Esquivel, sobre Nobel para Lula: “Nenhum presidente do mundo tirou 30 milhões da pobreza”; nesta quarta, visita-o na prisão; veja vídeos

Tempo de leitura: 3 min

Prêmio Nobel da Paz diz que é obrigação moral lutar pela liberdade de Lula

Candidatura de Lula ao Nobel da Paz será oficialmente lançada em setembro, diz Esquivel. Para ele, o ex-presidente merece a premiação por ter retirado mais de 30 milhões de pessoas da miséria

por Rosely Rocha, especial para Portal CUT

Em coletiva de imprensa na manhã desta terça-feira (17), no Museu da Maré, na Favela da Maré, no Rio de Janeiro, o ativista argentino, Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz, falou sobre as chances do ex-presidente Lula ganhar o prêmio, da violência do Estado contra o povo pobre e as ameaças à democracia no continente latino americano.

A campanha que Esquivel lançou para apoiar a indicação de Lula ao Nobel da Paz 2018 já tem mais de 230 mil assinaturas. A meta é chegar a 300 mil.

Ele disse que pediu ao juiz que condenou Lula no caso do tríplex de Guarujá [Sérgio Moro] para visitar o ex-presidente, que se encontra como preso político, na sede da Superintendência da Polícia Federal do Paraná, em Curitiba, desde o dia 7 de abril.

Segundo Esquivel, a visita é importante para trocar informações e fazer o lançamento da candidatura de Lula ao Nobel da Paz.

“Lula é um homem que em todo o seu trabalho pensou nos mais necessitados, nos marginalizados. Tirou da pobreza e da fome mais de 30 milhões de brasileiros. Lula tem reconhecimento da ONU, FAO, OEA e Unesco”, disse.

“Nenhum presidente do mundo fez isso. É um caso único, por isso o prenderam e deram o golpe em 2016″, observou Pérez Esquivel.

Ele explicou que está conversando e trocando informações com outros ganhadores do Nobel da Paz de países como Espanha, Alemanha, Itália e Egito, entre outros, para entregar uma documentação sobre Lula ao Comitê do prêmio e lançar sua candidatura, no próximo mês de setembro, época das inscrições.

“As possibilidades de Lula ganhar são muitas. Seria o primeiro Prêmio Nobel do Brasil e seria muito importante esse reconhecimento”.

Esquivel disse ainda que muitos países estão preocupados com a situação do Brasil, que é preciso trabalhar a resistência, não ser cúmplice das injustiças, não permitir as injustiças, lutar contra a impunidade, e por isso quer Lula Livre.

Segundo o Nobel da Paz, estão destruindo o sistema progressista do continente latino-americano. A democracia está em perigo com os povos perdendo direitos e liberdade.

Ele citou ainda o assassinato e a prisão de mais de 100 jornalistas no continente latino-americano, e lembrou que as forças policiais e armadas desses países, incluindo o Brasil, estão sendo treinadas na Palestina, por Israel.

Segundo ele, o parlamento israelense aprovou a tortura como forma de repressão.

“É um treinamento para controle social, e aplicam essa política, essa metodologia repressiva aqui no continente”.

De acordo com Esquivel, é uma obrigação moral, como companheiros de luta, lutar pela liberdade, fortalecer a unidade entre os povos. Que não é preciso pensar igualmente, mas ter objetivos comuns.

“Precisamos encaminhar a palavra, com uma palavra podemos amar e com uma palavra podemos destruir como uma arma. A palavra nesse momento é unidade, para pensar juntos, para construir”.

“O dia que deixarmos de sorrir pela vida, é porque perdemos do capitalismo e o capitalismo nasceu sem coração”.

O Nobel da Paz incentivou a busca por alternativas de economia solidárias, economias regionais e, em especial, a educação. Citando Paulo Freire como exemplo, disse que a educação existe como prática da liberdade.

“Muitas vezes pensamos que a liberdade não é fazer nada. Liberdade é lutar pela justiça, se não há justiça, não há paz e não há liberdade”.

“Devemos incluir nos direitos dos povos a sua identidade, seus valores e sua espiritualidade porque ser povo não é contar muita gente, é ter identidade, pertencer a algo, é o sentido da vida, é a força para construir novas possibilidades de vida”, analisou.

Na entrevista, as memórias da vereadora do PSOL e militante dos direitos humanos, Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes foram lembradas.

Ontem (16), fez um mês em que ambos foram brutalmente assassinados. Até hoje, a polícia não apontou nenhum suspeito pelas mortes.

“A diversidade é democracia. Não podemos ter medo da repressão que matou Marielle e Anderson Gomes. Vivemos num estado de violência estrutural que assassina índios, negros, homens e mulheres que defendem os direitos humanos. Precisamos resistir ao capitalismo, que põe o interesse financeiro sobre a vida dos povos”, declarou o Nobel da Paz, Peres Esquivel.

Segundo Esquivel, a morte de Marielle teve grande repercussão na América Latina e no mundo.

“É o reconhecimento de uma lutadora de seu povo. Marielle está presente no Brasil e no mundo. Temos de recordar sua memória. Marielle Vive!”.

A visita do prêmio Nobel da Paz à favela da Maré e a coletiva foi organizada pelo Fórum Pró-Comissão Popular da Verdade.

Estiveram presentes moradores e lideranças das favelas, Frente Brasil Popular, FAFERJ, FAF Rio, MST, MTST, Frente Povo Sem Medo e movimentos sociais.

PS do Viomundo: Nesta quarta-feira (18/04), o prêmio Nobel da Paz de 1980, o ativista argentino Adolfo Pérez Esquivel, fará uma visita de inspeção ao ex-presidente Lula.

Segundo nota do Comitê Popular  em Defesa de Lula e da Democracia, Esquivel irá acompanhado de uma advogada, um médico e um fotógrafo.

Ele justifica a visita baseada nas “Regras de Mandela”, como é conhecido o tratado da ONU sobre tratamento de presos e do qual o Brasil é signatário.

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Esperança

O difícil vai ser os golpistas manter um prêmio Nobel da paz no cárcere.

Esperança

O difícil vai ser os golpistas manterem um prêmio Nobel da paz no cárcere.

lulipe

Esse conto da carochinha já foi desmentido pelo IBGE.

FrancoAtirador

.
Sequer nas Prisões do LULA, na Ditadura Militar,

ele ficou Confinado numa Solitária, como Agora.
.

Fernando Cravo

Que o Esquivel tenha sucesso em sua iniciativa: isto seria fantástico para o Brasil e para os que estão lutando contra o fascismo, que a cada dia se faz mais presente e mais perigoso.

Jardel

Não deixarão Lula ser candidato nem que a vaca tussa. Nem mesmo se a população fizesse manifestações como as do ‘fora Dilma”. A Carminha já disse que não cede à pressão, com exceção da Globo, claro.
Penso que as esquerdas deveriam abrir mão de lançar candidatos e se unir em torno de um só nome de centro esquerda, como por exemplo, o Roberto Requião.
Caso contrário, com os votos pulverizados em 4 candidatos, estarão entregando o país à direita, ou pior, à extrema direita.

    Aurelio

    O problema é que eles não conseguem dar tanto pão com mortadela assim pra ter uma manifestação tão grande.

    Nem no sindicato tinha tanta gente vc viu? Não lotaram nem um quarteirão.

Deixe seu comentário

Leia também