VIOMUNDO

Diário da Resistência


Política

Emir Sader: Prostíbulos do capitalismo


23/01/2011 - 13h04

Nesses territórios se praticam todos os tipos de atividade econômica que seriam ilegais em outros países, captando e limpando somas milionárias de negócios como o comércio de armamentos, do narcotráfico e de outras atividades similares.

Os paraísos fiscais, que devem somar um total entre 60 e 90 no mundo, são micro-territórios ou Estados com legislações fiscais frouxas ou mesmo inexistentes. Uma das suas características comuns é a prática do recebimento ilimitado e anônimo de capitais. São países que comercializam sua soberania oferecendo um regime legislativo e fiscal favorável aos detentores de capitais, qualquer que seja sua origem. Seu funcionamento é simples: vários bancos recebem dinheiro do mundo inteiro e de qualquer pessoa que, com custos bancários baixos, comparados com as médias praticadas por outros bancos em outros lugares.

Eles têm um papel central no universo das finanças negras, isto é, dos capitais originados de atividades ilícitas e criminosas. Máfias e políticos corruptos são frequentadores assíduos desses territórios. Segundo o FMI, a limpeza de dinheiro representa entre 2 e 5% foi PIB mundial e a metade dos fluxos de capitais internacionais transita ou reside nesses Estados, entre 600 bilhões e 1 trilhão e 500 bilhões de dólares sujos circulam por aí.

O numero de paraísos fiscais explodiu com a desregulamentação financeira promovida pelo neoliberalismo. As inovações tecnológicas e a constante invenção de novos produtos financeiros que escapam a qualquer regulamentação aceleraram esse fenômeno.

Tráfico de armas, empresas de mercenários, droga, prostituição, corrupção, assaltos, sequestros, contrabando, etc., são as fontes que alimentam esses Estados e a mecanismo de limpeza de dinheiro.

Um ministro da economia da Suíça – dos maiores e mais conhecidos paraísos – declarou em uma visita a Paris, defendendo o segredo bancário, chave para esses fenômenos: “Para nós, este reflete uma concepção filosófica da relação entre o Estado e o indivíduo.” E acrescentou que as contas secretas representam 11% do valor agregado bruto criado na Suíça.

Em um país como Liechtenstein, a taxa máxima de imposto sobre a renda é de 18% e o sobre a fortuna inferior a 0,1%. Ele se especializa em abrigar sociedades holdings e as transferências financeiras ou depósitos bancários.

Uma sociedade sem segredo bancário, em que todos soubessem o que cada um ganha – poderia ser chamado de paraíso. Mas é o contrário, porque se trata de paraísos para os capitais ilegais, originários do narcotráfico, do comercio de armamento, da corrupção.

Existem, são conhecidos, quase ninguém tem coragem de defendê-los, mas eles sobrevivem e se expandem, porque são como os prostíbulos – ilegais, mas indispensáveis para a sobrevivência de instituições falidas, que tem nesses espaços os complementos indispensáveis à sua existência.

Blog do Emir Sader, sociólogo e cientista, mestre em filosofia política e doutor em ciência política pela USP – Universidade de São Paulo

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



44 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Pitagoras

23 de fevereiro de 2011 às 19h38

Sonhar não custa. Gostaria de ver as "potências civilizadas ocidentais" , guardiãs da liberdade, democracia e justiça, lançando invasões múltiplas em todos esses tumores malignos da convivência internacional e confiscando todo o produto do roubo e da opressão praticados pelos líderes marginais desse mundo vil.

Responder

Marcelo Fraga

25 de janeiro de 2011 às 19h42

O próprio neoliberalismo é um "ato" de prostituição.
Ou haveria outra palavra melhor para definir as privatizações de FHC?

Responder

Valdemir de Araújo

25 de janeiro de 2011 às 17h28

Certa vez, na estação do brás entrei no trem que leva estudantes para a UMC- Mogi Das Cruzes.
Estava cansado. Queria me sentar. Todos o bancos estavam ocupados por livros e codernos.
Tirei um e sentei-me. Uma estudante esbravejou comigo e disse que aquele lugar estava guardado.
Dissse a ela que livro não pagava passagem e que aquilo não era exemplo de comportamento
solidário. Ela me respondeu dizendo que mundo era dos mais espertos.
Perguntei então o que é que ela estava indo fazer na Universidade. Ela não respondeu mais nada.
O que isso tem que ver com com esses deslocamentos de rendas para paraísos fiscais?
Os beneficiários do capitalismo moderno, incluíndo aqueles com renda aplicada nesses paraísos, propagam a idéia de que o indivíduo ocupa posição social, tem renda e acesso a bens e serviços
de acordo com suas habilidades, qualidades e capacidades pessoais, profissionais e educacionais.
não há algo de esquesito nisso?

Responder

    pap

    11 de março de 2011 às 01h02

    Sim, principalmente partindo do "mundo corporativo" e os seus apoiadores, os especialistas em RH,colaboracio
    nistas e vassalos por excelencia, que sempre justificam toda e quaisquer ideia que interesse a seus amos

Alvaro Tadeu Silva

25 de janeiro de 2011 às 15h43

A diferença entre um jornalista honesto como Azenha e um jornalismo não tão honesto quanto o da Folha: fascistas assalariados do PSDB podem dar palpite à vontade, não há censura, mesmo sabendo-se que este é um blog de esquerda. Já o mesmo não acontece nas reportagens virtuais da Folha de São Paulo, naquela seção "Comente aqui". Os três primeiros comentários são sempre de pessoas de extrema-direita de baixo perfil intelectual e quando a gente comenta, nosso comentário não aparece. Provavelmente um programa elimina os comentários de pessoas que devem estar num índex, um banco de dados dos "inimigos". Só pode ser isso, não vejo outra explicação.

Responder

FrancoAtirador

25 de janeiro de 2011 às 13h36

.
.
SE FOSSE APREENDIDO TODO O DINHEIRO DE ORIGEM CRIMINOSA* QUE CIRCULA NO PLANETA,

SOBRARIA ALGUM PAÍS CAPITALISTA PARA CONTAR A HISTÓRIA?
.
.
*TRÁFICO, CORRUPÇÃO, FALSIFICAÇÃO, SONEGAÇÃO, FRAUDE…
.

Responder

Paulo

24 de janeiro de 2011 às 18h42

E o mais estranho é que numa transação de exportação / importação, é obrigatorio o banco recebedor ter um banco intermediario nos EUA para eles rastrearem o dinheiro, e confirmar se a transação se refere a importação / exportação entre as partes. Isso segundo eles é para evitar o transito de dinheiro p/ supostos terroristas, traficantes de drogas, armas, etc…etc. Agora, em minha modesta opinião, eles sabem sim de cor e salteado os tipos dos donos do dinheiro.

Responder

Julio Silveira

24 de janeiro de 2011 às 18h10

Os paraisos fiscais jamais acabarão, por que eles são a mola do capitalismo, capitalismo e corrupção são intrinsecos. Capitalistas ganham poder de articulação nos estados na forma de aquisição (compra) politica.
E se faz necessária uma valvula para onde escoe os frutos das negociatas, dos privilegios, das comissões para alem dos olhos das sociedades.
Lugar tranquilo onde as consciencias vendidas e compradas pudessem ficar tranquilas, onde pudessem arregimentar mais soldados, para robustecer a centralização e o poder de poucos vendendo a fantasia da oportunidade para todos. Mente poderosa, maquiavelica sequestrou os estados, e fomentou os seus, fantasmas, marginais, os paraisos fiscais. Estados parias, que vivem a cultura dos traficantes do morro do Alemão. Fazem algumas benesses, mas cobram a alma da comunidade, internacional.

Responder

Hipócrates

24 de janeiro de 2011 às 14h18

Mas às vezes esses paraísos são úteis também para as pessoas de bem e preocupadas com a redução das desigualdades e a justiça social. Se não houvesse paraíso fiscal nas Bahamas, como o benemérito e injustiçado Marcos Valério teria enviado o pagamento do PT ao Duda Mendonça?
Hein? hein? hein?

O quê?!…conversa requentada?
Ah…é mesmo, tinha esquecido que requentada não vale.
Sorry, honey.

Responder

    Jair de Souza

    24 de janeiro de 2011 às 21h54

    Pedimos desculpas também. Não queríamos magoar a tucanalhada, mas a Dilma venceu. Fazer o que? Agora temos de aguentar o choro tucanalesco. Sorry, honey!

    Alvaro Tadeu Silva

    25 de janeiro de 2011 às 15h37

    Hipócrates torna-se hipócrita quando menciona Marcos Valério & Duda Mendonça. Ambos sempre trabalharam para PFL/PSDB e foi o ex-presidente deste último partido que inventou o mensalão em Minas. Delúbio apenas usou uma estrutura que já havia e no seu cérebro diminuto, pensou: "se não pegaram PSDB/PFL, que movimentaram dezenas de bilhões, por que vão se incomodar com 50 ou 100 milhões?
    Como dizia minha velha avó: "macaco, antes de falar do rabo alheio, olha para teu próprio rabo."

    Marcelo Fraga

    25 de janeiro de 2011 às 19h40

    Sorry honey???

    Me desculpe, mas não vou me prestar a argumentar com você.

Eduardo Lima

24 de janeiro de 2011 às 14h13

Azenha, já que você se interessa pelo assunto. Leia o novo post em meu blog onde fiz uma resenha sobre o Livro O Seqüestro da História no qual ex-guerrilheiros fazem críticas ao Gabeira e ao filme "O que é isso companheiro?"
http://www.comunistas.spruz.com/pt/Resenha-do-Liv

Responder

Gregório de Mattosq

24 de janeiro de 2011 às 12h14

Por favor, a todos os brasileiros que irão para Europa, levem suas máquinas fotográficas e visitem o paraíso de Liechtenstein, sempre há belas aves lá…

Responder

    Ananindea Parkus

    25 de janeiro de 2011 às 14h56

    Estive lá no mês passado e juro, de pé junto, que vi uma ave parecida com tucano. Pena que ao tirar minha máquina fotográfica, a ave se assustou e saiu correndo, digo, voando…

claudio

24 de janeiro de 2011 às 11h38

Só assim, ó, quem sabe o tio Emir, da próxima vez, faz um texto que não tenha como escopo fazer uma comparação machista pra detonar o capitalismo. Afinal sõ dois lados da mesma exploração.
O que será que as companheiras trabalhadoras do sexo pensam sobre o título deste artigo?

Responder

    Regis

    24 de janeiro de 2011 às 13h56

    ?, só as companheiras mulheres são alvos da prostituição? Discordo de seu comentário companheiro! A palavra prostituição tem um outro sentido, que não aquele sempre utilizado atualmente! Espero que minha critica não tenha magoado o companheiro, nao era a intensão!
    Grato

    LACosta

    24 de janeiro de 2011 às 17h47

    Não sejas ingenuo Claúdio…conforme voce mesmo coloca há sempre os dois lados da moeda. Desconhecer que no final dos anos 60, "rapazes" aqui da região iam para São Lourenço, Caxambú para servirem de "pasto" para os (as) freguentadores (as) das Estâncias…é a profissão mais antiga do mundo, para ambos os sexos.

    Elton

    24 de janeiro de 2011 às 20h19

    Viajou "na maionese"…….

    Marcelo Fraga

    25 de janeiro de 2011 às 19h39

    Novamente essa história…
    Parem com esse patrulhamento!

monge scéptico

24 de janeiro de 2011 às 08h26

É um fato por demais conhecido. Desconhecia entretanto, que já chega a noventa
o número dessas instituições no mundo. Parece que o caminho do mal(capitalismo)
é o mais fácil, mas é só aparências como vemos todo dia.

Responder

FIlósofo Amador

24 de janeiro de 2011 às 07h02

Vamos escrever um lema para os suíços colocarem em sua bandeira:

"Sesam, öffne dich!"

ou

"Abre-te Sésamo".

Afinal aquela terrinha é o abrigo do dinheiroobtido de maneira duvidosa, geralmente por bandidos, tal e qual na história de Ali-Babá e os 40 ladrões.

Responder

Elton

24 de janeiro de 2011 às 00h21

Dêem uma olhada no que irá acontecer nos próximos anos…….vejam no que deu a última campanha eleitoral por parte do "Cerra"……
http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteu

Responder

Jair de Souza

23 de janeiro de 2011 às 20h54

O que dá ainda mais bronca é constatar como há gente pelo mundo afora que vê na Suíça a terra da honestidade. Pois é, na Suíça os donos das bancas de frutas e jornais nem se preocupam em estar presentes, uma vez que sabem que os clientes seguramente vão deixar na caixinha o dinheiro dos objetos que retirem. A mesma coisa no bonde ou ônibus, nem precisa de cobrador. O que não dizem é que para bancar essa linda "honestidade" doméstica, o Estado suíço defende, promove e ampara tudo o que é canalhice, safadeza, roubalheira e monstruosidade pelo mundo afora. Assim é fácil ser "honesto", aproveitando-se do dinheiro sujo desviado pelos maiores e mais abomináveis criminosos do mundo,

Responder

    edv

    24 de janeiro de 2011 às 22h39

    Já houve diversos plebiscitos na Suiça para acabar com o sistema de contas numeradas e outras facilidades para esconder dinheiro e a "ética" população sempre vota pela manutenção do "status quo".
    O que acho pueril é alguns dos nossos acharem que criamos a tal 'lei de Gerson"…
    São todos tão sérios e bonzinhos lá fora!…

Teco

23 de janeiro de 2011 às 19h46

Eu quero saber é do caso BANESTADO,o resto é resto. Ali é que mora o interessante.

Responder

    Caracol

    25 de janeiro de 2011 às 12h26

    É isso aí, Teco, concordo com você. O caso Banestado é tão interessante que foi abafado como poucos escândalos brasileiros o foram. Rapidinho. É interessante demais.

Roberto Locatelli

23 de janeiro de 2011 às 18h56

Assim é o capitalismo em sua fase de putrefação imperialista.

Ou o mundo deixa para trás o capitalismo (um sistema que foi útil, sim, mas agora envelheceu e tornou-se danoso à humanidade) ou o capitalismo acaba com o mundo.

Responder

    Loth

    24 de janeiro de 2011 às 13h28

    Avisa os chineses, então, que eles tão indo na contra-mão e em excesso de velocidade.
    hehehe

HEITOR RODRIGUES

23 de janeiro de 2011 às 18h17

Cazuza disse: Transformam o país inteiro num puteiro, pois assim, se ganha mais dinheiro…
Emir Sader disse: Transformam o mundo inteiro num puteiro, pois assim se ganha mais dinheiro…
Falou e disse!

Responder

    Gerson Carneiro

    23 de janeiro de 2011 às 19h25

    e Riachão do Jacuípe disse:

    Cada macaco no seu galho
    Eu não me canso de falar
    O meu galho é na Bahia
    O seu é em outro lugar

    Não se aborreça moço da cabeça grande
    Você vem não sei de onde
    Ficar aqui não vai pra lá
    Esse negócio da mãe preta ser leiteira
    Já encheu sua mamadeira
    Vá mamar noutro lugar

yacov

23 de janeiro de 2011 às 17h03

os paraísos fiscais são como as "bôcas" de comércio de drogas: Todos sabem onde ficam e quem vende o"bagulho", mas ninguém faz nada… É um vergonha escandalosa!!! O sistema financeiro colocou o mundo em crise e ainda receberam bônus milionários pelo "serviço" prestado… Cadê a regulamentação??? Cadê o fim dos paraísos fiscais???? O mundo inteiro está é de rabo preso com o sistema financeiro.

“O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glOBo é um braZil para TOLOS”

Responder

    Paulo Roberto

    24 de janeiro de 2011 às 17h57

    Ótima comparação. Assim como nas bocas de fumo, quem fatura alto são os corruptos encastelados no poder e disfarçados de autoridades constituídas.

Gerson Carneiro

23 de janeiro de 2011 às 16h58

Tem cliente brasileiro lá, hein seu Julian Asssange tupiniquim?

Responder

Almeida Bispo

23 de janeiro de 2011 às 16h39

O nome correto disso não é paraíso fiscal, é Ilhas de piratas. É o mesmo observado nos séculos XVI e XVII, Naquele tempo protegido pela Inglaterra, hoje protegido pelos Estados Unidos que protegem a Inglaterra.

Responder

Julio Cesar

23 de janeiro de 2011 às 16h00

Acho engraçado a Lei de Ficha Limpa! Uma agressão à Constituição! Se a sociedade quiser mesmo pegar político desonesto é só estipular o fim dos sigilos burgueses para os homens públicos. Quem ocupasse cargos no setor público deveria ter seus dados fiscais e bancários sem a proteção do sigilo, com a lei protegendo e responsabilizando eventuais abusos de quem os divulgasse sem motivação! Ter que recorrer ao Judiciário para quebrar tais sigilos é uma aberração!!!
Queria ver quem iria se candidatar com regras assim!

Responder

    Silvio

    23 de janeiro de 2011 às 23h41

    Julio Cesar:
    Você quer colocar a raposa cuidando do galinheiro. E muito difícil separar o joio do trigo.

Gustavo Pamplona

23 de janeiro de 2011 às 15h46

[Getting Rid of the Hell of Fiscal Paradises]
http://www.truth-out.org/112508E

Responder

edv

23 de janeiro de 2011 às 14h07

Quando era criança, ficava intrigado com a quantidade de navios que levavam a bandeira da Libéria.
Tudo que é navio que via era de Monróvia?! Nem sabia onde ficava…
Depois de muito tempo entendi que este país africano se prestava a aliviar o bolso dos armadores mundiais, principalmente americanos.
À semelhança de Jersey, Cayman, Luxemburgo, Liechstestein, Suíça e outros tantos conhecidos por figurinhas carimbadas (e camufladas) de nossa política, indústria e finanças.
Ah! … e do crime também (será tudo um saco só?!)…

Responder

Paulo Morani

23 de janeiro de 2011 às 14h07

Por favor, divulgue

NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE AS CHUVAS NA REGIÃO SERRANA
– O QUE FALTOU DIZER –

Faltou dizer que, em Petrópolis, a localidade fortemente atingida pelas chuvas foi o Vale do Cuiabá que está situado a cerca de 12 Km do centro de Itaipava, em direção a Teresópolis
Faltou dizer que, com exceção da rodovia que liga Itaipava à Teresópolis, todas as estradas estão operando normalmente e não foram atingidas ou obstruídas, nem temporariamente, mesmo no dia do temporal.
Faltou dizer que Itaipava, assim como os demais distritos de Petrópolis e o Centro Histórico da cidade, estão funcionando normalmente. Bares, restaurantes, shoppings, comércio, museus, monumentos e demais locais de visitação e lazer continuam operando normalmente
Faltou dizer que, com exceção da localidade tragicamente atingida pela ação da natureza, a cidade é calma, segura e linda.
Faltou dizer que a segunda fase da tragédia ainda está por ocorrer. Ela se caracteriza pelo desemprego e pelo fechamento de uma infinidade de pequenos negócios que vivem, direta ou indiretamente, da atividade turística que é a principal atividade econômica de Petrópolis.
Faltou dizer que, além do socorro às vítimas – que vem sendo feito com uma excepcional colaboração dos governos estadual e federal e uma extraordinária mobilização da sociedade – precisamos cuidar do socorro às vítimas dessa segunda fase que, geralmente, se sobrepõe com efeitos devastadores sobre o emprego e a renda das famílias das regiões atingidas.
Assim, para que tudo o que faltou dizer nas reportagens das redes de comunicação, não resulte na segunda fase do problema. Para que não se possa dizer que “faltou fazer” alguma coisa, estamos nos mobilizando para trazer de volta o principal elemento gerador de emprego e renda: o turista.
Os hotéis e pousadas de Petrópolis, Itaipava e arredores, estão oferecendo promoções e tarifas especiais em seus pacotes de hospedagem para que você nos ajude a mobilizar a economia de Petrópolis e mais rapidamente recuperar a atividade econômica local. Você estará ajudando a preservar muitos postos de trabalho e desfrutando do melhor da região por preços ultra especiais.
Delmo Morani

Responder

Messias Macedo

23 de janeiro de 2011 às 13h42

Prezados mestres Luiz Carlos Azenha e Emir Sader – e diletos(as) comentaristas, o documentário *'Inside Job' revela, cabalmente, alguns traços indeléveis do podre sistema financeiro capitalista: tráfico de drogas, prostituição, lavagem de dinheiro, corrupção, corrupção, corrupção…

*Inside Job – Trabalho Interno. A verdade da crise. Charles Ferguson (2010)

Messias Franca de Macedo
Feira de Santana, Bahia, Brasil

Responder

Elton

23 de janeiro de 2011 às 13h35

Com eu comentei no Blog do André Lux ("Tudo em cima"), onde também foi postado outro texto de Emir Sader dias atrás, ele é didático e esclarecedor. Deveria ser lido por todos os leigos em economia para ter uma visão real de como funciona o capitalismo. Deveria ser usado em aulas para o ensino médio. Faço-o quando o tema está em discussão, apesar de que muitos jovens são conservadores e elitistas já de berço. Estes são os que automáticamente "repudiam" minha tentativa de "comunizá-los". Ouço de alguns daí para pior………Trabalho com Geografia econômica, que é minha especialidade.

Responder

ZePovinho

23 de janeiro de 2011 às 13h13

Repositório de vídeos contando as mentiras que se divulgam contra Cuba.Criado depois que o Facebook,o Google e o Youtube censuraram o site CubaDebate:
http://www.cubadebate.cu/noticias/2011/01/22/una-

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.