VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Katarina Peixoto: Virada de Lula no Rio Grande do Sul é resposta da classe média letrada às consequências do golpe
Isis Medeiros/Sind-UTE/MG
Falatório Política

Katarina Peixoto: Virada de Lula no Rio Grande do Sul é resposta da classe média letrada às consequências do golpe


23/08/2018 - 18h12

Ricardo Stuckert

O que significa Lula liderando no RS?

Por Katarina Peixoto*, especial para o Viomundo

As pessoas não são loucas. É preciso entender que o que está acontecendo faz sentido. A classe média letrada entrou na resistência e sabe que, fora da besta fascista, o que está aí não é exatamente algo moralmente superior ao PT e nem a Lula. E que, ao contrário desses, chegou ao poder de maneira ilegítima, e empurrando as suas vidas e o país para o abismo.

A última pesquisa do Ibope/RS, publicada há dois dias, revela um quadro curioso, em um estado onde o PT não vence eleições nacionais desde 2002.

O candidato petista, Luiz Inácio Lula da Silva, atualmente encarcerado, lidera as intenções de voto declaradas para presidência da República, no Rio Grande do Sul.

O fato é surpreendente por várias razões.

E uma delas é esta: Fernando Haddad, vice de Lula e candidato, caso o padrão Lava Jato prevaleça, no judiciário brasileiro, a substituí-lo, tem por enquanto apenas 4% de intenções de voto.

Sem Lula na pesquisa, 33% dizem votar branco, nulo ou não terem ainda decidido. A resistência ao petista também caiu.

Lula, como um ausente que pontua, faz, sem que seu nome esteja escrito, 33% do eleitorado.

A transferência de votos, em que pese seja provável (já está em curso e averiguada em outros levantamentos), não é o que chama a atenção.

O que chama a atenção é a recuperação do PT no Rio Grande do Sul.

Por que o RS virou?

Segundo a última pesquisa, e as outras mais recentes, o que vem ocorrendo não tem explicação fácil.

O país nunca teve um candidato popular, ex-presidente, enjaulado, como o desfecho provisório de um processo de ruptura que piorou a vida da imensa maioria da população.

Buscar repetições históricas não ajuda a entender o que está acontecendo, que passa longe das narrativas midiático-familiares.

O PT hoje tem 29% da preferência eleitoral nacional. O partido cresceu e tem chances de avançar nos parlamentos.

Este quadro é totalmente novo, em relação ao último pleito eleitoral, onde, na onda da ruptura de 2016, figuras como João Dória ainda gozaram de cabimento eleitoral, Pezão foi eleito e o inacreditável José Ivo Sartori se tornou governador dos gaúchos sem ter apresentado um só projeto de governo.

Nada prometiam, essas sumidades, porque surfaram na onda do ódio e agora, com a maré das opiniões seca pela entrega de uma hecatombe, o que entregam e ofertam aos seus fiéis é um delinquente da reserva, de baixa patente e nenhum caráter, pronto para fazer qualquer negócio ao custo da democracia, não apenas como modo de governo, mas, sobretudo, como valor na sociedade.

O Rio Grande do Sul, assim como o Rio de Janeiro, são os estados cuja marca do PMDB é a um só tempo irredutível e intuitiva: trata-se de um padrão predatório e desastroso, incapaz de formular e de levar a cabo qualquer programa de governo que não seja excludente, concentrador e indolente, em termos tributários.

E os resultados, para muito além das querelas judiciais em torno de corrupção, que servem de explicações aos igrejeiros dos colunistas midiáticos, são atraso no pagamento de salários de servidores, aniquilação do papel do estado e entrega dos patrimônios imateriais (ciência, pesquisa, cultura, inovação, educação superior e básica) e materiais a grupos privados de interesses e a cidadania à miséria.

Enquanto no Brasil a crise se fez sentir de maneira diferida e em etapas, no Rio e no Rio Grande do Sul o que houve e vem ocorrendo é depressão econômica e falta de perspectivas.

É um quadro sombrio só comparável ao grau de ódio e de desinformação levados a cabo pelos dois maiores conglomerados midiático-familiares do país.

Pode ser uma coincidência, mas a política não existe no acaso.

O experimento usurpador e seus candidatos caminham para a ruína eleitoral. E nisso a democracia é imbatível.

É raro que as urnas respeitem quem as vilipendia. Não se vota em golpista. Nunca se votou.

Não tem consequência mais necessária do processo golpista que ter um cafajeste de baixa patente como candidato preferível.

Ele é o único candidato que pode preencher os requisitos arregimentados, 24 por dia, em uma campanha de desestabilização sem precedentes em nossa história, para consumar o golpe.

Não tem cabimento ter surpresa e nem assombro. Quem não se assombrou com o espetáculo daquele domingo de abril de 2016, não tem razão alguma para se surpreender com a sua obra fétida.

A surpresa, no entanto, existe e resiste.

Em que pese seja inconcebível a história de contrafactuais, é muito difícil que, com a atual e sem sinais de recuperação, recessão econômica e com o atual recrudescimento da crise mundial, o PT e o governo Dilma tivessem a atual popularidade e que Lula estivesse, como está, a caminho da presidência, de novo (e se o direito voltar a valer, o que é sempre algo que deve ser esperado e pelo que vale lutar), ou quem ele indicar.

Um olhar atento sobre o que está ocorrendo no Brasil pode dizer que o que se passa é que a Operação Lava Jato, com seu padrão de arbitrariedade a olhos vistos, com a autorização para abusar da ilegalidade, produziu um desastre tal que Lula se tornou uma vítima, assim como Dilma.

Ela, acostumada a se agigantar na adversidade, tornou-se uma liderança popular que não foi requerida e para a qual não parecia afeiçoada, antes do processo golpista.

Lula, que tinha ambições internacionais, voltadas ao enfrentamento de temas humanitários, como a fome no mundo, protagoniza hoje uma campanha de massas mais potente que aquela de 1989.

Segundo esse olhar, os abusos da reação conservadora e racista acarretaram um fortalecimento da esquerda.

Há uma outra explicação possível.

Existem hoje aproximadamente 20 milhões de brasileiros em contato familiar com o processo penal, como um dos únicos, senão o único, elo de relação com o poder estatal.

Este dado, segundo Raúl Eugênio Zaffaroni, membro da Corte Interamericana de Direitos Humanos , torna intuitiva a percepção de que há algo errado sendo cometido contra Lula.

A injustiça judicial, no Brasil, é muito clara para quem não possui reconhecimento no âmbito do direito e das oportunidades.

Há algo dessa percepção na fala do candidato Ciro Gomes, que reitera um compromisso de alforria creditícia, para mais de 60 milhões de brasileiros.

O quadro entregue pelos que iriam salvar o país é o de um pesadelo: há mais de 60 milhões sem crédito e endividados, há mais de 14 milhões desempregados, há 20 milhões vinculados a acusações penais.

E os comandantes deste espetáculo são o poder judiciário mais caro do mundo, um sistema judicial sem accountability, uma cortina de ferro midiático-familiar sem paralelo no mundo e esta joinha da moralidade: o experimento usurpador e sua turma barra pesada no parlamento mais medonho desde o penúltimo golpe.

A passagem a ser levada em conta nessa mudança de preferência eleitoral não é a da tomada de consciência de que Lula é um emancipador da opressão, vivenciada em um cotidiano de trabalho.

Esse tipo de coisa se espera onde há democracia, onde o espaço para demandas por liberdade permite traços reflexivos, em busca de padrões elevados de expectativas.

Também não parece ser que Lula, hoje, seria um mal menor, a ser evitado, diante da besta fascista.

A injustiça judicial é uma explicação válida, mas parcial. Os excessos do arbítrio e da mídia partidária também são intuitivos.

Há no entanto um fenômeno que parece tão sólido como os 33% que se recusam a jogar um jogo sem regras para todos: a experiência vívida de anos em que ter direitos, oportunidades e horizonte era não somente possível, mas real, cotidiano.

A democracia se alimenta das sutilezas e também da possibilidade da indiferença, ou da conquista do dia a dia.

Os níveis de desemprego, a queda nas matrículas nas universidades, a explosão nos níveis de homicídios parecem andar de par com a usurpação da representação política.

Essa relação pode não ser percebida da mesma maneira nos níveis variados de intuições e sentimentos, mas parece tão sólida como o medo de andar nas ruas, a desconfiança frente a instituições assimétricas na relação com a cidadania, a perda de direitos, a discrepância entre o que é mostrado nas televisões e o que é vivido na relação com bancos e policiais.

Não há uma onda lulista, nem a imensa maioria dos eleitores brasileiros é fanática.

Houve uma onda reacionária, golpista, que está dilapidando o patrimônio nacional e arruinando a ordem constitucional.

E é esta onda que está, hoje, reduzida ao seu núcleo significativo, em todo o seu esplendor abjeto (oligarcas autoritários, rafameia torturadora, obscurantistas).

Não são apenas os pobres e muito pobres que estão sentindo os efeitos da desgraça levada a cabo pela agenda moralizadora dos delinquentes autorizados ao arbítrio.

Os artistas, os intelectuais e as minorias, também.

Esta guerra política começou no núcleo duro da vida institucional do país.

Depois, foi arregimentada e dirigida pela cortina de ferro midiático-familiar, que produziu os heróis da ignorância e do ódio.

E o avanço do processo desestabilizador contou com uma omissão perplexa e com o assombro da classe média esclarecida e universitária.

Agora, essa omissão acabou e a consumação do que era uma narrativa contra o golpe se tornou real: queriam prender o Lula, para ele não poder ser candidato.

A coerência narrativa foi lastreada pela pedagogia enfadonha dos justiceiros partidários: querem barrar o povo de chegar ao poder pelo voto.

E isso não é narrativa. É fato.

O que há, portanto, é uma resposta ao golpe. As pessoas não são loucas.

É preciso entender que o que está acontecendo faz sentido.

Se não tivessem usado o expediente judicial e a retórica obscura do fiscalismo ideológico, talvez não tivessem conseguido que as classes médias letradas tivessem se omitido com nojo ou ceticismo o suficiente para a agenda golpista avançar.

O preço desse expediente parece ter sido tocar em pontos muito significativos no cotidiano de 20 milhões de pessoas (para quem nada se tem e o pouco que tinham, se perdeu), que só são vistas pelo poder estatal como bandidas e perigosas.

E o fato é que a ilegitimidade desse expediente não tardou a convocar os que estavam omissos a reagirem contra a usurpação de direitos, oportunidades e expectativas.

Uma explicação é portanto esta: a classe média letrada entrou na resistência e sabe que, fora da besta fascista, o que está aí não é exatamente algo moralmente superior ao PT e nem a Lula.

E que, ao contrário desses, chegou ao poder de maneira ilegítima e está empurrando o país para o abismo.

Nesse caminho, a candidatura Haddad e Manuela é água no moinho dessa entrada no jogo, daqueles que estavam calados, omissos ou desconfiados.

A situação da direita nunca foi tão ruim. O que lhes resta é a besta fasci, o delírio financista e o autoritarismo obscurantista.

É o conjunto dessas coisas que explica a virada no RS, um estado de classe média raivosa, contra o cavalo de tróia golpista.

*A autora nasceu em Pernambuco e mora em Porto Alegre

Leia também:

PT acusa Jornal Nacional de esconder candidato do partido

Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - A mídia descontrolada e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Hell Back

08 de setembro de 2018 às 20h43

Dizem que cada povo tem o governo que merece, mas nenhum povo merece ser governado por um desqualificado como o Sartori.

Responder

lulipe

29 de agosto de 2018 às 15h05

Vitória, como, se inelegível não pode ser votado??? É melhor JAIR se acostumando…

Responder

Paulo

28 de agosto de 2018 às 14h01

Excelente artigo.
Estou convicto que os batedores de panela estão escondidos e envergonhados.
Resta saber se a Globo do Sul vai conseguir influir tanto desta vez.
Enquanto não existir uma midia de esquerda ou centro esquerda vai ser sempre esse sufoco.

Responder

Julio Silveira

25 de agosto de 2018 às 12h47

Lula liderando no RS significa que o eleitorado que elege governo anti educação e educadores estão encolhidos de vergonha, por que ficou patente que o discurso que praticam de que o Brasil precisa de educação é hipocrita quando elegem alguem mediocre que em campanha afirma que piso para professores só se for no Tumelero. São os mesmos que elegeram para prefeito um sujeito que transformou sua capital na buracos S/A, e que recebe hoje o reconhecimento de que a cidade se assemelha a lua por seus buracos, governada por um lunatico. Facil entender o crescimento do Lula, a mediocridade que tomou conta do Brasil, elegendo essas nulidades golpistas, querem se redimir.

Responder

Otavio Gourlart

24 de agosto de 2018 às 23h22

O único direito que presta é o direito de Curitiba e do TRF$ (4). Nenhum outro direito presta, a ONU está errada. Só vale a lei de Curitiba. Só a lei do Moro está certa. Lula foi condenado pela justiça, entao, se ele foi condenado a justissa tá certa. Se foi condenado ele é ladrao, simples assim. Decisao da ONU nao vale por que os juristas da onu nao sabem nada, quem sabe é o Moro.
O povo é simples, mas nao é burro. Os golpistas paralisaram o país.
A classe média tá se dando conta que caiu no conto do vigário. Aécio esta solto, Temer continua presidente, Rocha Loures está solto.
Qtas pessoas estao presas injustamente por erros da justiça. Uma rápida pesquisa no google e se encontra centenas desses casos de equivoco da justissa.
A sentença do Moro será anulada. Nao tem provas.
A Dilma foi pega com qtas malas de dinheiro ?

Responder

Alexandre Tambelli

24 de agosto de 2018 às 15h03

Texto primoroso!

Responder

Áureo

24 de agosto de 2018 às 10h28

FORÇA LULA… NA CADEIA OU NO PLANALTO VOCÊ JÁ É UM HERÓI. OSVALDO OUTROS CANDIDATOS ESTÃO LIVRES PARA FAZEREM PROPAGANDA E APARECEREM NA MÍDIA, MAS VOCÊ É QUEM CRESCE NAS PESQUISAS… A INJUSTIÇA JURÍDICA ESTÁ SENDO O SEU CABO ELEITORAL… LULA LIVRE!

Responder

Mario

24 de agosto de 2018 às 06h42

O grande dilema de Lula como cabeça de chapa

17 de setembro é o dead line (data limite) para a inscrição definitiva das chapas que irão concorrer para a presidência da república e outros cargos nas eleições de 2018. Até o dia 17 Lula poderá aparecer ao lado de Haddad no programa eleitoral gratuito como cabeça da chapa, aparentemente sem nenhuma problema

Se depois do dia 17 Lula decidir continuar enfrentando a bandidagem de toga ( e haja bandido para enfrentar), ele terá que trocar, a partir de então, o nome de Haddad pelo o de Manuela. Afinal, a chapa a ser registrada terá que ser a definitiva e o acordo com do PT com o PC do B foi este, não foi? Nada contra a Manuela, pela qual eu tenho uma simpatia enorme.

Mas, como fica essa troca na cabeça do eleitor, já que Haddad tem sido apresentado como o Vice do Lula e talvez o seu provável substituto na cabeça de chapa? É claro que essa imagem será reforçada durante o programa eleitoral gratuito.

Então, como fica o programa eleitoral do PT a partir do dia 17 de setembro, faltando 19 dias para a eleição?

RESUMINDO: se Lula continuar como cabeça de chapa a partir do dia 17 o PT estará assumindo definitivamente a posição de LULA (+Manuela) OU NADA.

E para evitar que a chapa Lula+Manuela seja impugnada mais à frente, graças às exigências da Globo que irá trabalhar freneticamente para que isto aconteça,TEREMOS QUE NOS PREPARAR PARA UM LEVANTE POPULAR. MAS UM LEVEVANTE POPULAR CAPAZ DE FECHAR A REDE GLOBO E COLOCAR A BANDIDAGEM DE TOGA PARA CORRER OU NA CADEIA.

E ENTÃO…

Responder

Luiz Cezar

24 de agosto de 2018 às 02h50

Sem duvida, o melhor texto que li sobre o o novo clima que se vive na política, cumprimentos pela autora é ao editor …

Responder

Cláudio

24 de agosto de 2018 às 01h13

Acho que é mais: simplesmente que os/as egoístas (e ponha ego nisso) gaúchos/as agora se sentem minimamente representados por uma jovem e bonita expressão sulista (Manuela) que embora seja morena (de cabelo, escuro, ou seja, não representa o “autentico” fenótipo sulista) ainda assim é aceito por esse pessonhal da eugenia como o melhor que se pode conseguir no momento. Pode parecer uma análise mesquinha mas vai ver se não é assim que funciona para parte dessa gente do sul maravilha que acha que o Brasil são eles/as e não os/as outros/as, a grande maioria.

Responder

sergio paulo de

24 de agosto de 2018 às 00h27

Lula livreeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee

Responder

Nelson

23 de agosto de 2018 às 23h07

Os gaúchos nos arvoramos os mais politizados e espertos do país.

Porém, toda essa esperteza não nos poupou de errarmos reiteradamente e, assim, elegermos coisas espúrias tipo Antônio Brito, Ana Amélia Lemos, Lazier Martins, Yeda Crusius e o “inacreditável” José Sartori.

É de imaginarmos o que teríamos colocado nos parlamentos e no Palácio Piratini se não fôssemos os mais politizados.

Espero que a Katarina esteja certa em sua análise e o povo gaúcho esteja, finalmente, se dispondo a enxergar as coisas com mais precisão.

Afinal, um Estado que deu à luz um Getúlio Vargas, um Leonel Brizola, um Luís Carlos Prestes, um Almirante Negro, um Olívio Dutra e tantos outros lutadores de pura cepa não poderia continuar descendo ladeira abaixo em termos de consciência política de seu povo.

Responder

    Paulo

    28 de agosto de 2018 às 13h57

    Assino embaixo Nelson.

Ari de David

23 de agosto de 2018 às 20h43

Texto maravilhoso. Expressa perfeitamente o pensamento dos gaúchos e também dos brasileiros. Obviamente não dos trogloditas defensores de um militarzinho reformado a facão sem cabo. Vamos pra frente brasileiros.

Responder

robertoAP

23 de agosto de 2018 às 19h38

A minha cidade é Rio Grande,RS, que é o único grande porto do estado e eleva a cidade a ser a mais importante depois da capital. Teve desde o primeiro mandato de Lula, um pólo naval fantástico criado para fazer plataformas,servir de estaleiros e com empresas poderosas ao redor. Chegou a ter em torno de 400.000 habitantes no auge do empreendimento primeiro mundista. Tudo foi destruído por despeito e transformado em sucata pelo apátrida Moro e sua corja da Organização Criminosa chamada de LavaJato Aqui o PT ganhou sempre desde 2002. O estado só é considerado reduto da direita,por causa do norte, extremamente ignorante,com gente facilmente influenciável pelos latifundiários conservadores e atrasados. O sul com as cidades mais evoluídas tem povo consciente e esclarecido.

Responder

Marcos Sousa

23 de agosto de 2018 às 19h19

Excelente artigo. Mas esse apoio à chapa presidencial do PT tem de corresponder ao apoio e eleição de deputados e senadores. Sem estes, serão mais anos de sofrimentos, dependendo dos fisiologistas, principalmente dos partidos do centrão.

Responder

    Lisa

    24 de agosto de 2018 às 15h41

    SIM!!! Isso é fundamental. Eu tenho receio de que não se dê a atenção necessária a eleição para deputados e senadores. Com a composição atual do Congresso e Senado não há presidente de esquerda que consiga fazer um governo decente. Há que ter uma estratégia pra isso.

Bacellar

23 de agosto de 2018 às 18h40

Concordo 100% com a frase; “não é narrativa. É fato”
Vamos parar com essa de narrativa do Golpe; foi Golpe. Fato.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.