VIOMUNDO

Diário da Resistência


General Heleno, o do murro na mesa, assume vanguarda da extrema-direita no Brasil e chama Merkel de presidente
Reprodução de vídeo
Opinião do blog Política

General Heleno, o do murro na mesa, assume vanguarda da extrema-direita no Brasil e chama Merkel de presidente


01/07/2019 - 14h26

Algumas marcas vão se fortalecendo: 1) pequenos grupos de direita cada vez mais extremistas e violentos; até entre eles mesmos há confrontos físicos e verbais. 2) salvacionismo se confrontando com as instituições democráticas. 3) um general agressivo se achando tutor do país. Flávio Dino, governador do Maranhão, no tweeter.

Da Redação

A presença do general Augusto Heleno em um palanque em Brasília, no dia de manifestação em defesa de Sérgio Moro, mostra o comprometimento dele com a franja mais extremista dos apoiadores de Jair Bolsonaro.

Heleno apareceu ao lado de Eduardo Bolsonaro e fez discurso pressionando os deputados a aprovarem a reforma da Previdência. “Esqueçam partido político. Aprovem, aprovem, aprovem”, afirmou.

Embora o presidente da República já tenha retomado o toma-lá-dá-cá nas negociações com o Congresso, que durante a campanha havia prometido banir, o governo parece contar com a pressão popular para que os congressistas do Centrão reduzam o preço nas barganhas.

“Mais uma vez as previsões dos esquerdopatas, dos derrotistas, fracassou”, afirmou Heleno, que tropeçou não apenas na concordância, mas ao chamar a chanceler alemã Angela Merkel de “presidente”.

Ele se referia à presença de Bolsonaro no encontro do G-20, no Japão. Afirmou que a assinatura do acordo do Mercosul com a União Europeia dá novo horizonte ao Brasil.

Sobre seu colega de ministério, Sérgio Moro, afirmou: “Acho uma calhordice quererem colocar o ministro na situação de julgado, ao invés de ser juiz”.

As revelações sobre mensagens trocadas entre o então juiz federal Moro e os procuradores da Lava Jato foram interpretadas pelo general como tentativa de “tirar da cadeia um bando de canalhas”.

As mensagens mostram que Moro praticamente comandava a Lava Jato, sugerindo testemunhas, ordem de operações e mexendo na equipe da Força Tarefa — em vez de juiz imparcial, chefiava a acusação.

Moro condenou o ex-presidente Lula e, com isso, afastou da disputa eleitoral de 2018 o candidato que liderava todas as pesquisas.

Entre o primeiro e o segundo turnos, foi sondado para ser ministro da Justiça de Bolsonaro, o que aceitou logo depois da vitória eleitoral do candidato do PSL.

Antes do primeiro turno, havia feito manobra para divulgar uma delação não homologada do ex-ministro Antonio Palocci com fortes acusações ao PT, Lula e Dilma.

Há alguns dias, em evento público, o general Heleno deu murro na mesa na presença de Bolsonaro, dizendo que o ex-presidente Lula merecia prisão perpétua.

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional falhou miseravelmente no episódio em que 39 quilos de cocaína foram encontrados no avião reserva presidencial, em Sevilha, na Espanha.

Militares como os generais da reserva Augusto Heleno e Villas Bôas atuaram com desenvoltura para consolidar o golpe de 2016 contra Dilma Rousseff.

Agora, com cargo-chave no governo, Augusto está integrado ao grupo que pode buscar uma saída autoritária diante dos enfrentamentos de Bolsonaro com o Congresso e o STF.

Durante as manifestações de domingo, faixas pedindo o fechamento das duas instituições foram exibidas.

O presidente já tem o ex-juiz Sérgio Moro como refém e falou em reeleição antes mesmo de completar seis meses de governo.

No discurso de domingo, Heleno falou num tom de “reconstrução” do Brasil, que passa pela reforma da Previdência.

O banimento de Lula parece ser considerado essencial por esta facção militar para que a oposição não se organize a ponto de ameaçar Bolsonaro.

Relembrando, na véspera de julgamento do Supremo Tribunal Federal que poderia dar liberdade ao ex-presidente Lula, quando ainda estava no comando do Exército, Villas Bôas emparedou a Corte através de mensagens de tweeter divulgadas em parceria com o Jornal Nacional:

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Milton Pereira Neves

02 de julho de 2019 às 09h29

Temos um general no palanque enquanto falta muito pobre nas ruas. A vaca deitou mesmo. Petróleo sempre tratamos como se fosse rapé, tanto faz colocar no carro ou no nariz. A CTPS foi abolida. A aposentadoria está quase(falta muito pouco). “Empresa brasileira só presta pra roubar”. Nesse caso bom mesmo é ser roubado por empresas estrangeiras desde que seja da Europa ou EUA. Chinesa ou russa não, “porque é tudo comunista”. Agora vai dar certo. Vamos ser realizados por países “decentes e honestos” em pleno século XXI. Viva a neo colônia Brazil. Bando de ferrados mesmos.

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 19h47

Atualmente, a Coisa tá tão feia pro Brasil
com o (des)governo de Jair Bolsonaro
que o Tiririca já é exemplo de sensatez …

https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/07/se-nao-sair-do-pedestal-bolsonaro-sera-o-pior-presidente-de-todos-os-tempos-diz-tiririca.shtml

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 19h14

Frase que circula na internet. Corretíssima:

“Foi a polícia da Espanha que descobriu a cocaína.
Não foi o ‘governo’ Bolsonaro.
O ‘governo’ não acha nem o Queiroz” …

https://twitter.com/RogerioCorreia_/status/1145779956288503808

Se dependesse do GSI do Véio do Murro,
a Cocaína seria entregue aos Destinatários
e o Sargento da Aeronáutica, Traficante-Mula,
seria Condecorado pelo Jair Bolsonaro.

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 17h34

Sem Noção
O General Heleno é o Véio do Murro, que não deve ter
trocado as fraldas, por isso saiu esmurrando mesa
e berrando rua afora, de pijama, todo mijado e cagado.

Responder

VALDIR CARRASCO

01 de julho de 2019 às 17h14

que um câncer te leve logo, verme maldito……vergonha das forças armadas que um dia já foram respeitadas mas, com safados como esse general, viraram um estrume só, entreguistas que precisam morrer logo…..

Responder

Zé Maria

01 de julho de 2019 às 16h02

A Milícia do Jair Bolsonaro acha que essa Malta de Meia Dúzia de Nazi-Fascistas que saíram às ruas ontem zurrando contra o Poder Legislativo e o Poder Judiciário
estimulada pelos Veículos de Comunicação da Rede Globo é o Povo Brasileiro. SQN
Milicianos atuam na base da Ameaça. Basta não se intimidar com essa Manada.
Os Bolsonaro vão terminar sozinhos na Política, abraçados no Olavo de Carvalho,
como o Collor na década de 1990.

Responder

Guanabara

01 de julho de 2019 às 14h52

Enquanto as riquezas do país são entregues de lambuja, quem tem o dever constitucional de defendê-las está usando o cargo para fazer proselitismo político, bancados por nós que efetivamente sustentamos esse país. Por que esses generais, que estão exercendo cargos de ministros de Estado, não foram convocados a depor no Congresso por não estarem cumprindo com as suas funções? Se eu contrato alguém para exercer a função X, remunero essa pessoa para que ela exerça a função X e ela simplesmente recebe o soldo e não exerce a função para a qual foi contratada… Em um lugar sério isso dá demissão.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.