VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Isolado, Bolsonaro se arrisca para enfrentar fragilidade do governo e colocar a culpa do fracasso no Congresso
Com música marcial, o cavaleiro templário não mostrou o rosto, mas deixou clara a agitação de extrema-direita nas redes sociais. Reprodução
Opinião do blog Política

Isolado, Bolsonaro se arrisca para enfrentar fragilidade do governo e colocar a culpa do fracasso no Congresso


07/03/2020 - 20h40

Da Redação

Jair Bolsonaro chegou à conclusão de que é mais importante ter gente na rua, ainda que sob críticas de líderes do Congresso e do STF, do que correr o risco de ver uma manifestação esvaziada no dia 15 de março.

Numa escala de sua viagem aos Estados Unidos, o presidente da República convocou abertamente seus apoiadores a irem para a rua, em mensagem logo compartilhada pelo filho, deputado federal Eduardo, nas redes sociais.

Ao fazer a convocação, Bolsonaro tentou argumentar que a manifestação não é contra ninguém, mas o protesto foi originalmente convocado no âmbito do enfrentamento entre o governo e o Congresso, em resposta ao “fodam-se” disparado pelo general Alberto Heleno em direção a parlamentares.

Heleno sustenta que o Congresso está fazendo Bolsonaro refém do orçamento impositivo.

Num dos vídeos de convocação do ato, um cavaleiro templário menciona “traidores da Pátria” como alvos da manifestação.

“Cada vez mais descarada a provocação de Bolsonaro contra as instituições da democracia. Até quando Maia e Alcolumbre vão se calar? Até o próximo acordão? E ainda faz comício fascista numa área militar para mentir ao país. Generais que se prestam a isso deviam pendurar a farda”, escreveu a presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, reagindo à convocação feita por Bolsonaro em Roraima.

Bolsonaro fez o chamamento num momento especialmente difícil de seu governo: crescimento abaixo do esperado (PIB de 1,1%, menor que o do antecessor Michel Temer), dólar disparando a caminho dos 5 reais, ameaça de recessão mundial causada pela pandemia do coronavírus.

Internamente, fracassou a tentativa do presidente da República de montar seu próprio partido — até eleitores mortos apareceram na lista de assinaturas rejeitadas da Aliança pelo Brasil.

Com a suspensão de 12 deputados do PSL, Joice Hasselmann reassumiu a liderança do PSL, em substituição a Eduardo Bolsonaro.

Além disso, o presidente vai enfrentar três grandes manifestações nacionais contrárias nos próximos dias.

Bolsonaro tem sólido apoio de boa parte do empresariado e trouxe os quartéis para dentro do Palácio do Planalto.

Tudo indica que o presidente calculou que precisa de uma grande manifestação popular no dia 15 de março, já que sua base parlamentar está desmilinguida e ele é cada vez mais dependente da boa vontade de Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

“Não temos os recursos e a estrutura que o entorno do governo tem para viralizar tantas fake news como tem sido feito nas últimas semanas”, disse Maia recentemente.

Uma quebra de sigilo feita a pedido da CPI das Fake News revelou ligação direta do gabinete de Eduardo Bolsonaro com uma conta do chamado “gabinete de ódio”.

Parlamentares da CPI, mencionados pelo diário conservador paulistano Estadão, calcularam em R$ 1,2 milhão mensais o custo da estrutura que ajudaria o clã Bolsonaro a impulsionar conteúdos nas redes sociais.

“Nada disso custa pouco. Um robô custa US$ 12 por mês”, disse Maia na mesma entrevista.

A preocupação do presidente da Câmara faz sentido: ele disputa a mesma base eleitoral, o Rio de Janeiro, com o clã Bolsonaro.

Maia, Alcolumbre e integrantes do STF são alvos frequentes de ataques de bolsonaristas nas redes sociais.

Polarizando com o Congresso, Bolsonaro pode dizer a seus apoiadores que só não tem sido bem sucedido na área econômica por causa do suposto “boicote” denunciado pelo general Alberto Heleno.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

09 de março de 2020 às 14h26

#ForaDilma

Mais uma vez, EUA garante Mercado para a Arábia Saudita
e derrubam o Preço do Petróleo em cerca de 30% (chegou
a cair a US$ 30 e agora está por volta de 35 Dólares o Barril).

E agora? O desgoverno Bolsonaro/Guedes/Moro vai baixar
os preços da Gasolina e do Diesel na mesma proporção?

Não? Porque o Dólar bateu outro record e chegou a R$4,80 ?

Áááh… tá … Aqui, os Preços de Combustíveis de Petróleo estão
atrelados à Cotação do Barril lá fora e do Dólar aqui dentro,
porque o Brasil importa Gasolina, Querosene e Óleo Diesel,
e exporta o Óleo Bruto Extraído do Pré-Sal, em vez de refiná-lo
mesmo que as Refinarias Brasileiras estejam operando 70%
abaixo da Capacidade de Refino.

Nos EUA, o Trump vai baixar a Gasolina para os Norte-Americanos.
Afinal, o Dólar é deles … Ao menos, a Reeleição está Garantida.

Agora, entendi … Dãããã

Responder

Níveo faro

08 de março de 2020 às 20h52

Os jornalistas do pig são um punhado de covardes.
Deviam apontar todos os erros e malfeitos do Bozo e Jegues na economia.
Bateu, levou.
Ficam amaciando até um jornalista deles ser assassinado por um fascista.
Os caras não reagem. Aguentam tudo calado.
Pega no pé do Bozo pra valer com um monte de reportagem da área econômica e vê se o Bozo faz o que faz.
O Bozo será o Temer II, ficará bem livre da cadeia.

Responder

Arnon

08 de março de 2020 às 20h43

Toffoli deve carregar uns 2 kg de bosta na cueca.

Responder

Hildermes José Medeiros

08 de março de 2020 às 19h57

Há algo mais a dizer nessa questão. Certamente, o Congresso (Câmara e Senado), que apoiaram e foram parte do golpe de 2016, que afastou Dilma Rousseff e o PT do poder e, mais à frente, em 2018, também, omitindo-se, participou da prisão do Presidente Lula (mantido preso por mais de 1 ano) e da eleição de Jair Bolsonaro, ignorando todos os desvios de conduta do candidato (a inexplicável facada, a defesa de atitudes nazi-fascistas, as notícias falsas etc.), evidentemente é favorável ao plano econômico que está, agora num segundo estágio, sendo tocado por Paulo Guedes/Bolsonaro, tendo sido iniciado pelo presidente traidor, Michel Temer/Henrique Meirelles. O plano econômico que foi gestado pelos golpistas e está sendo desenvolvido por Paulo Guedes/Bolsonaro, diria parafraseando, que é o pomo da concórdia entre o Congresso e o desgoverno Bolsonaro. As diferenças entre o Congresso e o segundo presidente dos golpistas no campo político, é tão somente retórica, mantidos o plano econômico e as reformas ditas necessárias para sua implementação e êxito. Daí ser um erro não reconhecer a competência política de Bolsonaro, que já não tem mais dúvidas de que o plano, por cujos aspectos técnicos responde o economista Paulo Guedes, não consegue alcançar os objetivos planejados e anunciados, e o presidente, político experiente, está, de todas as maneiras, claro segundo seu estilo grosseiro e mal educado, lutando para que suas tropas de apoio, com partes já bastante incomodadas, sejam minimamente reduzidas, que explica essa atuação de permanente estado de campanha eleitoral. Todos os golpistas: Forças Armadas, Judiciário, Procuradorias, Congresso e a mídia liderada pela Globo, estão unidos pelo plano econômico que estão implantando para favorecer o grande capital (internacional e no Brasil, liderados pelos EUA). O Congresso e o Judiciário, certamente com o garante das Forças Armadas, sabem muito bem que não dá para Bolsonaro, que dentro do golpe de 2016 não passa, na essência, de um executor do plano econômico, não os ameaça. Esperam o resultado político que advirá das manifestações programadas, até aqui para o dia 15/03 próximo. A partir daí todos, inclusive o Bozo, saberão para que lado penderá a política. Se continua no no mesmo rumo, ou se serão adotas correções a nível institucional, que implicarão em problemas políticos de difícil administração, muito mais por estar as economias, brasileira e internacional, passando por sérios reveses, projetando cenários nada favoráveis para o país que precisa crescer e atender as necessidades básicas da população. A oposição está na sua, somente marca posição, não precipita nenhuma ação, aguarda maiores definições, já que todos sabem que não aprova o plano econômico dos golpistas que faz água.

Responder

Gilmar

08 de março de 2020 às 19h25

A cueca do dias toffoli deve pesar muito por causa da merda. O cara é um frouxo. Cueca frouxa.

Responder

VALDIR CARRASCO

08 de março de 2020 às 18h36

Alô ministros covardes do TSE….por que ainda não fizeram nada no sentido de caçar a chapa dos bandidos que ganharam a presidência criminosamente através de disparos de fakenews financiados por empresas privadas? Tenham vergonha na cara e não fiquem só caçando prefeitinhos por esse país afora. Tenham coragem, cacem os verdadeiros bandidos de brasilia……..

Responder

Valdir Carrasco

08 de março de 2020 às 12h47

Pois é, parece que há grande dúvida quanto ao pedido de impeachement do boçal (já que juridicamente é possível mas realisticamente é discutível). Afinal, tirar uma merda para ficar a vice-merda (que aliás é fá do criminoso ex-juiz, cafajeste da pior espécie), ou seja merda por merda tudo é uma merda só. MAS TUDO ISSO ACONTECE POR CULPA DOS COVARDES DO TSE QUE SABEM DE COR E SALTEADO QUE A ELEIÇÃO FOI GANHA PELO BOÇAL À CUSTA DE DISPAROS DE FAKE NEWS FINANCIADOS POR EMPRESÁRIOS…o que é ilegal, criminoso fazer. Ou seja, se tem que fechar alguma instituição, que pelo menos começassem por essa outra bosta cujos covardes não cassam a chapa das duas merdas presidenciais.

Responder

Roberto

08 de março de 2020 às 10h58

Concordo com a opinião do VioMundo: a convocação do ato fascista é uma demostração de fraqueza do capitão. Encurralado, ele apelou para o “tudo ou nada”.
Cabe à esquerda responder com atos pelo Fora Bolsonaro. O ideal seria que esses atos fossem convocados para o próprio dia 15. Mas, vá lá, o ato do dia 18 é uma boa oportunidade do povo mostrar seu repúdio ao governo.

Responder

Zé Maria

07 de março de 2020 às 22h34

Caíram Doze que Não Prestavam.

Mas permanecem os 5 Mais Venenosos:
Alê Silva, Bia Kicis, Carla Zambelli, Chris Tonietto e Eduardo Bolsonaro,
por decisão liminar proferida pela na 1ª Vara Cível de Brasília nos autos
do Processo n° 0705521-12.2020.8.07.0001 que lá tramita.

Por Decisão do PSL, Câmara Suspende 12 Deputados Federais da Sigla.
Com a Ratificação da Suspensão, a Bancada reduz de 53 para 41.

Os Suspensos [todos Bolsonaristas] são:

Aline Sleutjes (RJ),
Bibo Nunes (RS),
Carlos Jordy (RJ),
Caroline de Toni (SC),
Daniel Silveira (RJ),
General Girão (RN),
Filipe Barros (PR),
Cabo Junio do Amaral (MG),
Hélio Lopes (RJ),
Márcio Labre (RJ),
Ubiratan Sanderson (RS) e
Vitor Hugo (GO) – este último, líder do Governo na Câmara.

De acordo com o Regimento, os Deputados Suspensos continuam
exercendo o s Mandatos, mas perdem as Funções de Liderança e
Vice-Liderança que eventualmente vêm sendo exercidas por eles
na Câmara, bem como ficam impedidos de orientar a Bancada
em nome do Partido e de representar a Sigla no Parlamento,
nem poderão participar da escolha do Líder da Bancada durante
o período de Afastamento.

Íntegra da Decisão de Rodrigo Maia, Presidente da Câmara Federal:
https://abrilexame.files.wordpress.com/2020/03/dcd0020200303000230000.pdf
[Exame]

“Não tenho que ceder aos apelos da Joice Hasselmann.
Quem é Joice Hasselmann?
Quem é Joice Hasselmann na fila do pão?
Eu não tenho que ceder!”
Eduardo Bolsonaro (SP), o 03 do Jair,
Agora, ex-Líder do PSL na Câmara:

Joice Reconquista Liderança do PSL
e ‘despeja’ bolsonaristas dos Cargos

Apesar de ainda estar afastada de suas funções legislativas por dez dias, desde o Domingo, dia 1º/03, em razão de uma cirurgia de histerectomia (extração total do útero), a Deputada Federal Joice Hasselmann (PSL-SP) reconquistou, na quarta-feira (4), a Liderança
do PSL na Câmara dos Deputados.

Desta vez, 21 Parlamentares do PSL assinaram a lista de apoio a Joice.

Ela ocupará a função no lugar do Deputado Eduardo Bolsonaro (SP).

Também, foram Destituídos dos Cargos de Vice-Liderança do PSL
na Câmara, os deputados Alê Silva (PSL-MG), Bia Kicis (PSL-DF),
Carla Zambelli (PSL-SP), Chris Tonietto (PSL-RJ), Luiz Ovando (PSL-MS),
Soraya Manato (PSL-ES), General Girão (PSL-RN) e Luiz Philippe
de Orleans e Bragança (PSL-SP).
[Valor]

Espera-se que, assim que a Deputada Joice retorne da Licença-Saúde, os Deputados Bia Kicis (DF) e Filipe Barros (PR), assim como os demais
Milicianos Digitais Bolsonaristas do Gabinete do Ódio, sejam de imediato afastados da CPMI das Fake News e das demais Comissões.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.