VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Gustavo Conde: É tentador dizer que FHC estava certo sobre o Judiciário
Política

Gustavo Conde: É tentador dizer que FHC estava certo sobre o Judiciário


05/02/2018 - 11h44

 

OS MAGISTRADOS

por Gustavo Conde, na página de Julian Rodrigues

Quando essa geração de magistrados prestou concurso público, eles já sonhavam com os auxílios-moradias que lhes recheiam, agora, os bolsos e as contas bancárias.

Era o objetivo: cargo vitalício, imunidade, bônus variados, super salários e, acima de tudo, poder.

O judiciário brasileiro é essa bolha de privilégios.

​É um judiciário que aceita o mais violento e desumano sistema carcerário do mundo.

De quem é a responsabilidade conceitual pelo nosso sistema carcerário, afinal? Não é do poder judiciário?

O judiciário brasileiro é um judiciário que é conivente com um sem-número de violências.

Com genocídios de índios — em curso neste exato momento.

Com massacres em presídios.

Com o país que mais mata homossexuais no mundo, com o maior volume de casos de feminicídios no planeta, com os altíssimos índices de casos de racismo, com o trânsito veicular mais violento do história, enfim, com tudo de pior que se puder imaginar no cenário estatístico dos horrores.

Não bastasse a lista acima ainda há mais: doenças do século 19 aflorando em plenas zonas urbanas, ausência total de competência para gerenciamento de crises humanitárias, corrupção escancarada em nomeações absurdas para ministérios.

Como levar a sério um judiciário de um país assim?

Como levar a sério um judiciário que, com toda esse cenário de guerra, ainda goza dos salários mais altos do mundo, mais altos até mesmo que o salários dos juízes americanos?

O judiciário é, por assim dizer, o grande nó da nossa sociedade.

Afinal, não eram os políticos a nossa chaga endêmica e atávica: eram os magistrados, a elite da elite da elite.

Políticos ainda se submetem ao voto popular.

Magistrado praticamente compra sua vaga no ministério público, decorando leis e regras gramaticais como um robô destituído de alma para ser aprovado no concurso — e se não for aprovado, entra com recurso.

O mais curioso de tudo isso é que foi Lula quem turbinou o judiciário com esse poder descomunal.

Nos governos Lula, ademais, todos ganharam muito, do pobre ao milionário.

Quem diria que um governo desses poderia provocar pânico em quem quer que fosse?

É, praticamente, o Santo Graal da gestão pública: todos — todos — ganham.

Explicando porque Lula turbinou o judiciário: Lula respeitou a carreira, deu vários aumentos, empoderou líderes, nomeou indicados de classe, tornou a polícia federal uma corporação técnica e profissional etc.

Mas não teve um ministro da justiça à altura — à altura do PT — para alertá-lo sobre o aparelhamento ideológico que ali se anunciava.

Lula teve, inclusive, a delicadeza de indicar um magistrado negro para o STF, um dos gestos mais bonitos de toda a sua gestão.

Um gesto reparador, estratégico, pleno de humildade, mas olimpicamente desprezado pelo agraciado numa trágica e monumental manifestação de ingratidão pública.

Eis o que temos hoje: um judiciário sem negros.

Apenas gente branca, cheirosa e bem nascida — uns até são trinetos de genocidas militares do século 19.

É tentador dizer: FHC é que estava certo.

Sucateava o judiciário, não respeitava indicações de classe, distribuía favores, não dava aumentos, precarizava concursos e mantinha todo mundo sob rédeas curtas.

Vai ver, seja o jeito correto de o executivo tratar o judiciário em um país que ainda não saldou sua dívida com a educação e com a igualdade social.

Repito um mantra que vem latejando na minha solitária cabeça há algum tempo: o PT acreditou na democracia.

E não acreditou porque foi “ingênuo”.

Acreditou porque a crença na democracia é o DNA do PT.

Acordos obscuros e negociatas generalizadas é coisa do PSDB. Eles é que acham ingênuo acreditar na democracia.

Crença em democracia para eles pega bem em propaganda partidária obrigatória ou em entrevistas controladas na imprensa parceira.

Um câncer desse tamanho como o judiciário brasileiro impregnado na sociedade requer muito mais do que uma intervenção cirúrgica.

Requer uma liderança sem precedentes para restituir de volta o poder de produzir justiça de qualidade e com um mínimo de ética pública ao povo.

Não há nada hoje no Brasil que provoque mais vergonha internacional ou doméstica que o nosso judiciário.

Talvez Lula tenha mais essa conexão histórica e política com a sociedade brasileira.

Porque foi quando o judiciário resolveu eliminá-lo que a face verdadeira deste apodrecido poder se revelou. Devemos mais isso a Lula.

Leia também:

CUT denuncia: amanhã será o tapetão de Gandra



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

CLEANTO BELTRÃO DE FARIAS

07 de fevereiro de 2018 às 19h08

O artigo desnuda o setor como nenhuma outra matéria científica, jurídica, própria dos aficionados do Direito. Curto e grosso. Uma metralhadora. Muita explosão. Puras verdades. A mudança é imanente a uma nova consciência popular (responsabilidade do voto), a um novo Congresso, a uma nova Política. Conviver com esse entulho é que não dá mais. O papel da escola é fundamental nessa transformação.

Responder

Messias Franca de Macedo

05 de fevereiro de 2018 às 21h39

Mais “escárnios supremos”!

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Marco Aurélio Mello dobra prazo para Aécio apresentar resposta em inquérito

Por jornalistas Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura Brasília 05/02/2018

(…)

FONTE: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2018/02/05/marco-aurelio-da-mais-prazo-para-aecio-apresentar-resposta-em-inquerito.htm?cmpid=copiaecola

Responder

Julio Silveira

05 de fevereiro de 2018 às 18h49

Desculpe mas não devemos isso ao Lula, o Lula foi parte desse processo de afirmação, correia de transmissão. Se foi traido pelo sistema que manteve incolume é outra coisa. Mas o sistema judicial nacional é isso desde que me entendo por gente, e olhem que é mais de meio seculo de vida. Mas o sistema é fruto da continuidade conceitos imperiais, herança de um passado não exorcizado, é a cultura do farinha pouca meu pirão primeiro. Bem ao estilo D. João VI. Rsrsrs.
Discursos acalorados mas vazios, até oportunistas, não mudarão o sistema. O que mudará o sistema é o Brasil, não o Brazil, o Brasil parir um politico popular idealista, reconhecedor dos meandros da cultura perniciosa que permeia nossas instituições e combatê-las culturalmente dentro de um conceito de afirmação democratica, fora disso e choro de traido quem vendeu sua alma para um dos piores sistemas economicos sociais do mundo atual, onde uma suruba politico ideologica preserva o pior e os piores para o país.

Responder

Luiz

05 de fevereiro de 2018 às 12h06

Brilhante colocação. Não podemos esquecer que o judiciário também é parceiro do PSDB. Tudo que existe de podre no Brasil tem o dedo do PSDB e, como não poderia deixar de ser, tem a proteção da justiça. FHC continua rindo do povo brasileiro, graças ao judiciário, ao MP e à PF. São todos parceiros.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!