VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Política

Lungaretti: Sócrates, o maior cidadão que já atuou no futebol profissional


04/12/2011 - 15h45

por Celso Lungaretti, no blog Náufrago da Utopia

Muhammad Ali esteve no Brasil quando assumia conscientemente o papel de símbolo da luta dos negros contra o racismo e Pelé era um gênio do futebol e um zero à esquerda em preocupações sociais.

Um repórter perguntou ao grande  Ali o que achava de Pelé. Com seu brilhantismo habitual, ele respondeu algo assim (não encontrei a frase exata): “Se alguém é um esportista extraordinário, isto já basta. Mas, se além disto, ele também levanta as bandeiras de sua gente e trava o bom combate, aí sim ele é completo”.

Sócrates era completo.

Parafraseando o que Foreman disse sobre o próprio Ali, talvez Sócrates não tenha sido o maior jogador brasileiro de todos os tempos, mas, sem dúvida, foi o melhor cidadão brasileiro que já atuou no futebol profissional.

A ponto de, quando os melhores cidadãos brasileiros saíram às ruas para recuperar o direito de elegerem o presidente da República, ele se ter comprometido com a multidão que lotava o Vale do Anhangabaú (SP) a recusar a proposta estratosférica da Fiorentina e permanecer no País para ajudar a reconstruí-lo, caso fosse aprovada a emenda das diretas-já.

Perdemos um grande companheiro, um irmão de fé. Foi doído demais.

Leia também:

Brasil de Fato: Que os ventos da mudança varram a máfia do futebol



Ajude o VIOMUNDO a sobreviver

Nós precisamos da ajuda financeira de vocês, leitores, por isso ajudem-nos a garantir nossa sobrevivência comprando um de nossos livros.

Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia

Edição Limitada

R$ 79 + frete

O lado sujo do futebol: Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

R$ 40 + frete

Pacote de 2 livros - O lado sujo do futebol e Rede Globo

Promoção

R$ 99 + frete

A gente sobrevive. Você lê!


46 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Luto no futebol. Sócrates, o maior cidadão brasileiro que já atuou no futebol profissional - Blog do Bordalo

05 de abril de 2019 às 22h52

[…] Celso Lungaretti: Sócrates, o maior cidadão brasileiro que já atuou no futebol profissional […]

Responder

Tiago Ripa: Classe “C”, de Corinthians « Viomundo – O que você não vê na mídia

19 de dezembro de 2012 às 20h19

[…] Lungaretti: Sócrates, o maior cidadão que já jogou bola […]

Responder

Brazil: The Death of Socrates, A Brazilian Idol | Sao-Paulo news

13 de janeiro de 2012 às 05h17

[…] and writer Celso Lungaretti summed up a feeling shared my many Brazilians: Perdemos um grande companheiro, um irmão de fé. Foi doído […]

Responder

Brazil: The Death of Socrates, A Brazilian Idol · Global Voices

13 de dezembro de 2011 às 13h32

[…] and writer Celso Lungaretti summed up a feeling shared my many Brazilians: Perdemos um grande companheiro, um irmão de fé. Foi doído […]

Responder

Flavio Lima

11 de dezembro de 2011 às 20h39

Eu, testemunha ocular e auditiva da Historia, vi e ouvi, no Vale do Anhagabau (uma quarta feira, 16 de abril de 1984), Socrates fazer essa promessa.
Que não tenho a menor duvida que cumpriria, se a emenda Dante de Oliveira tivesse sido aprovada.

Responder

Brasil: A morte de Doutor Sócrates, um ídolo brasileiro · Global Voices em Português

07 de dezembro de 2011 às 16h02

[…] ativista e escritor Celso Lungaretti resumiu o sentimento de muitos brasileiros: Perdemos um grande companheiro, um irmão de fé. Foi doído […]

Responder

O_Brasileiro

05 de dezembro de 2011 às 22h14

Como CBF sabia quem ia ser o campeão brasileiro? Ou não ia convidar o Vasco mesmo que tivesse sido campeão??? http://esporte.uol.com.br/futebol/campeonatos/bra

Responder

    Luiz

    06 de dezembro de 2011 às 09h12

    A coisa é o seguinteee: Futebol é como luta livre, tudo combinado. Quando mostrei lances para meu cunhuado, que é fanático pelo inter de POA e que ele perdeu para o Corintians, foi evidente a manipulação pois o Inter deixou de ganhar por opção. Neste último grenal, foi ele quem me colocou as condições do resultado. Como o patrocinador era o mesmo, Banrisul, a lógica era que o Inter ganhasse pois iria para a copa sul-americana e o Banrisul ficava em evidência mais alguns meses. O gremio não tinha mais chance, nem com a vitória. Assim, foi o que ocorreu. O gremio amoleceu e o inter ganhou de 1×0 e vai para a copa. Como dizem, precisa que eu desenhe?

Marcelo de Matos

05 de dezembro de 2011 às 11h08

A mídia adora criar estereótipos de líderes. Airton Sena foi guindado à categoria de herói nacional, enquanto Piquet, que também foi tricampeão, é ignorado. Ninguém especula sobre sua sexualidade, da mesma forma que os norte-americanos ignoravam a de Cary Grant, Rock Hudson e James Dean. A opção sexual não prejudicaria a imagem do grande campeão, mas, como ídolo é ídolo… Sócrates, tal como Heleno de Freitas e Afonsinho em outras épocas, não foi líder de coisa alguma – apenas um bon vivant. Suas aparições nos comícios das diretas-já faziam parte da vida social de um jet set. Seu companheiro de clube e palanque, Wladimir, tirou algum proveito disso conseguindo eleger-se vereador em São Paulo pelo conservador PDS. Pelé teria sido tão líder quanto Sócrates: dizia que o brasileiro não sabia votar (está aprendendo), que a educação seria a salvação do país e deu nome à lei que modernizaria o futebol brasileiro, não fosse a ganância dos cartolas e da bancada da bola. Se tivéssemos líderes em nosso futebol deveriam tentar reeditar a lei Pelé tal como foi concebida.

Responder

    Ana Paula

    05 de dezembro de 2011 às 14h53

    Cary Grant era inglês e foi casado 5 vezes.

    Marcelo de Matos

    05 de dezembro de 2011 às 20h06

    Cary Grant era um ator americano nascido na Inglaterra, assim como Clarice Lispector era uma escritora brasileira nascida na Ucrânia. Pode ter casado até dez vezes que não faz diferença – tinha inclinação homossexual. Leia o que diz a Wikipédia: "Em 1933, durante um almoço no estúdio, ele conheceu o ator Randolph Scott, o qual, segundo se sabia, era amante do milionário Howard Hughes. Acredita-se que atração entre eles foi imediata e recíproca, e os dois passaram a ter uma relação homossexual e Scott até se mudou para o apartamento de Grant. Muitos produtores chegaram a ameaçá-los de não lhes oferecerem trabalho se não passassem a morar em casas separadas. Assim, face às pressões impostas pela sociedade, Grant nunca chegou a assumir publicamente este que teria sido o grande amor secreto de sua vida".

Luiz

05 de dezembro de 2011 às 08h41

Pra mim o período mais importante da vida dele é onde exerceu a medicina. Onde dava circo, não. O interessante é ver todo mundo enaltecendo ele mas, que teve problemas de vícios, mas deve ter influenciado negativamente muita gente. Agora é mídia louca que enaltece ele como alguém "apaixonado pela vida e que não abria mão dos prazeres." Incrível. Como Lula não dá circo pra ninguém, é bebum, embora ninguém o viu bêbado e viciado em cigarro e que devia estar morto. Vcs stambém estão doidos pra ver cristãos na arena enquanto dão hurras para os gladioadores e os leões que irão mata-los, não? Pq não descrevem as impressões que seus pacientes tiveram, de como ele foi um médico bom competente? Essas lembranças é que irão fortalece-lo na outra vida. Se nem desconfiam do que eu falo, assistam o filme "nosso lar".

Responder

    Jose Mario HRP!

    05 de dezembro de 2011 às 10h09

    Provavelmente está no Umbral, sorte ter inteligencia, mas se for ateu convicto terá mais dificuldades em voltar a normalidade.

    Maria Fulô

    05 de dezembro de 2011 às 12h48

    Amigo, por favor… nos poupe de suas inseguranças e sandices. Tem toda pinta de quem votou em Marina no 1o Turno das últimas eleições e em Serra no 2o.

    Mário SF Alves

    05 de dezembro de 2011 às 21h41

    Tá mais pra Plínio, no segundo.

    Luiz

    05 de dezembro de 2011 às 13h22

    Opinião tua.

    ana

    05 de dezembro de 2011 às 16h00

    outro religioso infeliz

    Mário SF Alves

    05 de dezembro de 2011 às 21h40

    É hoje!

    ana

    05 de dezembro de 2011 às 10h33

    LUiz, não seja hipócrita. ele merece respeito. se bebeu, bebeu porque quis. e isso se chama liberdade, liberdade que você não tem e nem sabe o que é. cada um deve viver a sua vida do jeito que quiser e não seguir as regras de gente sem competência para viver a própria vida. Sócrates foi gênio dentro e fora do campo enquanto quem posta uma idiotice dessas não passa de um ser sem nenhuma luz, sem brilho, que se deixa levar por obrigações e nunca pela felicidade. Sócrates foi feliz, ele viveu. e você?

    Luiz

    05 de dezembro de 2011 às 12h12

    Eu não desrespeitei ele mas a "inteligência" dos que enaltecem gladiadores ao invés do Sócrates médico. Quanto a fraqueza dele, é pior do que alguém que não fosse da área da saúde. Isso ele terá que responder só a ele mesmo. Mas são contradição de alguém profissional da saúde e fazia o que a boa medicina não recomenda e que deveria ter sido o exemplo para seus pacientes. Fico estarrecido com as "loas" que se dá a alguém que prioriza os pés que bate num pedaço de couro e não as mãos que salvam vidas. Ou de um políticos que cuidam do bem estar de milhões de pessoas, influenciando outras nações a seguir no mesmo bom caminho mas, que segundo os mesmos que apoioam o "homem apaixonado pela vida e que não abria mãos dos prazeres", estes polítidos deveriam estar mortos.

    ana

    05 de dezembro de 2011 às 16h00

    nossa, piorou ainda mais. dá para sentir de longe o cheiro de religiosidade exacerbada em você. Sócrates nunca exerceu a medicina. ele tinha uma clínica em Ribeirão Preto e só. a História dele é toda baseada em capacidade intelectual, em criatividade, em estudo, em prazer, em felicidade. e vou te contar, de fraco ele não tinha nada. se fosse, teria se deixado levar por pessoas como você, infelizes e incapazes.

    Luiz

    05 de dezembro de 2011 às 17h59

    Religioso? Nunca! Espiritualista, Sim!

    Mário SF Alves

    05 de dezembro de 2011 às 21h40

    ana,
    Sinto informar, mas a coisa tá mais para alienação política. Ou, sendo mais claro, na falta de um mínimo de compreensão da complexidade das forças que regeram, regem e regerão a sociedade, prevalece a síndrome do ''deixa rolar que deusdará". Ou seja: virtuoso, só JCristo.

    Rodrigo Falcon

    05 de dezembro de 2011 às 12h00

    Prezado Luiz, à liturgia das palavras na espiritualidade não cabe adjetivações, presunção, menosprezo e hostilidade. Posturas que advogam contra a própria essência do espiritismo que você alardeia.

    Emerson Sousa

    05 de dezembro de 2011 às 19h21

    Cabra,

    Primeiro, respeite o Dr. Sócrates (se calando para começo de conversa). Segundo, você deve estar ADORANDO os seus quinze minutos.

    Luiz Clete

    05 de dezembro de 2011 às 22h22

    Nosso Lar? Neste vasto universo como certeza deva existir algum mais interessante e sem conflito que Nosso Lar. Quem acredita no catolicismo/espiritismo que viva a partir de suas regras. Porém, DUVIDO que alguem viva a biblia em todas suas letras. Sócrates viva a vida do jeito que achava melhor, sua maior contribuição foi ser critico de seu tempo. Não temia suas decisões, não temia o medico do Nosso Lar. Como Mark Twain disse: prefiro o paraiso pelo clima e o inferno pelas companhias.

    Morvan

    06 de dezembro de 2011 às 11h48

    Bom dia.

    "Pra mim o período mais importante da vida dele é onde exerceu a medicina…". Disseste muito bem, Luiz; para você.
    Se o Sócrates tivesse continuado a exercer (exclusiva ou simultaneamente) a medicina, poucos de nós, inclusive você, teríamos conhecido a pessoa extraordinariamente politizada e comprometida socialmente que foi o grande "dotô".
    Não entendi sua revolta e nem muito menos onde o Lula entra nesta "jogada", a não ser o fato de o Presidente ser corinthiano.
    A militância do Sócrates se apõe ao seu trabalho com a medicina, Luiz, bem como, claro, o seu elegante futebol. Isto é normal. A nossa formação acadêmica não é uma camisa-de-força a nos obrigar a exercer esta ou aquela profissão. Só a título de exemplo, sou pedagogo e trabalho como técnico em informática. Quer dizer, ganho honestamente o meu dinheiro com o meu conhecimento técnico em uma área que não tem nada a ver com a minha formação acadêmica. Quero pedir desculpas a você, pois me citei não para enlevar minha própria pessoa. É que foi um exemplo prático de pessoas que são formadas em uma área do conhecimento humano e atuam em outra (às vezes, em áreas que não são do mesmo espectro do conhecimento humano).

    Então, amigo Luiz, tenha calma e veja o "dotô" como alguém que era douto naquilo que amava. Este é o verdadeiro profissional.
    Tente. Eu sei que você consegue, Luiz. Você é uma pessoa capaz.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

Jose Mario HRP!

05 de dezembro de 2011 às 07h57

Sinto muito mas Sócrates foi ao mesmo tempo bom e mau exemplo para todos!

Responder

    ana

    05 de dezembro de 2011 às 10h34

    se foi mau exemplo para você, sinto muito por você. para mim ele representa a liberdade, a criatividade, a sabedoria, a arte, a vida.

    Marcelo de Matos

    05 de dezembro de 2011 às 20h11

    O Datena mostrou hoje uma entrevista que fez com Sócrates, então jogador do Corinthians, em um carnaval em Ribeirão Preto. O Dr. aparece completamente bêbado, caindo no chão. Datena fez questão de salientar que o Dr. só bebia cerveja. Eu nunca vi ninguém tomar cerveja e cair. Eu, pelo menos, tomo todas e nunca cai. O Dr. tomova uísque até cair e nisso eu concordo com o José Mário – não é bom exemplo.

Ana Paula

05 de dezembro de 2011 às 05h19 Responder

Alessandro

05 de dezembro de 2011 às 00h37

Como disse Juca Kfouri:"Sócrates tem a torcida de todos os brasileiros".Um corintiano que transcendeu e muito sua própria torcida.

Responder

Alessandro

05 de dezembro de 2011 às 00h35

Se o esportista vem ao mundo para ser espelho dentro e fora das quatro linhas.Sócrates cumpriu sua missão divina junto aos terráquios.Mostrou ser um amante da bola e da liberdade,aves rara no meio.

Responder

    ana

    05 de dezembro de 2011 às 10h35

    isso, Alessandro. e com criatividade e caráter, muito mais raro ainda

ZePovinho

04 de dezembro de 2011 às 23h47

Não julgarei(que direito tenho?) os jogadores de futebol ou aqueles atletas que são como Pelé.Cada um sabe das escolhas que faz.
Sócrates foi um exemplo para aquele garoto de 14 anos(eu em 1982),filho de milico,e que presenciava o Brasil ajoelhado diante do FMI.
De certa forma,aquela seleção de 1982 carregou nossa auto-estima nas costas como Senna o faria,uma década depois.
Parabéns pelo título,corintianos.Foi merecido em campo.O vascaíno,aqui,está muito feliz pelo título de vocês.

Responder

    Morvan

    06 de dezembro de 2011 às 11h33

    Bom dia.

    De corinthiano para vascaíno. ZePovinho, obrigado pelo seu depoimento. Foi um belo campeonato, renhido desde a primeira partida, decidido só na última rodada e venceu o Corinthians; poderia muito bem ter sido o Vasco. Foram os dois times que, malgrado não tivessem verdadeiros "craques" em seus elencos, ostentaram regularidade do início ao fim. Este campeonato só seria injusto (justiça em futebol é algo que, via de regra, não se aplica) se saísse para qualquer outro time afora estes dois, no conceito de justiça, claro, via visão particular.

    :-)

    Morvan, Usuário Linux #433640.

Palmas

04 de dezembro de 2011 às 22h24

O doutor Socrates, foi doutor como cidadão e como esportista. Espero que tenha o devido reconhecimento da mafiosa CBF pelos serviços pretados ao esporte Brasileiro.Mas CBF não me mande o Ronaldo gordo e nada fenômeno fora dos campos a prestar homenagem ao Socrates. Ele mesmo não concentiria.

Responder

Gerson

04 de dezembro de 2011 às 22h09

Via Altamiro Borges

Resposta do Sócrates para uma reporter da Folha recentemente.

Pergunta:

(Em toda essa impressionante onda de carinho que cercou você nesses dias, há também quem diga que de democrata você não tem nada porque deu o nome de Fidel ao seu caçula. É mais uma de suas contradições?)

Resposta:
De fato, estou tirando muita coisa de positivo neste meu quase nascer de novo. Quanto ao Fidel Castro, símbolo da Revolução Cubana, como Che Guevara, as pessoas estão mal informadas. No nosso país se conhece muito pouco o que acontece fora daqui e mesmo aqui dentro. A estrutura política cubana é extremamente democrática. Eu queria que meu filho nascesse lá, eu queria ser um cubano.

Nós estivemos lá agora, fomos passear! Peguei minha mulher e fui lá, passear, curtir lampejos de humanidade. Um povo como aquele, numa ilhota, que há mais de 50 anos briga contra um império, só pode ser muito forte, e ditadura alguma faz um povo tão forte… Em Cuba, o povo participa de tudo, em cada quarteirão. E aqui? Pra quem você reclama? Você vota e não tem pra quem reclamar.

Responder

    joni

    05 de dezembro de 2011 às 12h53

    Acho que essa repórter gostaria que ele pusesse no filho caçula o nome de "Emilio" (aquele do Garrastazu).

    Mário SF Alves

    05 de dezembro de 2011 às 21h44

    Ou… Arthur (aquele do AI-5), quem sabe?

marcosomag

04 de dezembro de 2011 às 22h08

"Combatí o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé", escreveu o apóstolo Paulo na sua segunda carta à Timóteo. O grande "Doutor" da medicina, da bola e da cidadania combateu o bom combate pela Democracia, nos campos e na sociedade. Acabou a sua carreira cedo, como Marley, Harrison e Luther King. Mas, tenho certeza que morreu guardando em seu âmago a fé em uma Brasil e um mundo melhores. Obrigado, Doutor Sócrates!

Responder

Francisco

04 de dezembro de 2011 às 22h07

O principal legado de Sócrates é esse:
Ser um brasileiro completo nem é tão difícil.
Sócrates não foi propriamente uma excessão por um eventual talento "milagroso", um talento que o tornasse "intocável". Era um jogador bom e altamente comprometido com o coletivo de jogadores.
Sócrates não conheceu o desemprego por ter opiniões politicas.

Ser integro da mais trabalho que não ser, claro. Cria mais inimigos, certamente.
Mas não é assim tão difícil poder dizer da vida, que ela foi plena. É só não ter medo de ser feliz.

Sócrates é um daqueles que se o céu não existir, ok. A plenitude já foi conhecida e curtida, em vida.

Responder

Fabio SP

04 de dezembro de 2011 às 22h02

Pra mim, o Alfonsinho dava de dez a zero no Sócrates… mas eram outros tempos.

Responder

FrancoAtirador

04 de dezembro de 2011 às 20h58

.
.
Celso Lungaretti, apesar de não conseguir mais chorar,

vítima da brutalidade da tortura da Ditadura Militar,

é um ser humano de raríssima sensibilidade.

Sem dúvida alguma, Sócrates foi completo.

Foi relativamente cedo, mas cumpriu sua missão,

e, comparativamente aos demais, sobejamente.
.
.

Responder

Vagabundo

04 de dezembro de 2011 às 15h47

Pois é Celso, eu que não gosto de futebol, acho um saco, admiro demais esse grande cidadão.

Responder

SILOÉ-RJ

04 de dezembro de 2011 às 15h26

Sem palavras, só lagrimas!!!

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding
Loja
Compre aqui
O lado sujo do futebol

Tudo o que a Globo escondeu de você sobre o futebol brasileiro durante meio século!

Últimas matérias
Bernie Sanders: Se os Democratas quiserem vencer no futuro, terão de enfrentar os interesses de Wall Street, em guerra contra a classe trabalhadora dos EUA

Reconquistar a classe trabalhadora Se o partido Democrata quer evitar a perda de milhões de votos no futuro, ele deve ser firme e atender às famílias da classe trabalhadora dos EUA Por Bernie Sanders, em A Terra é redonda  80 milhões de americanos votaram em Joe Biden. Com estes votos contra a intolerância de Donald […]

Ler matéria