VIOMUNDO

Diário da Resistência


Fábio Ribeiro: A Lava Jato surgiu para construir o Estado da Direita
José Cruz/Agência Brasil
Política

Fábio Ribeiro: A Lava Jato surgiu para construir o Estado da Direita


10/03/2019 - 10h31

Uma operação midiática, política e lucrativa

por Fábio de Oliveira Ribeiro, sugerido pelo autor no Facebook, originalmente publicado no GGN

O poder da Lava Jato é uma construção simbólica privada, não pública.

E ele foi concebido para para sabotar o Estado de Direito e o substituir pelo Estado da Direita

Tenho visto na internet diversos juristas questionando a legitimidade do acordo entre a Lava Jato e a Petrobras, através do qual uma quantia bilionária será transferida para o MPF.

Ao que parece os juristas se esqueceram do principal.

A Lava Jato existe no abismo entre a legalidade e o espetáculo dramático-político.

Desde o golpe “com o Supremo com tudo”, que substituiu a CF/88 pelos 3 princípios do Direito Achado na Boca de Fumo (É nóis na fita, maluco. Tá tudo dominado, mano. Essa boca é nossa, porra), a esquisitice jurídica se tornou regra, meu caro.

Assim como a Justiça Federal e o TRF condenaram Lula por ato inespecífico substituindo a ausência de prova do crime pela convicção da culpa, o MPF pode roubar a Petrobras fornecendo ao “respeitável público” prova inequívoca do roubo. Tá tudo dominado, mano.

Enquanto os juristas argumentarem como se a nossa legislação estivesse em vigor será impossível derrotar os traficantes de conceitos jurídicos.

A Lava Jato de Deltan Dallagnol e Sérgio Moro não foi concebida no Brasil para operar segundo as regras brasileiras, mas para destruí-las.

Sob a superfície dos conceitos traficados dos EUA para o Brasil, porém, algo mais pode ser visto.

Enquanto manifestação de um poder que se pretende ilimitado por qualquer Lei, a Lava Jato opera exatamente como uma Boca de Fumo carioca. Promotores e juízes são “manos”, entendem?

Há mais de dois anos a Lei não se constitui, nem pode se constituir, como uma norma objetiva, geral e abstrata.

Vem daí a expressão “Direito Achado na Boca de Fumo”, cujos princípios indicam claramente que a Lei aplicada pela Lava Jato emana da subjetividade dos traficantes de conceitos.

Entre os lavajateiros e a sociedade não existe qualquer possibilidade de coexistência.

Eles são foras-da-Lei e exercem um poder ilimitado porque a mídia (refiro-me obviamente à Rede Globo) utilizou-os como vetores dos interesses privados que se expandiram dentro do poder público.

O poder da Lava Jato é uma construção simbólica privada, não pública.

E ele foi concebido para para sabotar o Estado de Direito e o substituir pelo Estado da Direita.

A perpetuação da nova realidade alternativa, entretanto, depende de fundos. Vem daí o roubo legal da Petrobras.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Edgar Rocha

11 de março de 2019 às 15h08

Embora a Lava-Jato tenha grande relevância no esquema, nem de longe é a cúpula do poder desta organização criminosa que destruiu por completo nossas instituições judiciárias.
Eu acho que a “Sintonia Geral” – usando a linguagem do PCC – tá lá fora: são as grandes corporações e o próprio Governo Americano. Abaixo desta ainda temos “Sintonia Geral da Rua”, representada pelos Tribunais Superiores que forçam os subordinados a cumprirem o que o juizeco mazzaropi manda. Só depois vem a Lava-Jato, como uma espécie de “Sintonia Geral do Sistema” estabelecendo o link com as outras instâncias de atuação: MPF, PF, Polícias Estaduais, grande mídia e quadros políticos de apoio. O resto é aviãozinho, usuário, chefe de boca de fumo, etc. São a base do organograma, responsável por implantar o terror, ressoar os discursos, reverberar as notícias, sair às ruas, quebrar placa com o nome da Merielle, etc. É a molecada, descartável, vida-loka que sente prazer em botar o terror por onde passa.
Comparando o esquema de controle judicial com o PCC, as similaridades são gritantes.
O zé-povinho é que comeu bola e achou que podia confiar nesta gente toda, que eles estavam inseridos no jogo democrático, coisa e tal. Perdeu, playboy!

Responder

Zé Maria

10 de março de 2019 às 14h19

Excepcionalmente a Coluna de Hoje do Gaspari está interessante,
com uma ironia Fina que não se vê mais por essas bandas…

https://www1.folha.uol.com.br/colunas/eliogaspari/2019/03/a-turma-da-lava-jato-criou-uma-fundacao.shtml

Responder

Artur Nunes

10 de março de 2019 às 11h38

Alguém tem alguma dúvida que o Bolsonaro seja um poste da direita. De fato tal figura patética não tem nada a acrescentar ao cenário nacional. É completamente ignorante.
É uma pessoa sem qualidades, enfim, é só um poste viabilizado pela lava jato.

Responder

Fernando Carneiro

10 de março de 2019 às 11h38

Nunca dependemos tanto de um justiceiro. Fidel saberia melhor o que fazer com essa gente.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!