VIOMUNDO

Diário da Resistência


Julian Rodrigues: A juíza representante das classes dominantes e o vereador que luta contra todos os tipos de opressões
A juíza Joana Ribeiro Wimmer, de Santa Catarina, e o vereador Renato Freitas (PT-PR). Fotos: Reprodução/ Assoaciação dos Magistrados Catarinenses e Euduardo Matysiak
Política

Julian Rodrigues: A juíza representante das classes dominantes e o vereador que luta contra todos os tipos de opressões


23/06/2022 - 16h46

A juíza de Florianópolis e o vereador de Curitiba

Por Julian Rodrigues*

E se esse mesmo deputado
Defender a adoção da pena capital
E o venerável cardeal disser que vê tanto espírito no feto
e nenhum no marginal ?
(Caetano Veloso – Haiti)

Joana ou Renato?

Santa Catarina. Joana Ribeiro Zimmer (juíza) – juntinha com Mirela Dutra Alberton (promotora) oprimiram, torturaram e tudo o mais fizeram para aniquilar a dignidade de uma criança de apenas 11 anos.

Estuprada, essa menina engravidou. Desesperada, a mãe foi atrás de salvar a filha.

Reportagem do The Intercept Brasil detalhadamente conta e mostra a via crúcis dessa pequenina brasileira. E escancara o horror que é nosso atual “sistema de justiça”.

“Dois dias após a descoberta da gravidez, a menina foi levada ao hospital pela mãe para realizar o procedimento [interrupção legal da gestação]. O Código Penal permite o aborto em caso de violência sexual, sem impor qualquer limitação de semanas da gravidez e sem exigir autorização judicial. A equipe médica, no entanto, se recusou a realizar o abortamento, permitido pelas normas do hospital só até as 20 semanas. A menina estava com 22 semanas e dois dias”.

A violação dos direitos dessa criança se inicia aí, com tais médicos. Provavelmente um bando de homem branco velho machista (bolsominions) – mas é isso um mero palpite, embora que seria bem típico, aliás.

A juíza em questão trata a menina estuprada como mera fêmea parideira, chocadeira ambulante ou algo do gênero – é repugnante.

Não recomendo à saúde mental de ninguém assistir ao interrogatório macabro conduzido pela senhora “magistrada”.

Trata-se da prolongada tortura de uma criança. Sim, é isso mesmo.

Grande alerta vermelho. Diz tudo sobre a fascistização de boa parte do nosso Judiciário (e Ministério Público).

Ocorre que não se trata só do reacionarismo insensível da jovem loira magistrada catarinense, a Joana (parceirinha da promotora Mirela Dutra Alberton).

Uma desembargadora, magistrada de segunda instância – Cláudia Lambert de Faria – se negou a tirar a menina estuprada do abrigo ao qual havia sido confinada pela loiraça fake, nossa sábia, a Ribeiro Zimmer – que, registre-se de novo, realizou o desejo da promotora. Três senhoras do bem – afinal das contas.

A mega ponderada, empática e sensível (contém ironia) juíza chegou a nomear um “curador do feto”. Sim. É isso mesmo.

Posições políticas ou ideológicas à parte, a medicina é unânime em destacar o altíssimo risco que uma criança de 10 anos enfrenta ao tentar completar uma gravidez ( e vamos repetir: fruto de estupro, estupro, estupro, estupro, estupro, estupro).

É sempre baixíssima a probabilidade do parto ser bem sucedido, resultando no nascimento de um bebê saudável.

Mas será que um feto deve ter mesmo ter tantos e tão supremos direitos? Ou as decisões da juíza em tela são motivadas por outros valores morais, políticos e ideológicos?

Qualquer embrião em desenvolvimento deve ter mais proteção do Estado do que uma mulher adulta e violentada, que gerou e carrega no seu próprio ventre esse amontoado de células?

A promotora, a juíza e a desembargadora catarinenses acharam que sim. Acreditam que uma mulher grávida não tem nenhum direito, só o embrião ou feto – mesmo oriundos do esperma de um estuprador, os tem.

Mas nem mesmo um tiquinho de dignidade há de merecer uma criança brutalmente violentada? Pergunta direcionada – com repulsa e asco especialmente às vossas excelências Joana (juíza) e Cláudia (promotora).

Não sei em quem essas três operadoras do direito votaram em 2018. Apenas posso imaginar – enquanto sigo chorando pela menina duplamente violentada.

A propósito: sua majestade togada, a senhora Joana Ribeiro se negou a comentar o caso – pretensamente indignada pelo vazamento das imagens da audiência. Sim, aquela mesma na qual essa juíza torturou a menina gestante, vítima de estupro.

A carne mais barata

Renato Freitas, apesar de ter nascido em Sorocaba – e ter só 38 anos- é curitibano, de fato e de direito.

Aparenta ter uns 25, no máximo.

O moço petista preto virou vereador em 2018. 5 mil votos, um mestrado mais um lindo cabelo black power. Em Curitiba.

É, lá mesmo, no berço do lavajatismo – na branca e conservadora capital do Paraná. Um feito por si só.

Renato é fã de rap, graduado e mestre em direito pela UFPR, filho de um pai que foi encarcerado – e morreu aos com pouco mais de 30 anos, igualzinho ao seu irmão mais velho (assassinado com um tiro na cabeça).

Em junho do ano passado, Freitas ficou 3 horas em cana. Motivo: estava jogando basquetebol em uma praça e foi denunciado. “Perturbação do sossego” era a alegação. Os PMs o prenderam por “atrapalhar o procedimento da polícia”. Tudo registrado em vídeo.

O incômodo da burguesia curitibana com a força e representatividade do vereador petista é um negócio que mereceria até uma pesquisa acadêmica detalhada. Além de regozijo e divulgação.

Renato é um alvo.

Como também os foram Marielle Franco, Bruno Pereira, Dom Philips e Margarida Alves.

E como ainda o é Lula – junto com todas pessoas que se colocam de pé – enfrentando as classes dominantes neoliberais neofascistas.

Renato Freitas não poderia nunca ter pisado ali, naquele salão chic da Câmara de Curitiba.

Nem ser um preto tão inteligente, preparado, carismático e com voto. Ainda, muito menos ainda, sendo um mero petista. Foi demais.

Perseguição, isolamento, difamação. Até que os vereadores curitibanos cassaram o mandato de Freitas.

Zimmer e Freitas

Mas o que tem a ver uma coisa com outra- Renato e Joana?

Tudo. Ou nada, a rigor – a despeito de ambos serem de estados do sul do país, com idades aproximadas, atuando no ramo do Direito.

A juíza de Santa Catarina é uma personagem nefasta que representa o que há de mais atrasado, autoritário, regressivo e machista no sistema de justiça nacional.

O vereador de Curitiba, que incomoda em demasia seus pares, simboliza o que há de mais avançado, progressista e democrático no Brasil.

Ocorre que enquanto Renato está a lutar contra a violência e por cidadania, Joana parece ter prazer em violentar e revitimizar uma menina de apenas dez anos.

Freitas, progressista, luta contra as opressões de todos os tipos, por dentro e por fora – do sistema e do Estado.

Zimmer é opressora e autoritária, representante das classes dominantes. Com cruel gozo segue exercendo seu micro poder nesse mesmo Estado.

*Julian Rodrigues é jornalista e professor – mestre em ciências sociais, ativista de Direitos Humanos e LGBTI, doutorando  em América Latina pelo Prolam/USP.

.





4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

24 de junho de 2022 às 04h29

Menina catarinense de 11 anos, que estava grávida após ter sido estuprada,
realizou o procedimento médico de interrupção da gestação.

Ministério Público Federal (MPF) recomendou que aborto fosse realizado,
independentemente da idade gestacional

O aborto aconteceu na quarta-feira (22), mesmo dia em que o MPF havia recomendado que o Hospital Universitário da UFSC realizasse o procedimento, independentemente da idade gestacional.

Em caso de estupro e risco de morte da gestante,
a interrupção da gravidez é garantida pela Lei.

https://br.noticias.yahoo.com/mp-confirma-aborto-de-menina-de-11-anos-que-foi-estuprada-em-sc-171232945.html

Responder

abelardo

23 de junho de 2022 às 22h54

Será que podemos sonhar com a reversão da pena de Renato Freitas?
Será que poderemos assistir o surgimento de um poder Judiciário totalmente imparcial, isento, leal, legal e liberto definitivamente das amarras oligárquicas que parece limitar a sua autoridade, o seu poder e a sua liberdade em praticar a justa justiça constitucional?
Será que Renato Freitas também fará jus a uma promoção?

Responder

Nilton Carvalho

23 de junho de 2022 às 18h42

Se a menina morrer, vai ser puro assassinato premeditado.

Responder

    Zé Maria

    24 de junho de 2022 às 04h34

    Homicídio Doloso com Requinte de Crueldade e por Motivo Torpe.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding