VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Jeferson Miola: Onde está o canalha da OEA, que sumiu após fraudar informe para viabilizar golpe na Bolívia?
Política

Jeferson Miola: Onde está o canalha da OEA, que sumiu após fraudar informe para viabilizar golpe na Bolívia?


14/11/2019 - 13h39

OEA de Almagro falsificou informe para viabilizar golpe na Bolívia

por Jeferson Miola, em seu blog                             

Especialistas de instituições acadêmicas dos EUA e da Europa concluíram que a OEA sob Luis Almagro fraudou informações e manipulou dados para viabilizar o golpe contra Evo Morales na Bolívia.

Reportagem de Nicolás Lantos no portal eldestape sobre 2 investigações internacionais independentes diz que os informes dessas instituições

não somente confirmam o triunfo de Morales nas eleições, como também avivam as suspeitas sobre a premeditação do golpe de Estado e a participação do organismo encabeçado pelo uruguaio Luis Almagro nos planos para tirar o Movimento ao Socialismo [MAS] do poder sem se importar com o resultado do voto popular”.

A reportagem diz que no estudo da Universidade de Michigan elaborado por Walter Mebane, um dos maiores experts em fraude eleitoral do mundo, a conclusão foi de que “há irregularidades estatísticas que poderiam indicar fraude em somente 274 das 34.551 mesas de votação [ou seja, em 0,79% do total de mesas] e que isso não se diferencia muito dos padrões vistos em eleições em Honduras, Turquia, Rússia, Áustria e Wisconsin”.

O autor deste estudo concluiu que mesmo descontando eventuais votos fraudulentos, “o MAS tem uma vantagem superior a 10%”.

Ou seja, Evo obteve a votação suficiente para ser eleito no primeiro turno, conforme prevê a Constituição boliviana.

O outro estudo reportado pelo eldestape é do Centro de Pesquisa de Política Econômica [CEPR, em inglês]; think tank integrado por investigadores de universidades da Europa que focaram a análise na missão de observação eleitoral da OEA e no papel desta Organização [que é francamente pró-americana] no processo boliviano.

Os investigadores do CEPR concluíram que “nem a OEA nem ninguém pôde demonstrar que tenha havido irregularidades sistemáticas nem amplas nas eleições, e que nenhuma das 2 recontagens mostram padrões estranhos em comparação com a distribuição de votos em eleições anteriores”.

Os acadêmicos do CEPR agregam, ainda, que as insinuações infundadas da OEA “tiveram uma influência significativa na cobertura midiática e, portanto, na opinião pública”.

Os especialistas criticam que “a politização do que é normalmente um processo independente de monitoramento eleitoral parece inevitável quando uma organização [a OEA] à qual se confia esta tarefa faz declarações sem fundamentos que questionam a validade da contagem eleitoral”.

Os resultados encontrados pelos centros dos EUA e da Europa coincidem com os encontrados pela justiça eleitoral da Bolívia, que proclamou a vitória de Evo Morales com o respaldo da Constituição do país.

Evo obteve mais de 40% dos votos [na realidade, fez 44%], com uma vantagem superior a 10% do 2º colocado – precisamente 10,56% de diferença, o equivalente a mais de 640 mil votos em relação ao golpista Carlos Mesa.

Nicolás Lantos avalia que Almagro “não somente não ocupou de maneira equânime o papel que havia sido confiado a ele nas eleições, como que ele tomou parte de um plano premeditado e cuidadosamente executado pela oposição, polícia, Forças Armadas e meios de comunicação para arrancar Evo Morales e o MAS do poder”.

Luis Almagro foi embaixador uruguaio na China durante o 1º governo frente-amplista.

Antes disso, na política doméstica uruguaia, ele saltou do Partido Nacional para a Frente Ampla, e escolheu se alojar justamente num dos setores mais esquerdistas da Frente – o MPP, Movimento de Participação Popular do lendário Pepe Mujica, de quem foi chanceler entre 2010 e 2015.

Devido ao servilismo descarado aos EUA e à postura caninamente e doentiamente contra a Venezuela, em dezembro de 2018 Almagro foi finalmente expulso da Frente Ampla.

Essa talvez tenha sido uma punição tardia para um personagem de quem não se tem a segurança de que não seja um agente da CIA desde há muito tempo.

Aliás, Almagro produziu o inferno na Bolívia, mas desapareceu nos últimos dias. Afinal, onde está Almagro, o cônsul dos EUA na América Latina que falsificou os relatórios sobre a eleição na Bolívia para viabilizar o golpe que derrubou Evo Morales?

A ingenuidade do Evo, que confiou neste canalha, também merece ser registrada.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

15 de novembro de 2019 às 13h08

Na Bolívia, um “Golpe a la Pinochet”
e “Eleições ‘Paraguaias’ a la braZil”
sem Evo Morales na Disputa, talkêi?

Responder

a.ali

14 de novembro de 2019 às 22h28

inacreditável a capacidade desses safados fazerem as mais infames e nefastas ações e ficar tudo por isso mesmo. é tudo mt. estudado, nos mínimos detalhes, todos estão e pegam juntos, são especialistas em canalhices e estão espalhados pelo mundo todo.

Responder

Cristina Reis

14 de novembro de 2019 às 18h03

A moda da fraude eleitoral é a senha para a derrubada de um governo legitimamente constituído pelo sufrágio popular.

Responder

Zé Maria

14 de novembro de 2019 às 17h29

“El presidente de Bolivia, Evo Morales, acusó este miércoles a las Organización de Estados Americanos de estar ‘al servicio del imperio norteamericano’, luego que el reporte sobre la auditoría que realizó la entidad multilateral, adelantado el domingo, sobre el proceso electoral contribuyó a la precipitación de los acontecimientos en su contra.
En rueda de prensa con medios internacionales y locales en la Ciudad de México, donde llegó la víspera, luego que el Gobierno mexicano le otorgó asilo político, Morales relató que el secretario general de la OEA, Luis Almagro, ignoró responder a sus llamados.
El mandatario calificó ese informe de totalmente político, una expresión que en forma indirecta significa que la OEA tomó partido por los sectores que organizaron el golpe de Estado”. teleSUR: https://youtu.be/liO2lws8HKs

Responder

Zé Maria

14 de novembro de 2019 às 15h22

Quer dizer que quem manipulou as Eleições da Bolívia
foi a OEA, para acusar o Presidente Evo de irregularidades ?

Realmente, os EUA transformaram a
OEA numa Organização Criminosa.
Se mudar a sigla para ORCRIM,
ninguém vai notar. É uma Gang.
Inda mais com esse Crápula
Luis Almagro na Presidência.

Reprisando a pergunta:

“Afinal, onde está Almagro, o cônsul dos EUA na América Latina,
que falsificou os relatórios sobre a eleição na Bolívia
para viabilizar o golpe que derrubou Evo Morales ?”

Manifestação da Embaixadora Permanente do México na OEA,
na Sessão Extraordinária, realizada em 12 de novembro de 2019:
https://youtu.be/kxC_80A8OlI?t=589

https://www.gob.mx/cms/uploads/attachment/file/509933/MEXICO_INTERVENCIO_N_CP_BOLIVIA_121119.pdf
https://www.gob.mx/sre/documentos/intervencion-de-la-embajadora-luz-elena-banos-rivas-representante-permanente-de-mexico-ante-la-oea
https://www.prensa-latina.cu/index.php?o=rn&id=320550&SEO=encontronazo-por-bolivia-en-oea-entre-delegada-mexico-y-luis-almagro
https://revistaforum.com.br/global/oea-e-luis-almagro-ficam-em-vergonhoso-silencio-diante-do-golpe-violento-na-bolivia/

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.