VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Jobim: Brasil não aceita soberania “compartilhada” do Atlântico Sul


04/11/2010 - 15h26

4 de Novembro de 2010 – 9h16

Jobim defende soberania da América do Sul e critica Otan e EUA

do Vermelho

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, criticou veementemente as estratégias militares globais dos EUA e da Otan — aliança militar ocidental. Ele afirmou que nem o Brasil nem a América do Sul podem aceitar que “se arvorem” o direito de intervir em “qualquer teatro de operação” sob “os mais variados pretextos”.

Jobim disse que o Brasil não aceita discutir assuntos relativos à soberania do Atlântico enquanto os norte-americanos não aderirem à convenção da ONU sobre o direito do mar, que estabelece regras para exploração de recursos em águas nacionais.

Ele lembrou que os EUA não firmaram a Convenção sobre o Direito do Mar da ONU e, portanto, “não reconhecem o status jurídico de países como o Brasil, que tem 350 milhas de sua plataforma continental sob sua soberania”. “Como poderemos conversar sobre o Atlântico Sul com um país que não reconhece os títulos referidos pela ONU? O Atlântico que se fala lá é o que vai à costa brasileira ou é o que vai até 350 milhas da costa brasileira?”

Também referiu-se a uma “alta autoridade” americana que defendeu “soberanias compartilhadas” no Atlântico. “Não pensamos em nenhum momento em termos de soberanias compartilhadas. Que soberania os Estados Unidos querem compartilhar? Apenas as nossas ou as deles também?”, questionou.

O ministro da Defesa falou na abertura da 7ª Conferência do Forte de Copacabana, promovida pela Fundação Konrad Adenauer, ligada à Democracia Cristã alemã, para criar um “diálogo” entre América do Sul e Europa em segurança.

América do Sul

Ele se disse contrário ainda as alianças militares entre a América do Sul e os Estados Unidos. “Nossa visão é a de que podemos ter relações com os EUA, mas a defesa da América do Sul só quem faz é a América do Sul”. O ministro defendeu que o Brasil não deve se aliar a forças militares que não aceitem o comando de outros exércitos. “Os EUA não participam das forças humanitárias da ONU porque não admitem ser comandados por outros exércitos. Não podemos aceitar esse tipo de assimetria”, declarou.

Papel dominante

Em resposta ao alemão Klaus Naumann, ex-diretor do Comitê Militar da Otan, que disse que a Europa é o “parceiro preferencial” de que os EUA necessitam para manter seu papel dominante no mundo, o ministro disse: “Não seremos parceiros dos EUA para que eles mantenham seu papel no mundo”.

Segundo Jobim, a Europa “não se libertará” de sua dependência dos EUA e por isso tende a sofrer baixa em seu perfil geopolítico. O da América do Sul tenderia a crescer, pelo crescimento econômico e os recursos naturais, água inclusive, de que dispõe em abundância, enquanto escasseiam no mundo.

Energia Nuclear

Na avaliação de Jobim, as relações entre os países signatários do Tratado Sobre a Não-Proliferação de Armas Nucleares também é assimétrica e penaliza aqueles que buscam gerar energia nuclear para fins pacíficos. Para ele, não há problemas no interesse da Venezuela em dominar essa tecnologia. “A Venezuela sentiu o problema da sua base de energia elétrica ser hidrelétrica e teve inclusive que fazer racionamento”, disse. “A Venezuela fez tal qual o Brasil. E nós aplaudimos”, complementou sobre o país vizinho, considerado um problema no continente pelos EUA.

Cuba

As críticas de Jobim aos norte-americanos ainda abordaram a relação do país com Cuba. “Qual foi o resultado do bloqueio a Cuba? Produziram um país orgulhoso, pobre e com ódio dos EUA”, disse.

Para o ministro, os riscos à segurança da América do Sul e os conflitos do futuro estarão relacionados à água, minerais e alimentos. “Isso a América do Sul tem. Temos aqui o aquífero Guarani, a Amazônia, somos os maiores produtores de grãos e de proteína animal do mundo”, enumerou. “Temos que nos preparar para isso”, advertiu sobre possíveis ameaças futuras.

As declarações do ministro Jobim ratificam no terreno da defesa, os traços determinantes da política externa brasileira. O Brasil optou pelo caminho do exercício da sua soberania, da integração regional e do anti-hegemonismo estadunidense. O pronunciamento reveste-se de grande atualidade, porquanto a Otan, pacto militar agressivo sob a hegemonia norte-americana se reunirá ainda este mês em Lisboa, para definir o novo conceito estratégico. Entre outros pontos, na pauta da cúpula da Otan estão a expansão do raio de ação, com foco para todas as regiões do mundo, incluindo o Atlântico Sul.

Da redação, com agências





144 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

@renyeris

30 de novembro de 2010 às 20h42

Jobim é só bla, bla, bla, bla.

Investir nas Forças Armadas, ele não quer! Lutar pela melhora das Forças Armadas, ele não quer!

Responder

Hsilva

11 de novembro de 2010 às 11h50

VEJA QUE INTERESSANTE, UM ACORDO COM O IRÃ.
VEJA O LINK http://news.xin.msn.com/en/singapore/article.aspx

Responder

Tchullu

10 de novembro de 2010 às 21h46

Azenha, um bom alerta para a América Latina: http://counterpunch.org/ferrari11102010.html
A esquerda está perdendo tempo, e espaço !

Responder

Lucas

07 de novembro de 2010 às 12h28

Olha, apesar das amizades cruzadas entre o ministro e fanfarrões do STF, não acho que seja uma boa idéia afasta-lo no governo Dilma do cargo, porque tenho muito receio da linha-dura do Exército ainda no CML e reserva aer, que tem forte intervençao ideológica na ativa militar e em regimentos específicos.

O Jobim, meio que neutralizou a sanha golpistas desses grupos de araque ao definir prioridades para as Forças Armadas, afirmando o Poder Civil e subordinando o Exército, a Aeronáutica e a Marinha ao Estado-Maior Conjunto da Defesa, a quem caberia elaborar o orçamento, estabelecer as prioridades para o reaparelhamento militar e liberar recursos para os projetos e licitações aprovados.

Isso criou ganho de escala na produção nacional e trouxe fusão de consciência situacional, tal qual acontece nas potências militares de países desenvolvidos.

O Alto Comando do Exército mesmo beneficiado pela potencialização de blindados, criação de armas teleguiadas, soldado do futuro e outras tantas, deu carta branca à revolta do comandante Militar do Leste, general-de-exército Luiz Cesário da Silveira Filho, um remanescente da antiga linha-dura do regime militar.

Responder

Marcos V.

07 de novembro de 2010 às 12h07

Politicamente, Jobim pode ter contatos e aproximações singulares com grupos internos ao PSDB, mas sua postura em relação à defesa nacional e seu jogo de cintura com o alto comando militar, até aqui desde 2007, mostram pelo menos para mim, alguém com real senso estruturante das necessidades estratégicas do país e suas forças.

Lembro, que até sua entrada, e desde que o Ministerio da Defesa foi criado, não havia um civil nessa posição que tivesse conseguido criar uma aproximação, um alinhamento entre as idiossincrasias de desenvolvimento e aparelhamento do Estado tão forte entre as esferas militar e civil de segurança.

Quando a END foi lançada, as buscas pelas parcerias tecnológicas internacionais e as disposições de apoio científico, foram intensamente trabalhadas pelo ministro, incluindo o projeto aramar da marinha, que teve definição orçamentária contínua. O Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas que integra e une conceitos operacionais das 3 Armas, foi colocado como ponto imediato.

Na FAB, os caças em licitação deveriam atender respectivamente à técnica e afinar de acordo com a decisão política do governo, o que historicamente no Brasil só ococorria no regime militar, coisa que um governo civil conseguiu sem a necessidade de confrontos institucionais.

Responder

Felipe Dias

07 de novembro de 2010 às 11h41

Mesmo com todos os seus atropelos e língua frouxa, a permanência de Jobim é importante por dar continuidade a um processo de transformação das FA, que está apenas no começo.

No caso do exército por exemplo, o período de estudos, de planejamento do que vai ser e como vai ser, transformado e implementado na força, se estende até meados de 2011.

A partir daí (meados de 2011), se dará um período de experimentação e implantação, do que foi planejado e estudado no período anterior, que se estenderá até 2015.

Só a partir de 2015, após os estudos e experimentos, a transformação do exercito será efetuada de fato. Se neste período crítico, até 2014, Jobim permanecer a frente do MD, seria bom. Afinal, junto com Mangabeira Unger, participou dos estudos para a formação da END, que pautará as transformações que estão e serão, implementadas nas 3 FA.

Responder

Fabrício Oliveira

07 de novembro de 2010 às 01h04

Está tudo mudado. Agora é o poste que faz xixi no cachorro. Gilmar Mendes já se pronunciou?

Responder

Fabrício Oliveira

07 de novembro de 2010 às 00h56

FHC e Serra devem achar a tal soberania compartilhada algo muito moderno.

Responder

Roberto

06 de novembro de 2010 às 22h27

Será que ele acha que vai continuar no governo da Dilma?

Responder

Carlos Marques

06 de novembro de 2010 às 19h12

Não é possível saber se o Jobim está sendo sincero ou é mera retórica para impressionar e ser mantido no cargo pela Presidente Dilma. De qualquer sorte, a preocupação externada é grave e merece que os brasileiros fiquem atentos e o novo governo federal, muito vigilante e cioso no que se refere aos interesses de nosso País, sem ceder aos que pretendem ser os "donos" do mundo e de seus recursos naturais.

Responder

@andregoth

06 de novembro de 2010 às 16h10

Os EEUU ñ conseguiram o pré-sal no voto, agora podem tentar "na marra"…

Responder

Marat

06 de novembro de 2010 às 11h51

Agora que elegemos uma presidente progressista e antenada com nossos interesses, devemos afastar de vez todos aqueles que estão babando por nossas reservas. Dilma deverá governar com mão forte para evitar esse tipo de insídias contra o Brasil. Sugiro que ela matenha Celso Amorim. Esse ponto é de honra!!!

Responder

Azarias

06 de novembro de 2010 às 11h50

Um Tucano disfarçado, salvo pelo Lula. O futuro ex-ministro está fazendo o caminho inverso de um recém-eleito Senador, que de assaltante de banco na época da ditadura/64 ao engajamento nas hostes TFP/Opus-Dei.

Responder

    Protásio

    06 de novembro de 2010 às 19h24

    JOBIM É HISTÓRICO DO PMDB; DO MESMO PARTIDO DO VICE DE DILMA. É o melhor MINISTRO CIVIL DA DEFESA que já tivemos até hoje! Ele foi Presidente do Congresso Nacional, Presidente do Supremo Tribunal Federal e Presidente Interno do Brasil várias vezes. É verdade, ele foi Ministro da Justiça de Fernado Henrique Cardoso, mas no Primeiro Mandato; no segundo, foi Miguel Reale Júnior, Senador pelo PSDB de SP. Jobim é, antes de tudo, um Político Brasileiro e dos nacionalistas, no bom sentido do termo. Merece o nosso respeito com a posição de autonomia tomada perante a OTAN e EEUU, pois temos de defender as nossas riquezas, antes que eles as tomem, como fizeram com a América Latina ao longo do século XX.

José Manoel

06 de novembro de 2010 às 11h33

Azenha: urgente, notícia de última hora!!!!!!! Jobim descobriu a pólvora!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! hahahahahahahahahahahahah

Responder

mariazinha

06 de novembro de 2010 às 11h19

Que governo colocaria um oposicionista, logo para dirigir a defesa da nação?

Jobim aceita ser ministro
24 de outubro de 2010, em Estratégia, Política, por Galante
.
Em visita a Washington, nos Estados Unidos, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, não descartou, na terça-feira, participar de um eventual governo José Serra (PSDB), destacando sua amizade pessoal com o candidato à Presidência e dizendo que “transita para todos os lados”. http://www.forte.jor.br/2010/10/24/jobim-aceita-s

Só o GOVERNO LULA, tomaria tal atitude; cabra mais destemido do que LULA, não existe. Por acaso alguém já viu isto acontecer?

Responder

    Luiz Skrotowski

    06 de novembro de 2010 às 23h02

    O Jobim transita para todos os lados ??? Seria o caso de dupla penetração no meio político ? Os Estados Unidos querem nos sodomizar, o Jobim transita nos dois lados…. o Brasil vai pegar quem ? Vai ser ativo ou passivo, frente a essa situação ?

Daniel santanna

06 de novembro de 2010 às 03h03

Azenha por que não aproveita o atual momento pelo qual o brasil está passando e ajuda a conscientizar as pessoas sobre o nióbio através de uma publicação.. Ou isso ainda é um assunto proibido no Brasil.

http://opiniaoenoticia.com.br/brasil/nacional/nio

Responder

Cesar Ferreira

06 de novembro de 2010 às 02h45

Hoje, coincidentemente, li uma história sobre a aversão que FHC tinha de Marco Maciel… Ele não queria o Marco Maciel como vice por razões não muito claras, talvez pura antipatia, e fez de tudo para ele não ser indicado como seu vice. Porém, Marco Maciel acabou provando ser fiel ao governo FHC a ponto, contam, de FHC dizer que só se lançaria novamente candidato se o vice fosse Marco Maciel.
O que quero dizer é que a despeito de qualquer antipatia com o Jobin, talvez por ser do PMDB e de ter sido ministro de FHC, ele se mostrou compromissado com os interresses nacionais e em sintonia com o governo Lula, pelo menos essa foi minha impressão. Portanto, não acho inteligente fritar o cara só pra colocar um ministro mais “afinado” com o PT. O que devemos estar interessados é ter o melhor ministro da defesa e não um sujeito que tenha como currículo ser inimigo da turma do FHC.
http://www.youtube.com/watch?v=TGm1TLcPmfQ&fe

Responder

    Antonio Beraldo

    06 de novembro de 2010 às 13h52

    Concordo plenamente,

    Temos que analisar O QUE É BOM PARA O BRASIL, e não para simpatizantes deste ou daquele partido.

    Os interesses SOBERANOS do PAÍS estão muito acima de futricas e simpatias ou antipatias.

    Se Jobin mostrar-se não patriota ou não nacionalista, SIMPLES, demissão no ato !!

    Já cansei de ver "falsos esquerdistas" nestas eleições bandearem-se para outros lados diametralmente opostos, mas CONVENIENTEMENTE ao lado de seus "ideais-bolsos".

    Se Jobin é bom, mantenha-se Jobin, caso contrário cabe demissão.

Jorge Zimbábue

05 de novembro de 2010 às 22h08

Eu não confio no Ministro Jobim, o ministro do caos aéreo do Nênê Constantino dono da Gol e da bezerra de ouro do Roriz, do ministro do STF que tornou ilegal a intervenção do Lula no caos da saúde pública do Rio de Janeiro do Cézar Maia como prefeito, quando encontraram depósito de remédios em condições de uso como vencidos, para aids, câancer e a população na pior, contratos superfaturados e uma quadrilha que fornecia remédios para os hospitais do Rio superfaturado, que ameaçaram de morte os interventores. Quando no STF impediu que os hospitais de campanha das Forças Armadas brasileiras atendessem a população doente e pobre do estdo do Rio de Janeiro. Sinceramente, Jobim, prá mim sua ficha é …..

Responder

Ivonildo Dourado

05 de novembro de 2010 às 21h56

Azenha
Em entrevista ao UOL antes das eleições o Ministro Jobim assume o discurso pró Serra. Veja vídeo abaixo http://www.youtube.com/watch?v=NMznQbA1kVk

Responder

Lucio

05 de novembro de 2010 às 21h48

Voce sao ingênuos mesmo ou o que? Em que mundo voces vivem? Cada um faz o que é necessário para defender seus interesses!

Se os EUA estão de olho na costa brasileira pelo motivo que for, CABE AO BRASILEIROS CUIDAREM DO SEU TERRITÓRIO!

A postura deve ser essa do Ministro Jobim.

Se eles querem algo que é por direito nosso, vamos fazer o possível para que nao se apropriem. Agora ficar "horrorizado" e "chocado" pelo fato de um país ter intenção de tomar o ue é do outro é uma grande piada, pois isso é a coisa mais normal na história da humanidade.

O Brasil é que deveria cuidar MUITO MELHOR dos seus interesses, ah devia.

Enquanto ficam especulando sobre os pensamentos futuros do "império", as fronteiras com os sulamericanos são terra de ninguém, uma verdadeira festa para nossos "hermanos".

Responder

    Roger

    06 de novembro de 2010 às 08h54

    Prezado Lucio,

    Eu concordo – quase em sua totalidade – com o que disse Jobim.

    Só não concordo que seja ele a dizer.

    Quanto à nossa defesa, penso que é hora de começarmos a pensar em ser A potência militar na América do Sul, porque nossas riquezas, nosso país, exigem isso.

    Por muito menos, a polícia do mundo pode começar um debate de que não cuidamos da Amazônia, ou que estamos desenvolvendo armas de destruiçao em massa, e vir aqui "nos salvar"…

Darlan Henrique

05 de novembro de 2010 às 21h18

Jobim até falou bonito, mas… primeiro parece que ele está sofrendo um conflito de ideais e depois as forças armadas do Brasil estão sucateadas, a compra de míseros 30 aviões já virou novela mexicana. O Brasil pode até ser soberano, mas em caso de uma guerra contra qualquer umas das 10 maiores potências militares do mundo não tem chance de manter sua soberania nem por um mês e antes que alguém venha falar que nosso exército é o melhor na selva, eu digo que o Brasil não seria invadido pela Amazônia, com certeza não, seria feita pelo litoral brasileiro e após a rendição do governo Brasileiro, o país invasor exigiria também a Amazônia. já faz 28 anos que vivemos numa democracia, já está na hora de nosso governo perder o "trauminha" da ditadura militar e investir nas forças armadas e garantir nossa soberania . Mas também entramos em outra questão, não "abaixamos nossa orelha" para os EUA, mas abaixamos para Venezuela, Bolívia e cia, o fato ocorrido na Bolívia foi uma afronta que Lula "engoliu a seco", pelo simples fato de Evo compartilhar dos seus ideais socialistas, mas alguém esqueceu de avisar o Lula que ele deve zelar pelo interesse do povo Brasileiro e não do boliviano. De qualquer forma nós iremos acabar nas mãos dos EUA, Venezuela ou China.

Responder

    Olho na oPósição

    06 de novembro de 2010 às 12h52

    Para entender melhor, Darlan, qual a proposta? Invadir a Bolívia e/ou a Venezuela? Parece papo de imperialista!

Olho na oPósição

05 de novembro de 2010 às 21h00

Não inspira confiança, diga o que diga!
Acho que um militar no comando seria melhor "tom". Daria identidade bélica a quem de dever e aproximaria mais os militares do governo Dilma. Reconhecer a necessidade não é se acovardar! Quer queiramos ou não, os militares deverão ter um papel de suma importância na defesa da soberania nacional!

Responder

zepgalo

05 de novembro de 2010 às 20h48

Minha nova torcida é para esse cara passar bem longe do governo da Dilma.

A outra torcida é a manutenção do Celso Amorim.

No Governo Lula tivemos a melhor Política Externa em toda nossa história. Sem exagero algum. Vamos continuar assim.

Responder

Edson Machado

05 de novembro de 2010 às 20h16

Dependendento com quem vamos compartilhar, é possível. Com os imperialistas decadentes povoados por obesos comedores de hamburgueres é impossível!

Responder

Baixada Carioca

05 de novembro de 2010 às 19h02

Ôpa! Algo com o que concordar com o tucano Jobim. Que conversa é essa Ianques? O que querem compartilhar? Há algo na América do Norte a ser compartilhado? Se não, obrigado pelo convite, mas declinamos.

Responder

    Edson Machado

    05 de novembro de 2010 às 20h21

    Concordo plenamente!

Paulo Borges

05 de novembro de 2010 às 18h18

O que não faz uma picada da mosca azul, hein?
Um lacaio norte-americano que atreveu-se a fechar acordos com os NA como se chefe-de-estado fosse, de "cooperação militar" como se os NA cooperassem com alguém.
Afrontou Lula várias vezes e hoje acha que tem alguma importância política (não sei por que me vem à memória este ilustre de capacete de bombeiro pendurado em uma Magyrus, para fotos, enquanto uma aeronave crepitava em chamas).

Responder

ebrantino

05 de novembro de 2010 às 18h17

Moçada, vamos maneirar com o Jobim. Se ele falou o que falou, foi por ordem do Presidente, pois ele é ministro da DEFESA e estava falando oficialmente. Queriam que ele dissesse o que? Cumpriu a sua função. Se todo mundo malhar o homem, no momento em que age bem, jamais passará de pecador a santo. (Se é que é pecador) Não vamos esquecer que ninguem tem o monopólio do amor à patria. Vamos dirigir nossos ataques aos que querem "flexibilizar" o lucro do pressal. E se acaso o Jobim obtiver uma função no novo governo, o que é que tem? Nada contra, a Dilma, como o Lula tem a nossa confiança.
Ebrantino.

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 20h37

    Mas o único presidente que ele obedece, é o ex-supremo presidente supremo do Supremo Tribunal Federal…e esse não foi, tenho certeza!

    Roger

    06 de novembro de 2010 às 08h56

    Sim, Supremo Presidente do Supremo, O Imperador, Gilmar Dantas…

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!!!!!!!

mariazinha

05 de novembro de 2010 às 17h44

Eu não confio nem um pouco no velhote, ex-capapreta; antes da eleição falou para quem quis ouvir, qdo. pensou que o Chirico ia ganhar: "….não me importaria de aceitar um cargo no governo serra; até gostaria….."

Responder

Luis

05 de novembro de 2010 às 15h04

Jobim, o nosso grande "general playmobil", atacando em guerra de confete convence apenas os desavisados. Quem não o conhece, que o compre. A OTAN é que vai se tornando a cada dia mais perigosa para o mundo. Esses cabeças de capacete ainda vão causar uma catástrofe planetária.

Responder

César Moura

05 de novembro de 2010 às 15h03

kkkkkkkkkkkkkk Como um nome faz diferença!!!!!
Li o artigo todo e concordei em cada ponto. Depois, comecei a ler as criticas e não conseguia entender porque a moçada tava tão desconfiada. Como pode o pessoal não acreditar na sinceridade do "Celso Amorim" sobre tema tão tenso? Ai foi que atinei para meu lapso. Li o artigo sempre mentalizando o ministro das relações exteriores e não o cara que enterrou a operação satiagraha. Quando dei fé, ai, sim, entendi de pronto os comentarios da moçada. E como todos têm razão!!!!

Responder

fernandoeudonatelo

05 de novembro de 2010 às 14h46

Concordo plenamente com o colega Wsobrinho, independente do Jobim estar jogando ou não para a platéia, o mais importante é que esteja de acordo com os anseios cientifico-tecnológicos dispostos na Estratégia nacional de defesa, se alinhando com nossa política externa altiva e ativa, de Lula e Celso Amorim.

E até hoje, no que se refere a forças armadas, Jobim sempre foi um forte defensor da reestruturação do parque de material bélico brasileiro, arrebentado pelos engavetamentos de projeto feitos desde a década de 80.

A busca pelo consentimento e discussão da sociedade brasileira sobre geopolítica ´w um fenômeno recente, e precisa ser mantido vivo, como uma forma de conscientizar a população a respeito das pretensões que nosso país tem como ator econômico e militar regional, quem sabe internacional.

No mais, os simpósios e palestras com o Conselho nacional de defesa, mostram uma preocupação crescente do nosso Ministerio da defesa, com a soberania e riquezas nacionais.

Responder

augustinho

05 de novembro de 2010 às 13h15

Eu quero.
Quero a soberania compartilhada. da foz do East River, do condado de Langley, de Gilbraltar dividida entre espanha/inglaterra, do cabo Canaveral e do grand Canyon.

Responder

    Edson Machado

    05 de novembro de 2010 às 20h34

    Eu tambem!!

    Roger

    06 de novembro de 2010 às 08h58

    Eu quero a Área 51!!!!

Gilson cabral

05 de novembro de 2010 às 12h22

Eu acabei de ver, assistir o vídeo , EUA E A INVASÃO EM TORNO DO PETRÓLEO! Primeiro , é certo, é por aí mesmo, esse negócio de especular campo financeiro, encher o mundo de sonhos, os famosos, e o estilo americano de viver, sempre se dando bem , apesar de fumar, usar armas, violento, machista, um falso feliz, e engraçado. Enquanto esses nossos irmãos americanos, continuarem fingindo que o cocô deles não fede , igual a qualquer cidadão do mundo inteiro, enquanto eles ficarem naquele mundinho deles de carrão , de um ser super desenvolvido, que produz muito lixo, "esses produtos que não acrescentam nada na cultura, e lesam o meio ambiente, sem falar, na indústria bélica,".Vendem a desgraça mundo à fora, cobram caro pelos anti retro virais, medicamento prá tratar neoplasias, cancer, vacinas, estão na contramão da natureza, assim quem com eles compartilhar, vão ter que mudar de planeta, pois do jeito que está a loucura já está em andamento , basta ver uma cidade, pequena como a minha , veja o site jornal dos lagos, cidade de Alfenas MG, um rapaz encontrado, morto na rua pela manhã, após passar a noite numa pracinha junto com drogados, outro encontrado num lago sem cabeça, acidentes, no feriado mortos, uma barbarie, aqui em São Paulo, é uma guerra o trânsito, morre motoqueiro, aqui todo dia, moradores de rua cheio de piolhos, é uma desumaninade, sem tamanho e o padre famosos, aquele J L, lembra acusado de pedofilia? E o bispo com os seus panfletos, e o tiririca, e a mentirada da campanha do careca, não é mole, não, tão passando a mão no meu cruzeirão! Moçada , esses americanos são uns babacas, que pensam que estão arrasando,! Obrigado, tiau, fiquem em paz, muito amor no coração de todos, leiam as obras de Chico Xavier, esse é de Deus, irmão mesmo de JESUS CRISTO nosso irmão salvador, um beijão , um grande abraço!

Responder

Orlando Bernardes

05 de novembro de 2010 às 12h06

Discurso para conseguir manter-se no cargo. Mas todos nós sabemos, que apesar do Jobim ter conhecimento de todos estes problemas, sempre agiu de forma " traíra " aos interesses nacionais. Tudo o que ele falou neste discurso é corretíssimo, só que ele não é a pessoa confiável para colocar em prática. Fora Jobim!

Responder

Naria José Rêgo

05 de novembro de 2010 às 11h20

Este assunto não é da pasta do Ministério das Relações Exteriores? Tenho disconfianças de tudo o que este senhor fala, depois da gravação inexistente da fala do Gilmau com o Debóstenes que ele endossou.

Responder

Marat

05 de novembro de 2010 às 10h12

É bom que abramos os olhos… vejamos o Wikileaks… os tubarões estão de olho nos bens de todo o mundo, e não hesitarão em tomá-los… têm até o respaldo da impren$$$a nacional e internacional!

Responder

WSobrinho

05 de novembro de 2010 às 09h19

Não importa se Jobim joga pra platéia ou não, o que importa é que a Estratégia de Defesa e a definiçào dos interesese geopolíticos do Brasil devem ser discutidos com mais intensidade. A ascenção enconomica e politica do pais, por si já nos coloca no centro do problemas estratégicos e dentro destes a relaçào com a potenia dominante atual, os EUA e a sua futura concorrente, a China, que inclusive deixa claro suas ambiçòes globais e fome por recursos naturais e mercados para seus produtos.
Nesse contexto, o Brasil não pode se contentar com o papel passivo ou contar com um eventual cobertor americano, pois os EUA nos v6eem como um concorrente regional, mas que não tem o memso papel da Coréia ou Japão, que são considerados contraponto à China na Ásia.
Assim independência tecnologica capacitaçào de defesa, são assuntos que não devem ser deixados de lado e serem dominados pelas paixões mesquitas de poder político local. devem ser pensados a longo prazo, 20, 30, 100 anos, projetando o que se deseja do Brasil e seu lugar no mundo real, não na fantasia do pais tropical do samba e carnaval.

Responder

Marcus

05 de novembro de 2010 às 02h45

Para mim é só falação para ser convidado a ser ministro da Dilma!

Eu quero ver esse cara fora.

Responder

Cesar Ferreira

05 de novembro de 2010 às 01h12

Não entendi bem porque estão malhando o Jobim…
Já assisti uma audiência dele sobre o programa de renovação das forças armadas e ele me pareceu estar antenado com todos os aspectos e desafios que envolvem nossas forças armadas. E o texto acima vai de encontro a essa minha impressão.

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h30

    Mas não com tanto patriotismo e veemencia. Concorda Ferreira??

Scan

05 de novembro de 2010 às 01h12

"somos os maiores produtores de grãos e de proteína animal do mundo”
Pelo que li em algum lugar, os EUA ainda são os maiores em proteina animal.

Responder

Scan

05 de novembro de 2010 às 01h10

Porque Dilma manteria um PSDBista no ministério da defesa?
Já não basta o Lula ter feito a merda de afastar o Waldir Pires pra colocar esse lambe botas seboso aí?
Errar duas vezes…
Tem, de imediato, que defenestrar duas carcaças: esse aí e o Luiz Fernando Corrêa da PF. Dois entulhos horrendos.
Depois cuidaremos do Cardozo, Palloci e cia.

Responder

    José C. Neto

    05 de novembro de 2010 às 10h45

    Apoiado com louvores, suas palavras são as minhas em genero número e grau, fora com esta corja de abutres

    Mauricio

    05 de novembro de 2010 às 15h25

    Concordo com tudo que você disse Sacan. Mas também não podemos nem imaginar a volta do Hélio Costa ao Ministério das Comunicações. Este é outro abutre.

    Roger

    06 de novembro de 2010 às 09h04

    Eu dou um voto de confiança no critério técnico e político da Dilma para escolher outra pessoa para esse ministério.
    Não acredito que o Jobim fique. Dilma não é boba, ela sabe quem ele é.

Guanabara

05 de novembro de 2010 às 00h23

Tá jogando pra torcida.

Responder

Aristharco

04 de novembro de 2010 às 23h52

Bufão tem de puxar carro… lembram dos pitacos no acidente da Air France, posava de autoridade e não saía uma boa … bufão serrista, cai fora bichão, vai tarde!

Responder

Urbano

04 de novembro de 2010 às 23h41

Após a vitória da Presidenta Dilma Rousseff está todo mundo se adequando; groubo, inveja, o amarechalado… quem diria?

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h28

    Isso está fedendo…Veja solta uma edição extra para bajular a presidente eleita. Ministério Público vê na gestão da presidente eleita oportunidade para uma convivência amistosa(não vamos esquecer, que o acima citado, fez parte do STF, que juntamente com Gilmar Mendes integrante do STF e Demóstenes Torres, ex-integrante do MPE-GO, .criaram um factóide irresponsável sobre uma babá eletronica, com suposto grampo sem áudio). A Globo dá trégua e pega leve com a presidente eleita. Sei não…isso cheira a carbureto. Não me iludo com tanta "bondade" da direita raivosa e traiçoeira.

Antonio Pereira

04 de novembro de 2010 às 23h39

Este discurso é um balão de ensaio do Jobim, tenta impressionar agora depois de causar alguns constrangimentos ao Presidente Lula. A Dilma anunciou os critérios para os pretendentes a cargos, certamente o Jobim não se enquadra.
A belicosidade dos americanos é conhecida e perigosa, a dos europeus é pior porque eles estão sempre querendo vender a imagem de certinhos e corretos.

Responder

Joaquim

04 de novembro de 2010 às 22h43

Portanto, acho inoportuno dizer que Jobim quer "manter o emprego", quando foi o próprio departamento de estado americano, que propôs ao Brasil unificar o Atlântico Norte ao Sul, fechando a Bacia do Atlântico geograficamente a favor da Marinha americana.
Então Azenha, gostaria de saber, o que você queria que o Jobim falasse ?? Que o Brasil de hoje, de Lula e Celso Amorim, aceitamos de bom grado ??? Pois digo que apesar de suas controvérsias, Jobim respondeu a altura, mas não adianta só falar enquanto continuamos sem um bendito caça de 4,5ª geração !!!

Temos que preparar um sistema de defesa enxuto e eficiente,com militares bem treinados e armados,não sei se seria eficiente manter um grande número de caças,porque são muito caros de se manter e operar.

O foco principal do eixo EUA OTAN é o nosso Atlântico Sul,então o foco de nossas forças armadas precisam centrar em meios anti-navios e anti-submarinos.Nossos futuros equipamentos precisam ser capazes de atacar alvos a grande distância,patrulhar uma grande área e acertar com precisão os meios inimigos.

Temo muito por nossa liberdade ao ver este tipo de notícia,que não vemos na “nossa” mídia,será isto por acaso?ou estaria “nossa” mídia comprada aos interesses das nações do eixo EUA Otan?

Responder

    Pedro Paulo

    05 de novembro de 2010 às 11h02

    Joaquim, qual foi a vez que voce viu o PIG defender algum interesse do Brasil ? O PIG é um dos tentáculos das multinacionais, ele defende e sempre defenderá os EUA. Vou provar: pesquise no Google qualquer contenda envolvendo o Brasil e os EUA e veja de que lado se posicionou o PIG !!!!!

Joaquim

04 de novembro de 2010 às 22h33

Olha pessoal, para o Jobim estar escancarando isso, assim de forma clara, explicita e pouco diplomática é sinal de que a situação é mais ‘quente’ do que parece.

Se antes eu pensava em apenas ‘sinalizar a possibilidade’ de um armamento nuclear, já começo a rever a ideia que somente sinalizar não é o ideal.. Precisamos com Urgência adquirir esses melhoramentos tecnológicos, e escolher esse caça de uma vez.

Acho que, independente de suas pretensões pessoais e suas atitudes políticas, o Jobim esta certo em sua indignação até mesmo porque representa a soberania nacional que ainda resta nas Forças Armadas brasileiras que até algum tempo atrás, vivia de sucateamento e rombo no orçamento por migalhas de pão do governo.

Porém só falar não leva ninguém a lugar nenhum, passou da hora do Brasil ter uma real capacidade de defesa.

Responder

Mauro Silva

04 de novembro de 2010 às 22h26

Caro Azenha
Aquele projeto mirabolante de Eike Batista (qual é a cidadania desse moço?) de "construir um super porto no litoral de Peruíbe SP" sobre prováveis jazidas de urânio (sabem de onde começou a Reserva da Juréia?) escondia de fato, na minha opinião, a construção de uma base naval.
Aos números: quantos navios comportam esses super-portos?
11? 14?
Quantos navios conta a 4ª Frota?
11?
Mr. Eike desenvolve, agora, no Espírito Santo, mais uma vez entre o território brasileiro e o pré-sal outro super-porto.
Está mais que na hora de denunciar o Tratado de Não Proliferação Nuclear que FHC cuidou de aderir e homologar.

Responder

José Manoel

04 de novembro de 2010 às 22h12

Deputado: o Jobim está tentando mostrar serviço para ficar no cargo! Por outro lado, acho que os norte-americanos querem mesmo se aproximar do Pré-Sal. Temos que colocar um general linha dura e nacionalista para tomar conta desse assunto do mar teritorial brasileiro, na condição de Ministro da Segurança e enxotar essa canalhada imperialista!!!!

Responder

simas

04 de novembro de 2010 às 21h46

O general jobim afirma o q mandam … Ora!… Eu já não entendo, é q nesse meio tempo, o Brasil assinou um acordo contendo vários ítems… Um deles, q lembro ser o mais significativo, seria o de mandar militares brasileiros, pra fazerem "cursos", nos EEUU. … Então, naquele momento, pensei: Poxa"… Novamente, essa história de mandarem militares para os EEUU, sofrerem lavagem celebral? Esses cursos, nos "esteites", ajudam, de mto, a termos militares no formato "american way of life"… Depois, os militares passam uma campanha, inteira, tentando derrubar candidatira progressista; se atendo a engrossar atividade de propaganda, contra, e vc's, ou não tomam conhecimento, ou os chamam de facistas, apenas… Pq é isso q ocorre. Depois, essa de buscar parceria com os russo é a maior furada. Os russos não aceitam partilhar sua ind de material bélico, em toda a sua extensão, com ninguém… Apenas, querem vender, nada mais q vender,… os seus ítens, já caducos. E olha q o q eles têm de última geração já está ultrapassado. Então, fazer meia com quem não dá, nada? Apenas, argumentos pra sofrermos novas batalhas verbais, de propaganda, negativa?… Ora!… Convenhamos. O q nos serve é aquilo nos é vendido com a tecnologia, inteira, completa, junto; e q seja razoavemente de última linhagem. E o caso dos rafales, parece q se enquadra…. Só o alto nível, sabe de todas as conveniências e impropriedades, envolvidas. Não é, aqui, q iremos discutir o assunto… impenetrável. Então, o q sobra, mesmo, é a formação do militar brasileiro… Esta, continua a mesma, pelo q vejo. O militar brasileiro continua nacionalista, ao colorido da galinha verde, e achando a democracia americana o máximo…. Coisa de Deus, pátira e famía, de plínio corrêa e da opus dei. Uma pena. Mas, nem tudo está perdido, não; existe mta gente, esclarecida, culta e com a cabecinha no luigar… Existe. Obrigado

Responder

Carlos

04 de novembro de 2010 às 21h22

O aviso direto que foi dado à globobo deve ser dado também ao Gilmar Dantas e FHC, seu padrinho.

Responder

João Carlos

04 de novembro de 2010 às 20h53

Este Bobim é mesmo um figuraço. Ficou bem quietinho esperando para ver quem sairia vitorioso para a presidência, seu amigão Serra ou a candidata do governo Dilma Rousseff.
Depois de constatar para onde os ventos sopraram resolveu dar uma de valentão bem ao agrado, em tese, dos que votaram em Dilma.
É um pândego!

Responder

Beto Lima

04 de novembro de 2010 às 20h40

Dias Atráz li qualquer coisa que o Lula faria questão em manter o Jobim e o Mantega no próximo governo. Procede?. Gostaria de ler seu comentário, sua opinião Azenha.
Abrç.

Responder

claudio

04 de novembro de 2010 às 20h30

como é que anda o hashtag #leydemediosjá ?

Responder

O JUIZ

04 de novembro de 2010 às 20h12

Primeiro, o Jobim deve estar querendo garantir uma vaguinha no governo DILMA.
Segundo, pode estar querendo justificar uma corrida bélica, para aparelhar nossas Forças Armadas.
Agora, com relação ao que disse dos Yankees, aplaudo de pé.
O gringos se cham os "Síndicos do Mundo".
Aqui, não.
"Ou viver a Pátria livre, ou morrer pelo Brasil. !
Sentença Proferida.

Responder

assalariado.

04 de novembro de 2010 às 20h12

Força das armas,esta é a tática histórica que o capital usa,para manter subjugada as suas colonias.Por isso, usam de guerras,invasões para manter o seu Estado do bem estar social em seus territórios,este é um desejo e necessidade imperialista do G7,em realinhar/ recolonizar o planeta.Corremos o risco no médio prazo de sermos mais uma vez invadidos/ saqueados,como fez Pedro Alvares Cabral,e,as nossa riquezas,hoje,são outras e mais valiosas,a saber:
1- Um mar de pretróleo embaixo do oceano atlantico,por isso reativaram a IV frota em nosso litoral,por que será?
2-Agua doce abundante ao norte( Amazonia),futuro combustivel limpo,carros movidos a hidrogenio.Faz divisa Colombia, justamente onde os EUA,constróem 7 bases militares,por que será?
3-Aquifero guarani,agua potável,situado no centro oeste,leste/ sul do Brasil e demais vizinhos,uma imensidão de agua potável ao nossos pés.Os EUA querem construir uma base nesta região,já pensaram se o Serra ganha esta eleição?

Aqui tem imagens : http://pt.wikipedia.org/wiki/Aqu%C3%ADfero_Guaran

Responder

Wagner Scaglione

04 de novembro de 2010 às 19h57

Bobagem do Jobim, o Brasil não corre risco.

[youtube JffmWtjxVq8 http://www.youtube.com/watch?v=JffmWtjxVq8 youtube]

kkkk!

Responder

    Ane

    04 de novembro de 2010 às 23h02

    Esse vídeo merece o Oscar! kkkkkkk

    @Darlanhs

    05 de novembro de 2010 às 21h20

    kkkkkkk, muito engraçado, quase morri de rir.

Eduardo Lima

04 de novembro de 2010 às 19h37

Jobim queria uma base americana no Rio de Janeiro e agora faz um discurso nacionalista em defesa da soberania. Se fosse de outro ministro aplaudiria de pé. Dele temos mais é que desconfiar. Acho que está querendo apenas garantir o emprego. Burrra será Dilma se deixá-lo continuar no cargo.

Responder

sergio

04 de novembro de 2010 às 19h37

ESSE JÁ ERA! A DILMA DEVERIA NOMEAR O GENUINO COMO MINISTRO DA DEFESA!

Responder

Arnóbio Freire

04 de novembro de 2010 às 19h36

Que tal um TT #ForaJobim no twitter? Fazer ele bombar e chegar aos ouvidos da Presidente Dilma que certamente vai ter imensa facilidade em atender ao apelo popular e defenestrar Jobim da Defesa.

Responder

claudio dos santos

04 de novembro de 2010 às 19h20

o que este traste do JOBIN fala, deve servir de chacota nas Forças Armadas…..q uem colocou esse idiota neste cargo foi o Gilmar Dantas…..fora JOBIN, tranqueira!!!!

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h32

    E não entendo como o Gilmar teve este poder todo, e porque este meliante continua no cargo, depois de tanta m,,, feita pelo padrinho.

Alexander Back

04 de novembro de 2010 às 18h55

Belo discurso do Jobim Fanfarrão.

Quero ver duas coisas antes pra acreditar nisso:

1.O Brasil deixar de ser exportador de capital. Sustenta os EUA e a Europa pagando a maior taxa de juro desse lado do universo. Caboclo pega dinheiro emprestado a juro zero no seu país de origem e vem pra cá ganhar 10% ao ano. Isso sim é dinheiro fácil.
2.Investimento nas forças armadas e pelo menos ter comida pra dar pros recrutas.

O Jobim gosta de falar grosso, mas quando a luz apaga, vira moça.

Responder

    José Manoel

    04 de novembro de 2010 às 22h26

    PERFECT!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Robert - PR

04 de novembro de 2010 às 18h46

O Brasil precisa urgentemente se preparar para "negar" nosso espaço aos EUA e à OTAN. No momento certo, amas atômicas. Infelizmente eles não nos deixarão outra opção..

Responder

Antonio

04 de novembro de 2010 às 18h29

A permanência deste cara no governo Lula´é sem dúvida nenhuma a coisa mais mau contada que já vi em matéria de política. É como se o Lula fosse refém dele ou de alguém que exige a permanência dele no governo. Não dá pra aceitar. Não dá pra entender!

Responder

ratusnatus

04 de novembro de 2010 às 18h18

Azenha, desculpe mas não concordo com a parte de "procura de emprego".
Óbvio que ele gostaria de continuar e deve estar fazendo seu lobby mas…

Essa notícia é velha. Como não foi divulgada na época por causa das eleições, hoje ganha repercussão.
Aqui vc pode conferir o discurso completo do Jobim onde foi feita a divulgação do posicionamento do Brasil. http://www.defesabr.com/blog/index.php/18/09/2010

Isso é notícia de 50 dias atrás e só agora ganha repercussão como "Jobim procura emprego".

Eu também não gosto do Jobim. Só não concordo como a crítica foi feita. Aliás que crítica?
Ele fez um bom trabalho na pasta. Quem não concorda, que aqui diga o porque.

Responder

    Henrique

    04 de novembro de 2010 às 21h32

    De fato! Eu também tinha lido esse texto do Jobim no Defesa BR, até fiquei estupefacto. Mas a verdade deve ser dita. No geral, o brasileiro precisa atentar mais para política externa, está acontecendo muita coisa por aí com influência decisiva sobre o Brasil.

    Nascimento

    04 de novembro de 2010 às 23h01

    Eu também não morro de amores (PSDB), mas, acompanho o trabalho dele, e acho que tá fazendo um bom trabalho na pasta. Pelo menos não é igual ao Farol de Alexandria (Lesa-patria).

    Recomendo também o blog http://www.planobrasil.com

@jucapastori

04 de novembro de 2010 às 18h02

Tá na hora de pensar seriamente na UNASUL como contraponto da OTAN. O Reino Unido está cercando as Malvinas e os EUA estão doidos pra financiar mercenários piratas made in Africa/Asia pra eventualmente detonar navios cargueiros e plataformas de petróleo, tudo pra justificar a sua IV Frota. É hora de trabalhar no conjunto da América do Sul e assegurar o terreno.

Responder

    Lênin

    06 de novembro de 2010 às 03h53

    Concordo com vc, o UNASUL pode tentar intimidar intimidar invasores.
    Um dos grandes obstáculos para a criação da UNASUL é a Colombia, que tem interesses com os EUA.
    União américa do sul, o mundo não dá a miníma para nós!!

vinícius

04 de novembro de 2010 às 17h51

Esse joguim… ou melhor, Jobim. Sei não!
O cara aparecia todos os dias na TV.
Depois tomou chá de sumiço. Onde ele estava?
Agora tá todo cheio de prosa…

Responder

santa

04 de novembro de 2010 às 17h50

Apesar de nao simpatizar com o min. Jobim, essa atitude dele nao me deixou surpresa. Qdo os EUA reativaram a Quarta Frota, ele (Jobim) chamou uma reuniao dos ministros da defesa da UnaSul para criar uma cooperacao entre eles. Na epoca o secretario do Departamento de Defesa dos EUA ligou para o Jobim dizendo: 'Gostariamos muito de ajudar nesta iniciativa' e a resposta do Jobim foi 'A melhora que voces podem dar eh ficando longe e nao se envolver'.

Responder

joão bravo

04 de novembro de 2010 às 17h50

Deixa estes americanos se bobearem,invadirem nossa praia,que o Nelson Jobim rapidinho pega o projeto da Nau Capitânia com seus amigos e botam estes bobalhões a correr.E mais,não tem porta-aviões limits que bata nossa Nau Capitânia que até bio-degradável é,não polui o meio ambiente. Só porque eles tem Uss John stennis e Hms IIIustrious entre outros,estes pequenos porta aviões,que trazem consigo mais aviões que a Tam,não significa nada para o Jobim.Só porque algum descuidado deixou a escotilha do nosso submarino aberta e ele afundou,não quer dizer que não temos poder de fogo,ao contrário,nosso submarino tem autonomia tão grande,mas tão grande, que afundou no tempo do Fernando Henrique e jamais precisou voltar a tona.Fico mais descansado porque vi uma foto do jobim fardado,nada mal para quem sobrou por excesso de contingente.Parece que estou vendo o Jobim na beira do mar de espadim em punho gritando para os americanos:
-Independência ou morte.

Responder

    Roberto Ilia

    04 de novembro de 2010 às 18h13

    Ou então, como dizia FHC, o mala: Dependência ao Norte!

    Bonifa

    04 de novembro de 2010 às 19h43

    Então não tem jeito, né João Bravo? Vamos nos conformar e ficar miudinhos, miudinhos, enquanto os valorosos rapazes do Norte acendem fósforos em nosso cocuruto. Tem graça não, João Bravo.

Rafael

04 de novembro de 2010 às 17h48

Eu fico impressionado é com as forças armadas. Acredito que queiram o Brasil cada vez mais forte e soberano. Temos o pré-sal e outras riquezas naturais importantíssimas e não vejo nenhum militar defendendo o pré-sal. É uma oportunidade rara de nos tornarmos uma potência, não militarmente, mas como democracia, bem estar da população e gerando tecnologia. Temos que ter Exército, Marinha e Aeronautica forte o suficiente para defender as nossas riquezas. Ninguém das forças armadas defende isso, pelo menos publicamente. Na época do campanha " O petróleo é nosso" tinha militares defendo publicamnete a questão e hoje nada. Depois do golpe de 64 fico com impressão que os militares não se preocupam com soberania.

Responder

Mario Alex

04 de novembro de 2010 às 17h47

Alguns militares, de alta patente, dizem que foi o melhor Ministro que eles tiveram ultimamente.

Responder

Leider_Lincoln

04 de novembro de 2010 às 17h45

Olha, se livrar de Nelson Jobin, Hélio Costa e Henrique Meireles serão as únicas coisas boas da saída do Lula. Dilma, não me tire este prazer, por favor!

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h33

    Leider, apesar dos pesares, Meirelles ainda é um mal necessário.

    A. Elcio

    05 de novembro de 2010 às 11h28

    Meirelles já foi um mal necessário; continua sendo mal, muito mal pra nossa economia; mas deixou de ser necessário há algum tempo.

    Houve algum sobressalto na economia ou mesmo na Bovespa com a candidatura e com a eleição de Dilma?? Nenhum!

    Aquele tempo de risco-país nas alturas já passou, o Brasil hoje é o destino inexorável dos investimentos, seja porque quem define o risco-país já não canta de galo, seja porque nossa economia está sólida e de vento em popa.

    Por isso, fora Meirelles! E que ele leve junto o Jobim e o Hélio Costa. Pro bem do Brasil.

    Lênin

    06 de novembro de 2010 às 05h58

    Élcio,
    Regime de Metas para Inflação (corroborada por decreto federal!!)!
    Se o Meirelles sair, vai entrar outro com a mesma cara dele!
    Ou vc preferever o Belluzo (campineiro loco que defende modelo CEPALINO!!), Delfim Neto (quem não se lembra dele e as disparidades regionais de hoje!) ou Bresser (Plano BRESSSER e controle de capitais!!).
    Para mudar só se for um economista mais heterodoxo, e isso significa mudança no eixo de crescimento (inclusive, com possível controle de capitais).
    Estes investimentos que vc está se referindo (que eram baseados no risco-país) são, na maioria, de curto prazo (bovespa) e não se revertem, necessariamente, na produção.
    Os investimentos de Longo prazo, aos olhos do investidor estrangeiro, depende do crescimento e estabilidade da economia, principalmente, da INFLAÇÃO (Regime de Metas para Inflação!!!).
    Logo, o Meirelles sempre será um "mal" necessário!

ZePovinho

04 de novembro de 2010 às 17h42

Como falou o Dukrai,Jobim quer ficar no cargo ou no governo da Dilma.

Responder

    Regi

    04 de novembro de 2010 às 19h03

    Se eu fosse a Dilma escolheria para ministro da Defesa um militar, porque aí acabaria esta palhaçada de lobby de civil.
    Militar como ministro da Defesa todo mundo fica quieto.
    Confio na Dilma e nas Forças Armadas.
    Fora Jobim, o que disse que ia ter cargo no governo Serra.

Tiago Tobias

04 de novembro de 2010 às 17h34

O Jobim é bipolar?

Responder

C R TEIXEIRA

04 de novembro de 2010 às 17h32

Em questão à defesa nacional o Zé Genoino dá de 10 a 0. O Jobim se acha! O presidente Lula já decidiu há muito tempo quais os caças que serão incorporados à FAB, o Brasil não comprará só aviões, vai comprar principalmente tecnologia. Até nisso o Jobim está tão por dentro como uma castanha de caju!

Responder

augustinho

04 de novembro de 2010 às 17h28

Com todo o bric , um pacote não dá. Dará por coisa de dez anos, quinze,com transferencia total de tecnologia, senão não.
Porque a russia adotou pos-1989 o modelo cínico: faz o que for preciso pra arrancar concessões dos USA, pouco importando eventual aliança com terceiros. Pra ela é bom negocio porque a tendencia de longo prazo é enfraquecimento de uoxington. A India é gente fina, mas esta atualmente debaixo de um grande acordo-guarda chuva dos Usa, de tecnologia principalmente na area nuclear..Aceitou de bom grado e todos sabem por que. Amanha a gente assina um pacote com eles mas demora seis meses e uóxinton diz "nao".
A china é coisa pra acordos apenas pontuais e so um país maluco se deixaria levar por tratados abrangentes com eles, tb. porque sao novos no pedaço. acho perigoso ficar encantado muito tempo com cantorias vindas da praça da Paz celestial.

Responder

carmen silvia

04 de novembro de 2010 às 17h18

Aaaaa….esse apego ao cargo,vale qualquer coisa,o cara fica tão corajoso que peita otan,EUA e quantos mais vierem.Eita,minino valente.

Responder

joão bravo

04 de novembro de 2010 às 17h15

Não me levem a mal,conheço o Nelsom Jobim pessoalmente,ele serve bem para cuidar de seus proprios interesses.Acho que com Jobim, nós vamos tomar na bunda igual cachorro pitoco em chuva de granizo.

Responder

    Edemilson

    04 de novembro de 2010 às 22h58

    Será que ele ainda engana alguém????

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h34

    Com certeza engana sim…a si próprio.

Rodrigo Carvalho

04 de novembro de 2010 às 17h04

Acho a mesma coisa, ele falou o certo, mas quer mesmo é se manter como ministro da defesa.

Responder

Julio Silveira

04 de novembro de 2010 às 16h57

Comungo com as opiniões que denotam não acreditar nesse nacionalismo todo.

Responder

Alexandre Aguiar

04 de novembro de 2010 às 16h57

Entra em vigor aquela velha frase: si vis pacem, para bellum.

Responder

Marcelo Ramos

04 de novembro de 2010 às 16h54

Agora sim, nesse discurso eu senti firmeza. Soberania não se negocia.

Responder

    Rodrigo Moreira

    04 de novembro de 2010 às 18h09

    Fecho com vc. Ele mandou muito bem. Se é para ficar no Ministério assim, que fique.

    José Manoel

    04 de novembro de 2010 às 22h14

    Ele está defendendo sua permanência no cargo e não a soberania do Brasil!!! Será que vocês não se deram conta??????? Está querendo mostrar serviço para a Dilma! Fora, Jobim!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

easonnascimento

04 de novembro de 2010 às 16h49

Muito boa esta defesa dos interesses da América do Sul, feita pelo ministro Jobim. Ministro Jobim ? Agora não entendi nada. Isso é mudança de rota? Estou achando muito estranho tudo isso. Ministro Jobim peitando os americanos? ??????????
htp://easonfn.wordpress.com

Responder

    Kadu

    04 de novembro de 2010 às 17h09

    Bem observado… Parece-me outro ministro.

    PEDRO HOLANDA

    04 de novembro de 2010 às 17h10

    Meu irmão, isto não é o que ele pensa. Isto é uma posição das Forças Armadas. Doido estaria ele em contrariar, pois trata-se da soberania nacional, sem contar que no meio de tudo está o pré-sal.

Edmundo Adôrno

04 de novembro de 2010 às 16h47

Meus Caros,
Eu não confio em Nelson Jobim. A meu ver continua sendo o cretino de sempre, aquele que altera a constitução depois votada e promulgada; o mesmo que em atitude desrespeitosa discursa contra o ex-ministro Waldir Pires, homem acima de qualquer suspeita, e outras tantas atitudes atabalhoadas, para dizer o mínimo.
Repito: para mim não passa de um cretino, com defesa ardorosa ou não dos interesses do Brasil, ainda assim: um cretino.
Abraços.

Responder

paulo chacon

04 de novembro de 2010 às 16h45

Ora Jairo, o cheiro disto chama-se apego ao cargo. O Nelsão vai dizer qualquer coisa para se manter como ministro.

Responder

    Jairo_Beraldo

    05 de novembro de 2010 às 07h35

    Tem mais coisa aí, Chacon..tem coelho neste mato!

FabioT

04 de novembro de 2010 às 16h45

é só o jobim fazendo lobby pra ficar no min defesa…me engana que eu gosto

Responder

marcos campos

04 de novembro de 2010 às 16h42

Putz. Quem diria. O Jobim, desta vez, falou e disse, mostrou-se em absoluta sintonia c/ a política externa adotada pelo governo Lula. Diálogo sim, baixar a cabeça (ou tirar os sapatos), nunca mais. É o Brasil soberano, não aquele q em passado recente dizia amém e se curvava aos poderosos. O Lula deu um segundo grito da independência, e esse legado tem de ser preservado daqui p/ frente. A dúvida é saber se se trata de um posicionamento autêntico do nosso Ministro da Defesa, ou se foi apenas um discurso de campanha, p/ continuar, como vem sendo especulado, no ministério da Dilma. A conferir.

Responder

    Jorge Zimbábue

    05 de novembro de 2010 às 22h13

    Marcos, se quiser acreditar é com você, mas permita-me desconfiar. Não acredito nesse ministro, melhor ele procurar emprego como assessor do Serojas…. No governo Dilma é uma bomba ambulante pronto a estourar no primeiro escândalo midiático!

LUCAS PEREIRA

04 de novembro de 2010 às 16h40

SERRA CHORANDO NA CAPA DA VEJA! Hilário, muito criativo… http://desatualidadescronicas.blogspot.com/2010/1

Responder

Erick

04 de novembro de 2010 às 16h39

Esse Jobim é um tucano bem implumado!

Responder

ratusnatus

04 de novembro de 2010 às 16h37

Não é a primeira crítica.
O Brasil esta fincando a bandeira e dizendo pro mundo chegar pra LÁ!

Responder

Celso

04 de novembro de 2010 às 16h29

Parece que o Jobim deixou pra trás a direitona que não ata e nem desata e deu uma bela guinada pra esquerda que cresceu e simboliza força com a eleição de Dilma. Logo aparecerá suas verdadeiras intenções.

Responder

    Baixada Carioca

    05 de novembro de 2010 às 19h04

    Deixou a direitona ou não quer largar o osso? Estamos de acordo com o discurso dele, até porque ele tem que fazer aquilo que o governo brasileiro determina. Mas não estou certo de que ele é um nacionalista convicto. Se bem que todo mundo tem o direito de mudar suas convicções.

Ronaldo

04 de novembro de 2010 às 16h25

Temos o Jobim para o público interno e para o público externo.

Responder

Fabio

04 de novembro de 2010 às 16h24

o que era o mapa na página inicial? há em tamanho maior?

Responder

ruypenalva

04 de novembro de 2010 às 16h17

O Brasil precisa investir melhor na sua defesa, em suas Forças Armadas. Sem Forças Armadas fortes, principalmente marinha e aeronautica, e capacidade dissuasiva e tática, não poderemos nos defender de ameaças. A Rússia e a China, a Índia também, sabem o teatro que está se armando e procuram ter sistemas ofensivos e táticos capazes de repelirem qualquer tentativa de intrusão. Enquanto não desenvolvemos hardware próprio para defesa poderíamos ir comprando mísseis S-300, S-400 e Iskander russos, além de aderir ao sistema Glonass, de banda militar, da Rússia. A Rússia precisa de um parceiro para co-investimento em equipamentos militares, uma aliança Brasil, China, Rússia, India seria bem vinda, embora o Brasil seja o mais atrasado militarmente do grupo. Sem uma constelação de satélites militares em órbitas variáveis e um sistema de radar eficiente, além de equipamentos de guerra eletrônica, não seremos capazes de repelir tentativas de invasão 400 Km antes que elas cheguem à nossas fronteiras. Só consigo imaginar o Brasil a curto prazo com um sistema de radar efetivo, com contra medidas eletrônicas efetivas, com mísseis S-300, S-400, Iskander e caças de 4 ou 5ª geração para vigiar nosso espaço. Todos nós sabemos que os EUA e a Europa da Otan não querem uma grande potência na América do Sul, mas a China e a Rússia querem e até colaborariam com isso do ponto de vista militar. Sozinhos não tocaremos esse projeto, nem mesmo com toda América do Sul unida.

Responder

    Henrique Finco

    04 de novembro de 2010 às 17h39

    Exatamente. Há que compor um sistema de dissuasão eficiente. Isto significa optar por padrões que não sejam os da OTAN (como navios de guerra, sistema de radares e de rastreamento por satélite, caças, etc.). Neste contexto, fica difícil entender a opção por caças rafale, que nunca foram testados em conflitos reais e que foram projetados para serem linha auxiliar dos caças norte-americanos na OTAN, deixando de lado os caças SU35, russos, projetados para fazer frente aos ataques aéreos da OTAN. Independente do que queira o Jobim – sempre é bom ter um pé atrás com esta figura – ele abordou corretamente este assunto e, de fato, marinha e aeronáutica eficientes são fundamentais para a defesa deste nosso país continental.

    ruypenalva

    04 de novembro de 2010 às 18h53

    Para mim o Su-35 4++ seria a melhor opção de caças nesso momento para o Brasil. É um caça e tanto e não tem tecnologia conhecida pela Otan. Paralelo a isso o país precisaria de sistemas antimísseis (Thor-1, S-300, S-400) de 150, 300, 400 KM, além de um míssil tão preciso e tático como o Iskander russo, capaz de atingir alvos com precisão e capaz de evadir sistemas defensivos com manobras evasivas. Não adianta, se realmente marcharmos para sermos uma potência econômica teremos de ser uma potência militar.

    Mariano S. Silva

    05 de novembro de 2010 às 02h28

    O problema básico é : quais são as condições de contôrno? O poder efetivo sabe, porém nós só poderemos especular…
    Temos um problema básico em aviônica e motores a jato. Os franceses tem soluções próprias e independentes dos anglo-saxões, por isso os Rafale parecem uma solução boa para galgar a escada da aprendizagem. Os russos são meio crocodilos, vide Irã e os conflitos arabe-israelenses. Entretanto, uma parceria multinacional dentro dos BRIC seria muito interessante, mas seria viável? Seria uma aliança do mundo contra a superpotência, tipo 2ª guerra, onde os nazistas de plantão são os anglo-saxões? Não creio muito nessa hipótese, só se os EUA acabarem por detonar uma guerra comercial. Bem! Aí tudo pode acontecer, o diabo abrirá sua caixa de maldades…

rafael

04 de novembro de 2010 às 16h02

A pergunta que não quer calar: por onde andou o amigo do José Serra durante a campanha da Dilma?

Responder

Jairo_Beraldo

04 de novembro de 2010 às 16h00

"Jobim defende soberania da América do Sul e critica Otan e EUA"… isto está digitado certo? Que houve com o Jobim? Isso não está cheirando bem!

Responder

    felipe augusto

    04 de novembro de 2010 às 16h37

    [2]

    E acrescento aproveitar o momento para iniciar de fato uma parceria com o BRIC ou ser dominado pelos EUA.

    PedroCosta

    04 de novembro de 2010 às 16h39

    Deve ser encenação prá tentar garantir o Ministério da Defesa; depois ele desconversa….

    dukrai

    04 de novembro de 2010 às 16h50

    eu acho que o moço está procurando emprego no governo Dilma.

    Luiz Carlos Azenha

    04 de novembro de 2010 às 16h55

    É isso aí. abs

    José Manoel

    06 de novembro de 2010 às 11h35

    Grande Azenha: resolveu dar o ar da graça????? Seja sempre bem-vindo ao seu blog!!!! hahahahahahahah!! Grande Azenha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    Gerson Carneiro

    09 de novembro de 2010 às 18h51

    e tá é bunithio com esses óculos escuros!
    abandonou a foto do arabu, agora sim. é um comentarista de mermo.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding