VIOMUNDO

Diário da Resistência


Juliana Cardoso: Só se revoltar com a esterilização à força sofrida por Janaína não basta
Reprodução You Tube
Política Resistir e Lutar 26/06/2018 - 20h07

Juliana Cardoso: Só se revoltar com a esterilização à força sofrida por Janaína não basta


Por Juliana Cardoso

O  promotor Frederico Liserre Barruffini e o  juiz Djalma Moreira Gomes Júnior determinaram a laqueadura à força de Janaína  Aparecida Aquino Fotos: Reprodução You Tube

QUEM LEGISLA SOBRE NOSSOS CORPOS?

por Juliana Cardoso*

Indignação. Não há outra palavra que descreva o sentimento diante da notícia de que uma mulher foi esterilizada sem seu consentimento.

Janaína Aparecida Aquino, mulher preta e pobre da cidade de Mococa, interior de São Paulo, foi conduzida a sala de cirurgia de forma coercitiva para ser esterilizada!

Janaína foi mutilada pelo Estado brasileiro a mando de um juiz  e um promotor. A justificativa para tanto é que Janaína é usuária de drogas, é pobre, moradora de rua e já tem outros filhos.

O argumento é tão assustadoramente eugenista que em nada fica a dever à posição de Jair Bolsonaro, cujo plano de governo traz o controle de natalidade dos pobres como uma ação de combate à pobreza e a criminalidade.

Para essa gente, a pobreza se combate exterminando pobre.

Daí tantas pessoas  acreditarem na pena de morte, na redução da maioridade penal ou na legalização do porte de arma como forma de resolver o problema da criminalidade.

O caso também é emblemático da hipocrisia que assola o país quando se trata de saúde sexual e reprodutiva das mulheres.

Se uma mulher deseja realizar um aborto, seja lá por qual motivo for, ela não pode, já que o aborto é crime no Brasil.

Ainda assim calcula-se que são realizados cerca de 850 mil abortos clandestinos por ano.

As complicações decorrentes de abortos malsucedidos são a quarta causa de morte materna, no Brasil. A cada 2 dias, uma mulher morre em decorrência de abortos malfeitos. Em alguns estados chega a ser a primeira.

E sabe quem são as mulheres que morrem no Brasil? As pobres, as pretas, as periféricas, porque no Brasil, as ricas podem pagar e realizar o procedimento com segurança.

Vira e mexe, no Congresso, algum homem inventa uma lei para legislar sobre nossos corpos.

Ano passado, tivemos que enfrentar a PEC do cavalo de troia. Na prática, impediria o aborto quando a gravidez decorre de estupro,  é fator de risco de morte para a mulher ou o feto é anencéfalo.

O que o caso da Janaína revela é que nosso corpo e nossa sexualidade ainda não nos pertencem.

O Estado, por meio de seus poderes e instituições, tem poder sobre nosso corpo.

Ora somos obrigadas a parir, ora alguém nos diz  “basta de filhos”.

E sempre tem alguém para dizer  qual o melhor jeito de você parir.

E, no Brasil, o caso sempre é para cesárea, não é mesmo?

O nosso corpo é facilmente controlado pelo Estado, pelo mercado e pelos homens. Só nós não podemos viver de forma autônoma nossa sexualidade e a maternidade.

Se é errado o Estado ter realizado laqueadura numa mulher alegando a sua vulnerabilidade social como razão, é igualmente execrável o Estado condenar as mulheres negras e pobres do Brasil a serem as maiores vítimas da criminalização do aborto.

Não podemos falar da violência a que Janaína foi submetida sem falar da criminalização das mulheres que fazem aborto no Brasil. São faces do mesmo fenômeno.

Só se revoltar com a mutilação sofrida por Janaína não basta.

Temos que encará-la como questão de saúde pública.

Precisamos enfrentar o debate.

Mesmo contrariando nossas convicções íntimas, precisamos ter como diretriz a laicidade do Estado. E como tal, ele tem o dever de garantir a igualdade entre nós.

Caso contrário, nós, mulheres, ficaremos à mercê do Só se revoltar com a mutilação sofrida por Janaína não basta..

*Juliana Cardoso é vereadora (PT-SP).

Leia também:

Wadih protocola ação contra promotor e juiz do caso Janaína

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



Nenhum comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.