Bohn Gass rebate as mentiras espalhadas sobre o crédito rural: Lula não suspendeu, Bolsonaro é que não deixou dinheiro

Tempo de leitura: 2 min
Deputado Bohn Gass (PT-RS). Foto: Gabriel Paiva

Bohn Gass esclarece: Lula não suspendeu o crédito rural, Bolsonaro é que não deixou dinheiro

PT na Câmara

O vice-líder do governo Lula no Congresso, deputado Elvino Bohn Gass (PT-RS), rebateu nesta segunda-feira (13) as mentiras sobre a falta de recursos para o crédito rural.

Ele explicou que o Plano Safra do governo Bolsonaro disponibilizou apenas R$ 19,8 bilhões para o BNDES usar em mais de 10 programas, entre eles o crédito rural.

“Todo mundo sabia que esse valor era insuficiente. A demanda histórica sempre foi muito superior. Por isso, em outubro do ano passado o próprio governo Bolsonaro paralisou o crédito rural”, afirmou.

Bohn Gass também considera fundamental que se esclareça o esforço que Lula fez, já no primeiro mês de governo, para retomar o crédito.

“Quando assumimos, não havia um centavo para o crédito rural. Então, nosso governo conseguiu aportar R$ 2,9 bilhões de recursos adicionais para produtores rurais e suas cooperativas. Tanto que, em 26 de janeiro deste ano, os contratos reabriram. Acontece que a demanda estava reprimida há meses e os recursos foram consumidos em poucos dias”, argumentou.

Por isso, segundo Bohn Gass, qualquer acusação que se faça contra o governo Lula neste tema, mais do que mentirosa, é profundamente injusta.

Plano Safra

O vice-líder informa que a nova direção do BNDES é sensível às necessidades do setor agropecuário e, como sabe que o banco é responsável pela execução de, aproximadamente 18% das verbas do Plano Safra, já está trabalhando para viabilizar novos recursos.

“Em síntese, o crédito rural paralisado é um exemplo da destruição de políticas públicas pelo governo Bolsonaro. Mas já recriamos o Ministério do Desenvolvimento Agrário que, junto com o novo Ministério da Agricultura e com a participação de das entidades e representações dos agricultores familiares e do agronegócio, vai formatar em breve o novo Plano Safra e garantir o crédito necessário”.

Assessoria Parlamentar

Leia também:

Altamiro Borges: Michelle Bolsonaro e o ‘pastor do capeta’ investigados por assédio moral aos servidores do Alvorada

Altamiro Borges: O general Heleno foi o pivô dos ataques terroristas de 8 de janeiro

Apoie o jornalismo independente


Siga-nos no


Comentários

Clique aqui para ler e comentar

Zé Maria

.

Foi Guedes OffShore Falcatrua e o Genocida/Etnocida,
Autores de Crimes Contra a Humanidade, que em vez
de alocarem os R$ 32 Bilhões necessários à equalização
das taxas de juros no BNDES Crédito Rural do Plano Safra
liberaram somente R$ 19 Bilhões, quantia que exauriu-se,
há mais de 4 meses, ainda em Outubro do Ano Passado.

Com isso, faltaram R$ 13 Bilhões do montante de recursos
que deveriam ser destinados ao BNDES Crédito Rural,
para atender à demanda do Plano Safra 2022/2023.

Mesmo assim, “em 26 de janeiro de 2023 o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) [Governo LULA 2023] anunciou a reabertura de protocolos e contratações de novas operações de crédito no âmbito dos Programas Agropecuários do Governo Federal (PAGF).

Após suspensão de protocolos no segundo semestre de 2022 [SIC], em razão do
nível de comprometimento de recursos, a reabertura em 1° de fevereiro previu
mais R$ 2,9 bilhões [!!!] em apoio tanto à agricultura familiar (R$ 491 milhões),
quanto à empresarial rural [Agronegócio] (R$ 2,4 bilhões) [!!!], para custeio e
investimento em suas mais diversas finalidades, tais como projetos de ampliação
e modernização da produção, aquisição de máquinas e equipamentos,
sustentabilidade, armazenagem, inovação e modernização de cooperativas.”
[…]
“Programas que tiveram protocolos reabertos pelo BNDES no Governo LULA:

a) Programa Crédito Agropecuário Empresarial de Custeio;
b) Programa Crédito Agropecuário Empresarial de Investimento;
c) Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF
d) Custeio, no tocante à linha de crédito com taxa de juros prefixada de até 6% a.a. (seis por cento ao ano) – PRONAF Custeio Faixa II;
e) Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar – PRONAF Investimento;
f) Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural – PRONAMP Custeio e Investimento;
g) Programa para a Adaptação à Mudança do Clima e Baixa Emissão de Carbono na Agropecuária – Programa ABC
h) Programa para Construção e Ampliação de Armazéns – PCA;
i) Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária – INOVAGRO;
j) Programa de Financiamento à Agricultura Irrigada e ao Cultivo Protegido – PROIRRIGA;
l) Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras – MODERFROTA;
k) Programa de Desenvolvimento Cooperativo para Agregação de Valor à Produção Agropecuária – PRODECOOP; e
l) Programa de Capitalização de Cooperativas Agropecuárias – PROCAP-AGRO Giro.” (*)

Obviamente, os recursos adicionais aportados (R$ 2,9 Bilhões), até agora,
foram insuficientes para atender a tantos Programas que ficaram suspensos
por Guedes/Bolsonaro desde 4 meses atrás.

*(https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/imprensa/noticias/conteudo/bndes-anuncia-mais-rs-2,9-milhoes-em-programas-agropecuarios-para-safra-2022-23)

.

Deixe seu comentário

Leia também