VIOMUNDO

Diário da Resistência


General da ativa e instrutor de comandantes de tropas, ministro de Bolsonaro põe a faca no pescoço do TSE: não vai ter cassação de chapa
Reprodução
Opinião do blog Política

General da ativa e instrutor de comandantes de tropas, ministro de Bolsonaro põe a faca no pescoço do TSE: não vai ter cassação de chapa


12/06/2020 - 15h53

Da Redação

Oito ações contra a chapa Jair Bolsonaro-Hamilton Mourão estão em andamento no TSE.

Quatro delas tratam de disparos em massa durante a campanha eleitoral de 2018, ilegais pela legislação eleitoral.

Uma diz respeito ao uso indevido de uma concessão pública pela chapa, que está em fase de recurso.

Outra trata de outdoors que foram espalhados por 33 municípios do Brasil.

Duas, que estão em julgamento neste momento — interrompido por pedido de vistas do ministro Alexandre de Moraes — foram movidas pelas coligações de Guilherme Boulos e Marina Silva.

Alegam que Bolsonaro foi beneficiário de um ataque virtual contra a página Mulheres Unidas contra Bolsonaro, que passou a abrigar mensagens favoráveis ao presidente.

Depois do ataque, Bolsonaro compartilhou em uma rede social uma imagem relacionada ao ataque.

As Ações de Investigação Judicial Eleitoral (Aijes) que mais preocupam o entorno presidencial são relacionadas aos disparos de fake news pelo whatsapp.

O Partido dos Trabalhadores pediu que as provas obtidas pelo Supremo Tribunal Federal na ação movida de ofício pela Corte sejam juntadas às Aijes correspondentes.

As provas poderiam incluir todas aquelas obtidas pela Polícia Federal nas ações de busca e apreensão contra os suspeitos de integrar o chamado gabinete de ódio.

Porém, o general da ativa Luiz Eduardo Ramos, chefe da secretaria de Governo, já avisou que as ações serão rejeitadas.

Foi numa entrevista à revista Veja.

Apesar de considerar “ultrajante” que se fale em golpe apoiado pelas Forças Armadas no Brasil, Ramos mandou recados nas entrelinhas da entrevista.

Disse:

Fui instrutor da academia por vários anos e vi várias turmas se formar lá, que me conhecem e eu os conheço até hoje. Esses ex-cadetes atualmente estão comandando unidades no Exército. Ou seja, eles têm tropas nas mãos. Para eles, é ultrajante e ofensivo dizer que as Forças Armadas, em particular o Exército, vão dar golpe, que as Forças Armadas vão quebrar o regime democrático. O próprio presidente nunca pregou o golpe. Agora o outro lado tem de entender também o seguinte: não estica a corda.

Aqui, Ramos está dizendo que tem ascendência sobre tropas da ativa. Mas, o que seria esticar a corda?

Ele se refere obliquamente à mensagem privada escrita pelo decano do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello.

Ele escreveu que “guardadas as proporções, o ovo da serpente, à semelhança do que ocorreu na República de Weimar (1919-1933), parece estar prestes a eclodir no Brasil! É preciso resistir à destruição da ordem democrática, para evitar o que ocorreu na República de Weimar quando Hitler, após eleito pelo voto popular e posteriormente nomeado pelo presidente Paul von Hindenburg , em 30/01/1933 , como chanceler (primeiro ministro) da Alemanha (“Reinchskanzler”), não hesitou em romper e nulificar a progressista, democrática e inovadora constituição de Weimar, de 11/08/1919”.

Dado o recado ao STF, o general dirige-se ao TSE:

Também não é plausível achar que um julgamento casuístico pode tirar um presidente que foi eleito com 57 milhões de votos.

O que seria um julgamento casuístico? Um julgamento do Tribunal Superior Eleitoral que não seja justo. Dizem que havia muitas provas na chapa de Dilma e Temer. Mesmo assim, os ministros consideraram que a chapa era legítima. Não estou questionando a decisão do TSE. Mas, querendo ou não, ela tem viés político.

E se essa impugnação vier a acontecer? Sinceramente, não vou considerar essa hipótese. Acho que não vai acontecer, porque não é pertinente para o momento que estamos vivendo.

Entenderam?

Não é pertinente para o momento que estamos vivendo.

Ao deixar o Comando Militar do Sudeste, um dos mais importantes do Brasil, para assumir o cargo no governo Bolsonaro, Ramos afirmou:

 Sou um soldado. E soldado não escolhe a missão. Estava apaixonado pelo comando em São Paulo, mas acredito que minha ida a Brasília é mais importante, agora, para o governo e para o Brasil.

Soldado também obedece ordens.

PS do Viomundo: O corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Og Fernandez, pediu ao ministro do STF Alexandre de Moraes que decida se é pertinente o compartilhamento de provas do inquérito da Corte com as ações eleitorais. Portanto, a palavra final caberá a Moraes.





11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Marys

14 de junho de 2020 às 08h42

Eles só estão participando do circo enquanto ministros, empresários e apoiadores passam a boiada.
Pelo medo, chantagem ou dinheiro o Congresso e o STF acabarão cedendo.

Responder

Zé Maria

14 de junho de 2020 às 01h17

“Também não é plausível achar que um julgamento casuístico
pode tirar um presidente” …

“Sinceramente, não vou considerar essa hipótese.
Acho que não vai acontecer, porque não é
pertinente para o momento que estamos vivendo.” [SIC]

Disse o General Casuísta, Secretário do Governo.

Responder

Zé Maria

14 de junho de 2020 às 01h00

“Agora o outro lado tem de entender
também o seguinte: não estica a corda”,
diz o General Secretário do Governo.

Pergunta-se: Quem é o “Outro Lado”?
Contra quem ou qual Instituição
esses Generais estão em Guerra?

Faz mais de 1 Século que os Milicos tentam
liquidar o inimigo oculto, num campo de
batalha imaginário, e não conseguem.
Ou é demência ou muita incompetência.

Responder

Oldemar de Lemos

13 de junho de 2020 às 00h09

A única diferença entre o Brasil só território ocupado da Palestina, é que lá os palestinos não tem mais de 1,5 milhão de vagabundos , gigolôs dá República pra sustentar, como os Brasileiros, sustentando está corja de milico

Responder

Vera Marques

12 de junho de 2020 às 21h42

Por muito menos a presidente Dilma foi injustamente exposta e tirada do cargo, mesmo tendo sido eleita democraticamente por mais de 55 milhões de voto. O atual não é intocável!

Responder

Nelson

12 de junho de 2020 às 19h45

Enquanto isso, há uma montoeira enorme de gente que acredita, piamente, que no seio das Forças Armadas só tem gente proba, gente ilibada, acima de qualquer suspeita.

A disrupção cognitiva dessa montoeira de gente é algo abismal. É de tal monta que, ao mesmo tempo em que dizem abominar Nicolás Maduro, porque o consideram um ditador, vivem a pedir uma ditadura. Só assim se pode salvar nosso país, alegam.

É certo que nas FAs existe significativa parcela de brasileiros e brasileiras honestos, ilibados e patriotas, compromissados verdadeiramente com o país. Porém, há também um contingente considerável de gente da pior espécie, que fazem do arrivismo, para dizer o menos, um modo de vida.

Neste sentido, as FAs não são em nada diferentes do restante da sociedade, dos comuns mortais. Na nossa sociedade também temos uma porção de médicos, dentistas, advogados, engenheiros, arquitetos, empresários, professores e tantos outros que padecem dos mesos defeitos dos militares arrivistas.

Para esse “nanogeneral”, conspurcar a constituição para se livrar do PT é algo normal. Já, usar a letra da nossa Carta Maior para dar um fim a um governo – desgoverno, na verdade – de baixíssimo calibre, nocivo, pernóstico, espúrio e possuidor de tantas más qualificações quantas conseguirmos imaginar, “não é pertinente para o momento que estamos vivendo”.

Uma mostra clara do caráter diminuto desse ser.

Responder

Pablo

12 de junho de 2020 às 18h28

Generalzinho vagabundo. Covarde, não tem coragem de enfrentar o que ele mesmo prega. Quer ir pra rua lutar? Então venha. Se acha que vamos ficar sentados olhando está enganado. Venha seu vagabundo de uniforme, vamos esticar a corda sim, mas é montei pescoço. FDP

Responder

Celso

12 de junho de 2020 às 17h53

Vamos tirar essa história do Edir Macedo a limpo?

Responder

Belmiro Machado Filho

12 de junho de 2020 às 17h48

Declaração mais clara e intimidadora que esta impossível. Ele é a Garantia do Golpe.

Responder

Ilan Montenegro

12 de junho de 2020 às 17h23

Esses militares vendilhões da pátria irão pagar com juros o golpe de 1964, perdemos duas grandes chances (em 1964 e em 2013) e não vamos perder novamente. As massas irão insurgir contra esses canalhas. A Revolução Brasileira chegará, tardiamente, mas chegará.

Responder

a.ali

12 de junho de 2020 às 17h13

e, então dona justi$$a ? vai se acovardar e não espichar a corda ???

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding