VIOMUNDO

Diário da Resistência

Sobre


Camilo Aggio: Por que eleitores de Bolsonaro acreditam que ele “lacrou”
Wilson Dias/Agência Brasil
Política

Camilo Aggio: Por que eleitores de Bolsonaro acreditam que ele “lacrou”


31/07/2018 - 16h12

Wilson Dias/Agência Brasil

por Camilo Aggio, no Facebook

Eu sempre começo post sobre Jair Bolsonaro afirmando que eu já tinha avisado.

Vou manter a tradição: eu já tinha avisado porque, há muito, venho observando o fenômeno político e eleitoral que vem crescendo em seu entorno.

Uma das maiores, dentre tantas subestimações de seus adversários, foi acreditar que a sua ignorância, desinformação e estupidez o faria sucumbir em segundos, tal como um vampiro à luz do sol, diante de debates e entrevistas.

Do mesmo modo, errou quem achava que sua visibilidade eleitoral-mediática só lhe traria dissabores.

Ledo engano. E eu já havia visto esse cidadão conseguir driblar pegadinhas, contornar armadilhas e sair por cima de jornalistas.

Cheguei, inclusive, a escrever um post com minhas impressões de sua atuação diante de jornalistas competentes, tal como Mônica Bergamo, Julia Dualib e Fernando Mitre, no programa Canal Livre da Bandeirantes.

Bolsonaro adota a estratégia de escapar de encurraladas, armadilhas e perguntas espinhosas de duas formas: apelando para meias-respostas que mobilizam sua rivalidade vital com a esquerda e o PT e investindo severamente em falas que disparam mil palavras por segundo, conduzindo o diálogo com os entrevistadores na direção que lhe é mais favorável.

O cara usa a estratégia de criar cacofonias.

Gera um enorme bate boca, forma aquela confusão verbal, todo mundo fala, rebate, brada, pouco se escuta, o tempo esgota e, tá lá: eis o candidato conseguindo fugir de armadilhas e situações desfavoráveis.

Vale, no fim, terminar o round falando.

Ele joga para sua platéia, sempre demarcando, claramente, seu antiesquerdismo e antipetismo tão apelativo para seu eleitorado e além.

Se confrontado com questões sobre justiça e crimes na ditadura, por exemplo, foge da pergunta, mas mobilizando o antipetismo e antiesquerdismo para situar-se em oposição aos esquerdopatas antipatriotas, simpáticos a regimes ditatoriais, e ele, ao lado da democracia.

“Onde está Dilma Roussef? Em Cuba. Na democracia cubana.” Ele é o democrata, ao contrário do PT e seus equivalentes (todos os outros que não ele).

Mesmo em questões delicadas, o cara não se sai mal. Vejam que foi confrontado sobre a decisão de abrir ou não arquivos da ditadura.

Primeiro afirma, alegando conhecimento de causa em razão de sua profissão, que desconhece a existência desses documentos.

Ele é apertado e confrontado. Como se sai?

Com um básico, mas apelativo populismo que funciona: afirma que essa parte da história tem que ser cicatrizada.

“Esquece isso aí. É daqui pra frente. Povo sofrendo, desemprego, miséria, milhares de mulheres sendo estupradas”.

E termina: “Eu quero pegar mesmo são os papéis do BNDES. Isso o Brasil tem pressa e aconteceu. O resto aconteceu. E o Brasil tem pressa e tem que ir para frente.”

Sobre corrupção e sua honestidade, sempre menciona fala de Joaquim Barbosa dando conta de que ele foi o único que não recebeu nada do mensalão.

Sobre apologia ao estupro, mais uma vez diz que é ele, e não Maria do Rosário, quem defende as mulheres, visto que ela votou contra uma lei que suspostamente combateria tais atos, ao contrário dele.

Quem se sai mais bem posicionado moralmente nessa história para seu público já fidelizado e aqueles que o namoram?

Sobre homossexualidade, mantém a sustentação do discurso, falacioso, pródigo em pregar a igualdade e justiça camuflando desigualdades e injustiças. Todo mundo é igual, não importa cor, orientação sexual, gênero, etc.

O mesmo faz com as cotas e isso tem um apelo enorme, principalmente para parte significativa de seu eleitorado: adolescentes que cresceram com o sistema de cotas para ingresso em universidades públicas e se sentem injustiçados diante de política de privilégio tão flagrante.

No que diz respeito aos embates mais pessoais, ou melhor, os embates mais vaidosos com jornalistas, o cara também não se sai mal.

Jornalista de Veja tenta constranger o cara dizendo que, se ele não entende nada sobre economia e confia apenas no seu consultor para a matéria, os eleitores terão que torcer para ele não morrer.

Ele afirma: “Para a tristeza da esquerda, dos estatizantes, nós não morreremos, não.”

Do mesmo jeito, saiu desfilando um monte de “desmentidos”. E isso se deve, principalmente, em razão do pouco cuidado na apuração feita pelos entrevistadores e da falta de cautela.

Jornalista resolve dizer que ele teria afirmado que “metralharia a Rocinha”, mesmo tendo se discutido largamente esse fato e as justificativas que ele apresentou terem chegado a um largo conhecimento público.

Pronto, simplesmente afirmou que nunca disse isso, que nunca afirmou que metralharia.

A jornalista não faz o dever de casa e leva rasteira.

Não usou a expressão, ainda que tenha dito isso sem dizer.

Enfim, eis mais uma lição que, infelizmente, chega tardiamente para muitos e a semelhança com o que aconteceu há dois anos nos EUA não é mera coincidência.

Bolsonaro emprega estratégias de apelo a argumentos falaciosos e simplificações grosseiras, mas que tem forte apelo popular, principalmente em momentos bastante delicados como o atual.

Posiciona-se firmemente no campo antiesquerda, antipetista e sustenta posições conservadoras populares.

Ao contrário do que imaginavam (ou torciam) muitos, sua falta de inteligência e desinformação não são impeditivos para que ele se saia bem em debates e entrevistas.

O cara consegue substituir toda sua escassez cognitiva com táticas de enfrentamento, estímulo à cacofonia e, com toda sua verborragia, consegue congelar os entrevistadores, que ficam estupefatos e recuam, enquanto ele continua sempre dando a última palavra.

Resultado? Tudo o que a geração da lacração precisa para para se convencer de que o candidato deles lacrou.

E muito do que precisam muitos para perceber que o candidato não era aquilo que realmente falavam dele. E isso se repetiu hoje no Roda Viva. Estas são partes de minhas impressões e que confirmam o que venho sustentando.

Prevejo muitos arrependidos por só terem se dado conta disso agora.

Leia também:

Pesquisa mostra Alckmin com 63% de rejeição





9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do VIOMUNDO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie. Leia o nosso termo de uso.

Miguel Araujo de Matos

13 de agosto de 2018 às 19h20

Vai ser legal no segundo turno, se houver, quando ele terá de preencher 10 longos minutos com sua “ideias”, a fim de convencer a maioria dos eleitores de que ele tem as soluções para tirar o Brasil do atoleiro em que ajudou o golpista temer a nos meter.

Responder

FABIO

02 de agosto de 2018 às 08h36

Análise muito interessante

Responder

RONALD

01 de agosto de 2018 às 17h08

Bozonazo já lacrou sua derrota !!!!!

Responder

lulipe

01 de agosto de 2018 às 15h20

Tive pena dos jornalistas….É melhor JAIR se acostumando.

Responder

Luiz

01 de agosto de 2018 às 11h14

Bolsonaro calado é um poeta. Falando, corre o risco de perder eleitores entre os seus próprios amantes. O cara é uma cavalgadura ambulante. Não tem qualquer resquício de inteligência ou cognição. Bolsonaro só está nessa posição de segundo colocado nas eleições, porque não se expôs até agora. Quando a luz do sol brilhar sobre ele, vai retornar aquilo que é de verdade: um nada, eleito há anos pelo que existe de mais atrasado em uma sociedade.

Responder

Hildermes José Medeiros

01 de agosto de 2018 às 11h07

Sem nada desmerecer, considero válido mas exagerada essa expectativa, quanto às possibilidades de Bolsonaro nas eleições presidenciais. Bolsonaro é um dos mais legítimas e atuantes viúvas da ditadura de 1964, todas, majoritariamente, encasteladas no estamento militar policial. A julgar pelas pesquisas até aqui conhecidas, não há evidências de crescimento de apoio à extrema direita, mas de manutenção desse suporte no entorno de 15-20% dos votos válidos, insuficientes para, no caso de haver eleições para Presidente, bater chapa com Lula. Mesmo na hipótese de um plano B, com um candidato do PT, sem a participação de Lula,, hipótese onde a hoje oposição estaria coonestando com o golpe e aceitando o caminho que desejam impor mantendo a aparência democrática do regime imposto pelos golpistas, nada indica que aqueles que votariam em Lula vão votar no Bolsonaro, não faz sentido admitir essa hipótese. Assim, melhor preocupar-se em impor a candidatura Lula, melhor para a Democracia, para toda a, de fato, oposição, para o povo e o país.

Responder

    FABIO

    02 de agosto de 2018 às 09h06

    Hildermes, eu pensava como você, mas infelizmente conversando com alguns colegas que votam no Bolsonaro notei que a matéria é muito relevante e assertiva.

João

01 de agosto de 2018 às 09h59

Infelizmente juntou-se a fome à vontade de comer. Um povo que vive assustado com a violência e ainda por cima passa a vida assistindo lixos sensacionalistas como Datena. Esses programas além de aumentarem a sensação de insegurança, pois fazem parecer que a exceção é a regra ainda por cima fazem lavagem cerebral nos menos inteligentes. Eles não tem educação sobre as causas da criminalidade, gosta de soluções fáceis. Junte-se a isso o desgaste natural da esquerda após quase 15 anos no poder. Alternância de poder é algo perfeitamente natural numa democracia, o que não é natural é termos uma direita comprometida única e exclusivamente com os interesses das potências estrangeiras. Como se não bastasse, essa oscilação natural para a direita foi potencializada por propaganda massiva estrangeira, vemos grupos estrangeiros financiando redes de fake news no Brasil, incluindo a difusão de coisas completamente sem cabimento, como negação do aquecimento global, campanhas anti-vacinação, defesa do “terraplanismo” (!!), difusão do “anarco-capitalismo”, entre outros tipos de baboseiras, além de um forte red scare e doutrinação neoliberal. Junte-se a isso as igrejas evangélicas que emburrecem ainda mais os mais burros e temos o cenário perfeito para o surgimento de um boçal vagabundo liderando as pesquisas. O cara defende o crime e diz que vai combater o crime, jamais trabalhou na vida e diz que é contra “os vagabundos”, é corrupto e defende corruptos e se diz contra a corrupção… É a própria contradição ambulante, mas a educação frágil que temos no Brasil forma hordas e mais hordas de completos imbecis, o que explica o apoio que Bolornazi tem.

Responder

Claudio Almeida

31 de julho de 2018 às 17h27

A parte mais importante ficou faltando. Óbvio, seus seguidores devem estar achando o máximo, mas o que realmente interessa mesmo é saber a capacidade que essas performances tresloucadas tem de agregar novos eleitores, aqueles 60% que todas pesquisas identificaram até agora. Sinceramente Camilo, pelo que vi e senti hoje, foi um desastre total. Entre meus amigos que ainda não sabem o que vão fazer, a repercussão foi a pior possível.
Acho que pra ir além de sua já conhecida horda acerebrada, ou ele se cala ou muda de estratégia. Tem gente chocada até agora com aquele papo dos escravos. Boa tarde e obrigado.

Responder

Deixe uma resposta

Apoie o VIOMUNDO - Crowdfunding