VIOMUNDO

Diário da Resistência


Igreja Católica vai excomungar padre que criticou conservadorismo
Política

Igreja Católica vai excomungar padre que criticou conservadorismo


29/04/2013 - 17h49

29/04/13 14:15 – Geral
Padre Beto é excomungado pela Igreja Católica

Marcus Liborio e Luiz Beltramin, do Jornal da Cidade de Bauru  

O padre Roberto Francisco Daniel, conhecido como padre Beto, foi excomungado pela Igreja Católica, segundo comunicado publicado no site da Diocese de Bauru, nesta segunda-feira (29). Segundo o texto, as opiniões expressas pelo padre em redes sociais sobre a postura conservadora da igreja e temas como a bissexualidade e a fidelidade conjugal, traíram o compromisso de fidelidade à Igreja, a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal.

Ainda de acordo com o comunicado, os atos de “liberdade de expressão” proferidos pelo sacerdote provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial.

A diocese de Bauru, por meio do Bispo Dom Caetano Ferrari, decidiu excomungar o padre Roberto Francisco Daniel, em um ato inédito na Diocese de Bauru. A partir desta decisão, ele não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais), nem mesmo receber a Eucaristia.

O juiz iniciará os procedimentos para demitir o padre e enviar a Roma o relatório penal para sua “demissão de estado clerical”.

‘Não muda a minha vida’

Instantes após divulgada a decisão da igreja, Padre Beto (que ainda pode ser chamado assim até a chegada de carta oficial do Vaticano ratificando a excomunhão) mostrou-se tranquilo. “Não muda nada na minha vida. Eu já havia pedido o meu desligamento. Ainda bem que não tem fogueira”, ironizou, por telefone, ao JCNET. “Não afeta minha vida”, minimiza.

Beto não se diz surpreso com o veredicto. “Era um tribunal montado. Eu apenas queria entregar uma carta (de resposta ao pedido de Dom Cateano sobre retratação e consequente solicitação de afastamento das atividades ministeriais). Não diria surpresa. Eu esperava de tudo da igreja”, diz.

Leia na íntegra o comunicado da Diocese de Bauru

É de conhecimento público os pronunciamentos e atitudes do Reverendo Pe. Roberto Francisco Daniel que, em nome da “liberdade de expressão” traiu o compromisso de fidelidade à Igreja a qual ele jurou servir no dia de sua ordenação sacerdotal. Estes atos provocaram forte escândalo e feriram a comunhão eclesial. Sua atitude é incompatível com as obrigações do estado sacerdotal que ele deveria amar, pois foi ele quem solicitou da Igreja a Graça da Ordenação.

O Bispo Diocesano com a paciência e caridade de pastor, vem tentando há muito tempo diálogo para superar e resolver de modo fraterno e cristão esta situação. Esgotadas todas as iniciativas e tendo em vista o bem do Povo de Deus, o Bispo Diocesano convocou um padre canonista perito em Direito Penal Canônico, nomeando-o como juiz instrutor para tratar essa questão e aplicar a “Lei da Igreja”, visto que o Pe. Roberto Francisco Daniel recusa qualquer diálogo e colaboração. Mesmo assim, o juiz tentou uma última vez um diálogo com o referido padre que reagiu agressivamente, na Cúria Diocesana, na qual ele recusou qualquer diálogo. Esta tentativa ocorreu na presença de 05 (cinco) membros do Conselho dos Presbíteros.

O referido padre feriu a Igreja com suas declarações consideradas graves contra os dogmas da Fé Católica, contra a moral e pela deliberada recusa de obediência ao seu pastor (obediência esta que prometera no dia de sua ordenação sacerdotal), incorrendo, portanto, no gravíssimo delito de heresia e cisma cuja pena prescrita no cânone 1364, parágrafo primeiro do Código de Direito Canônico é a excomunhão anexa a estes delitos. Nesta grave pena o referido sacerdote incorreu de livre vontade como consequência de seus atos.

A Igreja de Bauru se demonstrou Mãe Paciente quando, por diversas vezes, o chamou fraternalmente ao diálogo para a superação dessa situação por ele criada. Nenhum católico e muito menos um sacerdote pode-se valer do “direito de liberdade de expressão” para atacar a Fé, na qual foi batizado.

Uma das obrigações do Bispo Diocesano é defender a Fé, a Doutrina e a Disciplina da Igreja e, por isso, comunicamos que o padre Roberto Francisco Daniel não pode mais celebrar nenhum ato de culto divino (sacramentos e sacramentais, nem mais receber a Santíssima Eucaristia), pois está excomungado. A partir dessa decisão, o Juiz Instrutor iniciará os procedimentos para a “demissão do estado clerical, que será enviado no final para Roma, de onde deverá vir o Decreto .

Com esta declaração, a Diocese de Bauru entende colocar “um ponto final” nessa dolorosa história.

Rezemos para que o nosso Padroeiro Divino Espírito Santo, “que nos conduz”, ilumine o Pe. Roberto Francisco Daniel para que tenha a coragem da humildade em reconhecer que não é o dono da verdade e se reconcilie com a Igreja, que é “Mãe e Mestra”.

Leia também:

Leandro Fortes: A grampolândia de Marconi Perillo





88 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Repúdio à CPI para criminalizar luta pela legalização do aborto - Viomundo - O que você não vê na mídia

06 de maio de 2013 às 22h22

[…] Igreja Católica vai excomungar padre que criticou conservadorismo […]

Responder

Paulo Pimenta: Retrocesso nos direitos civis e na luta pela igualdade - Viomundo - O que você não vê na mídia

05 de maio de 2013 às 19h30

[…] Igreja Católica vai excomungar padre que criticou conservadorismo […]

Responder

abolicionista

04 de maio de 2013 às 13h02

PESQUISADORES DESFAZEM O MITO DE GENEROSIDADE E ALTRUÍSMO EM TORNO DE MADRE TERESA

24 DE MARÇO DE 2013 LUCIANA RIBEIRO DOS SANTOS COMMENTS (7)

[Tradutor]
O mito de altruísmo e generosidade que envolve Madre Teresa foi desfeito em um paper de Serge Larivée e Genevieve Chenard, do Departamento de Psicoeducação da Universidade de Montreal e por Carole Sénéchal, da Faculdade de Educação da Universidade de Ottawa. O paper, que será publicado na pauta de março do periódico Estudos em Religião/ Ciências religiosas, é uma análise dos escritos publicados sobre Madre Teresa. Assim como o jornalista e autor Christopher Hitchens, amplamente citado em suas análises, os analistas concluem que sua imagem santificada – que não é sustentada pela análise dos fatos – foi construída, e que sua beatificação foi orquestrada por uma eficiente campanha de assessoria de imprensa.

“Enquanto procurávamos documentos sobre o fenômeno do altruísmo para um seminário de ética, um de nós deparou-se com a vida e o trabalho da mulher mais celebrada da igreja católica e agora parte da nossa imaginação coletiva – Madre Teresa – cujo nome real era Agnes Gonxha”, diz o professor Larivée, que liderou a pesquisa. “A descrição era tão extática que atiçou nossa curiosidade e nos levou a pesquisar mais a fundo.”

Como resultado disso, os três pesquisadores coletaram 502 documentos sobre a vida e o trabalho de Madre Teresa. Depois de eliminar 195 duplicatas, eles consultaram 287 documentos para conduzir sua análise, o que representa 96% da literatura sobre a fundadora da Ordem dos Missionários da Caridade (OMC). Fatos derrubam o mito de Madre Teresa.

Em seu artigo, Serge Larivée e seus colegas citam também uma série de problemas que não foram levados em conta pelo Vaticano durante o processo de beatificação de Madre Teresa, como “seu um tanto quanto duvidoso jeito de cuidar dos doentes, seus contatos políticos questionáveis, a administração suspeita das enormes quantias de dinheiro que ela recebeu e suas visões excessivamente dogmáticas em relação a, particularmente, aborto, contracepção e divórcio.”

Os doentes devem sofrer como Cristo na cruz

À época da sua morte, Madre Teresa havia aberto 517 missões que acolhiam os pobres e os doentes em mais de 100 países. As missões foram descritas como “casas para os moribundos” por médicos que visitaram diversos desses estabelecimentos em Calcutá. Dois terços das pessoas que iam a essas missões tinham esperança de encontrar um médico para tratá-las, enquanto um terço agonizava sem receber o cuidado apropriado. Os médicos encontraram uma significativa falta de higiene, condições impróprias, falta de cuidado de fato, comida inadequada e ausência de analgésicos. O problema não era falta de dinheiro – a Fundação criada por Madre Teresa arrecadou milhões de dólares – mas uma concepção um tanto peculiar de sofrimento e morte: “Há algo de belo em ver os pobres aceitarem sua sina, sofrer como na Paixão de Cristo. O mundo ganha muito com seu sofrimento”, foi a resposta dela a críticas, como cita o jornalista Christopher Hitchens. Não obstante, quando Madre Teresa solicitou cuidados paliativos, ela os recebeu em um moderno hospital americano.

Política questionável e contabilidade obscura

Madre Teresa era generosa com seus oradores, mas um tanto miserável com os milhões que iam à sua fundação no que tangia ao sofrimento humano. Durante numerosas enchentes na Índia ou após a explosão de uma fábrica de pesticidas em Bhopal, ela ofereceu muitas orações e medalhinhas da Virgem Maria, mas nenhuma ajuda direta ou financeira. Por outro lado, ela não teve escrúpulos ao receber a Legião de Honra e uma doação do ditador haitiano Duvalier. Milhões de dólares foram transferidos para as diversas contas bancárias da OMC, mas a maioria das contas era mantida em segredo, diz Larivée. “Dada a administração parcimoniosa dos trabalhos de Madre Teresa, é de se perguntar para onde foram os milhões de dólares enviados para os pobres.”

O grande plano da mídia para a santidade

A despeito desses fatos perturbadores, como Madre Teresa conseguiu construir uma imagem de santidade e infinita bondade? De acordo com os três pesquisadores, um encontro que ela teve em 1968 com Malcom Muggeridge, um jornalista antiaborto da BBC que compartilhava de seus valores de direita católica, foi crucial. Muggeridge decidiu promover Teresa, que consequentemente descobriu o poder da mídia de massa. Em 1969 ele fez um filme elogioso à missionária, promovendo-a ao atribuir-lhe o “primeiro milagre fotográfico”, quando ele deveria ter sido atribuído ao novo estoque de filmes comercializado pela Kodak. Mais tarde, Madre Teresa viajou o mundo e recebeu diversos prêmios, incluindo o Prêmio Nobel da Paz. No seu discurso de aceitação, falou sobre o assunto de mulheres bosnianas que haviam sido estupradas por sérvios e agora solicitavam o aborto: “eu sinto que o grande destruidor da paz hoje é o aborto, porque é uma guerra direta, uma matança direta – assassinato direto pela própria mãe.”

Após a sua morte, o Vaticano decidiu aguardar os usuais cinco anos para dar início ao processo de beatificação. O milagre atribuído a Madre Teresa foi a cura de uma mulher, Monica Besra, que vinha sofrendo de intensa dor abdominal. A mulher testemunhou ter sido curada depois que uma medalha abençoada por Madre Teresa foi posta em seu abdômen. Seus médicos pensavam diferente: o cisto no ovário e a tuberculose dos quais ela vinha sofrendo foram curados pelos medicamentos que eles haviam lhe dado. O Vaticano, ainda assim, concluiu que era um milagre. A popularidade de Madre Teresa era tamanha que ela tornou-se intocável para a população, que já a declarava santa. “O que poderia ser melhor do que a beatificação seguida de canonização deste modelo para revitalizar a Igreja e inspirar os fiéis, especialmente em uma época em que as igrejas estavam vazias e a autoridade romana em declínio?” Larivée e seus colegas questionam.

Efeito positivo do mito de Madre Teresa

Apesar da forma duvidosa de cuidar dos doentes ao glorificar seu sofrimento ao invés de aliviá-lo, Serge Larivée e seus colegas apontam para um efeito positivo do mito de Madre Teresa: “Se a extraordinária imagem de Madre Teresa transmitida ao imaginário coletivo encorajou iniciativas humanitárias que são genuinamente comprometidas com aqueles atingidos pela pobreza, nós só temos a celebrar. É provável que ela tenha inspirado muitos trabalhadores humanitários cujas ações verdadeiramente aliviaram o sofrimento dos destituídos e se voltaram às causas da pobreza e isolamento sem terem sido exaltados pela mídia. Ainda assim, a cobertura midiática de Madre Teresa poderia ter sido um pouco mais rigorosa.”

Mais informações: A versão impressa, disponível apenas em francês, será publicada em março de 2013 na pauta 42 de Estudos da Religião / Sciences religieuses. Pela Universidade de Montreal

Este texto é uma tradução de Researchers dispell the myth of altruism and generosity surrounding Mother Teresa , em Phys.org

Matéria original: http://phys.org/news/2013-03-dispell-myth-altruism-generosity-mother.html#jCp

Responder

Paulo Rosa

02 de maio de 2013 às 07h36

O Grupo Gay da Bahia, GGB, já oficializou o convite feito, pelo seu líder Luiz Mott, ao ex-frei Beto para que este una forças junto àquela agremiação político-sexual, de modo a usar o canal para expressar suas ideias e sentimentos. O ex-frei Beto usará também o canal no GGB para receber sugestões e as fortes manifestações de apoio dos companheiros do GGB aos seus atos libertários. Vamos ajudar, pessoal.

Responder

Zanchetta

01 de maio de 2013 às 19h38

O ex-padre é sãopaulino e quer fazer parte da Diretoria do Curintiá…

E ainda reclama que jogaram ele prá fora!!!

Responder

    abolicionista

    02 de maio de 2013 às 10h13

    Nada como unir preconceito de gênero a preconceito de classe. A mistura resulta numa iguaria azeda e enxundiosa que atende pela alcunha de Zanchetta. Anauê…

geralda f s Sales

01 de maio de 2013 às 16h59

Religião e Politia sao a mesma coisa todos lutam para o poder

Responder

abolicionista

01 de maio de 2013 às 12h18

Bom, se dependesse da Igreja, a escravidão jamais teria sido abolida. Como vocês sabem, o Vaticano investia bastante dinheiro no tráfico negreiro. Não é de se estranhar, afinal, segundo Luis Felipe de Alencastro, tratava-se do maior negócio já realizado sob o sol.

Por falar no astro rei, se a gente fosse dar ouvidos à Igreja, ainda acharíamos que o Sol gira em torno da Terra e que esta seria o centro do universo. Galileu Galilei que o diga.

Pensaríamos também que o universo é composto por sete esferas concêntricas.

Estaríamos queimando “bruxas” e hereges em praça pública, como fizeram com o filósofo renascentista Giordano Bruno.

Livros seriam proibidos e queimados em praça pública. Evolucionismo? Quer morrer, herege?

Enfim, a Igreja católica é uma instituição que serve apenas para manter o status quo e impedir revoltas populares.

A única igreja que ilumina é aquela que pega fogo.

Houve grandes homens na Igreja? Certamente, como os há em qualquer instituição. Qual o grande pensador dentro da igreja hoje? Aqueles bispos que dizem que a pedofilia é um crime menor?

Só um completo debilóide acreditaria que a Igreja pode fomentar a humanidade. É como dizer que uma dieta a base de merda pode ser saudável. Que muitos chafurdem nesse fosso é de se esperar. Afinal, o obscurantismo vem galgando terreno a passos largos nas consciências dos infelizes da terra. Na falta de utopias, voltamos à Idade Média.

É lamentável, mas o que fazer?

Responder

    Lucimara silveira nunes

    04 de maio de 2013 às 00h48

    parabens adorei o comentario.abraço lu

GERALDO

01 de maio de 2013 às 11h52

ENRIQUEÇA A SUA FÉ

“Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja” (Mt 16,18).

Ao instituir a Igreja, a partir do Colégio dos Doze Apóstolos, Jesus o quis como um grupo estável e escolheu Pedro para chefiá-lo.

É fácil compreender essa iniciativa do Senhor. Todo grupo humano precisa ter uma Cabeça visível para manter a sua ordem e integridade. Nenhuma instituição humana sobrevive sem observar esta lei.

O Código de Direito Canônico da Igreja, diz que:

“O Bispo da Igreja de Roma, no qual perdura o múnus concedido pelo Senhor singularmente a Pedro, primeiro dos Apóstolos, para ser transmitido a seus sucessores, é a Cabeça do Colégio dos Bispos, Vigário de Cristo e aqui na terra Pastor da Igreja universal; ele, pois, em virtude de seu múnus, tem na terra o poder ordinário supremo, pleno, imediato e universal, que pode sempre exercer livremente”(CDC,Cân.331).

A Igreja, que é semelhante ao próprio Jesus, isto é, ao mesmo tempo, humana e divina, precisa também ter um Chefe visível. Ela tem a sua Cabeça divina, invisível, o próprio Cristo; e tem a sua Cabeça humana, o seu chefe visível, o Papa. Cristo assim o quis. Diz o Catecismo que:

“Somente a Simão, a quem deu o nome de Pedro, o Senhor constituiu como a pedra da sua Igreja. Entregou-lhe as suas chaves, instituiu-o pastor de todo o rebanho” (nº 881).

“E eu te declaro: Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mt 16,18-19).

Estas palavras de Jesus são claríssimas, e só não as entende quem não quer. Não há como distorcê-las e manuseá-las.

Pedro é a pedra sobre a qual Ele quis edificar a Sua Igreja. É preciso notar que o Senhor diz “a Minha Igreja”. Usou um pronome possessivo “Minha”; ela é propriedade Sua, é o Seu próprio Corpo, e Ele a quis construída sobre o Papa. Não existe outra.

Para não deixar dúvidas a respeito disto, no primeiro encontro que Jesus teve com Simão, trocou/lhe o nome para “Kefas”, que quer dizer Pedro, o mesmo que pedra em aramaico.

Responder

    abolicionista

    01 de maio de 2013 às 12h44

    Quanta baboseira…

    abolicionista

    01 de maio de 2013 às 13h38

    No gibi da Turma da Mônica numero 303 a Mônica afirma:

    “O sansão é meu! Tira a mão dele, Cebolinha!”

    Sansão, o símbolo da força nas Sagradas Escrituras, é o maná do qual Mônica retira sua força sobre humana. E o coelho simboliza o espírito santo, do qual emana a única força maior que o homem.

    Amém, irmão, salve o coelho sagrado!

    Vinícius

    02 de maio de 2013 às 19h11

    Quem discorda do Cânon da Turma da Mônica, que saia da Turma da Mônica.

    abolicionista

    03 de maio de 2013 às 12h22

    Se você não se lembra, a Mônica é a dona da rua…

anac

01 de maio de 2013 às 11h39

Excomungam o padre que se negou a atirar pedras no homossexuais e não excomungam os pedófilos. Pelo contrario, Ratzinger e João Paulo II premiavam o pedófilo com a transferência para outra paroquia para continuar praticando a pedofilia e destruindo vidas.

Responder

sossegão

01 de maio de 2013 às 01h36

É por estas e outras que a igreja catolica existe há seculos. Goste-se dela ou não, pelo menos não fica em cima do muro quando tem que tomar alguma decisão. Isto deveria servir de lição a um partido dito “dos trabalhadores” que acha que consegue servir a dois deuses.
Por outro lado, se nada na vida deste ex-padre muda, na vida da igreja católica irá mudar menos ainda.

Responder

    Palestina Livre

    01 de maio de 2013 às 20h03

    Que salada você fez, Sossegão! Misturou o partido dos trabalhadores com a igreja católica? Que eu saiba, foi o candidato da direita e sua esposa, que fez aborto no Chile, que carregaram a imagem de N S Aparecida, ou não foi?

Single man

01 de maio de 2013 às 01h02

“gravíssimo delito de heresia” ????????????????

Modernidade gente, hoje em dia existe até iMissa.

Evoluir um pouco não faz mal a nenhuma instituição. Ainda mais uma que prega respeito e amor ao próximo, seja lá o que isso signifique, e pratica o desrespeito às condições e escolhas alheias (camisinha? opção sexual? aborto? comunismo? Seu herege!!!!).

Uma instituição que traz do feudalismo que padre não pode casar (mas molestar criancinhas pode arnaldo?) não poderá ter meu respeito.

Fez bem o padre Beto, espero que seja feliz. Quando não se está preso a dogmas, a vida de solteiro é ótima!

Responder

Márcio Martins

30 de abril de 2013 às 23h18

Para quem é ateu como eu, isto tudo é tão Nonsense, que até dói. O dia que as pessoas pararem de contribuir financeiramente para qualquer destes que se dizem porta-vozes de deus (não sei qual), eles terão de procurar serviço de verdade, e não ficar vivendo a custa de “inocentes” úteis. Pela quantidade de religiosos e ONGs “cuidando” de pobre, era para todo mundo estar bem de vida. Mas, enfim…somos uma democracia; espero que laica(?).

Responder

Eduardo Raio X

30 de abril de 2013 às 20h40

Esses caras ainda esta com essa ideia que eles pode fazer e desfazer o que quiser com as pessoas, amedrontando com ameaças de excomunhão, ora ora, Deus não deu poder para homens diminuir a importância de outros homens. Tem gente lá no Vaticano ao olhar a si mesmo no espelho pensa que esta refletindo a imagem de Deus!

Responder

Fabio Passos

30 de abril de 2013 às 20h38

Se o vaticano for excomungar todos os catolicos que criticam o conservadorismo e os dogmas atrasados… a igreja vai perder mais da metade dos seguidores. rs

Responder

Fernandes

30 de abril de 2013 às 18h53

Sabe, até acho que o crente é racional. Pois se ninguém provou também ninguém refutou a existência de deus. Por outro lado, ser membro de uma instituição cujos chefes máximos são para lá de duvidosos e se acreditam sucessores de Cristo na terra, é muita insanidade.

Responder

J.Carlos

30 de abril de 2013 às 18h22

Nenhuma surpresa. A história do catolicismo é uma história de violência. Cruzadas, inquisição, dizimação dos nativos das Américas, apoio de pio 12 a hitler, apoio a ditaduras sanguinárias na América Latina, apoio à ditadura do mercado nos dias de hoje. Nada mudou.

Responder

Apavorado por Vírus e Bactérias

30 de abril de 2013 às 17h53

“O Bispo Diocesano com a paciência e caridade de pastor, vem tentando há muito tempo diálogo para superar e resolver de modo fraterno e cristão esta situação. Esgotadas todas as iniciativas e tendo em vista o bem do Povo de Deus…”

– Que Deus é esse que mantêm essa igreja corrupta, assassina e promiscua em pé?

– Eu respondo: é um Deus misericordioso, que esperará até que o último papa, o último bispo e o último padre resolvam suas pendências com seus irmãos da Terra, dos Céus e do Buraco Escuro e Quente, para irem ao Céu. Assim, essa instituição com seus homens hipócritas vai se arrastar desse jeito nefasto até o fim dos tempos. Deus pode esperar. Ele é eterno. Os homens e as mulheres que procuram Deus, de modo inocente e Nele depositam sua fé não têm culpa, mas sofrerão na mão desses canalhas durante todo esse tempo infinito. Muitos morreram pela espada de Deus nas inúmeras cruzadas “santas”. Outros foram queimados como bruxos e bruxas porque algum homem santo achou que eram, alguns foram acusados de terem parte com o demo porque tinham conhecimento, outros foram tirados da terra em que plantavam e moravam, porque por direito as terras eram da igreja, meninos sem conta foram violentados em sua carne e em sua alma por santos sacanas. Quantos não aprenderam as formas de sexo apimentado no confessionário medieval? É uma igreja nefasta, às vezes hilária, mas nunca inocente. Qual será o Deus dessa igreja?

Responder

Martinho

30 de abril de 2013 às 16h11

Nada mais justo.
Não cumpriu o combinado: RUA!
A Igreja Católica fez o que QUALQUER organização humana fez, faz e faria.
Não vejo nada demais.

Responder

    grilo

    30 de abril de 2013 às 18h53

    Tb não vejo nada errado na atitude da igreja, e nem o padre vê, pois não está reclamando. Se a igreja quer vetar casamento gay, abortos, etc, que o faça proibindo seus fiéis desses atos, mas não tentar impor proibições legais a todos utilizando-se do poder do Estado, que é laico, como todos sabemos. Essa é a discussão aqui.

    abolicionista

    01 de maio de 2013 às 14h29

    Stálin poderia usar a mesma desulpa, né? Ah, as ironias da história…

Edgar Rocha

30 de abril de 2013 às 16h09

O mérito dos posicionamentos do Padre Beto parece inquestionável aos olhos mais progressistas. Não dá pra discordar deles. Mas, faço eco às vozes que sabiamente perceberam um “quê” bastante personalista na figura do ilustre ex-reverendo. A foto da matéria, mais que posada, não deixa dúvidas quanto ao centralismo de sua personalidade. Pra mim, discordando ou não da igreja, este rapaz me parece o padre-padrão da era João Paulo II/Bento XVI: personalista, vaidoso, pouco ético e muito “carismático” (entenda-se envolvente, sedutor, um marqueteiro por formação). É a velha história: quando o barco afunda quem sai primeiro? “Ainda bem que não tem fogueira”, “Não é novidade. Eu esperava tudo da Igreja”. Nem Leonardo Boff se deu ao luxo de ser tão agressivo. Bem, ele é pensador, crítico da instituição, porém sábio o suficiente para não ser um mero detrator sem nenhum respeito. Os maiores críticos da igreja católica foram sempre os maiores defensores do catolicismo. E, mesmo excomungados, nunca perderam dela o devido respeito e temor. Por isto mesmo, nunca ganham holofotes, já que não lhes convém nenhum oportunismo midiático. Quem quiser que vá atrás do Padre Beto. Melhor que os fiéis fiquem atentos. Questões sérias e unânimes são usadas como bandeiras para aglutinação e, por isto mesmo, deixam de ser levadas a sério quando já atenderam aos reais propósitos. Até quando não aprenderão? Mas, creio que não terão nada além do que já recebiam na igreja. Só um pouquinho mais personalizado.

Responder

Francisco

30 de abril de 2013 às 16h07

Eu adoraria ser um excomungado! Eu ia pegar tanta mulher!!

Já pensou? na hora “H”:

“- Ai, oh, uh, seu excomungado!!! Excomungaaaa…”!

Ia ser massa!

PS. Igreja católica: instituição de terceiro mundo.

Responder

Silvio I

30 de abril de 2013 às 14h15

Que é excomungar? E tão importante assim? Parola, parola, parola!

Responder

Carlos Valente

30 de abril de 2013 às 13h37

O Divino Mestre Jesus, quando passou por este Planeta (ainda muito atrasado moralmente), sempre esteve entre os criminalizados, rejeitados e discriminados pelos preconceitos arraigados no seio da sociedade daquela época. Consolava-os, dava-lhes o conforto e a esperança espiritual. Isso desafiou o “Status Quo” e o “The Establishment’s Power” que dominava a Terra.
As coisas não mudaram tanto, de lá para cá. Continuamos a produzir sectarismos, discriminações. É incompreensível que uma organização que orbita em torno do nome do Mestre, construa regras que não se harmonizam com os ensinamentos por ele deixados.
Entendo o drama do corajoso Padre. Sua razão teve de escolher entre a Doutrina deixada por Cristo e o conservadorismo que se choca com os princípios da indulgência, caridade e amor ao próximo.
Acertadamente, ele preferiu a Universal Lei do Amor. Parabéns!

Responder

    Pedro Macambira

    30 de abril de 2013 às 14h00

    Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo. Assim o Mestre resumiu toda a Lei Divina.

    Quem pode dizer que alguém merece ou não merece o amor de Deus?

    Não consigo ver pecado no que o padre disse, mas há quem fique melindrado quando se fala na compaixão ao diferente, ao outro.

Cristiane Carvalho

30 de abril de 2013 às 13h34

Fez muito bem o sr. Roberto Francisco Daniel. Na igreja (sim, com minúscula) não há lugar para seres pensantes, só para vaquinhas de presépio.

Responder

    sossegão

    01 de maio de 2013 às 01h40

    Vaquinhas de presepio como Tomás de Aquino e Santo Agostinho ???

MariaC

30 de abril de 2013 às 13h05

Caro Pe. Beto,

Desculpe, pois nem o conheço. Mas já o admiro pela coragem.

A igreja católica e quase todas as outras – se não são todas – são isso mesmo, ópio. Se alguém tem um pouco mais de conhecimento não aceita. E sai fora.

Deus, mesmo que não exista, continuará abençoando-o.

Responder

Urbano

30 de abril de 2013 às 12h39

Por tudo que já fez e faz por séculos, quem deve ser excomungado mesmo não deve ser o padre, não…

Responder

schmidt

30 de abril de 2013 às 12h28

As religiões são o sal do atraso e da ignorancia.

Responder

O DOUTRINADOR

30 de abril de 2013 às 12h27

A Igreja Catolica com seus dogmas e tabus sempre cometeu as maiores Injustiças, prendeu, torturou,acobertou pedofilos, e tb matou muita gente, agora resolveu excomungar alguem que falou o que pensa mais da metade de seus adeptos, e os outros? os Bispos pedofilos, os cardeais envolvidos em escandalos, e até antigos papas bandidos.

Responder

Ronaldo Silva

30 de abril de 2013 às 11h40

Só entro nessa igreja quando casa algum católico conhecido, ou morre.

Responder

aecio

30 de abril de 2013 às 11h07

Nao sei porque os padres que desligam da igreja catolica nao fazem uma igreja para eles pregarem assim seria muito melhor acredito que os fieis iram trocar de religiao catolica mais seria e humana. PADRE BETO ABRI TUA PROPRIA IGREJA I PREGA SEM RADICALISMO ISSO ESTA FALTANDO , NAO VAI TE FALTA FIEIS . ABRACO E FORCA

Responder

Tiago

30 de abril de 2013 às 10h12

Concordo com o colega Andre Dos Santos Gonçalves, aí dos comentários via Facebook. Na boa, o tal padre sabia de tudo isso quando quis se ordenar…por que aceitou, então? Me parece que o tal padre gosta mesmo é de um holofote.

Se não concorda com os dogmas da Igreja, vá viver a sua vida, defender seus pontos de vista, e que tenha sucesso e seja muito feliz. Instituição nenhuma é obrigada a aceitar pessoas que não compactuem com seus valores. Nessa, a Igreja está certa.

Responder

    wagner paulista de souza

    30 de abril de 2013 às 12h52

    Acho que o Pe. Beto tinha conhecimento de suas obrigações, etc e tal. Mas, por que não contribuir para mudar a postura retrógrada da Igreja ? Vão ficar defendendo que a Terra é plana e que o Sol e demais corpos celestes giram à sua volta, A T É Q U A N D O ?

    Tiago

    30 de abril de 2013 às 15h14

    As pessoas são livres para concordar com os pontos de vista da Igreja…assim como o referido padre é livre para discordar. Mas, novamente, não creio que instituição nenhuma tenha a obrigação de mudar os seus valores em função da discordância de um.

    sossegão

    01 de maio de 2013 às 01h44

    Para sus ciencia , a santa madre igreja já não acredita mais nestas bobagens …

Alice Matos

30 de abril de 2013 às 09h48

O padre Beto pagou pra ver. Está vendo. A excomunhão é para quem não “anda na linha”, segundo os canônes conservadores da Igreja Católica. Ele tinha pleno conhecimento. Ou fez porque quis ou por infantilidade. Mas parece que ele já queria mesmo sair. Só obedece à Igreja católica o padre que aceita toda sorte e desgraça de conservadorismo. Ela é assim e um padre sozinho não vai mudá-la. Bem sabemos.
LEIAM, caso queiram: A pena de excomunhão no Direito Canônico
http://www.bibliacatolica.com.br/blog/doutrina-catolica/a-pena-de-excomunhao-no-direito-canonico/

Um trechinho:
A pena de excomunhão possui um sentido pastoral pois protege o Povo de Deus. É costume considerar que a excomunhão supõe a exclusão da comunhão com a Igreja.

A excomunhão é uma das penas previstas pelo Direito da Igreja. Por “excomunhão” se entende a censura ou pena medicinal pela qual o réu de delito é excluído da comunhão com a Igreja Católica. Faz-se necessário esclarecer algumas premissas antes de descrevermos a pena de excomunhão e seus efeitos

Responder

Jose Mario HRP

30 de abril de 2013 às 09h39

Sou um sujeito cristão e espírita, mas jamais poderia ser católico por coisas como essa!

Responder

    José

    30 de abril de 2013 às 09h48

    “Cristão e espírita”. Isso não existe!

    Jose Mario HRP

    30 de abril de 2013 às 10h30

    Já que voce diz, não vou ser eu que vai dar motivo pra polêmica.
    Fica com Deus.

    http://www.espirito.org.br/portal/artigos/amilcar/jesus-para-o-espiritismo.html

    Almerindo

    30 de abril de 2013 às 11h09

    Pô, José, não precisava dizer um absurdo desses, né? Se informe melhor, meu caro…

    MariaC

    30 de abril de 2013 às 13h02

    Já leu a bíblia inteirinha?

    Não leu, certeza.

    José

    30 de abril de 2013 às 13h44

    O próprio texto indicado pelo José Mário deixa claro a incongruência. Como pode ser cristã uma doutrina que nega a essência do cristianismo?
    “… o Espiritismo demonstra a impossibilidade de Jesus ser o próprio Deus, afirmando que ele é criatura como todos nós.”

    Pedro Macambira

    30 de abril de 2013 às 13h48

    Cara, como não? Jesus nunca disse que não há ou há reencarnação. Vc deve estar confundindo católico ou evangélico com ser cristão. Cristão é mais que essas correntes.

    Cristianismo é o gênero, do qual catolicismo, protestantismo ou espiritismo são espécies.

    Cristão é quem busca seguir os ensinamentos e valores do Cristo. Não precisa nem mesmo ser de uma igreja.

    A idéia de reencarnação foi muito difundida nas primeiras comunidades cristãs, como também o era em algumas correntes do judaísmo, do gnosticismo, etc.

    Durante os seis primeiros séculos de nossa era, a reencarnação era um conceito admitido por muitos cristãos. De acordo com eles, numerosos Padres da Igreja ensinaram essa doutrina e apenas após o Segundo Concílio de Constantinopla, em 553 d.C., é que a reencarnação foi proscrita na prática da igreja.

    Pedro Macambira

    30 de abril de 2013 às 13h54

    Só complementando. Sou cristão e espírita. E creio que Jesus é o próprio Deus feito homem. O rei branco do tabuleiro de xadrez que é a criação. Eis o mistério. Dou um doce a quem me explicar.

    Renato

    30 de abril de 2013 às 16h43

    Não vou entrar em uma discussão filosófica barata se a Igreja Católica ou a Protestante estão certas ou não. Pois para mim, estão. Azeite e Vinagre não se misturam, assim como Salvação e Pecado(Mentiras, Difamação, Calunias, Estelionatos, Adultérios, Drogas, Homossexualismo, Fornicação, Assassinatos, Roubos, Sodomia). Isso É bíblico.
    Agora devo discordar aos Senhores Pedro Macambira e Jose Mario HRP, principalmente o primeiro.
    A pessoa que mandou recado para os Hebreus, deixou claro que reencarnação não existe, olhem o que está escrito em Hebreus, Cap. 9, Ver. 27
    “E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,”
    O conceito do verbo reencarnar, ao consultar o dicionário (Transcrito: Fazer entrar uma alma num corpo, que não era o que ocupava numa existência anterior), é contrário do trecho extraído da Bíblia.

    renato

    01 de maio de 2013 às 14h15

    Para quem não queria uma conversa filosófica, até que
    entrou em contextos e textos.
    Mais para fundamentalista roto.
    Por favor, quando forem falar do Senhor.
    Tratem com respeito,com palavras doces.
    Ele a tudo agrega, “sou como o vento, ora aqui ora
    acolá, e tu tão versado nas escrituras, ainda não me
    conhece, Bartolomeu!”
    Que o sopro passe por vós.Agora.

    Jose Mario HRP

    30 de abril de 2013 às 19h36

    Que turma chata porque ser bom é o que basta,,Jesus, o profeta de Deus, sempre pronto a ensinar e passar a mão nos rostos dos nervosos já dizia para não entrarmos em polêmicas, um beijo e muita paz a todos!

    Jose Mario HRP

    01 de maio de 2013 às 08h28

    Continuo cristão e espírita e acho um absurdo esse caso do padre!
    Mas não lhe faltará o conforto de Deus e de seu enviado ,Jesus.
    Obrigado pelo apoio do Pedro Macambira.

Valdecir

30 de abril de 2013 às 09h15

Vi que alguns comentários em solidariedade ao Padre Beto são bastante ofensivos em relação à Igreja. Também sou solidário ao Padre, mas acho inadequado atacar a Igreja, afirmando que esta mantém um bando de tarados em seus quadros, como alguns chegaram a afirmar. A questão da pedofilia envolvendo padres é um problema que nem sempre a Igreja enfrentou da forma mais adequada. Mas daí passar a atacar a Igreja como um todo acho exagero e ofensivo para com as pessoas que vivem sua fé com seriedade. A Igreja é o povo de Deus, todos os leigos e padres, freiras e irmãos, bispos etc. Há muita vida e solidariedade na Igreja Católica e isso é visível.
No caso em questão, houve polarização entre o padre e sua Igreja (diocese) de Bauru. Quando isto acontece as coisas terminam mal. Infelizmente isto aconteceu.
Espero que esta situação seja revertida em favor da verdade. O Padre é um militante em favor da vida. Acho que seu trabalho e suas declarações não devem ser avaliados pela simples ortodoxia, pela exatidão das palavras, mas pela sua disposição de colaborar na construção de um mundo mais justo e humano, como vinha fazendo.
Diz o Concílio Vaticano II (1963-1965), um marco na história da Igreja, que “a fé (ou seja, os dogmas)… orienta a mente para soluções plenamente humanas” (Gaudium et Spes, n. 11). Isto é, o dogma não é uma camisa de força para enquadrar a mente, mas uma orientação, uma plataforma a partir da qual a Igreja colabora com as pessoas de boa vontade, não como quem tem as respostas prontas, mas como comunidade peregrina, que compartilha uma busca comum com todo o gênero humano, com o objetivo de construir um mundo mais humano, no contexto dos novos desafios enfrentados pela humanidade.
Penso que o trabalho do Padre Beto seria melhor compreendido nesta perspectiva de ação criativa dos cristãos, em diálogo com a cultura, com o mundo.

Responder

    xacal

    30 de abril de 2013 às 09h33

    Veldecir, a Igreja Católica é um lixo!

    Pois veja:

    Qual instituição que se diz “mãe e mestra” (seria madrasta?), e responsável pela orientação espiritual(?) da sociedade, poderia acumular em seu histórico( que mais parece ficha corrida) tantos abusos, ignomínias, violência e intolerância?

    Temos guerras? Cruzadas? Claro, tem ICAR.

    Tem caça aos judeus? Claro, tem omissão(para dizer o mínimo) da ICAR.

    Tem escravidão e mercado de carne preta? Tem, claro que tem a ICAR, que acumulou fortuna com o tráfico de gente!

    Tem pedofilia? Tem, e tem silêncio obsequioso dos superiores, que na verdadeira teoria do domínio do fato, chama-se quadrilha ou bando!

    Tem lavagem de dinheiro? Ihhh, tem ICAR de monte, Banco Ambrosiano, mortes, máfia, etc. Tem até filme!

    Então, Valdecir, o problema não é a ex-comunhão do padre, que pelo jeito, já havia chutado o balde, mas a Igreja em si, que para o bem da Humanidade, deveria desaparecer, ou ficar restrita apenas aos cultos familiares, apenas dentro das casas, sem ostentar seus símbolos e homilias em público!

    Isto se estende a toda e qualquer religião!

    Valdecir

    30 de abril de 2013 às 11h42

    Obrigado pela resposta. Respeito sua opinião, mas penso que seu comentário é unilateral. A história da Igreja e sua contribuição na construção da cultura ocidental, na definição dos direitos humanos, é mais complexa e rica que uma simples lista de seus erros históricos.

    xacal

    30 de abril de 2013 às 19h50

    Valdecir, em respeito a sua cordialidade, é preciso dizer:

    A Igreja nunca esteve à frente dos movimentos históricos pela promoção de direitos humanos de nenhuma natureza, ao contrário, todas estas lutas trouxeram a Igreja à reboque, que teve que se moldar as mudanças as quais resistiu sempre, como instituição.

    Talvez os jesuítas tenham esboçado algo no século XVI, na América, mas logo, logo veio a cúpula da Igreja a dizer de que lado os seguidores de Pedro estavam! Só recentemente, os jesuítas foram redimidos, após curvarem-se!

    Não confunda a ação de personagens ou grupos isolados com a ação institucional.

    A Igreja sempre foi a Igreja dos ricos, da segregação, da perseguição aos cultos de outras denominações, e que ao enxergar qualquer sombra de mudança nas suas hostes, reage com reacionarismo!

    Minhas críticas não se referem a sua fé(pessoal), mas a representação pública e temporal dela: A Igreja.

Silvio

30 de abril de 2013 às 08h51

Ainda bem que sou ATEU!

Responder

Wanderson Brum

30 de abril de 2013 às 08h50

A igreja Católica ao rejeitar a teologia da libertação, não que eu concorde com todos os seus fundamentos mais me é impossivel não reconhecer os meritos e sua importância, optou pelos mais ricos e mais poderosos e também por uma postura mais conservadora, nesse meio caminho perdeu espaço junto as comunidades. Este espaço foi marotamente preenchido pelas neo-petencostais, trocou-se o projeto de uma sociedade mais igualitária, por um de sociedade individualista, dos privilegiados, por Deus, não necessariamente Javé ou Jeová, mais sim o Deus capital,e enquanto isso a igreja católica, com todo o seu poder, se afunda no obscurantismo de um bando velhinhos para lá de “lelés da cuca”.
Enquanto isso as igrejas católicas se esvaziam e evangélicas enchem, bem, o último que sair acenda a luz.

Responder

J Souza

30 de abril de 2013 às 08h38

Prefiro não discutir religião… Se a pessoa quiser entregar todos os seus bens e até sua consciência às igrejas, e viver em ascetismo, que viva.

Mas, a crescente onda de rejeição à homossexualidade, que sempre existiu, talvez seja consequência do fato de que os homossexuais não querem mais viver “em silêncio”, tendo realizado paradas gays e buscando o poder também através do voto, o que é direito legítimo deste grupo, como de qualquer grupo, desde que em respeito aos direitos humanos e à Constituição.

As igrejas sofrem com a interferência política, e vice-versa…

Responder

Roberto Locatelli

30 de abril de 2013 às 08h34

Que me desculpem os católicos, mas uma igreja que queimou pessoas vivas em praça pública, aos milhares (o que é bem pior do que os bandidos de São Bernardo que queimaram a dentista) sob a acusação de “bruxaria”, tem que ser extinta. Aliás, todas as religiões serão extintas quando o ser humano evoluir.

Não deveria haver intermediários entre o ser humano e a divindade, sejam eles padres, pastores, rabinos, pais de santo, etc.

Responder

Jane Oliveira

30 de abril de 2013 às 07h55

Aproveito aqui para falar da Santa Inquisição. Não expresso a minha opinião, relato somente fatos, que podem ser comprovados, se isso for de interesse.
Durante um processo inquisicional, ao contrário do processo acusatorial até então em uso nas sociedades da época, o acusado tinha direito à sua defesa. E, durante o processo de acusação inquisitorial – que podia demorar anos – o acusado poderia retratar-se e desdizer a heresia a ele atribuída. Foi exatamente o que aconteceu com Galileu, que não queimou na fogueira.
Neste ponto, apreveito para relatar uma comparação já feita: a Revolução Francesa, saudada por todos como criadora do estado de Igualdade, Liberdade e Fraternidade, matou em quatro meses dez vezes mais que a Santa Inquisição em duzentos anos.
Continuando. Uma heresia, como a desse “padre” excomungado é uma quebra do compromisso no contrato estabelecido com a religião. Não há na Igreja Católica, entre os seus sacerdotes etc. a figura da demissão por justa causa. Mas, deveria haver. Talvez a massa ignara – ignorante – odiasse menos o que desconhece.
IHS.

Responder

JOTACE

30 de abril de 2013 às 00h54

A “Mãe Paciente” da Igreja Católica

Habituada a ludribiar para dominar e se apoderar do último centavo dos pobres nas famosas viagens papais, a “mãe paciente” se disfarçou, nunca mudou contudo a essência do seu comportamento na América Latina, desde os tempos que era a sócia de sanguinários ladrões como o foram Pizarro e Cortez. A dupla face é bem conhecida uma vez que tais excomunhões, se praticadas atualmente nos países anglo-saxões por exemplo, teriam como conseqüência direta e imediata graves prejuízos financeiros, sociais e políticos. Por isso, a igreja de D. Odilo no Brasil é a mesma do Cardeal Urosa Sabino na Venezuela, conhecido direitista,defensor dos oligarcas, e rancoroso inimigo da Revolução de Bolívar e de Chávez. Trata-se do mesmo ‘sacerdote’ que chegou a gravar um vídeo na Web, o qual supunha secreto, proclamando que os pobres deveriam ter uma educação de qualidade inferior para que melhor servissem como empregados submissos dos privilegiados. Estes, ao contrário, deveriam merecer uma educação esmerada uma vez que a eles caberia o comando de tudo e de todos… A respeito dessa igreja tomo aqui a liberdade de transcrever um trecho do artigo de Enoc Sánchez López, intitulado “La iglesia de Urosa Savino”, publicada no “Aporrea” em 25.04.2013:

“La iglesia que arrasó y asesinó a los Templarios; la misma que acabó con los albigenses o cátaros; la iglesia que mantiene subyugada a la mujer; la iglesia cómplice del genocidio de los pueblos originarios de América; la iglesia que absolvía por adelantado a los cruzados en caso de morir en la guerra contra los musulmanes, dado que matar moros no era pecado; la misma iglesia que aupó a los católicos para cometer los crímenes en varias ciudades de Francia el día de San Bartolomé; la misma que quemó a Giordano Bruno, Juana de Arco, Juan Hus y de vainita se le escapó Galileo Galilei; la iglesia que firmó el concordato con el gobierno nazi de Alemania; la iglesia que respaldó a los gobiernos de Franco, Mussolini y Pinochet; la iglesia que alcahuetea a los curas pederastas… entre tantas de las barbaridades que mi pensadora me trajo en este momento. Esta es la iglesia de nuestro arzobispo. La misma iglesia que cuestionó a Simón Bolívar en su intención de separarse de la monarquía española; la misma que aprovechó los repartimientos de la Corona Española para sacar beneficio del trabajo de los aborígenes; la iglesia que amparó a los mantuanos durante la guerra de independencia; la iglesia que estuvo al lado de los dictadores y de los llamados “presidentes democráticos” de quinta república; la misma iglesia que estuvo a favor de los conspiradores que intentaron acabar con el gobierno de mi comandante Chávez, el presidente de los pobres. Definitivamente, el arzobispo Urosa muestra de nuevo su talante y se aleja de la iglesia de los pobres y como siempre, manifiesta descaradamente que optó por la oligarquía.”

O mesmo artigo cita inúmeros fatos que revelam o comportamento abjeto e do mais puro ódio e desprezo da cúpula da igreja católica pelo grande povo judeu justo nas épocas mais difíceis que este vivenciou…O Padre Beto nada perdeu, saiu engrandecido neste episódio e deve continuar sua luta pela verdadeira mensagem de Cristo e que inclui o respeito à diversidade. Estou certo que terá sempre o apoio e a compreensão de todos aqueles que comungam dos mesmos sentimentos.

Responder

grilo

29 de abril de 2013 às 22h45

Ainda bem que não tem fogueira! Boa padre, essa valeu. A religião não faz falta à ninguém até porque nenhuma delas trouxe ainda as respostas que seus fiéis procuram. A relação com Deus é pessoal, dispensa intermediários.

Responder

Fabio Passos

29 de abril de 2013 às 20h31

Cada vez mais catolicos criticam abertamente as tolices e supersticoes atrasadas mantidas pelo vaticano.

O uso da forca mostra que o fundamentalismo na igreja e cada vez mais fraco e precisa recorrer ao arbitrio para manter uma doutrina rejeitada pela maioria dos fieis.

Parabens ao padre Beto que teve a coragem de assumir uma postura crista diante da velhacaria do vaticano.

Responder

Francisco

29 de abril de 2013 às 18h56

Monte sua denominação protestante padre!

Hoje, vale tudo!!!

Responder

IZA

29 de abril de 2013 às 18h48

Para a Igreja Católica, a Diocese de Bauru, um padre que defenda os homossexuais, o amor entre as pessoas, deve ser excomungado!
Já essa mesma Igreja Católica, livra a cara de centenas de tarados, pedófilos que destruíram a vida de milhares de crianças e fica tudo bem.

É por isso que eu já desistir desses cretinos e hipócritas, há anos.
SÓ MESMO VOMITANDO!!

Responder

    Zanchetta

    29 de abril de 2013 às 22h55

    Iza… vai com Deus! Se é por falta de adeus, tchau…

Gerson Carneiro

29 de abril de 2013 às 18h26

“Rezemos para que o nosso Padroeiro Divino Espírito Santo, ‘que nos conduz’, ilumine o Pe. Roberto Francisco Daniel para que tenha a coragem da humildade em reconhecer que não é o dono da verdade e se reconcilie com a Igreja, que é ‘Mãe e Mestra’.”

E a Igreja é a dona da verdade?

Padre Cícero também foi excomungado. Chegou a ir pessoalmente a Roma ser interrogado. Não obteve perdão. Quando estava no leito de morte, recebeu uma carta do Vaticano propondo o perdão em troca da herança pessoal dele. Como havia tentado por longos anos o perdão, e tinha forte desejo de não morrer excomungado, acreditou que finalmente obteria o perdão ainda em vida se passasse à Igreja seus bens. E assim fez, redigiu um testamento passando para a igreja tudo que tinha. Resultado: morreu excomungado.

Fonte: Padre Cícero – Fé e Guerra no Sertão. Autor: Lira Neto.

Responder

    samira

    29 de abril de 2013 às 20h22

    nossa, nao sabia dessa informacao, mas acredito que seja veridica! estando eu “dentro” da igreja, mas discordando em muito dela assim como esse padre tbm tenho grandes sentimentos de decepção e vergonha do como o serviço ao poder e às riquezas tem desvirtuado ela de sua real missao crista, ensinado pelo Mestre Moreno, Jesus!

    samira

    29 de abril de 2013 às 20h23

    axé, auerê, saravá, amém, aleluia!!

    sou PeJoteira! (pastoral da juventude)

    renato

    30 de abril de 2013 às 16h53

    Faça como Padre Cícero, não desista da Igreja, mesmo
    que ela, te vire as costas.Perceba bem quem é a Igreja.
    Não é utopia, não deixem destruir seus sonhos, Padre
    Cicero é exemplo de fé no homem!
    Ele não pediu uma chance para ele.
    Ele estava dando uma chance a outros homens!

    Fabio Passos

    29 de abril de 2013 às 22h54

    Nao sabia que Padre Cicero tambem foi excomungado.
    Muito interessante.

    Padre Beto esta em boa companhia e ao lado de Cristo.

    Ja dom caetano ferrari, ratzinguer e chico cagueta… estao ao lado de quem sera?

Willian

29 de abril de 2013 às 18h00

Este padre só não é um perfeito idiota porque a perfeição não existe. Deveria criar a sua própria Igreja. Se você se dispõe a fazer parte de uma religião você tem que respeitar seus cânones ou cai fora.

Quando eu vi que não dava, que não acreditava em nada do que estava escrito ali, abandonei a Igreja. Não dá para querer que a Igreja mude para eu fazer parte dela.

Vai aparecer um monte de gente que gostaria que a Igreja católica acabasse defendendo o idiota. Estes o defendem por que acham que ele está certo em suas atitudes ou por que gostariam que a Igreja acabasse mais rápido.

P.S. também abandonei o PT. Mas se ele der uma guinada mais a direita (olha que está quase), prometo que retorno. Será que tem acordo, o PT deixaria de ser de “esquerda” para eu voltar?

Responder

    Kazuhiro Uehara

    29 de abril de 2013 às 21h37

    Não misture esquerdismo religioso católico com o PT, sob o ângulo ultra esquerdista.

    renato

    29 de abril de 2013 às 21h50

    Acho certo, e espero que o PT não mude mesmo.
    Senão deixaria de ser PT.E teria que receber você
    e suas idéias.
    A VERDADE DA IGREJA, é aquela que o cara jurou fazer
    parte.Quando ele quis assumir sua verdade, já não cabe
    na verdade da igreja. A verdade do Willian é a verdade
    do Willian.
    Imaginem um cara destes pisar em falso.
    http://www.youtube.com/watch?v=zFi5d8XMhsg
    Ultimamente, apesar que só ando por aqui.
    E o que parece, que é proibidíssimo falar no
    dono da Igreja Católica, na Verdade do dono da Igreja.
    É difícil entender isto.
    Parece o chefe de uma Multinacional, ” os teus problemas
    deixe na tua casa”.Vai pro inferno o dono da Multi…
    E lá também tem dono, e é quase tudo permitido, não pode
    voltar para Igreja.
    JESUS, pronto falei!

    renato

    29 de abril de 2013 às 22h02

    E.T.
    O Viomundo, não proíbe.
    Para que não tenha erro de interpretação.

    said

    29 de abril de 2013 às 22h40

    Tem coitado que “axa” que ter abandonado alguma coisa o faz melhor… coitado!!!. Além do mais, o que tem o PT (partido do povo, que luta pelo povo e faz as coisas para o povo) com esta história??? Só um desorientado, sem rumo e posição pode misturar as coisas desta forma.

    xacal

    30 de abril de 2013 às 09h44

    Vou ter que concordar com william, que não é um perfeito idiota porque isto, como ele disse, não existe.

    Mas william está bem próximo, isto todos nós aqui sabemos.

    Louvemos então, seu esforço.

    Ele imagina a instituição Igreja como algo metafísico que paire sobre todos os homens, e alheia a ação destes homens, das relações de poder, e dos conflitos onde está inserida!

    Ele imagina a Igreja como uma instância que não influencia e nem é influenciada pela disputa de poder temporal! rsrs

    Bom, só um crente pode achar isto, e eu respeito, mas será que esta Igreja manteve-se intacta desde sua fundação?

    Então, Maria não é virgem, acabou-se o celibato, podemos vender e comprar indulgências, vamos voltar a ouvir a missa em latim, etc.

    Sim, alguém avise ao quase-perfeito que nem sempre estes dogmas ou ritos e homilias foram do mesmo jeito!

    E estas mudanças foram o quê? Um ato divino? rsrsrsr, desculpem, mas não posso conter o riso.

    Julio Silveira

    30 de abril de 2013 às 15h32

    Concordo contigo, e até te digo meus respeitos por tua decisão de abandonar o PT por que estava esquerda demais para seu gosto fizeste o certo. Mas tem muita gente dentro do PT que resolveu navegar no esquerdismo para levá-lo para a direita, como voce já bem percebe. Pelo menos voce teve carater, parabéns. Se bem que carater, hoje não é um conceito mais tão apreciado.

    xacal

    01 de maio de 2013 às 08h54

    Isto é uma auto-confissão? Bem que eu já percebi que tem gente aqui, dada a certos eventos catárticos, que usam o blog como sala de terapia.

    É…de certo modo, todos nós fazemos. Parabéns pela coragem de expor a si mesmo!

    rs

    xacal

    01 de maio de 2013 às 08h56

    Em tempo: tudo que fica à esquerda demais perde o sentido e o significado, como um zero antes da vírgula!

    deus não existe, mas se fosse o caso, seria matemática pura, e teríamos um dogma:

    A ultra-esquerda é o zero antes da vírgula da política.

    Julio Silveira

    01 de maio de 2013 às 13h39

    Pelo menos o Willian demonstra mais inteligência na interpretação de textos.

    xacal

    02 de maio de 2013 às 21h35

    Enfim o círculo se fecha: a ultra direita e a ultra esquerda.

    Filho, avaliação sua sobre minha capacidade cognitiva é elogio. Preocupado estaria se você me elogiasse.


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding