VIOMUNDO

Diário da Resistência


Delegado, major e raposa acuam o clã Bolsonaro, levando Financial Times a mencionar “colapso”
Reprodução
Política

Delegado, major e raposa acuam o clã Bolsonaro, levando Financial Times a mencionar “colapso”


18/10/2019 - 22h37

Da Redação

O diário britânico Financial Times é lido por dez em cada dez executivos que tomam decisões sobre investimentos estrangeiros no Brasil.

Algumas se referem a negócios de longo prazo ou são tão absolutamente vantajosas — não há como parar o trem e evitá-las.

Outras, no entanto, só estão amadurecendo agora. Correm risco.

Para o governo Bolsonaro, mau sinal.

O Financial Times, citando um senador da oposição, disse que o presidente da República não é mais levado a sério e que a agenda de reformas depende exclusivamente dos presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre.

A manchete foi publicada antes de o PSL, comandado pela raposa Luciano Bivar, suspender cinco deputados da bancada bolsonarista: Carla Zambelli (SP), Bibo Nunes (RS), Carlos Jordy (RJ), Alê Silva (RJ) e Filipe Barros (PR).

Com isso, a ala bolsonarista fica ainda mais enfraquecida e o presidente da República pode ser forçado a sair do PSL colocando em risco o mandato dos seus seguidores e o financiamento do fundo partidário em 2022.

Com a decisão, Bolsonaro perdeu a capacidade de trocar o líder do partido na Câmara.

Ele tentou, sem sucesso, numa trapalhada amadorística, substituir o delegado Waldir pelo filho Eduardo Bolsonaro.

Eduardo também perdeu a sonhada indicação para a embaixada do Brasil nos Estados Unidos, retirada diante da falta de votos no Senado.

O filho 02 também foi afastado da presidência do PSL em São Paulo.

Igualmente destituído foi Flávio Bolsonaro, da presidência do PSL no Rio de Janeiro.

Em retaliação, Jair Bolsonaro afastou Joice Hasselmann da liderança do governo na Câmara e prometeu processar o líder do PSL, delegado Valdir, que o chamou duas vezes de “vagabundo”.

Joice rebateu acusando Eduardo Bolsonaro de ser mimado, “não conseguir nada sozinho”.

Em resposta, Eduardo postou meme como foto da deputada numa nota de três reais, sugerindo falsidade.

A República Federativa do Brasil, uma potência econômica de 200 milhões de habitantes, está sendo governando pelas redes sociais por um bando de colegiais mimados.

Joice retrucou com ameaças.

Disse que não tem medo das milícias digitais bolsonaristas e sabe o que elas fizeram no verão passado, possível referência às eleições de 2018.

Uma CPMI das Fake News está em andamento e pode tirar proveito de qualquer informação relevante fornecida por Joice.

Na mais grave acusação das últimas horas, pois trata-se de uma acusação passível de impeachment, o delegado Waldir disse que o presidente da República tentou comprar votos para destituí-lo com a oferta de cargos.

O PSL, no entanto, não vai agir para destituir o presidente, disse Waldir, que tem adotado uma posição de morde e assopra.

Foram os advogados de Bolsonaro que protocolaram um pedido para investigar as contas do PSL, o que foi visto como uma tentativa do presidente de se preservar com sua base e se afastar do escândalo do laranjal.

Bolsonaro e seus aliados agora alegam que querem apenas transparência sob os gastos que faz com dinheiro público.

Carla Zambelli, partidária de Bolsonaro e recém-afastada de algumas funções parlamentares, invocou o partor Silas Malafaia para sugerir que sua nêmesis Joice Hasselmann é esquerdista.

No twitter, Malafaia escreveu:


COMO PODE ISSO ? A líder do governo e o líder do partido do presidente, ficarem contra ele. Quem aceita essas funções tem que estar afinado com o presidente. Quer ser independente ? Ñ aceite os cargos. Joice q sempre combateu a esquerda, fazendo o jogo da mesma. ABSURDO! VERGONHA!

Joice disse que será candidata à Prefeitura de São Paulo independentemente do apoio de Bolsonaro.

O candidato do bolso de Eduardo Bolsonaro para o cargo pretendido por Joice, quando ele presidia o PSL, o deputado estadual conhecido como Carteiro Reaça.

Ele foi acusado recentemente pela prática de “rachadinha”, ou seja, desvio do salário de um de seus assessores. É dinheiro público.

O circo bolsonarista pode ter consequências para a economia, já que ainda falta votar o segundo turno da reforma da Previdência.

A ala não bolsonarista do PSL pode usar a ocasião para fustigar o governo.

Como a casa de Luciano Bivar foi alvo de busca e apreensão pela Polícia Federal no caso das candidatas laranja de Pernambuco, o vazamento de informações sobre o inquérito pode ser uma forma de retaliação.

Aliás de Bivar, o deputado delegado Waldir e o senador Major Olímpio avaliam que o presidente perdeu o rumo ao dar muito força aos filhos, que mandam sem ocupar cargos na hierarquia governamental.

O vereador Carlos Bolsonaro articula a política de comunicação, Eduardo Bolsonaro a política externa e Flávio Bolsonaro agora parece mais preocupado em articular sua própria defesa diante de múltiplas investigações que podem atingir toda a família.

No PSL, a sobrevivência política de longo prazo do clã dependia não só do controle de diretórios importantes do partido, mas também do controle sobre o fundo partidário para as eleições municipais de 2020, de R$ 110 milhões.

Com isso, poderiam eleger prefeitos aliados de confiança.

Pegou mal no PSL o fato de que a PF agiu como Bivar mas poupou de ações espetaculosas o ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio, denunciado pelo MPF como mentor do laranjal feminino em Minas Gerais.

Ele continua despachando normalmente.

O delegado Waldir estranhou que a PF, que fez busca e apreensão na casa de Bivar, não tenha sido acionada para fazer o mesmo nos endereços de Fabrício Queiroz, o ex-policial militar suspeito de ser laranja financeiro da família Bolsonaro.

Na defensiva, o clã Bolsonaro pode forjar uma saída autoritária aproveitando-se de decisão do Supremo Tribunal que beneficie o ex-presidente Lula, que pode ser libertado se a Corte Constitucional decidir contra a prisão em segunda instância.

Um autogolpe é uma possibilidade remota, já que a popularidade de Bolsonaro está em baixa, a economia não dá sinais de reagir, a Vaza Jato comprova a corrupção da operação lava jato e a implosão do PSL imita um espetáculo circense que faz Jânio Quadros, que renunciou esperando voltar nos braços do povo, parecer um lorde inglês.

Últimas unidades

A mídia descontrolada: Episódios da luta contra o pensamento único
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação.

A publicação traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Por Laurindo Lalo Leal Filho



2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Zé Maria

20 de outubro de 2019 às 17h27

https://twitter.com/i/status/1185581738833174530

“O povo do Nordeste arrancando óleo na unha
enquanto o presidente tá preocupado em articular
cargo pro filho é o puro suco [de Laranja] de 2019”
https://twitter.com/bicmuller/status/1185553739333148675

Não é o Ministério [da Poluição] do Meio Ambiente,
do Minerador Salles, que está limpando as Praias,
é o próprio Povo Nordestino, Sofrido e Batalhador,
que está removendo a Lama de Petróleo do Mar.

“Na sanha de desmontar o Estado brasileiro,
o governo Bolsonaro extinguiu em abril comitês
do Plano de ação de incidentes com óleo.
Agora não tem nenhuma iniciativa contra o avanço
do vazamento no Nordeste. Sua omissão custa
a destruição da biodiversidade e da economia local.”
https://twitter.com/GuilhermeBoulos/status/1185667092856688646

“Temos um completo despreparado no comando!
Omissão criminosa!!

O plano para conter derrames de petróleo que não foi acionado
pelo governo federal para o Nordeste
| Desastre Ambiental: petróleo nas praias do Nordeste”
https://twitter.com/Haddad_Fernando/status/1185306896619724802

“A omissão diante deste grave episódio do óleo
que contaminou o litoral do Nordeste é um
exemplo claro da incapacidade do governo federal,
que não tem projetos ou agenda para o país.”
https://twitter.com/jaqueswagner/status/1185581738833174530

Do Governador Rui Costa, da Bahia, para o Poluidor Salles:

“De helicóptero realmente não tinha como ver.
Fazer foto e dizer que trabalhou é muito fácil.
Deixe de fazer política e trabalhe.
O senhor já sabe o q causou esse gravíssimo
acidente ambiental?
Além de nada, o que o senhor fez?
Não quero acreditar em preconceito contra o Nordeste.”
https://twitter.com/costa_rui/status/1185663070246506497

Responder

    Zé Maria

    21 de outubro de 2019 às 12h07

    Óleo nas praias brasileiras:
    – culpa a Venezuela.

    Não colou?
    – Culpa o Greenpeace.

    Não colou?
    – Culpa o Foro de São Paulo.

    Se apertar mais um pouquinho eles culpam o PT.
    Ação, que é bom, zero.
    É um desgoverno.

    https://twitter.com/RafaM_Pacheco/status/1186256012648632320

Zé Maria

19 de outubro de 2019 às 18h10

São Egocêntricos demais, para se desesperar, e vão cair por isso.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
A mídia descontrolada

O livro analisa atuação dos meios de comunicação e traz uma coletânea de artigos produzidos por um dos maiores especialistas do Brasil no tema da democratização da comunicação.

Últimas matérias
Com Evo a caminho do México, Exército ocupa as ruas e faz toque de recolher “informal” na Bolívia

Da Redação Correndo o risco de ser capturado pela tropa de elite encarregada de combater o narcotráfico, financiada e treinada pela DEA, a polícia antidrogas dos Estados Unidos, o presidente Evo Morales deixou a Bolívia ontem à noite e seguiu para o México. As ruas foram ocupadas pelo Exército, a pedido da segunda vice-presidenta do […]

Ler matéria