VIOMUNDO

Diário da Resistência


Diante da tentativa de golpe, Maduro rompe relações com Estados Unidos: ”Aqui tem dignidade”
Política

Diante da tentativa de golpe, Maduro rompe relações com Estados Unidos: ”Aqui tem dignidade”


23/01/2019 - 19h24

“Aqui tem dignidade”, diz Maduro ao anunciar rompimento de relações com os EUA

Mandatário ordenou que todos os diplomatas estadunidenses deixem o país em 72 horas; “único jeito de eleger presidente é pelo voto”, disse

por Vanessa Martina Silva, em Diálogos do Sul

“Hoje anuncio ante os povos e nações livres do mundo, como presidente constitucional e chefe de governo da Venezuela, no meu dever de respeitar e fazer respeitar a soberania da república, o rompimento das relações com os Estados Unidos: fora da Venezuela. basta de intervencionismo. aqui tem dignidade”.

Desta forma, o presidente Nicolás Maduro anunciou que vai expulsar, em 72 horas, todo corpo diplomático estadunidense de seu país.

A declaração ocorreu durante discurso proferido no Palácio de Miraflores em um ato massivo de apoio ao governo, convocado após Juan Guaidó se autoproclamar presidente do país, um ato considerado golpista pelo mandatário.

Maduro fez um chamado a “multiplicar a verdade. Chegamos a esse palácio presidencial há 20 anos com o voto do povo e nesse palácio presidencial estamos e estaremos com o voto do povo, que é o único que elege presidente constitucional na Venezuela. Só o povo elege, só o povo retira”.

Na sequência, criticou a ação estadunidense. “O governo dos EUA deu uma ordem como nunca havíamos visto na história da Venezuela. Uma ordem para nomear um presidente extraconstitucional”, disse Maduro, se referindo às declarações do vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, que nesta terça-feira (22) enviou uma mensagem de apoio à mobilização que a direita venezuelana realiza também nas ruas de Caracas.

Com várias referências ao ex-presidente Pedro Carmona, que em 2002 se autoproclamou presidente durante um golpe de Estado contra o ex-mandatário Hugo Chávez, Maduro ressaltou que golpe será “novamente derrotado”. “O que o povo fez? Retrocedeu? Se rendeu? Traiu Chávez? O deixou sozinho? Não! O povo venezuelano, em união cívico militar, saiu com sua força a derrubar o golpe”.

Na sequência, ainda se dirigindo aos Estados Unidos, reagiu: “dizem que sou ditador:? Eu não me formei na Escola das Américas, onde vocês formaram todos os ditadores da América Latina. Eu me formei nas favelas do país, nos sindicatos, nas ruas, com o grande professor Hugo Rafael Chávez Frías”.

“Eles não querem que a Venezuela retome o caminho da recuperação. Nós temos que recuperar a economia do povo, o crescimento o investimento social”, disse o mandatário, cujo novo mandato estará enfocado “em potencializar o desenvolvimento do país através do fortalecimento da união cívico-militar, o programa de recuperação econômica e a luta contra a corrupção”.

Em um discurso emocionado e muito aplaudido, Maduro anunciou uma nova Missão social para que idosos possam encontrar emprego, que será um complemento da ação social para oferecer emprego para jovens. Entre 1999 e 2019, durante a Revolução Bolivariana, os investimentos foram duas vezes maiores que aqueles feitos durante os 20 anos anteriores, em governos liberais.

Na América Latina, políticos e lideranças denunciam ataque à democracia na Venezuela

A exemplo de Donald Trump, Jair Bolsonaro (PSL) reconheceu quarta-feira (23) Juan Guaidó como “presidente encarregado”

Lideranças populares e partidos políticos do campo progressista na América Latina denunciaram nesta quarta-feira (23) a tentativa de golpe contra Nicolás Maduro, na Venezuela.

Horas antes, Jair Bolsonaro (PSL) e chefes de Estado que integram o chamado Grupo de Lima reconheceram o opositor venezuelano Juan Guaidó como “presidente encarregado” do país.

O PT e suas bancadas na Câmara e no Senado qualificaram a decisão de Bolsonaro como subserviente aos Estados Unidos, ressaltando que foi o presidente estadunidense, Donald Trump, quem primeiro reconheceu Guaidó como presidente nesta quarta: “Decisão do novo governo autoritário brasileiro de não reconhecer o mandato do presidente Maduro contraria as mais altas tradições da diplomacia do país. Essa decisão agressiva do governo brasileiro demonstra que o nosso país já não tem mais política externa autônoma, tendo-se alinhado acriticamente, e contra seus próprios interesses, à agenda geopolítica belicista e antilatinoamericana de Donad Trump”.

A presidenta nacional do partido, Gleisi Hoffmann, seguiu a mesma linha: “Começamos hoje na América Latina a caminhada dos conflitos que tanto repudiamos em outros continentes. Líbia, Iraque, Síria são lembranças atuais das decisões arrogantes dos Estados Unidos e seus parceiros políticos. O Brasil só tem a perder com esta intervenção na Venezuela”.

Pelo Twitter, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) Guilherme Boulos também questionou a decisão do presidente brasileiro: “Bolsonaro apóia golpe na Venezuela ao reconhecer o deputado Juan Guaidó como presidente. Com isso, a diplomacia brasileira se torna extensão do Departamento de Estado dos EUA. A crise na Venezuela precisa de solução democrática e pacífica, sem ingerência externa”.

A Frente Brasil Popular utilizou a mesma rede social para se solidarizar com Maduro, presidente eleito da Venezuela: “O Brasil, por suas características históricas, geográficas e territoriais deve servir para se estabelecer a paz na Venezuela e não querer provocar uma guerra. A instabilidade pode servir aos interesses dos poderosos, mas não serve nada ao povo e trabalhadores”.

Evo Morales, presidente da Bolívia, considera o movimento contra Maduro como um ataque à democracia: “Nossa solidariedade ao povo venezuelano e ao irmão Nicolás Maduro, nestas horas decisivas em que as garras do imperialismo buscam novamente ferir de morte a democracia e a autodeterminação dos povos da América do Sul. Não vamos mais ser quintal dos EUA”.

Na Argentina, milhares de pessoas se reuniram em frente à Embaixada da Venezuela, em apoio a Maduro, minutos após o comunicado oficial do presidente Maurício Macri – que reconheceu Guaidó como “presidente encarregado”.

O porta-voz da secretaria de Relações Exteriores do México, Roberto Velasco, declarou à agência Bloomberg que, para a administração do presidente eleito López Obrador, o mandatário legítimo da Venezuela é Nicolás Maduro.

Livro do Luiz Carlos Azenha
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

A Trama de Propinas, Negociatas e Traições que Abalou o Esporte Mais Popular do Mundo.

Por Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr., Leandro Cipoloni e Tony Chastinet



13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Cláudio

24 de janeiro de 2019 às 04h13

Na língua de (neo)colonização que os pútridos entendem :

#YankeeGoHome
#WeAreMADURO

Responder

    Zé Maria

    23 de janeiro de 2019 às 23h46

    “Venezuela soberana!
    Inaceitável intervenção dos EUA pra derrubar Nicolás Maduro.
    Entenderia a ONU intervir em caso de genocídio (como Ruanda)
    mas NÃO é o caso.
    É o PETRÓLEO venezuelano que importa!
    Se democracia fosse a questão, EUA não bancaríam a ditadura saudita”

    Carlos Latuff
    Cartunista

    https://twitter.com/LatuffCartoons/status/1088244770550484993

a.ali

23 de janeiro de 2019 às 23h11

e o bolsolixo lambe botas, abanando o rabinho, vai atras do “dono”…
otario tão metido a valentão ficou todo borrado e com cara de débil em davos

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 22h22 Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 21h50

SALA CONSTITUCIONAL DEL TSJ RATIFICA DESACATO DE LA
ASAMBLEA NACIONAL Y DECLARA NULIDAD DE SUS ACTOS

Sala Constitucional del TSJ exhorta al Ministerio Público
a determinar responsabilidades ante violación expresa
del Texto Constitucional por parte de la AN en Desacato

https://t.co/zD6V1s1wCd
https://twitter.com/TSJ_Venezuela/status/1088160948794343425

http://www.tsj.gob.ve/-/sala-constitucional-del-tsj-ratifica-desacato-de-la-asamblea-nacional-y-declara-nulidad-de-sus-actos

https://www.facebook.com/notes/tribunal-supremo-de-justicia/tsj-exhorta-al-mp-a-determinar-responsabilidades-ante-violaci%C3%B3n-expresa-de-la-co/2085475478226912/

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 21h44

Não é só Vergonhoso e Vexaminoso para o Brasil,
é indecente o Ministro das Relações Exteriores do País
se utilizar de um Perfil Falso de uma Suprema Corte
numa Rede Social na internet, no caso, o Twitter,
para estimular um Golpe de Estado em outro País.

https://twitter.com/ernestofaraujo/status/1087641943054708736

https://i.postimg.cc/CLcRVB6b/Chanceler-Ernesto-Araujo-Fake-News-Venezuela.jpg

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 21h23

Reverendo Ernesto Araujo está reproduzindo Mentiras de um Perfil Fake do Tribunal Supremo de Justicia (STJ) da Venezuela:
https://twitter.com/ernestofaraujo/status/1087641943054708736
.
.
Ô xancelé, A VERDADE É ESTA:
“Sala Constitucional del TSJ ratifica desacato
de la Asamblea Nacional y declara nulidad de sus actos”

“Sala Constitucional del TSJ exhorta al Ministerio Público
a determinar responsabilidades ante violación expresa
del Texto Constitucional por parte de la AN en desacato”

http://www.tsj.gob.ve/noticiastsj
https://twitter.com/TSJ_Venezuela/status/1088160948794343425

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 20h52

Militares de Pijama (Inativos) estão incitando o Golpe na Venezuela.

Os Oficiais da Ativa estão Apoiando o Presidente Nicolás Maduro

https://twitter.com/condemarcosv/status/1088156235969560576

Responder

    Zé Maria

    23 de janeiro de 2019 às 23h58

    CARACAS, 23 JAN (ANSA)

    O ministro da Defesa da Venezuela, general Vladimir Padrinho Lopez,
    declarou em um tuíte o apoio do Exército a Nicolás Maduro.

    “Os soldados da pátria não aceitam um presidente imposto
    à sombra de obscuros interesses nem autoproclamado à margem da lei.
    As Forças Armadas defendem nossa Constituição da soberania nacional”, escreveu.

    As Forças Armadas da Venezuela já haviam emitido um Comunicado, em 10/01/2019, declarando “irrestrito apoio e lealdade” a Nicolás Maduro durante o novo mandato.

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 20h31

Estados Unidos e o Roteiro de Governos Paralelos

Numerosas táticas foram usadas pelo Governo dos Estados Unidos para escolher os governos em sua conveniência.

Analistas acreditam que as ameaças de Trump
respondem a um Plano para desestabilizar o País
e substituir o governo do presidente Nicolás Maduro
por outro disposto a se subordinar politicamente
e economicamente aos interesses dos EUA.

Do Apoio à Desestabilização às invasões Diretas
estão alguns de seus Métodos.

“A Libia y Siria les armaron un gobierno paralelo:
al primer país lo hicieron pedazos, luego de robarle sus activos en el exterior,
y al segundo lo tuvieron que volver a reconocer cuando ganó la guerra.
Venezuela es el tercer país donde quieren usar el mismo modelo de intervención”…

https://twitter.com/brunosgarzini/status/1088156895754571776

Responder

Zé Maria

23 de janeiro de 2019 às 20h18

Cuidado com a Mídia Corrupta ‘Tradicional’!

Vem aí Outro Golpe Midiático na Venezuela…

https://www.telesurtv.net/news/estados-unidos-injerencia-paises-america-latina-venezuela-20190123-0022.html

Responder

Moacir Moreira

23 de janeiro de 2019 às 19h31

Faltou combinar com os RUSSOS.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Bebianno só acredita “quando sair o papel com a exoneração” e teria dito a interlocutor que com sua demissão “o Brasil vai tremer”

Da Redação  “Eu quero ver o papel com a exoneração, a hora em que sair o papel com a exoneração é porque eu fui exonerado”, afirmou aos jornalistas neste sábado Gustavo Bebianno, o ministro da Secretaria Geral da Presidência. O cala boca de Bebianno, agora acusado de ter vazado conversas sigilosas entre ele e Jair […]

Ler matéria