VIOMUNDO

Diário da Resistência


Ignacio Delgado: Aécio Neves é o novo Joaquim Silvério dos Reis; achincalha a memória de Tiradentes e do avô
Política

Ignacio Delgado: Aécio Neves é o novo Joaquim Silvério dos Reis; achincalha a memória de Tiradentes e do avô


18/04/2015 - 18h54

aécio e joaquim silvério dos reis-001

Aécio completa sua conversão ao udenismo e achincalha de vez a memória de Tancredo Neves

Ignacio Godinho Delgado

O dia 21 de abril representa muito para todos os brasileiros, em especial os nascidos em Minas Gerais, pelo registro das mortes de Tiradentes e Tancredo Neves.

Ligado ao PSD e depois ao MDB e PMDB, Tancredo ficou conhecido como um político liberal, de inclinação conservadora e grande capacidade de conciliação, mas destacou-se, também, por posições firmes na defesa da democracia e no combate ao golpismo, típico da prática política da UDN, adversária do campo político criado em torno de Vargas, representado pela aliança PSD-PTB.

Basta lembrar sua atitude em 23 de agosto de 1954, quando, ministro da Justiça de Vargas, na última reunião ministerial antes do suicídio do presidente, pregava a resistência contra a ação golpista que se avolumava, com apoio de boa parte da imprensa brasileira, na qual já atuavam as mesmas famílias que controlam ainda hoje os principais veículos da mídia do Brasil, de onde partem as principais ações contra a continuidade do governo de Dilma Rousseff.

Apesar de seu perfil conservador, em toda a trajetória política de Tancredo Neves, não consta também qualquer iniciativa contrária ao legado trabalhista e nacionalista de Vargas. Junto ao golpismo, a oposição a tal legado marcaria a trajetória e a identidade da UDN, em seu combate sem tréguas a Vargas e àqueles que entendia serem seus herdeiros. Incapaz de alcançar a presidência pelo caminho das urnas, clamou seguidamente pelo golpe, contra Vargas, Kubitschek e Goulart. O centro de seu discurso era o combate à corrupção, cortina de fumaça a envolver a oposição ao trabalhismo, denunciado como demagogia e populismo, e à política nacionalista de Vargas.

Durante e depois das eleições de 2014, Aécio Neves passou a utilizar-se do discurso e do  vocabulário da UDN, inclusive a famosa expressão mar de lama, de Carlos Lacerda, além de estimular ações claramente golpistas, como as iniciativas no TSE para impedir a diplomação e a posse de Dilma Rousseff, e a agora anunciada disposição defender o impeachment da presidenta eleita. Não importam o aeroporto de Cláudio, a distribuição de verbas públicas para rádios da família, o aparecimento do nome de Aécio Neves na Operação Lava Jato… O discurso da velha UDN e de seus herdeiros atuais não tem nada a ver com suas práticas. É apenas um recurso para inciativas golpistas, ancorado na complacência da mídia, cuidadosamente seletiva nas denúncias de corrupção.

Desde o ano passado Aécio Neves tem se posicionado contra o regime de partilha na exploração do Pré-Sal, defendendo o retorno do regime de concessão, preferido pelas grandes companhias ocidentais. Naquele que é, pois, o tema mais importante da disputa atual entre nacionalismo e entreguismo, Aécio ficou mais uma vez com os herdeiros da UDN.

Em 16 de abril passado, Aécio pronunciou-se a favor da primeira versão do PL-4330, que propõe ampliar a terceirização no Brasil, de certa forma deplorando o recuo do PSDB sobre a questão (). Embora tenha votado em peso a favor do PL-4330, os tucanos, diante da repercussão negativa nas redes sociais e das manifestações contrárias das ruas, buscaram acertos inclusive com o PT para modificar o projeto. Aécio não! Aécio quer o PL-4330 original, que rasga de vez a CLT, complementando melancolicamente sua conversão plena ao udenismo.

Apesar de construir sua carreira política à sombra de seu parentesco com Tancredo Neves, Aécio passou a representar a expressão mais reacionária, na cena brasileira atual, dos herdeiros dos principais adversários do avô. A memória de Tancredo Neves não merece.

Em 21 de abril, os brasileiros e mineiros evocarão em suas lembranças os nomes de Tiradentes e Tancredo Neves. Infelizmente, junto a eles, não há como esquecer de Joaquim Silvério dos Reis e de Aécio Neves.

Ignacio Godinho Delgado é  professor de História e Ciência Política na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia-Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento (INCT-PPED). Doutorou-se em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em 1999, e foi Visiting Senior Fellow na London School of Economics and Political Science (LSE), entre 2011 e 2012.

 Leia também:

André Singer: A qualquer custo, Aécio quer apear Dilma do poder, como Lacerda em relação Vargas 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Hilario Nunes Coelho

29 de dezembro de 2015 às 22h04

Nos anos de 1954 isso já estava acontecendo, e os responsáveis são os que estão no poder agora, a reviravolta dos fatos estão acontecendo de novo, agora os responsáveis são outros, só que dessedentes daqueles que já se foram e não aguentaram a pressão de suas riquezas que é o tempo. O Presidente era homem agora mulher, será que vai acontecer com ela o mesmo que aconteceu com o presidente homem, o circulo geralmente se cumpre, não ficarei surpreso se tal fato acontecer. Civis brigam as forças armadas entram no meio arrumam tudo dentro de muitos anos e tudo começa outra vez.

Responder

José Fernandes

19 de abril de 2015 às 18h31

Não seria Aécim um reencarnação desse individuo…???

Responder

MARIA GORETTI AMF13BH

18 de abril de 2015 às 21h55

SÓ UM DTALHE:MINEIRO QUE É MINEIRO NÃO FALA DE TANCREDO NO 21-É DIA DE TIRADENTES.DIA DA REPÚBLICA SONHADA PELOS INCONFIDENTES.
AQUI PENSAMOS ,E SOMOS MUITOS, QUE COLOCARAM ESSE DIA PRA MORTE DE TANCREDO…SÓ PRA TENTAR FAZER UM LIGAÇÃOZINHA …SEM CHANCE.e o aócio never tenta eternizar ,mas não pegou,pois Tancredo,amarelou tb-OPORTUNISTA.
DIA 21 DE ABRIL-É TIRADENTES E A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Responder

eleane

18 de abril de 2015 às 21h30

Está mais do que óbvio que o aécio never é a encarnação do traidor Joaquim silverio dos reis. (kkkk). Veio para expurgar seus maus feitos mas não está conseguindo evoluir. Vai ter que voltar muitas vezes, talvez como um ser ignóbil ou rastejante… precisa de piedade e muita reza braba!!!!!!!!!!!

Responder

    wanildo alves

    19 de abril de 2015 às 09h22

    Copiando o Paulo Moreira Leite, quando comparou os Tesoureiros PSDB/PT, concluo que perto do Aécio Neves, o Joaquim Silvério dos Reis é um santo!.

Julio Silveira

18 de abril de 2015 às 21h16

Não dava para esperar outra coisa do mauricinho. Compare as historias, a do avô, com a do neto. O avô se fez politicamente, o neto é um produto, uma alquimia do avô, que nem se pode afirmar terem uma identidade politica comum, o avô quando morreu o neto era muito jovem. Playboy, nem deve ter tido tempo para ser um aluno exemplar, de aprender com o avô. Do avô? O sobrenome, muito bem aproveitado. Dane-se a identidade.

Responder

wanildo alves

18 de abril de 2015 às 20h17

Caro Professor Ignacio Godinho Delgado, o Sr. Aécio Neves, por razões que nem a ciência consegue explicar, com suas atitudes golpistas, está jogando fora o respaldo que ele trouxe das urnas em 2014. O Sr. Aécio tem que chegar a conclusão que o segundo turno das eleições, terminou em outubro de 2014 e que “medalha de prata” só serve para classificação em olimpíadas. O problema maior do Sr. Aécio Neves é que o seu Partido é um verdadeiro “SACO DE GATOS” e suas chances de concorrer à Presidência estão indo para o brejo, e o mesmo até com conivência do PSDB (Turma do quanto pior, melhor) , está tentando dificultar um governo legitimamente eleito, tentando parar o País, claro que uma ajudinha tendenciosa e partidarizada da mídia familiar (Globo/Veja/Folha/Estadão/BAND/SBT/etc) e até de juízes que se comportam como Delegado de Polícia ( que gosta de prender políticos,desde que não sejam tucanos e sim petistas). Viva o PT/PCdoB e PSOL que disseram SIM às conquistas trabalhistas do povo brasileiro, dizendo “NÃO” ao retrocesso, que é o PL 4330, apoiado abertamente pelo Aécio Neves e seu Partido (PSDB 100% SIM).

Responder

Márcio Gaspar

18 de abril de 2015 às 19h29

Enquanto o Aécio, mal assessorado, mantêm este discurso, raivoso, odioso, histriônico e etc, falando sobre corrupção, mesmo sabendo que por trás de seu discurso há uma hipocrisia tremenda, o Serra e o Alckmin estão quietos e dando risadas, pois estão deixando o Aécio se enrolar na corda e no discurso hipócrita. O Aécio é fraco politicamente, só conseguiu chegar ao segundo, devido a uma campanha anti-petista massiva da imprensa golpista tupiniquim. O Aécio não ganhará mais eleição para carga executivo.

Responder

FrancoAtirador

18 de abril de 2015 às 19h20

.
.
A esta altura, Aébrio Nébulus é só Boi-de-Piranha.
.
O Candidato da Mídia Fascista é Geraldo Alckmin.
.
Por isso, é sempre preservado de qualquer ataque.
.
E no ano que vem serão todos contra o Haddad.
.
Simples assim.
.
.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.