, postos acima das instituições. Mas nisso não foi sequer original. A frouxidão das convicções democráticas tanto é uma constante na história parlamentar (idem no Supremo) como vimos o que decorreu, tantas vezes, de atitudes iniciadas por grupos e interesses assim no Congresso. Houve, porém, uma surpresa no caso atual: a presença do senador Pedro Simon (PMDB), alheio à sua história.
Nas informações pedidas pela medida liminar de Gilmar Mendes, Henrique Alves sustentou que todos os passos da tramitação do projeto estão “perfeitamente de acordo com a Constituição Federal e o estatuto interno, sendo corretos e juridicamente inatacáveis”. De fato, a polêmica foi em torno do projeto, não da tramitação, que foi sustada.
Por seu lado, o organizador da visita de aplauso a Gilmar Mendes, senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), contribuiu com uma manifestação interessante depois da conversa: “Foi um bom encontro. Entendemos que o Supremo é o guardião da Constituição e cabe a ele a última palavra em matéria constitucional”.

Muito bem. Mas não foi última, e sim a meio da normalidade de uma tramitação, a liminar aplaudida em pessoa também pelos senadores Randolfe Rodrigues (PSOL), Aloysio Nunes Ferreira, Álvaro Dias e Ruben Figueiró, os três do PSDB; Pedro Taques (PDT), do tipo udenista retardatário; Ricardo Ferraço (PMDB), Ana Amélia (PP) e Antonio Carlos Valadares (PSB). Com destaque, além de Simon, para a presença alegre de Randolfe Rodrigues, há pouco ameaçado em telefonema de Gilmar Mendes, com este final na advertência: “Eu sou um homem de enfrentamentos!”.
Nenhum dos dez apresentou algum fundamento constitucional coincidente com a atitude do seu aplaudido. Porque o conhecem a seu próprio respeito: todos os parlamentares têm o direito e a função de apresentar os projetos que queiram, convenientes ou descabidos, e o STF não tem a função nem o direito de impedir a tramitação, para recusa ou aprovação, de nenhum dos projetos. Cabe-lhe, se convocado, examinar a adequação do projeto, caso aprovado, à Constituição. Essa é a “ultima palavra”.
E isso é a independência constitucional dos Poderes –que os dez senadores, com o apoio externo da também interessada Marina Silva, foram renegar.

Por Janio de Freitas – colunista e membro do Conselho Editorial da Folha, é um dos mais importantes jornalistas brasileiros. Analisa com perspicácia e ousadia as questões políticas e econômicas.
02/05/2013 – 03h00

Responder

Jose Mario HRP

02 de maio de 2013 às 12h39

Intensa atividade na alta corte!

Responder

Mardones

02 de maio de 2013 às 08h19

Oposição?! k k k

Uma oposição que não quer respeitar a COnstituição Federal, quando o assunto é separação entre os poderes da República. Boa essa.

deve ser por isso que nas urnas…

Responder

JBS

02 de maio de 2013 às 01h02

EDUARDO CAMPOS E AÉCIO ACIONAM GILMAR MENDES (STF) PARA ‘FECHAR’ O CONGRESSO

Por Helena Sthephanowitz, especial para a “Rede Brasil Atual”

“O ministro do STF, Gilmar Mendes, “proibiu” o Congresso Nacional de tramitar um projeto de lei. Por mais absurdo que pareça, foi isso mesmo que ocorreu. Nem se trata de julgar a constitucionalidade ou não de uma lei aprovada. Trata-se de proibir os parlamentares de legislarem e aprovarem uma proposta. Para entender essa história, vamos voltar no tempo.

Quando o PSOL foi criado, os deputados que mudaram para o novo partido não transferiram o tempo de TV nem o fundo partidário pertencente à sigla pela qual foram eleitos. O mesmo ocorreu quando o ex-vice presidente José Alencar e o senador Marcelo Crivella criaram o PRB.

Os parlamentares puderam ir para a nova legenda, mas o tempo de TV era o de um partido novo, que ainda não tinha eleito nenhum deputado. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) confirmou essa interpretação em 2006, a pedido do PSDB, porque favorecia os candidatos tucanos naquele ano.

Em 2007, o TSE decidiu que os mandatos obtidos nas eleições, pelo sistema proporcional (deputados estaduais, federais e vereadores), pertencem aos partidos políticos ou às coligações, e não aos candidatos eleitos. A decisão foi confirmada pelo STF em 2008, o que também beneficiou o PSDB e o DEM, que perdiam deputados para outros partidos. Logo, por coerência, o tempo de TV e o fundo partidário também deveriam pertencer ao partido e não ao candidato, o que bate com a interpretação de 2004.

Em 2012, quando Gilberto Kassab criou o PSD, o TSE e o STF mudaram sua posição, para surpresa dos meios políticos. Passaram a conceder o tempo de TV e fundo partidário ao partido de Kassab, computando os deputados que mudaram para o novo partido como se tivessem sido eleitos na eleição anterior por ele. Essa decisão, “coincidentemente”, favoreceu de novo o candidato tucano José Serra, coligado ao PSD de Kassab. A decisão foi uma afronta ao conceito de fidelidade partidária, e passou a incentivar a bandalheira da criação de novos partidos, não ideológicos, mas apenas para acomodar interesses imediatistas para a próxima eleição.

Pois bem, o Congresso Nacional, para deixar regras claras, e não ficar à mercê da interpretação de onze ministros do STF a cada eleição, conforme o interesse momentâneo dos tucanos, resolveu colocar em votação o projeto de lei que veda claramente a chamada “portabilidade”, ou seja, a transferência do tempo de TV e do fundo partidário de um partido para outro novo, conforme o troca-troca de bancadas após as eleições.

O projeto não proíbe criação de partido nenhum. O projeto propõe que a divisão do dinheiro do fundo partidário siga a proporção das bancadas constituídas pela vontade do eleitorado, e não pelas mudanças posteriores de parlamentares, dos partidos que os elegeram para os de novas e raramente legítimas conveniências. Assim também para a divisão do horário eleitoral pago com dinheiro público.

Resumindo: define que novos partidos tenham apenas o tempo de TV e fundo partidário mínimo de qualquer partido que nasce, da mesma forma que tiveram o PT, o PSOL, o PCdoB, o PRB etc, quando vieram à luz. Foram conquistando tempo de TV à medida que cresciam a cada eleição.

Ninguém é dono da verdade nesse debate sobre mudanças na lei para rateio do tempo de TV e do fundo partidário. É um debate que pertence à sociedade. Por isso, o lugar correto de ser debatido é no Congresso Nacional, e não nos tribunais.

Os partidos que perderam no voto da maioria do Parlamento, se querem virar a decisão, que tomem as ruas para debater com quem deve mandar de verdade, que é o povo. Que busquem apoio popular, em vez de fazer conspirações no tapetão dos tribunais e com os colunistas de jornalões decadentes.

A pedido do PSB presidido pelo candidato Eduardo Campos, com a aliança do PSDB do também candidato Aécio Neves, Gilmar Mendes sustou a tramitação do projeto no Congresso, até que o plenário do STF dê a sua decisão a respeito.

É uma vergonha o PSB, partido do Eduardo Campos, junto com o PSDB de Aécio Neves, MD (ex-PPS) etc. em vez de ter a coragem de buscar apoio popular para o fisiologismo que defendem, vá buscar fechar o Congresso no tapetão do STF, proibindo até a tramitação de projeto de Lei.

CASO MARINA SILVA

Marina Silva pode se filiar a qualquer partido existente, até o início de outubro, para ser candidata em 2014. Ela foi candidata pelo PV em 2010. Resolveu fundar um partido só seu. É uma escolha política dela, com bônus e ônus. Marina quer fazer o marketing de que seu partido “Rede” (do Itaú?) seria uma “nova política” (Mussolini também pregou coisa semelhante ao implantar o fascismo), mas Marina quer pegar o tempo e o fundo partidário da “velha política”, em vez de trilhar o caminho de outros partidos que tiveram de disputar eleições para crescer. Cômodo, não? Que política é mais velha do que querer levar vantagem em tudo: ficar com o bônus do marketing do “novo”, sem o ônus de inovar, ficando também com o “bônus” dos velhos vícios da fisiologia política?”

FONTE: escrito por Helena Sthephanowitz, especial para a “Rede Brasil Atual” (http://www.redebrasilatual.com.br/blog/helena/eduardo-campos-e-aecio-acionam-gilmar-mendes-para-fechar-o-congresso) [Imagens do Google e suas legendas e título adicionados por este blog ‘democracia&política’].

Responder

Francisco

02 de maio de 2013 às 00h51

Randolfe, lindinho, guardei tua cara, malandro…

Responder

Fabio Passos

01 de maio de 2013 às 23h02

Que pena Simon e Randolfe indo alisar um sujeito que e capanga de notorios bandidos como daniel dantas e carlinhos cachoeira.

As outras figuras sao tao ou mais repugnantes que o proprio gilmar dantas.

O stf esta mergulhado ate o pescoco no esgoto… sob os ombros do PiG. rs

Responder

Marat

01 de maio de 2013 às 20h47

Este encontro (ou convescote?) ao menos foi devidamente fotografado… E quanto aos outros encontros?

Responder

José X.

01 de maio de 2013 às 20h16

Pra variar, Gilmar Mendes exibindo comportamento inadequado. Como é que um membro do STF abertamente exercita atividade partidária e não acontece nada ?

Onde é que está o Celso Mello, auto-declarado paladino da moralidade, que não vê essas coisas ?

OFF: finalmente vocês colocaram um número de conta, assim fica muito mais fácil contribuir. A Conceição Oliveira devia fazer isso em seu site, e não usar aquele tal do PagSeguro do Otavinho…

Responder

J. F.F Braga

01 de maio de 2013 às 19h05

O povo elege para o Executivo e Legislativo!
Por que não para o Judiciário?
Ou eles se consideram melhores que os demais?

Responder

Gerson Carneiro

01 de maio de 2013 às 18h57

A corja reunida discutindo como vai combater a pedofilia no norte do Brasil, exibida na série de reportagens “Infância Perdida”, por Luiz Carlos Azenha, há pouco mais de um mês…

Responder

Roberto Locatelli

01 de maio de 2013 às 18h50

Segundo relato de uma jornalista tucana, Marina está com dificuldades para conseguir o meio milhão de assinaturas necessário para fundar seu partido. E o PSDB a está ajudando a colher essas assinaturas. Os tucanos querem que Marina e Eduardo ajudem a conseguir um segundo turno.

Em 2014, a tal base “aliada” não será tão aliada assim.

Responder

Sérgio Vianna

01 de maio de 2013 às 18h18

Submissão e síndrome de Vira-Latas é isso.

Nada mais a declarar…

Responder

Zé Brasil

01 de maio de 2013 às 18h12

Curioso..na foto aquele velho senhor, sentado ao lado de um rapazinho elegante e bem falante, me lembrou vagamente brasileiro que conheci, do MDB, de outras épocas, um combativo político da ditadura instalada pelas elites de sempre aqui no Brasil.
Se não me engano seu nome era Pedro Simon.
Não deve ser ele que está alí estava sentado junto ao que de mais reacionário existe neste País. Deve ser sua sombra, ectoplasma ou um miasma qualquer.

Responder

Ao lado de Paulinho da Força, Aécio diz que Brasil é "lanterna em crescimento" - Viomundo - O que você não vê na mídia

01 de maio de 2013 às 17h58

[…] Líderes da oposição promovem encontro no STF […]

Responder

Carlos

01 de maio de 2013 às 17h53

Uma coisa se tem de admitir: Gilmar Mendes é fiel a quem o nomeou…

Responder

    grilo

    01 de maio de 2013 às 18h55

    Nisso o FHC acertou, já o Lula…

Leonardo

01 de maio de 2013 às 14h57

Engraçado é ver opiniões a favor da democratização da imprensa, ou seja, que se faça uma reforma da mídia com financiamento público democratizado, e ao mesmo tempo é contra a pluralidade de partidos! Deve ter alguma coisa errada aí, ou eu não estou avaliando bem a conjuntura?

Responder

    francisco niterói

    01 de maio de 2013 às 15h54

    vc nao ve bem somente a conjuntura, vc provavelmente se apega a setores da midia que estao embotando a sua capacidade de compreensao.

    A pluralidade de partidos é fundamental, mas sera que HA MAIS DE 30 POSICOES NA SOCIEDADE que demandem mais de 30 partidos?

    Obviamente que nao. É por isso que as democracias consolidadas possuem CLAUSULA DE BARREIRA. Esta semana mesmo teve eleicao na Islandia e mais um partido alcancou o minimo oara representar no parlamento que, lá, éde 5% dos votos.

    Ou seja, ha criterios e inclusive obrigando a ter um minimo de reoresentacao.

    Entao a pluralidade nao pode ser a casa da mae joana.

    Alias, falando em clausula de barreira, o STF, sempre ele alimentando o golpismo, derrubou esta clausula democratica que vige nas melhores demicracias.

    E a midia ficou quieta quando deste atentado. E como nao temos controle no julgador que resolve legislar, o STF derrubou algo fundamental pra nossa democracia.

    E AI VEM UM ALIENADO FALAR QUE PLURALIDADE DE PARTIDOS SERIA UMA VACA SAGRADA, MAIS DE TRINTA OU MAIS DE CINQUENTA TANTO FAZ. E O RESTO DO MUNDO IMPONDO CONDICOES MINIMAS PARA O JOGO DEMOCRATICO.
    Enfim, se o leonardo le a midiazona ele tem falta de conhecimento pois a midia deturpa ou esconde tudo.
    E ai o tal leonardo aparece falando uma besteira. Esta justificado pois no brasil se ate mesmo o STF derruba clausula de barreira, como exigir que um “LEITOR DE VEJA” saiba o que é isso?

    francisco niterói

    01 de maio de 2013 às 15h58

    Em tempo: sugiro dar uma googlada em ” clausula de barreira”. O que é e onde é aplicada.

    Quando muito pra deixar de falar besteira travestido de discurso com “conjuntura e liberdade de midia”, mas que nao disfarca a falta de conhecimento e o apoio a grupos que, por nao terem votos, agem no tapetao.

    Leonardo

    02 de maio de 2013 às 14h04

    Primeiramente dispenso os jargões, porque usando destes carimbos facilmente fugimos do debate. Dei uma pesquisada de ignorante no google para procurar fatos. Descobri que o PL em 2002 possuía menos que 5% de representatividade política. Aliança fundamental na eleição de Lula (inclusive fui seu eleitor), fundiu-se com o PGT (Partido Geral dos Trabalhadores) e PST (Partido Social Trabalhista). E mesmo com a derrubada da clausula de barreiras pelo STF em 2006 a fusão foi reconhecida e o PR está aí até hoje dando sustentação ao projeto de governo. Descobri também na consulta rápida que muitos países não adotam a cláusula de barreira, inclusive países com democracia bem mais avançada que a nossa.

    Acho que a cláusula de barreiras sem outras reformas políticas como financiamento público de campanha possui outros significados para o momento político. Só ela hoje beneficiaria a manutenção de meia dúzia de partidos fisiológicos que se alternariam ou não no poder sem muitas mudanças estruturais e éticas, ainda mais num país onde o governo federal centraliza todas as decisões, e certamente não são a opção de alguns “poucos” 20 milhões de eleitores da última eleição presidencial! Então desta forma prefiro os atuais 27 partidos na casa do povo, alguns obvio de alugueis que são corrompidos pelos mais fortes, mas alguns poucos ideológicos que avançam no debate político. E porque não discutir 2% de representatividade ao invés de 5%, temos partidos terroristas no brasil? Quem sabe assim surjam novas legendas e coligações como em 2002 e tenham a oportunidade que PT e o PL tiveram até que se radicalize e se vote uma reforma política completa.

Tomudjin

01 de maio de 2013 às 14h36

Se a oposição foi pedir a benção ao STF, significa!

Responder

    luis

    02 de maio de 2013 às 11h36

    sim, sim, significa.. como significa!!!

edward

01 de maio de 2013 às 14h35

Dizem que os extremos se atraem.

É verdade: o PSOL e o PSB junto com o PSDB.

Salvem-se quem puder!

Responder

RicardãoCarioca

01 de maio de 2013 às 14h35

Legisladores apoiando intervenção judicial liminar de juiz no Legislativo do qual foram eleitos pelo povo para os representar. É tão surreal quanto os comentários dos comentaristas opositores que batem ponto nesse blog.

Responder

Messias Franca de Macedo

01 de maio de 2013 às 14h20

Líderes da [eterna] oposição [ao Brasil] promovem reunião no STF

Perdão, Azenha e Conceição, pelo pitaco insolente!

Felicidades!

Muito obrigado.

República de ‘Nois’ Tomates – perdão, ato falho -, de ‘nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Leonardo

01 de maio de 2013 às 14h09

Então vamos rasgar a constituição no seu artigo 17: É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime democrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa humana e observados os seguintes preceitos…
Engraçado que o país precisa, com atraso de secular, de tantas reformas básicas e esta agora se tornou urgente para o atual governo e sua base de sustentação. Será porque se aproxima ano eleitoral?

Responder

    francisco niterói

    01 de maio de 2013 às 16h07

    Leonardo

    Acima eu te dou so um exemplo de que todas as democracias impoe condicoes. Formar partido é livr, mas reoresentar no parlamento na alemanha, por ex, demanda um minimo de votos. Ha muitas outras restricoes. Ja que vc quer citar NORMA, faça isto com um pouco mais de conhecimento. Leia entao um livro de ciencia politica. Pelo menos te poupara de momentos vergonha alheia.

    Fundo oartidaria de acordo coma ultima eleicao é o correto pois do contrario durante a legislatura ocorrera um balcao de negocios visando o tempo de TV na proxima eleicao. Isto nao imoede a criacao de oartido, ams somente que o novo oartido so tera fundos apos a proxima eleicao e sendo conhecido o apoio dele na sociedade.

    Agora na Islandia um oartido novo teve 5,1% dos votos e a barreira é de 5%. Entao ele podera estar, como partido, no PARLAMENTO. E vc vai dizer que a criacao de partidos na islandia nao é livr?.

    Deixe entao de fallar besteira. A CF da os preceitos e a legislacao infra rgulamenta.

    Leia um pouco mais.

    francisco niterói

    01 de maio de 2013 às 16h13

    Em tempo:

    E livre a criacao de partidos mas lei ordinaria determina um numero de assinaturas, Nao seria entao inconstitucional?

    Claro que nao pois é funcao de lei menor regulamentar e com isso impor condicoes.

    Leonardo

    02 de maio de 2013 às 14h23

    Islândia: – População em 2012 = 319.000 hab. (Banco Mundial)
    Brasil: – 190.755.799 hab (IBGE 2010)

    luis

    02 de maio de 2013 às 11h43

    Ué, já que estamos na casa da Mãe Joana e não existe mais a tal “cláusula de barreira” eu também quero fundar um partido politico; e já tenho a sigla pronta:
    PESSV – Partido do Eu Sozinho Sem Voto

Gerson Carneiro

01 de maio de 2013 às 14h09

Eles se reconhecem e se cumprimentam assim.

Responder

JoãoP

01 de maio de 2013 às 13h52

Alô eleitores do DF, fiquem de olho no Rodrigo Rollemberg, o autor dessa presepada, a serviço do Dudu beleza. Na próxima eleição ele tem de pagar essa conta…Que compromisso ele tem com os eleitores que votaram nele?

Responder

    luis

    02 de maio de 2013 às 11h46

    já estou e não é de agora. Danado, esse minino!!
    Ele ficou quinem o Cristovam. Aqui não ganha eleição nem prá sindico de bloco.

Messias Franca de Macedo

01 de maio de 2013 às 13h24

EMPAREDADO, GILMAR SUGERE PRISÃO DE RÉUS DA AP 470
Depois de ser resgatado do isolamento por um grupo de senadores liderado por Pedro Taques (PDT/MT), que sugeriu o enquadramento do Poder Legislativo pelo Judiciário, Gilmar Mendes atribuiu a crise institucional criada por ele próprio a uma vingança dos condenados no chamado mensalão; “estamos convencidos de que temos de encerrar o capítulo mensalão o mais rápido possível”, disse o ministro.
FONTE: mídia nativa!

#############

LÁ VEM O MATUTO COM ‘O DIÁRIO DO MENTIRÃO’ NAS MÃOS!

[Canalha]

Leitor(a), desculpe: o adjetivo grafado entre colchetes significa “um não-deliberado vazamento” de uma escuta telefônica captada em uma das conversas do [inédito e pitoresco! ‘grampo sem áudio’; os interlocutores: os impolutos (sic) e ilibados (idem sic) magistrados Gilmar Mendes do *”supremoTF” e ‘DEMóstenes Cachoeira Torres’!…
*”supremoTF”: aspas monstruosas e letras submicroscópicas! – à exceção do ínclito, catedrático e impávido ministro doutor Ricardo Lewandovski

Lá isso é oposição, sô?!…

… É a oposição [ao Brasil] ‘toMATADA’!…

República de ‘Nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Messias Franca de Macedo

01 de maio de 2013 às 13h22

… Esse senador do PSOL é uma pilhéria de muitíssimo mal gosto análoga ao Paulinho “da ‘Forca'”! O companheiro da Heloísa Helena deve pensar que paira sobre todos os mortais – “e imortais” (sic) – da face da Terra! É muita alienação! Que desserviço, Mané!…

Lá isso é oposição, sô?!…

… É a oposição [ao Brasil] ‘toMATADA’!…

Uma oposição pelo amor de Deus! O país e a civilidade necessitam – e merecem!…

República de ‘Nois’ Tomates – perdão, ato falho -, de ‘nois’ Bananas
Bahia, Feira de Santana
Messias Franca de Macedo

Responder

Ricardo Pereira

01 de maio de 2013 às 13h22

O PSOL é a “esquerda” conservadora. Pena que o Jean Wyllys esteja por lá. Espero que não por muito tempo.

Responder

paulo roberto

01 de maio de 2013 às 13h02

Era só o que faltava: Uma minoria que quer ter o direito de governar o país.

Responder

    luis

    02 de maio de 2013 às 11h50

    Pois é..Se deixarem é isso que vai acontecer.
    Acoooordem pessoas de bem!!

paulo roberto

01 de maio de 2013 às 12h59

Finalmente. Assinem e vamos contribuir para a moralização do Poder Judiciário.
http://www.avaaz.org/po/petition/Impeachment_do_ministro_Gilmar_Mendes_do_STF/?amLLidb

Responder

    Messias Franca de Macedo

    01 de maio de 2013 às 14h13

    Prezado Paulo Roberto, muito obrigado pela dica! Acabei de assinar a cívica petição!

    Felicidades!

    Hasta la Victoria Siempre!

    Messias Franca de Macedo

    paulo roberto

    01 de maio de 2013 às 15h00

    É isso aí. Pode até ser que não dê em nada, mas, pelo menos, barulho a gente faz…

Ivanir

01 de maio de 2013 às 12h51

Já arquivei a foto. Registro histórico e patético de um encontro de pulhas.

Responder

Urbano

01 de maio de 2013 às 12h50

O diálogo é sempre muito importante. Agora, caiu na situação que o gilmar dantas vai ao delírio: aquela homérica importância que ele julga ter.

Responder

sergio m pinto

01 de maio de 2013 às 12h46

Como escrevi hoje, em outro blog, agora se entende a motivação do senador botox dias em visitar o Paraguay, logo após a defenestração do bispo. Era para buscar “tecnologia” para criar um Partido Colorado pátrio, o que parece estar acontecendo.

Responder

Palomino

01 de maio de 2013 às 12h46

O que o sen Randolfe tá fazendo lá, ou melhor, no PSoL? Esses partidos de “esquerda” no Brasil não são realmente confiáveis. Veja o caso do secretário do gov Tarso Genro que acaba de ser preso por corrupção: é do PC do B. O sen Aloísio foi guerrilheiro na época da ditadura e filiado ao PCB, e agora vejam só de que lado está. É surrealismo tudo isso ou estes comunistas de araque se infiltram nos partidos de esquerda para minar a luta socialista. Da noite para o dia ninguém muda de opinião, né, não!

Responder

edmilson

01 de maio de 2013 às 12h38

DEP GAROTINHO FALA ALGUMAS VERDADES SOBRE A GLOBO,MARINHOS E KAMEL.vejam no blog do garotinho!!

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    01 de maio de 2013 às 12h40

    Minúsculas, Edmilson, por favor. abs

mello

01 de maio de 2013 às 12h30

Emocionante a “empatia” do Senador Randolphe, do psol, pelo Gilmar Mendes….Dá o que pensar…

Responder

Jairo Falcucci Beraldo

01 de maio de 2013 às 12h23

O inuteis se encontram….sugiram a tão preocupada oposição, que foi ao poderoso supremo ex presidente supremo do Supremo acatar que são uns inuteis, que abdiquem de seus mandatos para desonerar o povo brasileiro de lhes pagar salarios e benesses para tanta inutilidade…

Responder

carlos saraiva e saraiva

01 de maio de 2013 às 12h12

Antes a direita se ajoelhava ante as baionetas, agora diante das togas. Antes a direita, utilizava as baionetas para calar a Politica. Hoje, utiliza as togas politizadas, para calar o congresso e a Politica.Hoje, se serve, da retórica, o sofisma, a mentira e a manipulação da grande mídia, a mesma que apoiou a Ditadura, utilizando a “legalidade ideológica”, sem voto da (in)Justiça, para jogar na lata do lixo, a vontade e o voto do povo. Os Democratas(verdadeiros), os movimentos sociais, a Esquerda(verdadeira), a mídia, a comunicação alternativa(verdadeira)e independente, estão sendo convocados(as), para defender o governo e pela crítica e não oposição fazê-lo avançar, no enfrentamento do sistema financeiro, da mídia oligopolizada e golpista
,do Judiciário ideologizado e politizado, dos donos , concentradores e especuladores das áreas urbanas e rurais. Mas sobretudo, lutar contra o golpe da toga e da imagem.

Responder

Selma

01 de maio de 2013 às 11h43

Senti vergonha alheia quando vi a foto dos lambe-botas.

Responder

Paulo Villas

01 de maio de 2013 às 11h39

Os senadores que participaram do beija-mão ao Gilmar Dantas , notório capitão-do-mato , agiram como a presa que alimenta seu futuro predador. Lamentável…

Responder

    luis

    02 de maio de 2013 às 12h02

    Mas eles sabem… que o que é bom tá guardado.
    Que venha 2014!!

Roberto Locatelli

01 de maio de 2013 às 11h36

O real significado dessa reunião é deixar público que a oposição está pronta a colaborar com o golpe de estado em preparação pelo stf, procurador geral (prevaricador, segundo Collor) e coordenado pelo PIG (Partido da imprensa Golpista).

Os próximos passos desse golpe são: condenar Lula, cassar o mandato de Dilma e revogar o registro do PT na justiça eleitoral, impedindo o partido de disputar eleições.

Responder

    maria olimpia

    01 de maio de 2013 às 13h23

    Concordo, Locatelli! Além de lamentável e vergonhoso! Faz tempo me pergunto: para que senado? É um covil!

    Roberto Locatelli

    02 de maio de 2013 às 07h24

    Forte possibilidade de não haver eleições em 2014.

lulipe

01 de maio de 2013 às 11h17

Não sei por que o Congresso está reclamando da “interferência” do STF, se são os senhores deputados e senadores que vira e mexe estão às barras do supremo para resolver suas pendengas.

Responder

Marcelo de Matos

01 de maio de 2013 às 11h11

Alguém arriscaria dizer que esse foi um conclave de bravos defensores de nossas minorias? A lei nº 9.096/95, em seu §7º, diz: “Só é admitido o registro do estatuto de partido político que tenha caráter nacional, considerando-se como tal aquele que comprove o apoiamento de eleitores correspondente a, pelo menos, meio por cento dos votos dados na última eleição geral para a Câmara dos Deputados, não computados os votos em branco e os nulos, distribuídos por um terço, ou mais, dos Estados, com um mínimo de um décimo por cento do eleitorado que haja votado em cada um deles”. Isso já torna impraticável a criação de novos partidos: seria necessária a assinatura de centenas de milhares de pessoas. Não basta, porém, assinar. O cartório eleitoral tem de conferir assinaturas e número de título. A criação do PSD, do Kassab, devia ter uma infinidade de “gatos”, mas, acabou sendo validada. A Rede da Marina não será levada a bom termo sem uma mãozinha. É tudo política. Manda quem pode e obedece quem tem juízo.

Responder

Isidoro Guedes

01 de maio de 2013 às 11h10

Tudo o que a patética oposição quer é tumultuar o processo político-eleitoral de 2014, pois isso só a ela interessa e só a ela beneficia. Fazer de Gilmar Mendes um parceiro neste sentido e outros que no STF queiram se prestar a este papel é mais do que natural.
O problema é que a questão de fundo está entre manter ou não a soberania e a independência do Parlamento diante do STF. Os poderes são harmônicos, mas independentes. Portanto não cabe hierarquia ou ingerência de um poder sobre o outro. Muito menos do Judiciário em relação ao Legislativo.
É bom lembrar que o Legislativo é a pedra angular da soberania popular, independente dos seus defeitos e das falhas na legislação eleitoral, que muitas vezes permite a eleição de elementos que não estão a altura do mandato que receberam (ou vão para lá defender não os interesses de quem os elegeu, mas sim de quem financiou a peso de ouro suas campanhas).
Aceitar um Parlamento de joelhos perante o STF é aceitar que a democracia seja relativizada, diminuída ou quiçá até suprimida. Pois fica mais fácil impor regimes de exceção com esse tipo de situação. E nós não somos uma republiqueta de quinta categoria (estilo Paraguai ou Honduras) para aceitar que isso se estabeleça. Por mais que a oposição sem rumo venha trabalhando muito neste sentido (em função das sucessivas derrotas eleitorais por conta de sua falta de projeto de Nação ou de projetos de exclusão que já foram testados e não deram certo, justamente por disseminar a injustiça social no nível mais elevado).

Responder

Danilo Morais

01 de maio de 2013 às 11h09

Randolfe = “esquerda” que a direita gosta. Nunca me enganou.

Responder

Jose Mario HRP

01 de maio de 2013 às 11h04

Randolfe Porter indo na escola da Heloísa Helena, se abraçando com a direita, verdadeiro “Bom Traíra”!!!!!!
A infindável lista de traíras:
Plínio, Gabeira, HH, Randolfe, Roberto Freire e tantos outros que pelo poder traíram o povo e os trabalhadores.

Responder

J.Carlos

01 de maio de 2013 às 10h51

Guardem bem os nomes dos componentes desta reunião de sorridentes golpistas. Estejam certos, são representantes dos que conspiram às sombras para golpear a Democracia.

Responder

Fernando Trevas Falcone

01 de maio de 2013 às 10h50

Randolfe Rodrigues é jovem, mas está aprendendo rápido…

Responder

Antonio

01 de maio de 2013 às 10h49

Azenha, admiro sua pessoa e seu excelente trabalho, e apesar ser de esquerda, eu gosto muito do trabalho do PSOL, hoje em dia até mais do que o PT, que eu votei a minha vida toda. Não sou a favor do projeto que inibe a criação de novos partidos, afinal vivemos em uma democracia. Apesar da corja do STF, não podemos negar que tirar o poder deles só pioraria as coisas, afinal de contas o Judiciário, bem ou mal, tem sido mais importante para as minorias do que o proprio legislativo, aprovando a união civil homoafetiva, e em breve, o julgamento da inconstitucionalidade da lei das drogas que fere o art 5 da CF. Imagina meu caro, nosso legislativo nunca que iria mudar a lei em relação a esses 2 assuntos, principalmente com a corja de “pseudo-religiosos” que assola aquela casa. Eu desconheço esse projeto que inibe a criação de novos partidos, mas sinceramente, por mais que eu não suporte GM, não vou negar que eu gostei de sua liminar!

Responder

    luis

    02 de maio de 2013 às 11h59

    Em caso nenhum, em questão alguma, tem que haver voto monocrático de STF nenhum, nunca!!
    Questões que envolvam comportamento, direito de minorias, etc, etc é povo quem deve decidir através dos seus parlamentares, que podem fazer leis nesse sentido.
    Se o cidadão não estiver satisfeito com a atuação do parlamentar que elegeu com seu voto, na próxima eleição mude seu voto e torça prá dar certo

wagner m. martins

01 de maio de 2013 às 10h47

Coisa interessante é que ninguém fala sobre o conteúdo dessas propostas. Daí que “as ditas verdades sobre constrangimento do STF, impedimento de criação de novos partidos” repetidas mil vezes, acabam se transformando em verdades absolutas, a troco da proposta de desacreditar as instituições.

Responder

Italo

01 de maio de 2013 às 10h46

bando lambe botas

Responder

Ricardo Lima Vieira

01 de maio de 2013 às 10h45

Eu já escrevera, no blog Cidadania, do Eduardo Guimarães, que certas posturas de determinados políticos considerados impolutos, revelam manobras eleitorais; estará se formando uma frente para trazer de volta ao poder os neoliberais, com apoio “inocente” dos Randolfos e Simons da vida?

Sei que a estratégia política passa ao largo da compreensaão de nós pobres mortais que tentamos atinar em alguma coisa, mas dá calafrios a quietude das lideranças governistas (não só as do PT, mas da ala governista do PMDB, a qual jamais largou o osso, desde a redemocratização), diante de atos e palavras de gente como a senadora Ana Amélia, os senadores Pedro Taques, Cristovam Buarque, e os Rolemberg da vida e seus PSB’s, que, oportunisticamente – e depois de múltiplos benefícios concedidos principalmente por Lula nos rincões deles, começam a tirar o pé do barco do governo. As promessas de benesses parecem ser apetitosas para eles, e temo, pois são antenas políticas com sintonia fina… Como diria o militar antigo: há algo mais no céu, além dos aviões de carreira…

Responder

J Souza

01 de maio de 2013 às 10h44

Esses ai todos se merecem… Tudo da mesma laia…

Responder

jorge humberto dalsasso camargo

01 de maio de 2013 às 10h40

QUE TROUPE. AMANHA PROVAVELMENTE ESTARAO COM A BANDEIRA DA T F P. EXEMPLOS DE MORALISTAS. O SIMON O BRTIZOLA TINHA GRATAS RECORDAÇOES DELE. PESSOA EXTREMEAMENTE CONFIAVEL. ANA AMELIA SE ALIOU ATE COM O PCDOB DA MANOELA. EXPLICA ISSO. E O VERDAQEIRO SAMBA DOI CRIOULO DOIDO.

Responder

    Luiz Carlos Azenha

    01 de maio de 2013 às 12h29

    Minúsculas, meu caro Jorge, minúsculas!

chanceLer

01 de maio de 2013 às 10h31

“Já o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) declarou que a ação do STF é necessária porque o projeto representa um “constrangimento”, inclusive para os parlamentares da maioria.”
O cara chegou cedinho somente para sentar ao lado do todo poderoso monarca dos HCs Gilmar Dantas (segundo Noblat). Ficou bem posicionado na foto do PIG. Vai acabar causando ciúmes nos serviçais mais antigos.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!