VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Gustavo Castañon: Cuba é a exata medida do gigantesco fracasso do capitalismo brasileiro
Política

Gustavo Castañon: Cuba é a exata medida do gigantesco fracasso do capitalismo brasileiro


26/11/2016 - 23h17

criancas-cubanas-comemoram-volta-as-aulas- (1)

Crianças na volta às aulas em Cuba

CUBA: A EXATA MEDIDA DE UM IMENSO FRACASSO

por Gustavo Castañon

Coxa: “Vai pra Cuba!”

Com a morte de Fidel o leitmotiv predileto da direita vai voltar à carga.

Esse é a acusação de que a esquerda quer transformar o Brasil numa Cuba, como se essa ilha fosse um imenso fracasso.

É uma estratégia tão, mas tão desonesta, que é até difícil explicar o tamanho da desonestidade.

Mas vou tentar.

Para começar, Cuba pode realmente ser ruim para mim, que sou de classe média alta, mas é para 100% de seus habitantes melhor do que o Brasil é para 90% dos seus.

Esse não é um chute estatístico, mas uma estimativa conservadora.

75,9% dos brasileiros vivem com menos de U$10.000 ao ano enquanto 10% dos brasileiros abocanham 75,4% da renda nacional (1% abocanha 48%) [1].

O produto interno bruto per capita em Cuba ajustado por poder de compra é de 20.648 dólares internacionais [2] , enquanto o do Brasil antes da depressão econômica era de 15.359 dólares [3].

O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil.

Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida.

Ainda assim não quero ir pra Cuba, a não ser a turismo.

Porque para mim a quantidade de liberdade é mais importante do que o pão. É claro, eu tenho pão. Bem mais do que isso, eu faço parte dos 10% de privilegiados brasileiros.

Logo, sou mais livre aqui do que lá. Mas minha diarista certamente não. Que pena que ela não tem ideia do que realmente significa “Vai pra Cuba!”.

E é também por isso que não posso querer para mim uma sociedade moralmente monstruosa como os EUA, aquela plutocracia onde o último traço de democracia é uma relativa liberdade de expressão.

Mas o Brasil, meu Deus, o Brasil é uma monstruosidade social tão maior, que querer que ele se transforme em algo parecido com os EUA é querer reformas de esquerda.

Sim, na maioria dos aspectos, os EUA estão à esquerda do Brasil.

No dia em que o Brasil tiver um salário mínimo como o dos EUA (U$7,25 por hora contra U$1,12) [4], uma distribuição de renda como a dos EUA (gini 40,8 contra 54,7) [5] , uma lei de mídia como a dos EUA, a proteção às indústrias e agricultura local como a dos EUA, um estado do tamanho do dos EUA [6] (14,6% da população empregada contra 11,1%), a direita vai poder alertar para o risco de ele virar uma Alemanha.

Até lá, em vez de gritar: “A esquerda quer transformar o Brasil numa Cuba!”, deveria gritar: “A esquerda quer transformar o Brasil num EUA!”.

E quando o Brasil ficasse parecido com os EUA, querer um governo de esquerda ia ser querer que o Brasil começasse a ter políticas de salvaguarda social mais parecidas com as da Alemanha [7] , sua saúde pública, sua educação pública, suas políticas ambientais estreitas, sua carga tributária (40,6% contra 34,4% do Brasil) [8], seu imposto progressivo (quanto mais rico, mais imposto).

E a direita deveria então gritar, se quisesse ser honesta: “Cuidado, a esquerda quer transformar o Brasil numa Alemanha!”

E então, quando o Brasil ficasse parecido com a Alemanha, a direita poderia alertar para o risco de virarmos uma Dinamarca. Aí, querer reformas de esquerda seria querer que mais da metade da renda fosse para os impostos (50,8%) [9], que os filhos da elite fossem obrigados a estudar em escolas públicas, entre as melhores do mundo, que estado tivesse mais de um terço da população empregada (34,9%) [10], bancasse dois anos de licença para criar um recém-nascido, limitasse fortemente a atuação das grandes corporações, fosse radicalmente democrático.

Finalmente, quando o Brasil ficasse parecido com a Dinamarca, o direitista poderia gritar sem hipocrisia seu terror com a Cuba que se avizinha, a do estado total e economia planificada, e disfarçar melhor sua inveja do funcionário público sob a máscara do ódio ao estado. Provavelmente nesse dia, até eu estivesse protestando a seu lado.

Na estratégia do espantalho cubano o reacionário brasileiro finge ser a favor da liberdade e do mérito, enquanto na verdade é contra.

Contra a liberdade do povo, seus direitos trabalhistas, o investimento na educação e universidade públicas, o fortalecimento do SUS e a redução dos juros.

Contra o aumento da carga tributária, do salário mínimo, do estado, da remuneração do professor básico, da distribuição de renda e das oportunidades para os excluídos.

Um conservador na Inglaterra é só um conservador. Um conservador no Brasil é um monstro.

Um monstro que quer conservar as estruturas de um dos países mais desiguais e injustos do mundo.

Não, Cuba não é o paraíso.

É só uma ilha rochosa no meio do Caribe sem recursos naturais de qualquer tipo e bloqueada economicamente há cinquenta anos.

E, no entanto, garante saúde e educação universal para seu povo e tem IDH maior que o nosso, nós, que somos um continente, nós, que temos todos os recursos naturais.

Essa é a medida de nosso fracasso.

O incrível e gigantesco fracasso do capitalismo brasileiro.

NOTAS

[1] Credit Suisse – Research Institute. Markus Stierli. Outubro de 2015. Tabela 6-5, pág. 149, 17-10-2016.

[2] http://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.PCAP.PP.CD?locations=CU&order=wbapi_data_value_2014+wbapi_data_value+wbapi_data_value-last&sort=desc

[3] http://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.PCAP.PP.CD?order=wbapi_data_value_2014+wbapi_data_value+wbapi_data_value-last&sort=desc

[4] http://www.infomoney.com.br/carreira/salarios/noticia/4073079/veja-quanto-salario-minimo-pago-paises-australia-campea

[5] World Bank GINI index

[6] OCDE http://www.oecd-ilibrary.org/sites/gov_glance-2011-en/05/01/gv-21-02.html?itemId=/content/chapter/gov_glance-2011-27-en&_csp_=6514ff186e872f0ad7b772c5f31fbf2f

[7] http://www.dw.com/pt-br/como-o-estado-alem%C3%A3o-ap%C3%B3ia-as-fam%C3%ADlias/a-2370133

[8] Heritage Foundation (2015).”2015 Macro-economic Data”.and Index of Economic Freedom, Heritage Foundation.

[9] http://ec.europa.eu/eurostat/statistics-explained/index.php/File:Total_tax_revenue_by_country,_1995-2014_%28%25_of_GDP%29.png

[10] OCDE http://www.oecd-ilibrary.org/sites/gov_glance-2011-en/05/01/gv-21-02.html?itemId=/content/chapter/gov_glance-2011-27-en&_csp_=6514ff186e872f0ad7b772c5f31fbf2f

[10] POST SCRIPTUM: O cálculo da renda per capita de cuba ajustada pela paridade de compra segundo a metodologia do Banco Mundial foi questionada pelo Human Development Report 2015, que preferiu manter para efeito de cálculo do IDH de Cuba o valor defendido pela metodologia da CEPAL.

Substituí no texto esse parâmetro pelo produto interno bruto per capita, sob o qual não pesam grandes discrepâncias. No mesmo relatório, página 47, esse órgão da ONU estima o valor do produto interno bruto per capita de Cuba em 18,796 dólares, contra 14,555 dólares do Brasil.

Lembrando que esses valores são todos de antes da depressão brasileira e que Cuba cresceu todo ano de 2011 para cá. A comparação certamente está pior para nós hoje.

Leia também:

Rodrigo Vianna: Um sorriso para o líder da independência da América Latina 

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

FrancoAtirador

01 de dezembro de 2016 às 19h18

.
.
Como Diria o Cirão da Massa:

Mendoncinha Perdeu o Pudor!

https://pbs.twimg.com/media/CyXCSGIVIAEmV8d.jpg
TV NBR [!!! sic !!!] retweetou
https://twitter.com/MEC_Comunicacao/status/804430389141860352

.
.

Responder

Gilberto

01 de dezembro de 2016 às 14h28

Um dos melhores artigos sobre política que eu leio em muito tempo… parabéns ao autor!

Responder

José Flávio de Assis

30 de novembro de 2016 às 19h59

é incrível como é fácil identificar um estúpido e analfabeto cochinha :
o sujeito ,no português mais claro ,lê um texto e ideologicamente contesta ,mas ao invés de fazê-lo no contexto ,prefere fazê-lo fora ,como é que alguém lê um texto recheado de números ,comparativos ,contextualização,e até atualização e diz que é um texto poético ?
eu diria sim que é matemático fim aos e odeio matemática,mas não se pode contestala,mas poético ? só um cochinha,volte para o pig …

Responder

    cristina

    22 de dezembro de 2016 às 07h51

    Coxinha

Nelson

30 de novembro de 2016 às 16h40

“Não sei como pode em pleno século XXI existirem(?) pessoas do tipo” de Marcos Smidt que não sabem interpretar o que leem.

Responder

FrancoAtirador

29 de novembro de 2016 às 08h29

.
.
Em Breve, os Robôs Nazi-Fascistas
Terão Uma Desagradável Surpresa
.
“Los que Bailan por la Muerte de Fidel
en Miami se Van a Llevar Una Sorpresa”

https://actualidad.rt.com/actualidad/224672-bailar-miami-muerte-fidel-decepcionados
.
.

Responder

Paulo

28 de novembro de 2016 às 23h24

Excelente texto, principalmente pelas referências indicadas.

Se me permitem, gostaria de fazer pequena correção e sugerir referências atualizadas.

— referência [1]: o link atualizado de 2016 é http://publications.credit-suisse.com/tasks/render/file/index.cfm?fileid=AD6F2B43-B17B-345E-E20A1A254A3E24A5
Há uma pequena confusão no texto. O número 72,9% se refere à população com patrimônio inferior a 10 mil dólares, não a renda anual inferior a 10 mil dólares (ver pg. 151). Já a informação de que 1% dos brasileiros concentram 47,9% da riqueza está na página 148.

— referências [2] e [3]: Dá pra colocar o Brasil e Cuba no mesmo gráfico para comparação visual. Aí o link fica: http://data.worldbank.org/indicator/NY.GDP.PCAP.PP.CD?end=2013&locations=CU-BR&order=wbapi_data_value_2014+wbapi_data_value+wbapi_data_value-last&sort=desc&start=1990&view=chart

— referência [4] OK.

— referência [5]: gráfico comparativo entre Brasil e EU no link http://data.worldbank.org/indicator/SI.POV.GINI?locations=BR-US

— referências [6] e [7] OK.

— referências [8] e [9]: valores atuais no link http://www.heritage.org/index/explore?variable=taxburdenpercentgdp, o que implica atualizar os valores para Alemanha (36,7%), Brasil (33,4%) e Dinamarca (48,6%).

— referência [10] é igual à referência [6]

Grande abraço e parabéns pelo texto.

Responder

    TIAGO MAXIMILIANO BEVILAQUA

    01 de dezembro de 2016 às 08h46

    O gráfico cuja referência é o Banco Mundial é essencial. Paulo obrigado pelo seu amor exigente com a precisão.

FrancoAtirador

28 de novembro de 2016 às 10h37

.
.
O Capitalismo Não Deu Certo
Não só em Relação ao Brasil.

Os Estados Unidos da América,
Terra Prometida de Dallagnol,

têm, Dentro do Próprio Território,
Quatro Vezes a População Cubana,

Somente de Pobres e Miseráveis
Sem Nenhum Tipo de Assistência,

sendo 11 Milhões de Imigrantes
– Número de Habitantes de Cuba –

Não Inscritos no Seguro Social,
que o ‘Gran Duce’ Donald Trump

promete Expulsar Sumariamente
da Maior Democracia do Planeta.
.
Na Libertinagem do Capital, os Ricaços
se adonaram dos Direitos Humanos

e os Mais Pobres não têm os Direitos
dos Animais de Estimação dos Ricos.
.
A Segregação Social é Conseqüência
da Natureza Anti-Ética desse Sistema.
.
http://www.forbes.com.br/lifestyle/2015/10/estados-unidos-tem-mais-pobres-do-que-a-china-diz-estudo-polemico-de-banco-suico/
.
.

Responder

Otto

28 de novembro de 2016 às 09h19

Cuba era um Estado-mendingo da exURSS. Quando o comunismo caiu ficou nessa pindaíba.

Responder

    TIAGO MAXIMILIANO BEVILAQUA

    01 de dezembro de 2016 às 08h47

    Que pindaiba é essa que tem renda per capita bastante superior à do Brasil?

saulo

27 de novembro de 2016 às 23h14

Grande texto.
O dado do poder de compra ajustado é um que a esquerda deveria se utilizar a todo momento.

Responder

Lukas

27 de novembro de 2016 às 20h54

Meu cachorro tem água, comida e, quando adoece, um bom veterinário. Dorme abrigado do frio.

Mas o portão da minha casa é bem trancado.

Responder

    FrancoAtirador

    28 de novembro de 2016 às 06h19

    .
    .
    Enquanto isso, os Cães Sedentos, Famintos e Sarnentos

    Estão ‘Livres’ na Rua, à Procura de Comida no teu Lixo.
    .
    .

Marta

27 de novembro de 2016 às 16h51

Não, Cuba não é o paraíso.

É só uma ilha rochosa no meio do Caribe sem recursos naturais de qualquer tipo e bloqueada economicamente há cinquenta anos.

E, no entanto, garante saúde e educação universal para seu povo e tem IDH maior que o nosso, nós, que somos um continente, nós, que temos todos os recursos naturais.

Essa é a medida de nosso fracasso.

O incrível e gigantesco fracasso do capitalismo brasileiro.

Responder

FrancoAtirador

27 de novembro de 2016 às 13h28

.
.
Além de Educado
O Povo Cubano
É Civilizado.
.
.

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

27 de novembro de 2016 às 11h31

Perdão: frase de Jânio Quadros. O “Se-lo-ia” que é do traíra-mor. Vou revisar antes de postar.

Responder

Luiz Carlos P. Oliveira

27 de novembro de 2016 às 11h29

Artigo perfeito. Por isso dou risadas quando um coxinha diz, do alto de sua ignorância, VÁ PARA CUBA! Nada que me proporcione maior deleite pode existir. E, se eu seguir o conselho dos coxinhas, e for perguntado por que fui para Cuba e por que bebo rum, responderei “Fi-lo por que qui-lo. Quanto ao rum, bebo-o por que líquido é. Se sólido fosse, comeria-o”. Viu Roda Viva? Melhor do que “Se-lo-ia” que os deixou boquiabertos com o português erudito do golpista-traira-mor, que é o verdadeiro protagonista da frase acima, a qual adaptei ao “contexto”. Mas que merda! Não sei por que essa palavra (contexto) me persegue ultimamente.

Responder

    NUNO PORTO DE SANTOS

    28 de novembro de 2016 às 09h39

    Prewzado Luiz Carlos: Se fosse sólido, “come-lo-ia’ …


Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.